A participação da mulher na política e a igualdade de gênero

A Constituição Cidadã é, sem dúvidas, um marco na luta por igualdade de gênero e contra a discriminação, em um contexto histórico em que a mulher sempre foi tratada de forma preconceituosa e discriminatória.

28/09/2016 - 14:48:57

   

A Constituição Federal de 1988 consagrou o princípio constitucional da igualdade, afirmando no caput do artigo 5º, no capítulo que trata dos direitos e garantias fundamentais, que “todos são iguais perante a lei”, e reafirmando no inciso primeiro do referido artigo que “homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações”.

A Carta Magna estabeleceu ainda como um dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil “promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”.

A Constituição Cidadã é, sem dúvidas, um marco na luta por igualdade de gênero e contra a discriminação, em um contexto histórico em que a mulher sempre foi tratada de forma preconceituosa e discriminatória.

Contudo, mesmo reconhecendo os avanços, a igualdade preconizada ainda está longe de ser uma realidade nas mais diversas áreas de nossa sociedade, seja no âmbito familiar, no campo profissional, e em especial na política, onde somos preteridas, apesar de representar a maioria do eleitorado.

De acordo com dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral, 52,13% dos eleitores aptos a votar nas eleições municipais deste ano são mulheres, porém, quando avaliamos a representação feminina na política é possível concluir que as mulheres não estão exercendo os direitos políticos e eleitorais em condições de igualdade.

A participação feminina nas esferas de governo é ínfima e continua refletindo o desequilíbrio histórico de gênero nas funções públicas. O Brasil ocupa uma das últimas posições no ranking mundial de representação feminina nos parlamentos de acordo com números divulgados pela ONU.

A efetividade do princípio constitucional da igualdade, ou pelo menos a redução das desigualdades historicamente acumuladas, somente será possível através de políticas e ações afirmativas.

É certo que a legislação tem avançado com edição de normas que visam assegurar direitos e incentivar a participação feminina na política em busca da igualdade representativa de gêneros.

Como exemplo, podemos citar a Lei 12.034/2009 que impõe aos partidos e coligações o preenchimento do número de vagas de no mínimo 30% (trinta por cento) e no máximo 70% (setenta por cento) para candidatos de cada sexo.

A propósito, a instituição de cotas que garantem vagas para mulheres no sistema político é um bom exemplo de ação afirmativa que objetiva o aumento da participação feminina na política partidária.

Contudo, não basta garantir o número de vagas, sendo necessário conferir às candidatas mulheres as mesmas condições, mesmo espaço político e igualdade de oportunidades, e não lançar verdadeiras candidaturas fictícias com objetivo único de cumprir a cota imposta pela lei.

A participação feminina nos espaços de poder é necessária para o aperfeiçoamento e a consolidação da democracia e apesar dos avanços já constatados, muito ainda há o que ser feito para mudar o quadro atual da pouca presença de mulheres na esfera político-partidária no Brasil e superar a desigualdade de gênero na política.

*Gisela Cardoso é secretária-geral adjunta da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT) e presidente da Comissão de Direito da Mulher

MT Agora - Assessoria

Mais Noticias

Artigo

Artigo: A essencialidade do Auditor Interno

Artigo

Artigo | Família: a construção da vida

Artigo

Artigo: Responsabilidade civil do médico

Artigo

Artigo: Política versus economia

20/11/2017 -

Artigo: A difícil vida do branco, hétero e rico

Até eu quero saber: como é que um cidadão como Ives Gandra Martins consegue viver no Brasil?

16/11/2017 -

Artigo: Quando o digital é nocivo

Vendemos a ideia equivocada de que a tecnologia tem benéficos apenas positivos as nossas vidas

16/11/2017 -

Artigo: História e corrupção

Parte da elite na América Latina entende que tem o direito de se apropriar das riquezas do Estado

06/11/2017 -

Artigo: Conexão Mato Grosso-China

O Brasil e os países sulamericanos que sempre foram tratados como colônias pelas EUA estão na clara mira da China

18/10/2017 -

Artigo: A corrupção é natural?

A corrupção, por seu grau de disseminação e amplitude, está naturalizada e banalizada.

14/10/2017 -

Artigo: A mineração sob nova ótica

A diferença do valor da riqueza produzida é astronômica em favor da mineração

14/10/2017 -

Artigo: A terra e o desenvolvimento social

Maior conquista com o título da propriedade é a segurança jurídica. O direito sobre a terra é reconhecido

06/10/2017 -

Artigo: Deu a louca nas mostras de cultura e ''arte''

Todos se posicionam bem à esquerda do bufê ideológico, num tipo de esquerdismo que disso se alimenta

05/10/2017 -

Artigo: Brasil em busca do passado

Estamos no ano de 2017 e as gerações que estão com voz ativa se concentram nos nascidos pós-guerra (1945).

05/10/2017 -

Artigo: Brasil acolhe refugiados

É muita gente que teve a vida social e econômica destruída por guerras regionais e cataclismos.

05/10/2017 -

Artigo: Projeto de futuro

O mundo mudou e vai descentralizar a produção e a verticalização dos alimentos nesses próximos anos

18/07/2017 -

Artigo: A Justiça tem lado?

A mesma régua usada contra Lula e Dilma foi e será usada contra Michel Temer e Aécio Neves?

18/07/2017 -

Artigo: Direito Sistêmico

A 1 ª forma de aplicar o Direito Sistêmico é a postura; não se busca mudar o “o que fazer”, mas o “como fazer”

18/07/2017 -

Artigo: O triunfo da Justiça

O embate judicial não é matéria para covardes; é preciso se alinhar sem receios com a busca irrefutável da verdade

18/07/2017 -

Artigo: Pagamento de boletos fica mais fácil

Quando o devedor fizer o pagamento, os dados do boleto têm de “bater” com os que estão na base

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora