Dúvidas

Preciso me vacinar contra a febre amarela? Veja perguntas e respostas sobre o surto em MG

Até esta sexta-feira (13), mais de 30 mortes e 133 casos relacionados à doença eram investigados pelo Ministério da Saúde.

17 de Janeiro de 2017 as 02h 33min

Em um hospital de São Paulo, desde que os casos de febre amarela silvestre começaram a aumentar em Minas Gerais, a procura por vacinas triplicou. São 38 mortes notificadas em terras mineiras e dois óbitos no noroeste paulista – em São José do Rio Preto e em Ribeirão Preto. O G1 conversou com especialistas para entender qual é o tamanho da epidemia e quem precisa correr para se prevenir contra a doença.

 

1. Por que este surto de febre amarela é chamado de “silvestre” e “selvagem”?

Porque os casos são registrados em regiões rurais ou de mata, transmitidos pelos mosquitos Haemagogus ou Sabethes. Por enquanto, não foi detectada a transmissão da doença pelo Aedes aegypti, mais famoso pela dengue, zika e chikungunya e por gostar das áreas urbanas.

 

2. É possível que a epidemia chegue às grandes cidades?

Sim. Uma pessoa infectada em zona rural poderá ir para uma cidade. Uma vez picada por um mosquito Aedes aegypti, o inseto poderá transmitir para outra pessoa, e assim por diante. A boa notícia é que isso não aconteceu ainda, de acordo com o Ministério da Saúde e os médicos entrevistados.

"A pessoa que vive dentro da cidade, em São Paulo por exemplo, não precisa entrar em pânico, mas é verdade que todo mundo tem que receber pelo menos uma dose da vacina [...]. Sem dúvida alguma, pessoas que têm contato com área rural ou silvestre precisam estar vacinadas", disse Marcelo Simão, consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia.

Vale ressaltar que o vírus da febre amarela não é transmitido de pessoa para pessoa, apenas pela picada de mosquitos infectados.

"A epidemia, na verdade, está entre os macacos da mata. O homem adentrando ou estando próximo é picado pelo mesmo mosquito e adquire a doença", completou Simão.

 

3. Devo sair atrás da vacina, então?

Como o surto está concentrado fora das regiões urbanas, o Ministério da Saúde recomendou a imunização para todas as pessoas que residem em Áreas com Recomendação da Vacina contra febre amarela e aqueles que vão viajar para regiões silvestres, rurais ou de mata. Os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Espírito Santo e Rio de Janeiro estão fora da área de recomendação para a vacina.

 

4. Quem não pode se vacinar?

Por causar reações, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não recomenda a vacina para pessoas com doenças como lúpus, câncer e HIV, devido à baixa imunidade, nem para quem tem mais de 60 anos, grávidas e alérgicos a gelatina e ovo.

 

5. Eu me vacinei uma vez, preciso me vacinar novamente?

De acordo com o infectologista Artur Timerman, presidente da Sociedade Brasileira de Dengue e Arboviroses, é importante se vacinar duas vezes - a segunda dose deverá ser tomada depois de 10 anos. Depois disso, a pessoa ficará imune por toda a vida.

Para áreas epidêmicas da doença, a Organização Mundial da Saúde (OMS) informa que é necessária apenas uma dose – a chance de o corpo entrar em contato com doença por uma segunda vez antes de perder a proteção é grande. Tal contato reforça a criação de anticorpos e funcionaria como uma segunda dose.

 

6. A doença vai se espalhar por todo o Brasil?

Depende. De acordo com os especialistas, se a população de Minas Gerais e das áreas afetadas passar por uma boa vacinação de contenção, o surto irá diminuir. Todas as pessoas residentes nas regiões dos casos devem ser imunizadas.

O Ministério da Saúde informou que todos os estados estão abastecidos com a vacina e o país tem estoque suficiente para atender toda a população nas situações recomendadas. O órgão disse, ainda, que enviou 735 mil vacinas ao estado, totalizando mais de 1 milhão de doses ao estoque de Minas Gerais.

 

7. Quais os sintomas da febre amarela?

A doença se torna aparente de três a seis dias após a infecção, de acordo com o Ministério da Saúde. Os sintomas iniciais são febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. A maior parte das pessoas apresenta uma melhora após tais sintomas.

Cerca de 20% a 40% das pessoas que desenvolvem a versão mais grave da doença (15% do total de infectados) podem morrer.


MT Agora - G1

COMENTARIOS

Mais de Ciência e Saúde

ProUni

Instituições superiores têm até 20 de maio para aderir ao ProUni

O prazo vale para novas adesões e aditamentos

13 de Maio de 2019 as 20h46

Enem

Inep lança conteúdo em Libras referente ao Enem 2019

Também será veiculada campanha de comunicação em Libras nas redes sociais. Os vídeos vão destacar as principais informações e datas do exame, que será aplicado nos dias 3 e 10 de novembro

13 de Maio de 2019 as 20h42

Saúde

Hipertensão afeta um a cada quatro adultos no Brasil

No Dia Nacional de Combate à Hipertensão, Ministério da Saúde alerta que 34 pessoas morrem por hora de doenças cardiovasculares no país. Pressão alta é o principal fator de risco

27 de Abril de 2019 as 21h16

Ação Integrada

Hospitais Federais ampliam em 32% consultas na emergência

Balanço dos primeiros três meses da Ação Integrada de Apoio à Gestão dos hospitais federais foi apresentado pelos ministros da Secretaria-Geral da Presidência e Saúde

27 de Abril de 2019 as 21h03

Imunização

Semana ''Saúde na Escola'' aborda importância da vacinação

Ações envolverão estudantes, professores e funcionários para alertar sobre a necessidade de manter a caderneta de vacinação atualizada.

08 de Abril de 2019 as 22h33

Saúde

Três em cada cem mortes no país podem ter influência do sedentarismo

Praticar esportes é fundamental para o corpo e para a mente e ajuda a prevenir doenças como diabetes e hipertensão. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o sedentarismo é considerado o quarto maior fator de risco de mortes no mundo

08 de Abril de 2019 as 09h35

Vacinação

Campanha de vacinação contra a gripe começa esta semana em todo o país

De acordo com o Ministério da Saúde, a imunização, este ano, foi antecipada em cerca de 15 dias em relação aos anos anteriores, quando a campanha teve início na segunda quinzena de abril.

07 de Abril de 2019 as 15h23

Saúde Bucal

Equipe de Saúde realiza avaliação bucal nos alunos da rede municipal

O objetivo é verificar as condições de saúde bucal e prevenir agravos

07 de Abril de 2019 as 14h42

Saúde

Governo repassa R$ 500 mil para UTI’s de Lucas do Rio Verde

Outros 15 hospitais também serão beneficiados com repasses que passam de R$ 6 milhões

19 de Março de 2019 as 16h17

Fórum De Saúde Mental

Discussões sobre saúde mental buscam fortalecer rede assistencial

Fórum reúne profissionais da área de saúde mental, estudantes e representantes de instituições

16 de Março de 2019 as 18h16

Evento

Lucas do Rio Verde realiza I Fórum de Saúde Mental nesta sexta-feira (15)

O evento será realizado no Auditório dos Pioneiros, no Paço Municipal, a partir das 7 horas.

13 de Março de 2019 as 21h40

Ciência E Tecnologia

Bolsonaro destaca implementação de programa para dessalinização de águas salobras

Presidente da República ressaltou importância da medida para as populações que vivem no semiárido brasileiro.

10 de Março de 2019 as 17h07

Programa Mais Médicos

Médicos que atuam em áreas vulneráveis poderão renovar contrato

Ministério da Saúde abre a possibilidade para profissionais que encerrariam as atividades no programa Mais Médicos no final deste mês.

27 de Fevereiro de 2019 as 20h19

Atenção Básica

Inscrições para o Saúde na Escola terminam nesta quinta (28)

Por meio do programa, governo federal repassa recursos para municípios realizarem ações de prevenção e atenção à saúde no ambiente escolar

27 de Fevereiro de 2019 as 20h14

Prevenção

Ações de combate ao Aedes aegypti precisam ser intensificadas neste início de ano

Últimos dados do Ministério da Saúde indicam alta de 149% no total de casos prováveis da dengue no País

27 de Fevereiro de 2019 as 19h48

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Enquete

veja +

COTAÇÃO