União De Gigantes

Boeing e Embraer anunciam criação de nova empresa avaliada em US$ 4,75 bilhões

Fabricante norte-americana de aeronaves deve pagar US$ 3,8 bilhões pelos 80% do novo negócio, que reúne toda a aviação comercial da Embraer; brasileira deterá os 20% restantes.

05 de Julho de 2018 as 14h 22min

Combinação de fotos com as marcas da Boeing e da Embraer. As marcas anunciaram nesta quinta (5) a criação de nova empresa avaliada em US$ 4,75 bilhões (Foto: Denis Balibouse/Reuters; Roosevelt Cassio/Reuters)

A Boeing e a Embraer anunciaram nesta quinta-feira (5) que assinaram um acordo de intenções para formar uma joint venture (nova empresa) na área de aviação comercial da companhia brasileira, avaliada em US$ 4,75 bilhões. Nos termos do acordo, a fabricante norte-americana de aeronaves deterá 80% do novo negócio e a Embraer, os 20% restantes.

Divisão comercial

As operações e serviços de aviação comercial da Embraer foram avaliados em US$ 4,75 bilhões. A Boeing, maior fabricante de aeronaves do mundo, deve pagar US$ 3,8 bilhões pelos 80% da joint venture. A Embraer terá a opção de vender seus 20% de participação, sob aprovação do Conselho.

Joint venture é uma empresa criada a partir dos recursos de duas companhias que se unem e dividem seus resultados (lucros e prejuízos).

"Firmar parceria com a maior empresa de aviação do mundo significará um imenso benefício para nossas operações, com acesso a mais mercados, redução de custos e ganhos de eficiência", afirmou o presidente da empresa, Paulo Cesar de Souza e Silva, em teleconferência.

Procurado, o Planalto informou ao G1 que não se manifestaria sobre o negócio. O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Dyogo Oliveira, afirmou que a associação vai permitir que a empresa brasileira continue competindo no mercado de aviação.

OS US$ 3,8 bilhões pagos pela Boeing pela fatia majoritária no negócio correspondem a 75% de todo o valor de mercado da Embraer (R$ 19,7 bilhões ou US$ 5,05).

Já os US$ 4,75 bilhões pelos quais a joint venture como um todo foi avaliada equivalem a 94% do valor da companhia na bolsa.

Em 2017, a área de aviação comercial da Embraer respondeu por 57,6% da receita líquida da companhia, com US$ 10,7 bilhões de um total de US$ 18,7 bilhões.

A parceria deve entrar nos resultados financeiros da Boeing por ação no início de 2020 e deve gerar uma sinergia anual de custos estimada em cerca de US$ 150 milhões, sem considerar impostos, até o 3º ano.

"O acordo não-vinculante propõe a formação de uma joint venture que contempla os negócios e serviços de aviação comercial da Embraer, estrategicamente alinhada com as operações de desenvolvimento comercial, produção, marketing e serviços de suporte da Boeing", dizem as empresas em comunicado.

Em teleconferência a acionistas, a Embraer esclareceu que vai continuar a ser uma empresa de capital aberto e listada em bolsa e o direito do governo brasileiro sobre a Embraer será mantido.

O governo federal é dono de uma "golden share" na Embraer, que garante poder de veto em decisões estratégicas da companhia, entre elas a transferência de controle acionário.

O CEO da Embraer, Paulo César de Souza e Silva, afirmou em comunicado interno que os funcionários da aviação comercial da fabricante brasileira serão transferidos para a nova empresa que será formada em parceria com a Boeing.

O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos vê com apreensão a criação da nova empresa, apesar do anúncio de manutenção dos empregos. Para eles, a proposta ameaça a soberania nacional e o futuro da Embraer no Brasil.

O acordo repercutiu negativamente para a Embraer e Boeing nos mercados acionários. As ações da empresa brasileira chegaram a cair mais de 15% na B3 e mais de 10% na bolsa de Nova York. Já os papéis da Boeing tinham queda menor que 1%.

Acordo depende de aprovação

A transação depende do aval dos acionistas – entre os quais, no caso da Embraer está o governo brasileiro – e dos órgãos reguladores do mercado brasileiro e americano".

Caso as aprovações ocorram no tempo previsto, a expectativa é que a transação seja fechada até o final de 2019, entre 12 a 18 meses após os acordos definitivos.

Segundo as companhias, uma vez consumada a transação, a joint venture na aviação comercial será liderada por uma equipe de executivos sediada no Brasil, incluindo um presidente e CEO. A Boeing terá o controle operacional e de gestão da nova empresa, que responderá diretamente a Muilenburg.

Aviação militar e executiva serão mantidas

A Embraer também esclareceu por comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que as demais divisões da companhia, incluindo defesa e jatos executivos, não serão separadas para nova sociedade e seguirão sendo desenvolvidas pela Embraer.

Negócio na área de defesa

Além da joint venture, as empresas também irão criar outro negócio para novos mercados de exportação e aplicações para produtos e serviços de defesa, em especial o avião multimissão KC-390, a partir de oportunidades identificadas em conjunto.

