Por 6 votos a 4, STF condena Dirceu, Genoino e Delúbio por quadrilha

23/10/2012 - 08:40:11

   

Por seis votos a quatro, o Supremo Tribunal Federal (STF) condenou nesta segunda-feira (22) por crime de formação de quadrilha cometido durante o episódio do mensalão o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-presidente do PT José Genoino, o ex-tesoureiro do partidoDelúbio Soares, Marcos Valério e outros seis acusados. Os quatro já tinham sido condenados  anteriormente no mesmo julgamento por corrupção ativa.

Com a decisão, o Supremo concluiu a análise do último item a ser julgado. Nesta terça (23), a corte começará a definir questões pendentes, como o que fazer nos casos de empate, e a fixar o tamanho das penas para os condenados.

Dos 37 réus, 25 foram condenados por diferentes crimes, nove foram absolvidos e três estão com a situação indefinida - veja como votaram os ministros sobre cada réu.

Foram condenados ainda nesta segunda por formação de quadrilha os sócios de Valério Cristiano Paz e Ramon Hollerbach, o advogado de Marcos Valério Rogério Tolentino e a ex-diretora das agências Simone Vasconcelos.

Dois ex-dirigentes da cúpula do Banco Rural foram considerados culpados pela corte do crime de quadrilha, a ex-presidente do banco e atual acionista Kátia Rabello e o ex-vice-presidenteJosé Roberto Salgado.

Houve empate em relação ao atual vice-presidente do Banco Rural Vinicius Samarane. Foram cinco votos pela absolvição e cinco votos pela condenação.

 Com esse, são sete os casos de empates no julgamento. O presidente do STF, ministro Carlos Ayres Britto, que, pelo regimento do Supremo, pode votar para desempatar, disse nesta segunda crer que o empate deve favorecer os réus.

As acusadas Ayanna Tenório, ex-dirigente do Banco Rural, e Geiza Dias foram absolvidas de formação de quadrilha pelo plenário do Supremo.

A denúncia do Ministério Público aponta uma quadrilha formada por 13 réus com o objetivo de comandar e operar o esquema voltado para a compra de apoio político no Congresso durante o início do governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

Integrariam o grupo réus dos três núcleos: 1) político: o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu, o ex-presidente do PT José Genoino e o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares; 2) publicitário, Marcos Valério, seus dois sócios Ramon Hollerbache Cristiano Paz, seu advogadoRogério Tolentinoe as funcionárias Simone Vasconcelos e Geiza Dias; 3) financeiro, a dona do Banco Rural, Kátia Rabello, os ex-dirigentes José Roberto Salgado, Vinícius Samarane e Ayanna Tenório.

Argumentos pró-condenação
Dos dez ministros, seis entenderam que houve a formação de uma quadrilha para cometer crimes: o relator Joaquim Barbosa, Luiz Fux, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello, Celso de Mello e Ayres Britto.

Ao condenar os 11 réus, Carlos Ayres Britto argumentou que a formação de quadrilha por parte dos acusados ameaçou a paz pública, na medida em que houve uma quebra de confiança da sociedade no Estado.

“O povo nutre a confiança no seu Estado. O trem da ordem jurídica não pode descarrilar, não pode ficar sob ameaça de descarrilamento”, disse.

Ministro com mais tempo de corte, Celso de Mello afirmou que houve um "grave atentado" ao sistema democrático brasileiro. Segundo ele, foi "um dos episódios mais vergonhosos da história política deste país".

"Os fins não justificam a adoação de quaisquer meios, principalmente quando tais meios se referem de forma ofensiva à Constituição e às leis da República", afirmou Celso de Mello.

O ministro Marco Aurélio Mello destacou que houve uma quadrilha "das mais complexas" no caso do mensalão. “No caso, houve a formação de uma quadrilha das mais complexas, envolvendo na situação concreta o núcleo dito político, o núcleo financeiro e o núcleo operacional. Mostram-se os integrantes em número de 13. É sintomático o número. Mostraram-se os integrantes afinados”, afirmou Mello.13 é o número que o PT utiliza para campanhas eleitorais.

Gilmar Mendes argumentou que "entrelaçaram-se interesses. Foi inegável a contribuição que visou lograr o interesse de todos. Não se resolveu apenas o problema do PT, do Banco Rural e do governo, houve a formação de uma engrenagem ilícita que atendeu a todos e a cada um”, disse Mendes ao condenar os réus.

Para o ministro Luiz Fux, houve um "projeto delinquencial" por parte do acusados. "Restou incontroverso que três núcleos se uniram com um objetivo comum. Chamo atenção ao projeto deliquencial. Esse projeto foi assentado pelo plenário como existente. Houve condenação por corrupção ativa e passiva, nos quais foram importantes os núcleos financeiro e publicitário."

Na avaliação do relator Joaquim Barbosa, ficou claro que foi formada uma quadrilha. "[Os réus], de forma livre e consciente, se associaram de maneira estável e com divisão de tarefas com o fim de praticar crimes contra a administração pública, o sistema financeira nacional, além de lavagem de dinheiro”, disse na semana passada, ao votar sobre o caso.

Ele disse que há um "manancial" de provas de que Dirceu era quem comandava o grupo. “Todo esse manancial probatório produzido tanto no inquérito quanto em juízo comprova que ele [Dirceu] era quem comandava o núcleo político, que, por sua vez, repassava as orientações ao núcleo de Marcos Valério, o qual, por sua vez, agia em concurso com o Banco Rural”, disse,

Argumentos pela absolvição
Quatro ministros votaram pela inocência dos 13 réus: o revisor Ricardo Lewandowski, Rosa Weber, Cármen Lúcia e Dias Toffoli.

