Redação

Mato Grosso e Goiás detêm 45% de fazendas aptas a exportar para UE

Governo retomou gerenciamento da ?lista trace?. