Famílias pobres brasileiras levariam 9 gerações para alcançar renda média, diz OCDE

O país ocupa segunda pior posição em um estudo sobre mobilidade social feito pela instituição com dados de 30 países e divulgado nesta sexta-feira.

15/06/2018 - 22:15:49

   

Desigualdade social e de renda é definidora do acesso às oportunidades que podem fazer com que alguém consiga ascender socialmente, diz estudo (Foto: Getty Images)

A chance de uma criança de baixa renda de ter um futuro melhor que a realidade em que nasceu está, em maior ou menor grau, relacionada à escolaridade e ao nível de renda de seus pais. Nos países ricos, o "elevador social" anda mais rápido. Nos emergentes, mais devagar - no Brasil, ainda mais lentamente.

O país ocupa a segunda pior posição em um estudo sobre mobilidade social feito pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) com dados de 30 países e divulgado nesta sexta-feira.

De acordo com o estudo O elevador social está quebrado? Como promover mobilidade social, seriam necessárias nove gerações para que os descendentes de um brasileiro entre os 10% mais pobres atingissem o nível médio de rendimento do país. A estimativa é a mesma para a África do Sul e só perde para a Colômbia, onde o período de ascensão levaria 11 gerações.

O indicador da OCDE foi construído levando em consideração a "elasticidade intergeracional de renda". Ou seja, quanto o nível de rendimento dos filhos é determinado pelo dos pais. A instituição ressalta no estudo que a simulação tem finalidade ilustrativa - para dar dimensão da dificuldade de ascensão social - e que não deve ser interpretada como o tempo preciso para que um domicílio de baixa renda atinja a renda média.

Na média entre os países membros da OCDE, a chamada "persistência" da renda intergeracional é de 40%. Isso significa que, se uma família tem rendimento duas vezes maior o que de outra, o filho terá, em média, renda 40% mais alta que a da criança que veio da família de menor renda.

Nos países nórdicos, a persistência é de 20%. No Brasil, de 70%, conforme a pesquisa.

Mais de um terço daqueles que nascem entre os 20% mais pobres no Brasil permanece na base da pirâmide, enquanto apenas 7% consegue chegar aos 20% mais ricos. Na média da OCDE, 31% dos filhos que crescem entre 20% mais pobres permanecem nesse grupo e 17% ascendem ao topo da pirâmide.

Pai pobre, filho pobre

Isso é o que o estudo chama de "chão pegajoso" (sticky floor): a dificuldade das famílias de baixa renda de sair da pobreza.

Filhos de pais na base da pirâmide têm dificuldade de acesso à saúde e maior probabilidade de frequentar uma escola com ensino de baixa qualidade.

A educação precária, em geral, limita as opções para esses jovens no mercado de trabalho. Sobram-lhes empregos de baixa remuneração, em que a possibilidade de crescimento salarial para quem tem pouca qualificação é pequena - e a chance de perpetuação do ciclo de pobreza, grande.

Nesse sentido, a desigualdade social e de renda, destaca o levantamento, é definidora do acesso às oportunidades que podem fazer com que alguém consiga ascender socialmente.

"Além do chão pegajoso, países como o Brasil têm também tetos pegajosos (sticky ceilings)", acrescenta Stefano Scarpetta, diretor de emprego, trabalho e assuntos sociais da OCDE, referindo-se às famílias de alta renda.

O nível elevado de desigualdade também se manifesta sobre a mobilidade no topo da pirâmide. Aqui, é pequena a probabilidade de que as crianças mais abastadas eventualmente se tornem adultos de classes sociais mais baixas que a dos pais.

Scarpetta pondera que, ao contrário da tendência global de aumento da desigualdade, o Brasil conseguiu reduzir suas disparidades na última década, até o início da recessão. O país fez pouco, entretanto, para corrigir os problemas estruturais que mantêm em movimento o ciclo da pobreza - a qualidade precária da educação e da saúde e a falta de treinamento para os milhões de trabalhadores de baixa qualificação.

"O Brasil fez um bom trabalho tirando milhões de famílias da extrema pobreza, com o Bolsa Família, por exemplo. Falta agora fazer a 'segunda geração' de políticas", disse o economista à BBC News Brasil.

A classe média

Quando se analisa a mobilidade apenas do indivíduo, e não de uma geração a outra, o estudo da OCDE verifica que, de forma geral, a classe média é o estamento com maior flexibilidade - para cima e para baixo.

No Brasil, a mobilidade da base da pirâmide para a classe média é maior do que em vários emergentes. Essa ascensão, contudo, é frágil.

A estrutura do mercado de trabalho, com uma participação elevada do emprego informal, intensifica os efeitos negativos das crises sobre a população mais vulnerável. Como aconteceu com parte da "nova classe média" durante a última recessão, o desemprego pode ser um caminho de retorno à pobreza.

Mobilidade social e crescimento econômico

O nível baixo de mobilidade social tem implicações negativas sobre o crescimento da economia como um todo, diz o estudo da OCDE. Talentos em potencial podem ser perdidos ou subaproveitados, com menos iniciativas na área de negócios e menos investimentos.

