Acolha a Vida

"Acolha a Vida": ministério destaca papel das novas tecnologias no combate ao suicídio e automutilação

Informações coletadas pelo governo vão contribuir para a promoção de políticas públicas no contexto da campanha

Fonte: Min. Mulher, Família Direitos Humanos
22 de Abril de 2019 as 19h 39min

Com a proposta de entender os processos que envolvem o uso das redes sociais e jogos eletrônicos nos casos de suicídio e automutilação, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) ouviu especialistas no tema. As informações, divulgadas nesta segunda-feira (22), visam contribuir para a promoção de políticas públicas no contexto da campanha “Acolha a Vida”.  “Precisamos entender essa explosão de casos de suicídio e automutilação. Nossas crianças, nossos jovens, estão em profunda dor. Por isso a importância de tirar este estigma de que quem está se cortando, impondo sofrimentos ao próprio corpo, está querendo apenas aparecer”, afirma a ministra Damares Alves.

No que diz respeito às novas tecnologias, a titular do MMFDH é enfática. “Redes sociais e jogos eletrônicos, quando não usados de forma adequada e consciente, podem tomar o lugar do diálogo, da família, do abraço, do olho no olho”, alerta.

Psicologia
Com atuação em um centro clínico de Brasília/DF, a psicóloga Priscila Moraes Henrique explica que as redes sociais e os jogos eletrônicos podem influenciar comportamentos que levem à automutilação e até ao suicídio. Mas, segundo ela, é preciso, antes de tudo, verificar o contexto em que o indivíduo está inserido e quais as questões emocionais e psicológicas que a pessoa tem vivido.

“A partir disso é possível compreender a relação dos itens com os comportamentos dessa pessoa. Por exemplo, o mundo virtual, na maioria das vezes, apresenta uma realidade distorcida ou, pelo menos, muito diferente da vida real da grande maioria das pessoas, e isso pode gerar cada vez mais pessoas angustiadas por não conseguirem viver a vida que lhes é apresentada do outro lado da tela”, afirma.

A especialista acrescenta que a internet, no geral, traz certa ambiguidade, uma vez que apresenta sites ou redes sociais que combatem o suicídio e outras que incentivam a prática. “Diante disso, é importante um olhar atento de profissionais, pais, cuidadores, da sociedade em um todo, para combater de forma efetiva os meios que propagam a prática desses comportamentos”, completa.

Jogos
A psicóloga destaca que os jogos eletrônicos, muito mais que as redes sociais, apresentam uma realidade deturpada e superficial, porém com possibilidade de "interação" maior, uma vez que o jogador precisa demonstrar certas habilidades para ganhar o jogo, entre outros quesitos.

“Dependendo da idade da pessoa – geralmente são crianças e adolescentes, ou seja, pessoas que ainda estão em processo de formação da personalidade, do intelecto, de compreensão da própria vida – esses jogos podem incentivar comportamentos inadequados, inapropriados e até perigosos”, observa.

Priscila Henrique aponta que os jogos podem ainda fomentar a ideia de que o indivíduo tem que ganhar sempre e quando ele perde, ele tem a chance de tentar de novo, de onde parou, do mesmo jeito, pelo mesmo caminho, sem um esforço real, uma vez que é um jogo.

“Porém, os contextos da vida são diferentes, o que pode gerar sentimentos de incapacidade diante das frustrações, pois nem sempre é possível ‘ganhar’ e é necessário ao ser humano aprender a lidar com as perdas para o bom desenvolvimento. Lembrando sempre que o contexto em que o indivíduo vive é também significativo para essas ações”, ressalta.

Propostas
Entre as soluções para reverter os quadros de desilusões estimulados pelas novas tecnologias, a psicóloga Priscila Henrique aconselha os pais e responsáveis.

“Partindo do pressuposto que os pais ou responsáveis não sejam, também eles, dependentes desse mundo virtual, o ponto de partida pode ser um diálogo aberto com os filhos, mostrando de forma cautelosa e inteligente como funcionam as redes sociais, a internet em um todo e os jogos eletrônicos. Quais os riscos, quais os benefícios possíveis e quais os malefícios que a relação exagerada com esses itens pode trazer”.

Segundo ela, outra ação é participar ativamente da vida dos filhos, saber o que eles estão assistindo, quais jogos estão utilizando, com quem estão conversando.

“Ser sempre presente, afetuoso, ter tempo de qualidade com os filhos. Somente assim é possível conhecer de fato a criança e o adolescente. Desta forma, caso eles apresentem algum comportamento considerado estranho, os pais ou responsáveis terão mais chances de identificar e intervir, caso necessário”, conclui.

Escolas
Atualmente atuando em Florianópolis/SC, o psicopedagogo Pedro Lucas Lopes de Lima afirma que os jogos, sozinhos, não influenciam nos casos de suicídio. Segundo o profissional com experiências em instituições diversas, principalmente de Ensino Médio, os sentimentos de autodestruição podem ser ocasionados por um conjunto de fatores.

