Processo Judicial

MPF considera usina de Belo Monte obra 'etnocida'

Ministério Público Federal deu entrada em ação, na Justiça de Altamira, no Pará, que pede intervenção na construção da hidrelétrica. Obra evidencia, segundo o MPF, 'destruição' de grupos indígenas.

13 de Dezembro de 2015 as 02h 23min

O Ministério Público Federal (MPF) deu início a processo judicial na Justiça Federal em Altamira sob alegação de que a implantação da usina hidrelétrica de Belo Monte, na região do Xingu, constitui uma ação “etnocida” do Estado brasileiro e da concessionária Norte Energia, “evidenciada pela destruição da organização social, costumes, línguas e tradições dos grupos indígenas impactados”. A ação etnocida, comprovada por longa investigação do MPF, se consumou com a recente permissão de operação, por conta do descumprimento deliberado e agora acumulado das obrigações de todas as licenças ambientais que a usina obteve do governo.

Por isso, a ação do MPF pede também a decretação de intervenção judicial imediata, por meio de uma comissão externa, sobre o Plano Básico Ambiental do Componente Indígena de Belo Monte, o chamado PBA-CI, ou Programa Médio Xingu, que foi aprovado pelos órgãos licenciadores mas está sendo implementado de maneira totalmente irregular pela Norte Energia. A intervenção, de acordo com a proposta do MPF, promoveria a readequação dos programas e funcionaria como uma auditoria externa independente para garantir a transição da situação atual, de ilegalidade e ação etnocida (onde deveria haver mitigação e compensação), para uma situação em que o dinheiro público que financia a obra seja efetivamente usado em benefício dos povos afetados por ela.

O Comitê Interventor, ou Comitê de Transição para o Programa Médio Xingu “deve ser custeado pela Norte Energia e composto por equipe multidisciplinar, com membros indicados pela FUNAI, pela ABA (Associação Brasileira de Antropologia), pela SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), pelo CNDH (Conselho Nacional de Direitos Humanos), por entidades indigenistas e da sociedade civil, com participação paritária de indígenas e acompanhamento do Ministério Público Federal”. Além disso, a Norte Energia terá que comprovar que tem como garantir os recursos necessários para implementar o programa durante os 35 anos do contrato de concessão de Belo Monte.

No total, a ação do MPF faz 16 pedidos liminares à Justiça para mudanças na condução de Belo Monte, incluindo estudos complementares para os novos impactos causados pelas ilegalidades do licenciamento e a obrigação de arcar com medidas de reparação por perdas sociais e culturais, assim como pelos abalos causados aos povos indígenas impactados. A Justiça pode determinar perícias antropológicas em todas etnias afetadas para determinar que tipo de reparação é necessária para cada povo.

A ação judicial foi concluída após longa investigação em que estiveram envolvidos procuradores da República e peritos do MPF em várias áreas. No total, o processo tem 50 volumes de documentos e dados que comprovam os efeitos trágicos de Belo Monte sobre os povos indígenas afetados e demonstram como, em vez de ser protegidos, eles foram violados em suas tradições culturais e enfrentam a possibilidade concreta de desaparecimento, pela forma como o licenciamento ambiental foi conduzido, mesmo que tais riscos e danos já estivessem indicados no Eia-Rima e expressamente mencionados no licenciamento.

Para o MPF, a ação etnocida suportada pelos nove povos indígenas afetados por Belo Monte foi causada de um lado pela falta de rigor do governo no licenciamento da usina: sob o manto do interesse nacional, as obrigações foram postergadas ou modificadas de acordo com a conveniência da empresa responsável pelo empreendimento, a Norte Energia S.A. Por outro lado, o próprio governo, ao deixar de cumprir as suas obrigações – como fortalecer a Funai e o Ibama e retirar invasores de terras indígenas – contribuiu diretamente para a destruição cultural das etnias.

A ação do MPF afirma ainda que a forma como até agora a Norte Energia e o governo brasileiro conduziram a implantação de Belo Monte viola frontalmente o sentido da Constituição de 1988, porque evidencia a manutenção de políticas que forçam a destruição cultural de grupos indígenas, mesmo que tais práticas já tenham sido proibidas pela legislação brasileira.

Além de todas as falhas, o MPF aponta como especialmente trágico o Plano Emergencial aplicado pela Norte Energia nas terras indígenas do médio Xingu entre 2010 e 2012, com a distribuição indiscriminada de mercadorias entre os índios, que se configurou como uma política de pacificação e silenciamento em tudo similar aos momentos de maior violência da colonização do território brasileiro. “Resta amplamente demonstrado que a usina de Belo Monte põe em curso um processo de eliminação dos modos de vida dos grupos indígenas afetados, ao não impor barreiras às transformações previstas e acelerar ainda mais a sua velocidade com ações homogenizantes e desestruturantes”, conclui a ação enviada pelo MPF à Justiça. A Norte Energia, consórcio responsável pela obra de Belo Monte, só vai se manifestar depois que for notificada.


MT Agora - IG

COMENTARIOS

Mais de Brasil

Celebração

Cerimônia para celebrar a Páscoa é realizada no Palácio do Planalto

Presidente Jair Bolsonaro celebrou com crianças de escola pública do Distrito Federal

22 de Abril de 2019 as 19h46

Minha Casa, Minha Vida

Governo Federal garante investimentos para continuidade do Minha Casa, Minha Vida

Articulação dos titulares da Casa Civil e do Ministério do Desenvolvimento Regional assegurou o montante de R$ 800 milhões para o Programa. Tema é prioridade da União

22 de Abril de 2019 as 19h44

Acolha a Vida

"Acolha a Vida": ministério destaca papel das novas tecnologias no combate ao suicídio e automutilação

Informações coletadas pelo governo vão contribuir para a promoção de políticas públicas no contexto da campanha

22 de Abril de 2019 as 19h39

Lei Rouanet

Lei Rouanet deverá ter teto de R$ 1 milhão por projeto, diz Bolsonaro

Presidente diz que pretende "alavancar" artistas menos conhecidos

18 de Abril de 2019 as 22h53

Fraude

Seguro-defeso tem fraude em 65% dos benefícios, diz Bolsonaro

Presidente cita gasto de R$ 2 bi e cofirma recadastramento

18 de Abril de 2019 as 22h51

Terrorismo

Invasão de terra tem que ser tipificada como terrorismo

Presidente defendeu que proprietários possam reagir a invasões

18 de Abril de 2019 as 22h49

Moradia

Governo Federal garante investimentos para continuidade do Minha Casa, Minha Vida

Articulação dos titulares da Casa Civil e do Ministério do Desenvolvimento Regional assegurou o montante de R$ 800 milhões para o Programa. Tema é prioridade da União

18 de Abril de 2019 as 22h46

Educação

Portaria do Enade 2019 define os cursos avaliados neste ano

O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes é usado para avaliação dos cursos de ensino superior no Brasil

18 de Abril de 2019 as 22h44

Fraude

PF faz operação contra quadrilha acusada de fraudar seguro-desemprego

A Polícia Federal afirma ter identificado 408 empresas de fachada que eram usadas para fazer o recebimento do benefício por meio de fraudes

15 de Abril de 2019 as 09h33

100 Dias

Assinados 18 atos para modernizar e desburocratizar o país

Iniciativa fez parte do evento de cumprimento das 35 metas estabelecidas para os primeiros cem dias de trabalho do Governo Federal

15 de Abril de 2019 as 09h25

Defesa

Novo caça supersônico da FAB contribui para desenvolvimento tecnológico brasileiro

Gripen F-39 está sendo desenvolvido para atuar na defesa do espaço aéreo brasileiro

11 de Abril de 2019 as 09h44

Temporal

Rio entra em estágio de crise, com risco de alagamento e deslizamento

O estágio de crise é o terceiro nível em uma escala de três e significa chuva forte a muito forte nas próximas horas, podendo causar alagamentos e deslizamentos de pedra e terra das encostas.

08 de Abril de 2019 as 22h59

Loterias

Mega-Sena acumula e prêmio estimado vai a R$ 40 milhões

O sorteio foi realizado na noite desse sábado (6) no Espaço Loterias Caixa, em São Paulo.

07 de Abril de 2019 as 15h26

Energia Elétrica

Brasil não terá horário de verão

Estudos mostram que política de economia não era mais eficiente.

07 de Abril de 2019 as 15h11

ENEM

Inep publica Edital do Enem 2019 e anuncia melhorias na segurança

Exame também contará com um novo sistema de inscrição

07 de Abril de 2019 as 15h05

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Enquete

Você concorda com a decisão do TRE que cassou o mandato da senadora Selma Arruda?

Sim

Não

Parcial
veja +

COTAÇÃO