"Isso debilita a produtividade e crescimento econômico potencial em nível nacional", ressalta o texto.

Um elevador social "quebrado" também se manifesta sobre o bem-estar social.

A percepção de que a oportunidade de ascensão depende de fatores que estão fora do alcance - como a renda dos pais ou o acesso a educação - gera desesperança e sentimento de exclusão. Isso aumenta a probabilidade de conflitos sociais, diz a pesquisa.

Tendência global

O problema não é exclusivo dos países emergentes. Mesmo países ricos, com desempenho expressivamente superiores ao do Brasil nos indicadores de educação - França, Alemanha - estão acima da média da OCDE entre as estimativas do número de gerações necessário para que os 10% mais pobres atinjam a renda média.

"Por mais que esses países tenham bom desempenho no PISA (avaliação global do desempenho escolar), esses índices são uma média. Países como a França, por exemplo, são bastante heterogêneos", ressalta Scarpetta.

MT Agora - G1

Mais Noticias

Loteria

Mega-Sena, concurso 2.059: ninguém acerta as seis dezenas e prêmio vai a R$ 56 milhões

Financiamento Estudantil

Inscrições para o Fies começam em 16 de julho; confira os prazos

Programas Sociais

Recadastramento dos operadores do Cadastro Único vai até sexta-feira (6)

Prouni 2018

Prouni 2018: resultado da primeira chamada do 2º semestre é divulgado

23/06/2018 -

Sisu: aprovados do 2º semestre de 2018 já podem se matricular

A partir desta sexta, os estudantes que não foram aprovados na chamada regular podem entrar na lista de espera.

19/06/2018 -

Caminhoneiros ameaçam paralisar as atividades a partir de quinta-feira

Há três propostas na mesa e o ponto em questão é crucial para um novo movimento grevista.

09/04/2018 -

Brasil terá centro de pesquisa de transporte de alta velocidade

A proposta é desenvolver um sistema de transporte por tubos de altíssima velocidade, capaz de atingir 1,2 mil quilômetros por hora.

09/04/2018 -

Sobe para oito o número de mortes por H1N1 em Goiás, diz SES

Ministro da Saúde, Gilberto Occhi, prometeu que as vacinas contra o vírus chegam a Goiás na próxima quarta-feira

09/04/2018 -

DNA confirma que corpos encontrados carbonizados são de Miss Altônia e de empresário, diz polícia

Bruna Zucco e Valdir Brito Feitosa estavam desaparecidos desde 22 de março. Na mesma data, polícia encontrou dois corpos em picape na área rural de Altônia, no noroeste do estado.

08/03/2018 -

Novo modelo de placas de veículos começa a valer em 1º de setembro

Até o final de 2023, toda a frota de veículos nacionais deverá estar circulando com a nova placa de identificação

05/02/2018 -

Tirar RG e passaporte em cartório será possível ainda em 2018

Associação estima que sistema começará a funcionar daqui a três meses; Brasília deve ser primeira cidade a receber o serviço. Promessa é de que o valor seja 'igual ou menor' ao cobrado pelos órgãos públicos.

15/01/2018 -

Versão digital da CNH começa a valer a partir de fevereiro deste ano

A CNH continuará sendo impressa e usada normalmente. A emissão da versão digital não será automática e poderá ser requisitada apenas por quem já possui o documento com o QR-Code, emitido desde maio de 2017.

30/12/2017 -

Estados e municípios terão mais autonomia sobre verba do SUS

Ministério da Saúde considera que iniciativa pode produzir eficiência, mas vai exigir balanços sobre onde e como dinheiro está sendo gasto.

17/12/2017 -

Governo reduz duração do horário de verão para 2018

No ano que vem, a medida começará a valer no primeiro domingo de novembro

08/12/2017 -

Brasil dobra número de presos em 11 anos, diz levantamento; de 726 mil detentos, 40% não foram julgados

studo divulgado pelo Ministério da Justiça é de junho de 2016. País é o terceiro do mundo em número de detentos. Estado com maior superlotação é o Amazonas (cinco presos por vaga).

20/11/2017 -

Pastor invade apartamento e tenta violentar criança no Paraná

O criminoso responderá por lesão corporal e estupro de vulnerável.

20/11/2017 -

Botijão explode e fere sete pessoas em Pernambuco; bebê teve 90% do corpo queimado

Cinco crianças e dois adultos ficaram feridos em explosão provocada por vazamento em um botijão de gás, na manhã deste sábado (18), em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife.

20/11/2017 -

Bebê de 1 ano morre após ser estuprado por vizinho em São Paulo

A babá da criança é companheira do suspeito do crime. Os dois foram presos em flagrante

20/11/2017 -

Criminosos invadem base do Samu e roubam ambulância e motos em SP

Bandidos fizeram três funcionários reféns. Dois veículos foram abandonados pelos ladrões e recuperados pela polícia.

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora