Mercado De Trabalho

Desemprego sobe para 11,8% e atinge 12 milhões de pessoas

É a maior taxa da série da Pnad, que começou no 1º trimestre de 2012. Número de desocupados chegou a 12 milhões no país, segundo o IBGE.

Fonte:MT Agora - G1 | Agência Brasil
01 de Outubro de 2016 as 02h 16min

O desemprego ficou em 11,8% no trimestre encerrado em agosto, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a maior da série da Pnad, que teve início no primeiro trimestre de 2012.

A taxa aumentou em relação à registrada no trimestre anterior, de março a maio, quando ficou em 11,2%, e em comparação à relativa ao trimestre encerrado em agosto de 2015, que atingiu 8,7%.

De junho a agosto deste ano, havia 12 milhões de desocupados no Brasil, de acordo com o IBGE. O número representa uma alta de 5,1% sobre o trimestre de março a maio de 2016 e de  36,6% diante do mesmo período de 2015.

Por outro lado, a população ocupada somou 90,1 milhões. Em comparação ao trimestre anterior, o contingente recuou 0,8% e em relação ao mesmo trimestre do ano passado, diminuiu 2,2%.

“O contingente de pessoas ocupadas continua em queda em ambos os períodos de comparação. Nós voltamos ao patamar de 2013. E em um ano, esse contingente perdeu cerca de 2 milhões de trabalhadores”, ressaltou Cimar Azeredo, coordenador de trabalho e rendimento do IBGE.

Desse total, havia 34,2 milhões de trabalhadores com carteira assinada. O número não mudou em relação ao trimestre de março a maio de 2016. Já frente ao trimestre de junho a agosto de 2015, a queda foi de 3,8%.

“No período recente você não vê nenhum sinal de recuperação da população ocupada.”

Segundo o coordenador, a perda da carteira de trabalho assinada “foi o primeiro sinal que a crise mostrou”. “E o que ela provoca? As pessoas que perderam emprego estavam trabalhando por conta própria. A informalidade, que estava dando fôlego à crise, meio que perdeu a força. Azeredo ressaltou que o trabalhador por conta própria mostrou queda de 732 mil trabalhadores em relação ao trimestre anterior. “E a agricultura, a indústria geral e a construção, somados, perderam 483 mil pessoas [no trimestre].”

No trimestre encerrado em agosto, o rendimento médio dos trabalhadores ficou em R$ 2.011 e praticamente não variou em nenhuma das comparações.

Categorias de trabalhadores

O número de trabalhadores domésticos diminuiu 2,5% em relação ao trimestre de março a maio ao atingir 6,1 milhões de pessoas. Se comparado com o resultado do trimestre de junho a agosto de 2015, houve estabilidade.

O número de trabalhadores do setor público, em compensação, cresceu 1,6% sobre o trimestre anterior e chegou a 11,4 milhões de pessoas. Na outra base comparação, não houve variação.

Com o aumento do desemprego, o número de trabalhadores por conta própria vinha aumentando, mas nesse trimestre encerrado em agosto, foi registrada queda de 3,2%, para 22,2 milhões de pessoas. Sobre o mesmo período de 2015, houve estabilidade.

Cimar Azeredo afirmou que o trabalho doméstico, que "de certa forma estava absorvendo a população desocupada", mostrou queda no trimestre em relação ao anterior. “Já está dando os primeiros sinais que a mesma coisa que está acontecendo com o trabalhador por conta própria pode estar acontecendo com o trabalhador doméstico. Isso é uma das mazelas desse cenário que a gente vê hoje da desocupação.”

Indústria

Na comparação com o trimestre anterior, o emprego na indústria caiu 1,9%, na construção recuou 3,3% e nos serviços domésticos diminuiu 2,8%. Por outro lado, aumentou 1,9% na administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (acréscimo de 294 mil pessoas).

Na comparação com o trimestre de junho a agosto de 2015, foi registrada queda de 2,8% na agricultura, pecuária, produção florestal e pesca; de 11% na indústria geral e de 9,4% na informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas.

Aumentou 4,4% em transporte, armazenagem e correio, 5,3% em alojamento e alimentação e de 3,5% em administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais. Os demais grupamentos não se alteraram.

Segundo Azeredo, a indústria e a construção foram os principais setores responsáveis pelo aumento da taxa de desemprego.

