Ciência e Saúde

Substância psicoativa da maconha é detectada em 63% das amostras de leite materno mesmo após 6 dias do uso

Estudo colheu material de 50 mães nos Estados Unidos. Uso da planta foi legalizado em vários estados do país.

Estudo | 27 de Agosto de 2018 as 11h 32min
Fonte: G1

Um estudo publicado na revista "Pediatrics" nesta segunda-feira (27) detectou o THC, principal componente psicoativo na maconha, em 63% das amostras de leite materno até seis dias após o uso por mulheres. A pesquisa foi financiada pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (em inglês, NIH) e pela Gerber Foundation.

Nos Estados Unidos, a maconha é ilegal de acordo com a legislação federal, mas alguns estados e o distrito de Columbia permitem o uso medicinal e/ou recreacional. De acordo com pesquisa do Yahoo News em parceria com a Faculdade Marista em Poughkeepsie, em Nova York, 20% dos adultos usam a droga sem regularidade, e 14% usam com frequência.

De acordo com o estudo desta segunda-feira, o uso da maconha foi documentado em mulheres grávidas e mães que amamentam. A Academia Americana de Pediatria, no entanto, não recomenda que as mulheres usem a maconha em nenhuma das duas situações.

Esta pesquisa levou em conta esse cenário no país e buscou, segundo os autores, trazer mais dados para aprofundar as preocupação com a saúde e o desenvolvimento de bebês que são alimentados com leite materno de mães usuárias.

Cinquenta mulheres que usaram a maconha diariamente, semanalmente ou esporadicamente – sendo a inalação o principal método de consumo – foram examinadas pelos cientistas. Foram coletadas 54 amostras de leite, sendo que em 63% delas havia o THC, principal componente psicoativo na droga, até seis dias após o uso da planta.

"Os pediatras são frequentemente colocados em uma situação desafiadora quando uma mãe que amamenta pergunta sobre a segurança de usar a maconha. Não temos dados publicados que sejam fortes para aconselhar contra o consumo" disse Christina Chambers, principal autora do estudo e professora da Universidade da Califórnia, em San Diego.

Os canabinóides – compostos ativos da maconha, como o THC - têm uma preferência por fazer ligações com moléculas de gordura, abundantes no leite materno. Esse é um dos fatos que levantou a preocupação com o uso durante a amamentação.

"Descobrimos que a quantidade de THC que uma criança poderia potencialmente ingerir por meio do leite materno é relativamente baixa, mas ainda não sabemos dizer se há uma dose segura para os bebês", completou Chambers. "Acredita-se que os produtos disponíveis hoje feitos com maconha são muito mais potentes que os que eram vendidos há 20 ou 30 anos".

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que a amamentação seja feita de forma exclusiva para o bebê até os seis meses de idade. O fim precoce da amamentação está associado a um maior risco de obesidade, asma, morte súbita, piora da saúde imunológica, entre outros fatores. Nas mães, há um maior risco de câncer de mama, de útero e do desenvolvimento do diabetes tipo 2.

COMENTARIOS

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

TEMPO AGORA

Hoje, Segunda Feira

Lucas do Rio Verde, MT

Tempestades

29º

COTAÇÃO