Agronegócios

Mato Grosso precisa ampliar produção de florestas em 500 mil ha

As espécies florestais mais plantadas no estado são o eucalipto com 187 mil hectares e a Teca, com 89,6 mil hectares.

Florestas | 26 de Setembro de 2018 as 21h 17min
Fonte: Pauta Pronta Conteúdo

“Cada indústria produtora de etanol consome em média de 15 a 20 mil hectares (ha) de floresta, ou seja, para cinco novas plantas serão 100 mil ha, o que equivale a 500 mil ha apenas para atender a demanda da indústria de etanol de milho”, afirmou o presidente da Associação de Reflorestadores de Mato Grosso (Arefloresta), Glauber Silveira, durante o 2º Workshop Florestar 2018 – tecnologias e manejo de florestas plantadas, nesta sexta-feira (21), no auditório do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar MT).

As espécies florestais mais plantadas no estado são o eucalipto com 187 mil hectares e a Teca, com 89,6 mil hectares. De acordo com Glauber, até bem pouco tempo, ninguém queria madeira nem de graça, mas o cenário mudou. “Com a expansão da produção do etanol de milho, começamos a ter mercado com uma rentabilidade que pode ser equivalente a 23 sacas de soja por hectare ano”.

Fausto Takizawa, secretário-geral da Arefloresta, explica que a meta do Programa Produzir, Conservar e Incluir (PCI) até 2030 é atingir 800 mil ha plantados. Para isso, será necessário o plantio de 41 mil hectares de floresta por ano. No entanto, a média dos últimos 10 anos foi de 14 a 16 mil ha por ano. “Para atingir esta meta será preciso R$313 milhões de reais em investimentos”.

Outro entrave, segundo ele, é que a floresta está distante da indústria do etanol. “A maior concentração da produção de Eucalipto está na região de Rondonópolis, mas a maior mercado consumidor está no circuito Lucas do Rio Verde, Sorriso e Sinop. Será preciso rever a região de ampliação do cultivo”. Fausto também abordou o receio dos produtores quando a concorrência da biomassa de origem não sustentável, o fato da plantação ser uma atividade secundária e a experiência negativa de alguns produtores. “Sabemos que há comprador e produtor e o Brasil detém a tecnologia, mas ingressar neste mercado exigirá competência e muito conhecimento”, esclarece.

O secretário adjunto de políticas agrícolas do Ministério da Agricultura (Mapa), Sávio Pereira, revela que no Canadá, que é um grande produtor florestal, as florestas levam quase um século para sua colheita, enquanto em Mato Grosso o resultado da Teca vem em 20 a 25 anos. “Nosso estado tem as condições ideais de clima, luminosidade e solo ideais”. Quando se trata do Eucalipto, em 5,5 anos, com adubação e manejo, é possível colher 400 a 420 metros de madeira, um resultado bem acima da média.

Ganha Ganha

A FS Bioenergia é uma das indústrias de etanol em fase de expansão em Mato Grosso. A empresa está duplicando a planta de Lucas do Rio Verde e iniciando a instalação de uma planta em Sorriso. Até o início do próximo ano, a indústria vai consumir 2 mil ha ano, ampliando para 5 mil ha a partir de 2023. De acordo com o gerente de Biomassa da empresa, Leonardo Bastos Pacheco, a capacidade da região do médio norte atende a demanda, mas com a vinda das novas indústrias de etanol de milho, haverá um déficit grande em pouco tempo.

Para garantir o produto pelos próximos anos, a empresa criou o projeto de fomento florestal com uma remuneração contratual fixa junto ao produtor. “Nós fazemos o contrato, fornecemos a linha de crédito e a assistência técnica, tornando o produtor um parceiro da empresa. Criamos um cluster da agroindústria entre produtor, empresa e agente financeiro, assegurando todas as partes”, pontua.

COMENTARIOS

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

TEMPO AGORA

Hoje, Sexta Feira

Lucas do Rio Verde, MT

º

COTAÇÃO