"Nesse momento era esperado que a indústria estivesse, ainda que não aumentasse, que estivesse estável, e isso não aconteceu. Apresentou agora, neste período, nos meses de junho, julho e agosto, uma queda expressiva. E esses grupamentos [indústria e construção] eles foram responsáveis, principalmente, pela queda do contingente de trabalhadores por conta própria", disse. "Esse problema na indústria afeta, principalmente, a dispensa de trabalhadores com carteira de trabalho assinada", ressaltou ainda o coordenador de trabalho e renda do IBGE

A Pnad Contínua coleta informações em 15.756 setores em 3.464 municípios e 211 mil domicílios. 


Siga MT Agora no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para entrar em nosso grupo do WhatsApp clicando AQUI e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros

COMENTARIOS

Mais de Economia

Pacto Federativo

Secretário do Tesouro pede cláusula de calamidade no Pacto Federativo

Flexibilidade ajudaria em eventual segunda onda de covid, diz Funchal

29 de Outubro de 2020 as 21h31

Geração de Emprego

Criação de empregos em setembro atinge melhor nível em dez anos

Caged diz que 249,3 mil postos de trabalho foram abertos no mês

29 de Outubro de 2020 as 18h32

IPI Reduzida

Jogos eletrônicos têm a alíquota de IPI reduzida

É a segunda redução do imposto para o setor. Com a medida, a alíquota vai variar de 6% a 30%

28 de Outubro de 2020 as 22h42

Brasil Mais

Programa Brasil Mais é retomado com objetivo de ampliar a produtividade de empresas brasileiras

Iniciativa vai oferecer capacitação para melhorar a gestão e apoiar a adoção de tecnologias digitais a cerca de 120 mil empresas

28 de Outubro de 2020 as 22h39

Auxílio Residual

Beneficiários do Bolsa Família recebem 2ª parcela de auxílio residual

Hoje foram liberados R$ 421,6 milhões para 1,6 milhão de pessoas

19 de Outubro de 2020 as 10h40

Informações G1

Defensoria recorre à Justiça para que cédulas de R$ 200 saiam de circulação

A Defensoria Pública da União (DPU) ingressou com uma Ação Civil Pública na Justiça para que o Banco Central suspenda a confecção das notas de R$ 200.

13 de Outubro de 2020 as 18h24

Auxílio Emergencial

Caixa libera saques e transferências para mais 4 milhões nesta terça

Liberação é para aniversariantes em julho, que tiveram dinheiro creditado em poupança social digital no dia 23 de setembro.

13 de Outubro de 2020 as 07h43

Renegociação

Renegociação de pagamentos fica em segundo plano para 51% dos brasileiros durante a pandemia

Pesquisa da Mobills também aponta que 11% cancelaram os serviços que pagavam anteriormente

14 de Setembro de 2020 as 14h34

Queda

Mercado financeiro prevê queda da economia em 5,31% este ano

Para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,50%, diz BC

08 de Setembro de 2020 as 08h52

Limpa Nome

Campanha Serasa Limpa Nome termina nesta terça-feira

Iniciativa permite quitar dívidas de até R$ 1 mil por apenas R$ 100

08 de Setembro de 2020 as 08h47

Projeções

Ministério da Economia mantém em queda de 4,70% a projeção do PIB de 2020

Para 2021, a projeção de crescimento foi mantida em 3,20%, enquanto para 2022, a estimativa de alta no PIB continuou em 2,60%

15 de Julho de 2020 as 15h28

Auxílio Emergencial

Não dá para transformar os R$ 600 em renda permanente, diz diretor da IFI

Para Felipe Salto, Brasil precisa discutir a implantação de uma eventual renda básica permanente no cenário pós-pandemia

14 de Julho de 2020 as 23h38

Negociação

Senado aprova negociação de dívidas de micro e pequenas empresas

A matéria já passou pela Câmara e agora vai à sanção presidencial

14 de Julho de 2020 as 23h24

Suínos

Argentina destrói 188 Kg de carne suína com triquinose

Medida impediu que a carne chegasse ao consumidor

09 de Julho de 2020 as 08h03

Auxílio Emergencial

Caixa libera saque de primeira parcela do terceiro lote de aprovados

No total são 4,9 milhões dentro desse terceiro lote. Nesta segunda-feira, poderão sacar o dinheiro os nascidos em janeiro, um total de 400 mil trabalhadores.

06 de Julho de 2020 as 07h33

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

ENQUETE

veja +

COTAÇÃO