“O que influencia, o que aumenta a propensão ao suicídio, são os vínculos familiares desorganizados ou construídos a partir de opressão, a partir da relação onde o adolescente não tem espaço de fala, não tem escolha”, exemplifica.

Sobre prevenir tentativas de suicídio e automutilação, o profissional da área da Psicopedagogia reafirma a importância das relações pautadas no diálogo, respeito e liberdade. “Primeiro ponto que os pais podem fazer para reverter o quadro é começar a conversar com os filhos e dar espaço para eles, começar a perguntar para os filhos o que eles gostam, o que eles querem. Começar a valorizar as suas escolhas, os seus entendimentos de mundo, os seus gostos, os seus hobbies”, aconselha.

De acordo com o psicopedagogo, desta forma os pais conseguem construir um espaço de confiança, um espaço de troca, onde o adolescente vai compartilhar cada vez mais as experiências, sejam elas negativas ou positivas.

Campanha
O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos lançou a campanha “Acolha a Vida” no último dia 12. A iniciativa visa prevenir suicídios e automutilação em todas as faixas etárias, especialmente crianças, adolescentes e jovens.

A ação conta com a consultoria do psicólogo especialista em Prevenção do Suicídio e doutorando da Universidade de Brasília (UnB), Carlos Aragão, e do psiquiatra da Infância e da Adolescência do Hospital Universitário de Brasília (HUB), André Salles.


COMENTARIOS

Mais de Brasil

Saúde

Ministério da Saúde registra 570 novos casos de sarampo no Brasil

Nos últimos 90 dias, o Brasil registrou 3.909 casos confirmados de sarampo em todo o território nacional

19 de Setembro de 2019 as 18h58

Geral

Trecho morto do Tietê aumenta 33% e está com 163 quilômetros

Água é imprópria para uso nessa extensão, diz SOS Mata Atlântica

19 de Setembro de 2019 as 18h53

Educação

Parceria com Suécia estimula participação de meninas na área de exatas

Festival Tekla trouxe workshop de robótica para Brasília

18 de Setembro de 2019 as 15h10

Política

CCJ da Câmara aprova condução coercitiva de intimados por CPI

O intuito é evitar os pedidos de habeas corpus ao Supremo Tribunal Federal (STF) para o não comparecimento às CPIs

18 de Setembro de 2019 as 15h04

Geral

Proteção de dados pessoais precisa ser ampliada, defende pesquisadora

As ideias de privacidade e proteção de dados foram historicamente construídas com foco no indivíduo e no direito de determinar como suas informações serão disponibilizadas.

18 de Setembro de 2019 as 14h55

Geral

Investigações do caso Marielle levarão a novas prisões, diz delegado

O diretor do Departamento de Homicídios da Polícia Civil do Rio de Janeiro, delegado Antônio Ricardo Nunes, disse hoje (18) que as investigações do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes continuam.

18 de Setembro de 2019 as 14h50

Política

Projeto que amplia posse de arma no campo é sancionado

Outros três projetos de lei foram sancionados hoje

17 de Setembro de 2019 as 15h26

Geral

Desmatamento na Amazônia é comandado por redes criminosas, diz ONG

De acordo com o pesquisador da ONG César Muñoz, as organizações que atuam em diversas atividades ilegais mantêm conexões, formando redes criminosas.

17 de Setembro de 2019 as 15h20

Educação

Prorrogado até as 23h59 de hoje prazo para escolha do livro didático

O prazo para escolher os livros didáticos que serão utilizados pelos estudantes do 6º ao 9º ano do ensino fundamenta

17 de Setembro de 2019 as 15h17

Internacional

Argentina mantém preço da gasolina congelado até novembro

Após ataques aéreos à refinaria de Abqaiq, na Arábia Saudita, os preços internacionais do petróleo dispararam.

17 de Setembro de 2019 as 15h13

Educação

Portal do MEC tira dúvidas sobre carteira de estudante digital

O Ministério da Educação (MEC) lançou hoje (16) o portal da ID Estudantil

16 de Setembro de 2019 as 14h29

Geral

Quatro morrem e três ficam feridos durante operação policial no Rio

Quatro homens morreram durante operação policial na comunidade do Jacarezinho, na zona norte da cidade do Rio de Janeiro, na manhã de hoje (16).

16 de Setembro de 2019 as 14h26

Geral

Sobe para 12 número de mortos em incêndio do hospital Badim

Subiu para 12 o número de mortos em decorrência do incêndio que atingiu o Hospital Badim na última quinta-feira (12).

16 de Setembro de 2019 as 14h22

Geral

Incêndios atingem mais de 6 mil hectares na Chapada dos Guimarães

A estimativa foi feita com base nos focos de calor. O parque segue fechado para visitação por período indeterminado.

14 de Setembro de 2019 as 16h36

Saúde

Campanha Setembro Laranja alerta para a obesidade infantil

A Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP) promove, neste mês, a campanha Setembro Laranja, de combate à obesidade infantil.

14 de Setembro de 2019 as 16h33

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Enquete

Quem é o maior responsável pelas queimadas em Mato Grosso?

A população

As autoridades públicas

Os órgãos ambientais

O clima

Parcial
veja +

COTAÇÃO