Para Cármen Lúcia, os acusados são pessoas que "chegaram a cargo de poder" de maneira legítima e "ali praticaram crime". Ou seja, para ela, não há provas de que chegaram aos cargos para cometer crimes."Eu entendi que não havia crimes de quadrilha", concluiu.

A ministra Rosa Weber argumentou ainda que os réus do mensalão não se uniram com o objetivo de formar “uma entidade com vida própria” e finalidade de cometer crimes. “Os chamados núcleos político, financeiro e operacional jamais imaginaram formar uma associação para delinquir. Havia um objetivo, a cooptação de apoio político, os demais fatos sempre tiveram a finalidade e alcançar essa finalidade”, disse.

O revisor, que abriu a divergência, argumentou que o fato da associação não implica necessariamente em prejuízo à paz pública.

“Mais uma característica de que o fulcro, o objeto, o bem jurídico tutelado pelo artigo 288 do Código Penal [que criminaliza a formação de quadrilha ou bando] é a paz pública. É preciso verificar se a conduta dos réus teve exatamente esse escopo, da prática de uma série de crimes indeterminados, incontáveis, a conjunção de pessoas interligadas por uma série de interesses, a menos que se entenda que essa associação ameaça a paz pública.”

Com informações da Globo

Mais Noticias

Levantamento

Brasil dobra número de presos em 11 anos, diz levantamento; de 726 mil detentos, 40% não foram julgados

Crime Brutal

Pastor invade apartamento e tenta violentar criança no Paraná

Acidente

Botijão explode e fere sete pessoas em Pernambuco; bebê teve 90% do corpo queimado

Crime Brutal

Bebê de 1 ano morre após ser estuprado por vizinho em São Paulo

20/11/2017 -

Criminosos invadem base do Samu e roubam ambulância e motos em SP

Bandidos fizeram três funcionários reféns. Dois veículos foram abandonados pelos ladrões e recuperados pela polícia.

20/11/2017 -

Caminhão bate em viaduto e concreto atinge carro, e mata juíza em SP

Caminhão bateu em viaduto e concreto atingiu carro que passava pela Avenida do Estado. Vítima foi levada em estado grave ao hospital, mas não resistiu.

20/11/2017 -

Carro invade padaria em Natal (RN) e por pouco não atinge quatro pessoas

Acidente aconteceu na tarde deste domingo no bairro Rosa dos Ventos, em Parnamirim. Dois homens estavam no veículo, e arcaram com os prejuízos.

20/11/2017 -

Corpo de italiano é encontrado em cachoeira no litoral de SP

Homem trabalhava como publicitário em São Paulo e passava feriado no litoral.

16/11/2017 -

Bebê tem cabeça arrancada durante o parto em Minas Gerais

Mãe acusa equipe médica de negligência; hospital afirma que feto já estava morto

16/11/2017 -

Vício em celular chega a consultórios e já preocupa médicos no Brasil

''Uso abusivo'' é identificado em todas as idades e tem sido gatilho para depressão e outros transtornos. Tratamentos de ''detox'' incluem terapia e técnicas que chamam atenção para prazeres da vida real.

14/11/2017 -

Número de nascimentos no Brasil cai pela 1ª vez desde 2010, aponta IBGE

Em 2016, foram registrados 2,79 milhões de nascimentos, queda de 5,1% ante 2015. Número de casamentos também caiu e o de divórcios aumentou.

17/10/2017 -

Aeronave do Greenpeace cai na região de Anavilhanas, no AM; uma pessoa morreu

Outras quatro pessoas ficaram feridas, de acordo com o Greenpeace.Não há informações sobre as causas do acidente.

17/10/2017 -

Desmatamento na Amazônia caiu 16% no último ano, diz ministro do Meio Ambiente

Queda foi verificada entre agosto de 2016 e julho de 2017 com base em dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

09/10/2017 -

Mais uma criança vítima de ataque em creche morre em MG

Matheus Felipe Rocha dos Santos, de 5 anos, estava internado no Hospital João XXIII.

09/10/2017 -

Queda de avião sobre casa deixa três mortos em Rio Preto (SP)

Monomotor se chocou contra o quintal de uma casa na rua Noruega. Segundo os bombeiros, as três pessoas que estavam na aeronave morreram.

06/10/2017 -

Vigia de creche em Janaúba (MG) falou que ''iria morrer'', diz delegado; perícia indica que ele trancou portas antes de atear fogo

Delegado diz que Damião Soares dos Santos tinha mania de perseguição; polícia encontrou cartas e galões com álcool na casa do vigia. Ele colocou fogo em creche – cinco crianças e uma professora morreram.

06/10/2017 -

''A conduta dela foi heroica'', diz delegado sobre professora que morreu em creche em Janaúba (MG)

Segundo o delegado, Helley Abreu Batista, de 43 anos, lutou com autor para salvar os alunos; ela teve 90% do corpo queimado e morreu no hospital.

06/10/2017 -

Morrem mais duas crianças vítimas de incêndio em creche em MG

As duas crianças estavam em estado grave e haviam sido transferidas para Montes Claros.

05/10/2017 -

Morre segurança que ateou fogo em crianças de creche em Janaúba, MG

Quatro crianças morreram; cerca de 40 pessoas foram levadas para o hospital local – 25 delas seguem internadas.

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora