Acolha a Vida

"Acolha a Vida": ministério destaca papel das novas tecnologias no combate ao suicídio e automutilação

Informações coletadas pelo governo vão contribuir para a promoção de políticas públicas no contexto da campanha

22 de Abril de 2019 as 19h 39min

Com a proposta de entender os processos que envolvem o uso das redes sociais e jogos eletrônicos nos casos de suicídio e automutilação, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) ouviu especialistas no tema. As informações, divulgadas nesta segunda-feira (22), visam contribuir para a promoção de políticas públicas no contexto da campanha “Acolha a Vida”.  “Precisamos entender essa explosão de casos de suicídio e automutilação. Nossas crianças, nossos jovens, estão em profunda dor. Por isso a importância de tirar este estigma de que quem está se cortando, impondo sofrimentos ao próprio corpo, está querendo apenas aparecer”, afirma a ministra Damares Alves.

No que diz respeito às novas tecnologias, a titular do MMFDH é enfática. “Redes sociais e jogos eletrônicos, quando não usados de forma adequada e consciente, podem tomar o lugar do diálogo, da família, do abraço, do olho no olho”, alerta.

Psicologia
Com atuação em um centro clínico de Brasília/DF, a psicóloga Priscila Moraes Henrique explica que as redes sociais e os jogos eletrônicos podem influenciar comportamentos que levem à automutilação e até ao suicídio. Mas, segundo ela, é preciso, antes de tudo, verificar o contexto em que o indivíduo está inserido e quais as questões emocionais e psicológicas que a pessoa tem vivido.

“A partir disso é possível compreender a relação dos itens com os comportamentos dessa pessoa. Por exemplo, o mundo virtual, na maioria das vezes, apresenta uma realidade distorcida ou, pelo menos, muito diferente da vida real da grande maioria das pessoas, e isso pode gerar cada vez mais pessoas angustiadas por não conseguirem viver a vida que lhes é apresentada do outro lado da tela”, afirma.

A especialista acrescenta que a internet, no geral, traz certa ambiguidade, uma vez que apresenta sites ou redes sociais que combatem o suicídio e outras que incentivam a prática. “Diante disso, é importante um olhar atento de profissionais, pais, cuidadores, da sociedade em um todo, para combater de forma efetiva os meios que propagam a prática desses comportamentos”, completa.

Jogos
A psicóloga destaca que os jogos eletrônicos, muito mais que as redes sociais, apresentam uma realidade deturpada e superficial, porém com possibilidade de "interação" maior, uma vez que o jogador precisa demonstrar certas habilidades para ganhar o jogo, entre outros quesitos.

“Dependendo da idade da pessoa – geralmente são crianças e adolescentes, ou seja, pessoas que ainda estão em processo de formação da personalidade, do intelecto, de compreensão da própria vida – esses jogos podem incentivar comportamentos inadequados, inapropriados e até perigosos”, observa.

Priscila Henrique aponta que os jogos podem ainda fomentar a ideia de que o indivíduo tem que ganhar sempre e quando ele perde, ele tem a chance de tentar de novo, de onde parou, do mesmo jeito, pelo mesmo caminho, sem um esforço real, uma vez que é um jogo.

“Porém, os contextos da vida são diferentes, o que pode gerar sentimentos de incapacidade diante das frustrações, pois nem sempre é possível ‘ganhar’ e é necessário ao ser humano aprender a lidar com as perdas para o bom desenvolvimento. Lembrando sempre que o contexto em que o indivíduo vive é também significativo para essas ações”, ressalta.

Propostas
Entre as soluções para reverter os quadros de desilusões estimulados pelas novas tecnologias, a psicóloga Priscila Henrique aconselha os pais e responsáveis.

“Partindo do pressuposto que os pais ou responsáveis não sejam, também eles, dependentes desse mundo virtual, o ponto de partida pode ser um diálogo aberto com os filhos, mostrando de forma cautelosa e inteligente como funcionam as redes sociais, a internet em um todo e os jogos eletrônicos. Quais os riscos, quais os benefícios possíveis e quais os malefícios que a relação exagerada com esses itens pode trazer”.

Segundo ela, outra ação é participar ativamente da vida dos filhos, saber o que eles estão assistindo, quais jogos estão utilizando, com quem estão conversando.

“Ser sempre presente, afetuoso, ter tempo de qualidade com os filhos. Somente assim é possível conhecer de fato a criança e o adolescente. Desta forma, caso eles apresentem algum comportamento considerado estranho, os pais ou responsáveis terão mais chances de identificar e intervir, caso necessário”, conclui.

Escolas
Atualmente atuando em Florianópolis/SC, o psicopedagogo Pedro Lucas Lopes de Lima afirma que os jogos, sozinhos, não influenciam nos casos de suicídio. Segundo o profissional com experiências em instituições diversas, principalmente de Ensino Médio, os sentimentos de autodestruição podem ser ocasionados por um conjunto de fatores.

“O que influencia, o que aumenta a propensão ao suicídio, são os vínculos familiares desorganizados ou construídos a partir de opressão, a partir da relação onde o adolescente não tem espaço de fala, não tem escolha”, exemplifica.

Sobre prevenir tentativas de suicídio e automutilação, o profissional da área da Psicopedagogia reafirma a importância das relações pautadas no diálogo, respeito e liberdade. “Primeiro ponto que os pais podem fazer para reverter o quadro é começar a conversar com os filhos e dar espaço para eles, começar a perguntar para os filhos o que eles gostam, o que eles querem. Começar a valorizar as suas escolhas, os seus entendimentos de mundo, os seus gostos, os seus hobbies”, aconselha.

De acordo com o psicopedagogo, desta forma os pais conseguem construir um espaço de confiança, um espaço de troca, onde o adolescente vai compartilhar cada vez mais as experiências, sejam elas negativas ou positivas.

Campanha
O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos lançou a campanha “Acolha a Vida” no último dia 12. A iniciativa visa prevenir suicídios e automutilação em todas as faixas etárias, especialmente crianças, adolescentes e jovens.

A ação conta com a consultoria do psicólogo especialista em Prevenção do Suicídio e doutorando da Universidade de Brasília (UnB), Carlos Aragão, e do psiquiatra da Infância e da Adolescência do Hospital Universitário de Brasília (HUB), André Salles.


Fonte: Min. Mulher, Família Direitos Humanos

COMENTARIOS

Mais de Brasil

Acordo Internacional

Acordo com a União Europeia é o primeiro passo da abertura do Mercosul para o mundo

À frente da presidência do bloco, Jair Bolsonaro disse que o Brasil agirá para acelerar a modernização do Mercosul

17 de Julho de 2019 as 23h11

Educação Superior

MEC lança Programa Future-se para fortalecer autonomia financeira das universidades

Ideia é promover maior autonomia financeira a universidades e institutos federais. A adesão ao Future-se será voluntária

17 de Julho de 2019 as 23h02

Educação Superior

Ministro da Educação nega plano de cobrar mensalidade nas universidades federais

Abraham Weintraub afirmou, em evento em Florianópolis (SC), que vai apresentar na quarta (17) medidas de ‘eficiência’ para as universidades.

15 de Julho de 2019 as 22h35

Após Ser Empurrado

Após ser empurrado de altar, Padre Marcelo Rossi diz que registrou ''BO'': ''Bíblia e oração''

Religioso foi empurrado de altar por mulher durante missa em Cachoeira Paulista (SP). Padre não quis prestar queixa contra a agressora na Polícia Civil, mas caso foi registrado pela Canção Nova, que organizava o evento.

15 de Julho de 2019 as 22h25

Alertas Desastres

Defesa Civil Nacional reforça importância do cadastro para alertas de desastres naturais

Medida é simples e pode salvar milhares de vidas em todo o País. Hoje, serviço alcança 7,6 milhões de brasileiros

15 de Julho de 2019 as 22h01

Fiscalização

Governo vai instalar mil radares em rodovias federais

Anúncio foi feito pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas.

15 de Julho de 2019 as 21h55

Financiamento Estudantil

Começa a pré-seleção de candidatos para lista de espera do Fies

O fundo é voltado para estudantes com renda familiar mensal bruta por pessoa de até três salários mínimos

15 de Julho de 2019 as 21h49

Declaração

Presidente celebra fim de taxa para radioamadores

A taxa administrativa de R$ 200 cobradas dos radioamadores será extinta a partir de outubro.

14 de Julho de 2019 as 23h56

Alerta

Rompimentos na Bahia aumentam preocupação com segurança de barragens

Agência estima que há no Brasil mais de 24 mil barragens de todos os tipos. Leis que regulam o setor são rígidas, mas fiscalização ainda não é eficiente, diz especialista.

14 de Julho de 2019 as 23h37

Após Fim Do Programa

Pedidos de refúgio de cubanos quase triplicam após saída do Mais Médicos

Entre novembro de 2018 – mês do fim do convênio com Cuba – e abril de 2019, conselho recebeu 12,6 solicitações por dia. Um ano antes, nesse período, média era de 4,8.

14 de Julho de 2019 as 22h34

Loterias

Mega-Sena, concurso 2.169: ninguém acerta e prêmio acumula em R$ 16 milhões

Veja as dezenas sorteadas: 07 - 34 - 45 - 51 - 54 - 59. Quina teve 18 acertadores; cada um ganhará R$ 77.574.

13 de Julho de 2019 as 21h44

Educação

Garantia à educação de crianças e adolescentes ainda não é integral

Investir em educação é uma estratégia eficaz para a proteção da vida e para a prevenção da violência.

13 de Julho de 2019 as 21h20

Defesa Civil

Defesa Civil: não há risco de novo rompimento de barragem na BA

Na última quinta-feira (11), barragem Quati rompeu em Pedro Alexandre

13 de Julho de 2019 as 21h16

Programa Criança Feliz

Programa pode incluir mais 420 mil crianças em situação de vulnerabilidade social

Criança Feliz completou mil dias em julho com atendimento a mais de 678 mil crianças e gestantes.

13 de Julho de 2019 as 20h58

Infraestrutura

Obras do Ramal do Agreste receberão mais de R$ 75 milhões

A obra levará água a mais de 2 milhões de pessoas em 68 cidades no interior de Pernambuco

13 de Julho de 2019 as 20h55

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Enquete

veja +

COTAÇÃO