Dados

10% mais ricos recebem quase 50% da renda do trabalho no mundo, diz OIT

No Brasil, essa fatia da população recebe cerca de 41% do total; desigualdade vinha caindo, mas tendência foi interrompida pela crise. Dados são de 2017.

Fonte:Fonte: G1
04 de Julho de 2019 as 20h 54min

A concentração da renda do trabalho mostrou leve queda em 2017, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (4) pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). Apesar do recuo, os 10% mais ricos continuam recebendo quase 50% de toda a renda do trabalho gerada. 

O relatório, que abrange 189 países, mostra que, naquele ano, os 10% mais ricos do mundo receberam 48,95% da renda do trabalho – no ano anterior, esse percentual havia sido levemente maior, de 49,23%. Já os 10% mais pobres receberam 0,15% da renda, mesmo patamar registrado desde 2014. Mesmo a fatia dos 50% mais pobres ainda é muito pequena: representa apenas 6,4% do total. 

"Ainda que os níveis de desigualdade de renda sigam muito altos, eles mostraram uma redução substancial entre 2004 e 2017", diz OIT. 

Um trabalhador entre os 10% mais ricos recebeu, em média, US$ 7.445 por mês em 2017. Já os que estão entre os 10% mais pobres tiveram uma renda média mensal de apenas US$ 22. Considerando todos os 50% mais pobres, a renda foi de US$ 198, segundo a OIT. 

A OIT destaca, ainda que a renda do trabalho corresponde a 51,4% de toda a renda gerada. Os outros 48,6% se referem à renda do capital – ou seja, remuneraram os proprietários do dinheiro. "É importante ressaltar que a participação do capital aumentou nos últimos anos", aponta a entidade. 

Efeito dos emergentes 

De acordo com o estudo, embora o conjunto de dados mostre uma redução na desigualdade global da renda do trabalho desde 2004, isso não se deve a reduções na desigualdade dentro dos países. 

“Pelo contrário, é por causa do aumento da prosperidade em grandes economias emergentes, como China e Índia. No geral, os resultados dizem que a desigualdade de renda continua difundida no mundo do trabalho”, afirma a OIT. 

Ao dividir os assalariados em três grupos, entre salários baixos, médios e altos, a OIT aponta também que somente os trabalhadores com salários mais altos viram sua situação melhorar entre 2004 e 2107, enquanto os pertencentes às classes média e baixa registraram redução no poder de compra. 

Considerando a distribuição de remuneração média entre os países, a OIT constata que a participação da classe média (aproximadamente 60% dos trabalhadores) diminuiu, globalmente, de 44,8% para 43% entre 2004 e 2017. Simultaneamente, a participação dos 20% dos que mais ganham aumentou de 51,3% para 53,5%. Os países em que estes trabalhadores mais bem pagos viram a sua parcela de remuneração aumentar em pelo menos um ponto percentual incluem Alemanha, Indonésia, Itália, Paquistão, Reino Unido e Estados Unidos. 

"Os dados mostram que, em termos relativos, os aumentos nos rendimentos da mão-de-obra estão associados a perdas para todos os outros, com trabalhadores de classe média e baixa renda observando sua participação no declínio da renda", explica o diretor de produção de dados da Unidade de Análise da OIT, Steven Kapsos, por meio de comunicado obtido pelo Valor. 

No Brasil, a desigualdade de renda do trabalho vinha em tendência de queda, segundo os dados da OIT. Mas essa melhora foi interrompida pela crise. 

De 2004 a 2016, a renda percebida pelos 10% mais ricos recuou de 47,75% a 40,91% – em 2017, no entanto, voltou a subir, atingindo 41,36%. Já o rendimento dos 10% mais pobres subiu de 0,49% a 1,11% entre 2004 e 2016, mas mostrou um recuo em 2017, para 1,04% do total. 


Siga MT Agora no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para entrar em nosso grupo do WhatsApp clicando AQUI e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros

COMENTARIOS

Mais de Economia

Renegociação

Renegociação de pagamentos fica em segundo plano para 51% dos brasileiros durante a pandemia

Pesquisa da Mobills também aponta que 11% cancelaram os serviços que pagavam anteriormente

14 de Setembro de 2020 as 14h34

Queda

Mercado financeiro prevê queda da economia em 5,31% este ano

Para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,50%, diz BC

08 de Setembro de 2020 as 08h52

Limpa Nome

Campanha Serasa Limpa Nome termina nesta terça-feira

Iniciativa permite quitar dívidas de até R$ 1 mil por apenas R$ 100

08 de Setembro de 2020 as 08h47

Projeções

Ministério da Economia mantém em queda de 4,70% a projeção do PIB de 2020

Para 2021, a projeção de crescimento foi mantida em 3,20%, enquanto para 2022, a estimativa de alta no PIB continuou em 2,60%

15 de Julho de 2020 as 15h28

Auxílio Emergencial

Não dá para transformar os R$ 600 em renda permanente, diz diretor da IFI

Para Felipe Salto, Brasil precisa discutir a implantação de uma eventual renda básica permanente no cenário pós-pandemia

14 de Julho de 2020 as 23h38

Negociação

Senado aprova negociação de dívidas de micro e pequenas empresas

A matéria já passou pela Câmara e agora vai à sanção presidencial

14 de Julho de 2020 as 23h24

Suínos

Argentina destrói 188 Kg de carne suína com triquinose

Medida impediu que a carne chegasse ao consumidor

09 de Julho de 2020 as 08h03

Auxílio Emergencial

Caixa libera saque de primeira parcela do terceiro lote de aprovados

No total são 4,9 milhões dentro desse terceiro lote. Nesta segunda-feira, poderão sacar o dinheiro os nascidos em janeiro, um total de 400 mil trabalhadores.

06 de Julho de 2020 as 07h33

Crise na Pandemia

CDL alerta para fechamento de empresas e cobra reabertura "responsável" do comércio na capital

Fábio Granja cobrou testagem em massa da população para apenas contaminados poderem ficar em casa

02 de Julho de 2020 as 13h25

Bolsa de Valores

Bolsa dispara 14% após quinta-feira tensa; dólar passa de R$ 4,80

Ibovespa terminou semana com perda de 15%

14 de Março de 2020 as 04h30

Economia

Empregos avançam no setor de turismo

Segmento de Alojamento e Alimentação se destacou com crescimento de 3,2% no trimestre

01 de Março de 2020 as 18h17

Novo Salário Mínimo

A partir de hoje sábado, salário mínimo passa a ser de R$ 1.045; veja o que muda

O valor de R$ 1.045 será aplicado no vencimento de fevereiro, que será pago em março

01 de Fevereiro de 2020 as 19h25

Cadastro Positivo

Com cadastro positivo, BC prevê declínio dos juros de cartão de crédito e cheque especial em 2021

Diretor de Organização do Sistema Financeiro do Banco Central, João Manoel Pinho de Mello, estima redução de cerca de 30% do chamado 'spread' bancário até meados do ano que vem.

27 de Janeiro de 2020 as 07h05

Impostos

Receita federal recupera R$ 5,2 bilhões de inadimplentes do Simples Nacional

Em 2019, a instituição notificou 738.605 contribuintes de micro e pequenas empresas enquadradas no regime tributário

20 de Janeiro de 2020 as 22h15

Turismo

Turismo brasileiro cresce 2,6% em 2019

Mês de novembro foi o que apresentou maior crescimento para o setor, com aumento de 3,8% em relação a 2018

20 de Janeiro de 2020 as 22h13

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

ENQUETE

veja +

COTAÇÃO