O comandante do exército, general Eduardo Villas Boas, disse ao G1 que houve muita interação das Forças Armadas e uma preocupação do Ministério da Defesa e do próprio presidente Temer de preservar toda a parte de defesa da Embraer.”

“O restante são questões comerciais. O mundo hoje é muito intrincado, muito interligado, e muito competitivo. Então a Embraer está tratando de ganhar competitividade para fazer face à associação que houve, por exemplo, entre a Airbus e a empresa Canadense”, disse Villas Boas.

Em nota, o vice-presidente executivo Financeiro e de Relações com Investidores da Embraer, Nelson Salgado, afirmou que os investimentos conjuntos na comercialização global do KC-390, assim como acordos nas áreas de engenharia, pesquisa e desenvolvimento e cadeia de suprimentos, ampliarão os benefícios mútuos e aumentarão a competitividade da Boeing e da Embraer.

As duas empresas mantêm um centro de pesquisas conjunto sobre biocombustíveis para aviação em São José dos Campos desde 2015.

É o segundo grande acordo do setor aéreo em 9 meses. Em outubro do ano passado, a Airbus comprou metade do programa de aviões de médio alcance da Bombardier.


MT Agora - G1

COMENTARIOS

Mais de Economia

Pesquisa

Mulheres aumentam escolaridade em relação aos homens, mostra pesquisa

Ano de 1991 marcou perfil feminino no mercado de trabalho

17 de Junho de 2019 as 06h42

IMPOSTO DE RENDA 2019

Receita paga 1º lote de restituições do Imposto de Renda 2019 nesta segunda-feira

Serão distribuídos R$ 5,1 bilhões a 2.573.186 contribuintes idosos e com algum tipo de deficiência ou doença grave.

17 de Junho de 2019 as 06h34

Reforma Da Previdência

Confira principais mudanças no relatório da reforma da Previdência

Parecer do deputado Samuel Moreira será votado por comissão especial

13 de Junho de 2019 as 23h29

Combustíveis

Petrobras reduz preço do diesel em 4,6% e acaba com periodicidade para reajustes

A partir de agora, os reajustes de preços de diesel e gasolina serão realizados sem periodicidade definida, disse a empresa.

12 de Junho de 2019 as 22h40

Benefício

PIS-Pasep 2018-2019: 2,2 milhões ainda não sacaram o abono salarial

Trabalhadores têm até o dia 28 de junho para realizar o saque. Veja quem tem direito.

12 de Junho de 2019 as 22h34

Pesquisa

Trabalhador valoriza mais jornada flexível e bônus e menos benefícios como plano odontológico, diz pesquisa

Pesquisa feita na América do Norte mostra disparidade entre as vantagens, benefícios e incentivos que os funcionários desejam e os que as empresas oferecem.

12 de Junho de 2019 as 22h25

Oportunidade

Confira as vagas de emprego disponíveis no Sine de Lucas do Rio Verde

Os interessados podem procurar o Sine na Galeria Central de Serviços, localizada na Av. Paraná, nº 766 S, sala 06, Centro. O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 7h às 11h e das 13h às 16h.

12 de Junho de 2019 as 21h14

Oportunidade

Sine oferece 1.717 vagas de emprego nesta semana em Mato Grosso

É preciso verificar na unidade a disponibilidade das vagas que são ofertadas diariamente.

11 de Junho de 2019 as 01h52

Combustíveis

Custo de produção da cana cai, safra aumenta e preço do etanol tem redução em MT

Litro de etanol nos postos está custando em torno de R$ 2,29. Gerente de posto diz que consumidores aproveitam para encher o tanque.

11 de Junho de 2019 as 01h06

Restituição IRPF

Receita abre consulta ao primeiro lote de restituição do IRPF 2019

São 2,5 milhões de contribuintes que possuem prioridade no recebimento; crédito será feito no dia 17

10 de Junho de 2019 as 22h25

Consulta Pública

Plano Plurianual 2020-2023 recebe contribuições até o dia 30 deste mês

Ao abrir a participação eletrônica, governo amplia o espaço a sociedade no processo de planejamento orçamentário

10 de Junho de 2019 as 22h16

Combustíveis

Preço do Etanol em Lucas do Rio Verde-MT não acompanhou queda em relação algumas cidades de Mato Grosso

Em Lucas do Rio Verde preços continuam alto, variando de R$ 2,84 até R$ 3,15

10 de Junho de 2019 as 21h03

Carga Tributária

Brasileiros já pagaram R$ 1,1 trilhão em impostos este ano

Valor corresponde ao total pago para a União, estados e municípios na forma de impostos, taxas, multas e contribuições.

09 de Junho de 2019 as 17h54

Inflação

Inflação oficial desacelera e fica em 0,13% em maio, menor taxa para o mês desde 2006

Trata-se também do índice mensal mais baixo do ano. Em 12 meses, IPCA acumulado recuou para 4,66%, mas segue acima do centro da meta para 2019, que é de 4,25%

08 de Junho de 2019 as 00h44

Combustíveis

Preços da gasolina e do diesel têm queda na semana, aponta ANP

Preço médio da gasolina nos postos terminou a semana em R$ 4,52 por litro.

08 de Junho de 2019 as 00h35

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Enquete

veja +

COTAÇÃO