Artigo

Importunação sexual

Novo tipo penal passa a fazer parte da legislação brasileira, desde 24 de setembro de 2018

01 de Outubro de 2018 as 09h 34min

Novo tipo penal passa a fazer parte da legislação brasileira, desde 24 de setembro de 2018, a importunação sexual. Situações aconteciam no cotidiano, onde a mulher se constituía em vítima, e nada podia ser feito.

É do princípio da reserva legal: “Não há crime sem lei anterior que o defina.” Assim, ainda que determinada conduta venha a ferir moralmente alguém, em não sendo descrita formalmente como delito, não há possibilidade de punição na esfera penal. O gênero feminino sofria em demasia com situações de agressão, abuso, constrangimento e humilhação, sem que os agressores recebessem a punição pelo ato.

Ressalte-se que, muitas vezes, o sistema de justiça estava de “pés e mãos atadas”, com relatos claros contra a dignidade sexual. Porém, nada podia ser feito. A consequência era vislumbrada com mulheres assustadas cada vez que necessitavam estar perante aglomerados de pessoas.

Coletivos de ônibus, shows artísticos, baladas, comícios, e por aí afora, são exemplos de locais onde acontecem comumente as importunações sexuais. Cuida-se de delito subsidiário, ou seja, só ocorre se o fato não constituir crime mais grave. Logo, antes de aplicar a lei ao caso concreto, haverá necessidade de averiguação quanto a crimes de maiores complexidades.

Com a ampliação do delito de estupro, desde o ano de 2009, dúvidas surgiram quanto à respectiva configuração. Trata-se de crime de extrema gravidade, com pena mínima alta. Logo, a aplicação na prática, por vezes, engessava o sistema de justiça, temendo em “castigar” excessivamente. “In dubio pro reo” é princípio do direito penal, que, em havendo dúvida, a aplicação da lei deve prestigiar o réu. É melhor absolver mil culpados a condenar um inocente. Assim, não se aplicava o estupro para determinadas situações fáticas, ainda que reprováveis socialmente, já que existia essa “lacuna” legal.

Segundo o artigo 215-A, do Código Penal, a importunação sexual acontece quando: “Praticar contra alguém e sem a sua anuência ato libidinoso com o objetivo de satisfazer a própria lascívia ou a de terceiro.” Fica visível no estupro a necessidade de violência ou grave ameaça para a configuração, ressalvados casos onde há presunção de violência. Fica presumida a violência no estupro em caso de prática contra menores de 14 anos, pessoas com deficiência ou enfermidade mental, que não possuem discernimento para o ato, ou por qualquer forma não podem oferecer resistência.

A linha que separa os crimes de estupro e importunação sexual é tênue, deixando os legisladores e legisladoras a averiguação para os aplicadores e aplicadoras da norma ao caso concreto.  Uma “passada de mão” no corpo da mulher por alguém, por exemplo, para satisfazer o desejo sexual sem o consenso dela, poderia não se configurar em estupro. Para os agressores estava tranquila a possibilidade da não culpabilidade pelo ato reprovável.

A capitulação do crime de importunação sexual é uma resposta necessária à cultura de discriminação do gênero feminino. O corpo da mulher sempre foi considerado público, e podia ser molestado e invadido. Agora, não mais...

ROSANA LEITE ANTUNES DE BARROS é defensora pública.


Rosane Leite

COMENTARIOS

Mais de Coluna

Artigo

Direito à liberdade de expressão nas redes sociais: quais os limites?

Direito Digital, Civil e Penal

11 de Abril de 2019 as 14h04

Artigo

O agronegócio e as recuperações judiciais

A agro é setor que mais apresentou pedidos de recuperação judicial

04 de Abril de 2019 as 09h51

Artigo

Lei Kandir e Funrual, o futuro do agro brasileiro

É preciso refletir sobre o efeito colateral das iminentes mudanças

04 de Abril de 2019 as 09h50

Artigo

Por que o INSS nega tantos benefícios?

Quais são seus direitos e as possíveis soluções?

29 de Março de 2019 as 17h10

Artigo

Redução de impostos em medicamentos

O Carf julgou o recurso de um hospital do Distrito Federal, que pedia o direito à reduzir o valor a ser pago do Pis e Cofins

29 de Março de 2019 as 09h20

Artigo

Propósito de vida

Mudanças são necessárias, mas não devem envolver pesar ou sofrimento

24 de Março de 2019 as 10h28

Artigo

Depressão e sexualidade

A saúde mental e física andam sempre juntas e não podem serem separadas

24 de Março de 2019 as 10h27

Artigo

Embriaguez, seguro e indenização

Embriaguez pode afastar a obrigação de indenização pelo sinistro

24 de Março de 2019 as 10h25

Artigo

A síndrome do sabichão

Enquanto você continuar se achando o

24 de Março de 2019 as 10h22

Artigo

Artigo: Além dos fenômenos espirituais

Sempre será válido buscar um grupo de estudos dentro de um sério núcleo espírita

13 de Março de 2019 as 10h08

Artigo

Artigo: Inadimplência no condomínio

Protesto de boletos vencidos é uma prática adotada e válida

13 de Março de 2019 as 10h06

Artigo

Artigo: Novo Incra: a salvação da lavoura

O Agro faz a diferença não só na balança comercial brasileira

13 de Março de 2019 as 10h04

Artigo

Artigo: Alimento impróprio e dano moral

Corpo estranho encontrado em alimento expõe o consumidor a risco

02 de Março de 2019 as 17h28

Artigo

Artigo: Cadastro positivo

A nova redação prevê a inclusão automática do consumidor no cadastro

02 de Março de 2019 as 17h26

Artigo

Delegado: MT deve sufocar facções e se preparar para represálias

Delegado Flávio Stringueta defende cerco à comunicação entre bandidos presos e comparsas soltos

25 de Fevereiro de 2019 as 10h03

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Enquete

Você concorda com a decisão do TRE que cassou o mandato da senadora Selma Arruda?

Sim

Não

Parcial
veja +

COTAÇÃO