Artigo: Cármen Lúcia, vítima de uma cortesia

É absurdo o ato da ministra, de assinar decreto que obriga empresas a admitirem presos.

28/07/2018 - 00:38:40

   

É comum que, ao se afastar provisoriamente do cargo, o governante deixe algumas atribuições rotineiras para serem executadas pelo substituto. Trata-se de uma gentileza, para que o fulano ou fulana sinta-se útil e não passe seu tempo “in office” olhando para o teto e tomando cafezinho.

Penso que assim deva ser compreendida a absurda assinatura da ministra presidente do STF, Cármen Lúcia, substituindo Temer, no decreto que obriga empresas a serviço da administração pública a admitirem presos e ex-presidiários para execução dos serviços contratados.

Ao burocrata que preparou a pilha de atos a serem assinados por ela deve ter parecido adequado que um decreto tratando de trabalho para presos fosse oficializado com o autógrafo de uma autoridade oriunda do Poder Judiciário. Pode ser mera suposição, mas suspeito que a ministra tenha sido vítima de uma cortesia. Você sabe a força do tudo pelo social, certo?

No entanto, que decreto mais equivocado e típico da conduta do Estado brasileiro em relação à sociedade! É claro que presos devem trabalhar. É óbvio que esse trabalho deveria ser facultado nos estabelecimentos penais e não ser facultativo, para que o preso contribua com seu custeio e o encarceramento não constitua um agravo adicional à sociedade que já foi vítima do crime que ele praticou.

Mas não, nossos estabelecimentos penais não dispõem de oficinas. As parcerias público-privadas (PPPs) que poderiam viabilizar a multiplicação dos estabelecimentos penais, acabar com o ócio criminoso dos presídios e com o empilhamento de encarcerados, sofrem severa resistência dos defensores de direitos humanos. É como se um presídio moderno, transformado em local de trabalho e estudo, fosse tornar pior o que hoje estamos proporcionando aos presos brasileiros.  

Então, a burocracia – Eureca! – recorre à solução clássica: empurra o problema para a iniciativa privada. O poder público não faz presídios, não proporciona locais de trabalho, não firma PPPs. Que a empresa abrace, pois, a tarefa, de modo coercitivo, e assuma riscos adicionais que não existiriam se a atividade laboral fosse prestada dentro da prisão. Vejam o disparate: os presos trabalham se quiserem, mas as empresas contratadas pelo setor público são obrigadas a lhes disponibilizar vagas que faltam aos mais honestos chefes de família! Não acredito que dona Cármen Lúcia fosse conceber uma besteira dessas.  

Enfim, esse é apenas mais um sintoma do mal comum: o Brasil se tornou um país onde a sociedade – até para isso! – serve ao establishment, ou à parceria político-burocrática, sem possibilidade de reversão, ou mesmo de algum vice-versa.

 

PERCIVAL PUGGINA é escritor 

Fonte: Percival Puggina

Mais Noticias

Artigo

Artigo: Mudança na política

Artigo

Artigo: O homem que amava os cachorros

Artigo

Artigo: O Brasil que queremos

Artigo

Artigo: Chama da esperança

01/08/2018 -

Artigo: Raízes corruptas do Brasil

O sistema político brasileiro não é, como muitos ilusoriamente acreditam, um espelho da sociedade.

03/07/2018 -

Artigo: Sedução e dominação cultural

Bem ao contrário de todos os povos, o brasileiro é ensinado a se constranger de sua história e a repudiar suas raízes.

30/06/2018 -

Artigo: O STF e os candidatos

O Supremo, ou pelo menos uma das turmas, a segundona, resolveu acabar com a ilusão do povo

30/06/2018 -

Artigo: Troco uma centena de corruptos

O STF é um conjunto de 11 pessoas que impõem ao país o convívio com o intolerável.

25/06/2018 -

Artigo: As fake analysis e a moça russa

A conduta registrada no vídeo tem muito a ver com as baixarias que invadiram as TVs.

03/06/2018 -

Artigo: A visão dos brasileiros

Clamo à população que nos acompanhem nessa nova era política/ética/moral para a melhoria do nosso país.

17/05/2018 -

OAB critica autorização de abertura de 34 novos cursos de Direito

Para a Ordem, autorização dada pelo MEC na última sexta-feira, 11, permite que "estelionato educacional" se perpetue no país.

10/05/2018 -

Artigo: Ferrovias e dúvidas

Uma análise sobre os projetos para transporte de grãos previstos para Mato Grosso e Brasil

11/04/2018 -

Artigo: Duro golpe na roubocracia

Chegou a hora da ruptura com o sistema corrupto que manda no Brasil

09/04/2018 -

Artigo: Persistente serviço à impunidade

Nem os mais desatentos observadores deixaram de notar a defesa que dois ministros fizeram a Lula

07/03/2018 -

O legado de Maggi

Blairo não só anunciou sua desistência, como disse que não participará das articulações para composição das alianças ou lançamento de candidaturas

05/03/2018 -

Reinventar-se, o sucesso da profissão

Reportagem fantasiosa e desprovida da realidade põe em xeque o futuro da profissão de contador

05/03/2018 -

A porta estreita

Passagem do Evangelho de Mateus especialmente importante para todos aqueles que atuam no setor público

05/03/2018 -

Um grande negócio

Tem certo aprendiz de político, que na esperança de impressionar o eleitorado, fantasia de humilde, chora em velório, dança e festeja

05/03/2018 -

Segurança para produzir

Supremo compreendeu que os produtores não podem pagar a conta da mudança de legislação ao longo de décadas

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora