Artigo

Artigo: História e corrupção

Parte da elite na América Latina entende que tem o direito de se apropriar das riquezas do Estado

16 de Novembro de 2017 as 23h 02min

Reconheço ser repetitivo, mas frente ao momento nacional e estadual, não custa nada citar outra vez o livro publicado ali por 1640 em Portugal, "A Arte de Furtar", atribuído ao jesuíta Manuel da Costa, que mostrava o roubo no Brasil da época.

Comandantes militares ficavam com os salários dos soldados, não lhes compravam armas e eles andavam descalços. Vinham de Portugal pessoas com formação jurídica para ser juiz. Roubavam tanto e de tantas maneiras que não demoravam a retornar a Portugal com o que fora furtado.

Padres roubavam ouro e diamante e os transportavam em estátuas ocas de santo. Acredita-se que a expressão “santinho do pau oco” nasceu daí. Ou a pessoa é diferente do que mostra ou faz.

Conta-se que levaram de Cuiabá para Lisboa umas caixas de ouro. Quando abertas só havia pedras. Sumira no meio do caminho ou nem puseram ouro ali. Contam também que havia uma estátua grande de um santo na Bahia que foi e voltou uma dezena de vez para convento em Portugal para remendar alguma coisa que, por alguma razão, sempre se quebrava. A estátua pesava muito na ida, depositava os pecados lá e sem eles voltava mais leve.  Uma graça divina.

O patrimonialismo é uma das pragas herdadas de Portugal e Espanha. Parte da elite na América Latina entende que tem o direito de se apropriar do Estado. É natural ganhar dinheiro com a coisa pública. Não há crime no caso. É só ver o que ocorre entre o político e o prestador de serviço para o poder público para se entender o que é o tal do patrimonialismo.

No exterior há mais uma interpretação para esse fenômeno latino americano. Falam que o confessionário, criação da Igreja Católica, acaba ajudando nessa lassidão ética regional.

Que a pessoa pode cometer o maior dos delitos, se confessar estaria perdoado perante Deus. Pode, no caso, voltar a pecar. Se foi absolvido até para ir para o céu, como condená-lo por falcatruas ou roubos terrenos? Essa “absolvição” ajudaria a criar a não punição, característica ímpar regional.

O foro privilegiado no Brasil, como exemplo, para qualquer delito em qualquer tempo para alguém com mandato agride o bom senso. Sem medo de punição a coisa corre frouxa.

Querem agora acabar com a prisão dos que cometeram crimes antes da lei da ficha limpa. Alega-se que a lei não pode retroagir para condenar ninguém. É verdade, mas um ex-ministro do STF diz acertadamente que quem se arvora na seara politica teria que ter a ética como norma. Essa pessoa irá representar milhares de outras e, por consequência, não poderia ser ladrão antes ou depois da lei da ficha limpa. É como se dissesse, olha roubei até aqui e de agora em diante não roubo mais.

Mudança na lei da ficha limpa, também a não prisão depois de condenado em segunda instância e o eterno foro privilegiado acabaria o restinho de esperança em enquadrar a classe política, você não acha?


MT Agora - Alfredo Da Mota Menezes

COMENTARIOS

Mais de Coluna

Artigo

Direito à liberdade de expressão nas redes sociais: quais os limites?

Direito Digital, Civil e Penal

11 de Abril de 2019 as 14h04

Artigo

O agronegócio e as recuperações judiciais

A agro é setor que mais apresentou pedidos de recuperação judicial

04 de Abril de 2019 as 09h51

Artigo

Lei Kandir e Funrual, o futuro do agro brasileiro

É preciso refletir sobre o efeito colateral das iminentes mudanças

04 de Abril de 2019 as 09h50

Artigo

Por que o INSS nega tantos benefícios?

Quais são seus direitos e as possíveis soluções?

29 de Março de 2019 as 17h10

Artigo

Redução de impostos em medicamentos

O Carf julgou o recurso de um hospital do Distrito Federal, que pedia o direito à reduzir o valor a ser pago do Pis e Cofins

29 de Março de 2019 as 09h20

Artigo

Propósito de vida

Mudanças são necessárias, mas não devem envolver pesar ou sofrimento

24 de Março de 2019 as 10h28

Artigo

Depressão e sexualidade

A saúde mental e física andam sempre juntas e não podem serem separadas

24 de Março de 2019 as 10h27

Artigo

Embriaguez, seguro e indenização

Embriaguez pode afastar a obrigação de indenização pelo sinistro

24 de Março de 2019 as 10h25

Artigo

A síndrome do sabichão

Enquanto você continuar se achando o

24 de Março de 2019 as 10h22

Artigo

Artigo: Além dos fenômenos espirituais

Sempre será válido buscar um grupo de estudos dentro de um sério núcleo espírita

13 de Março de 2019 as 10h08

Artigo

Artigo: Inadimplência no condomínio

Protesto de boletos vencidos é uma prática adotada e válida

13 de Março de 2019 as 10h06

Artigo

Artigo: Novo Incra: a salvação da lavoura

O Agro faz a diferença não só na balança comercial brasileira

13 de Março de 2019 as 10h04

Artigo

Artigo: Alimento impróprio e dano moral

Corpo estranho encontrado em alimento expõe o consumidor a risco

02 de Março de 2019 as 17h28

Artigo

Artigo: Cadastro positivo

A nova redação prevê a inclusão automática do consumidor no cadastro

02 de Março de 2019 as 17h26

Artigo

Delegado: MT deve sufocar facções e se preparar para represálias

Delegado Flávio Stringueta defende cerco à comunicação entre bandidos presos e comparsas soltos

25 de Fevereiro de 2019 as 10h03

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Enquete

Você concorda com a decisão do TRE que cassou o mandato da senadora Selma Arruda?

Sim

Não

Parcial
veja +

COTAÇÃO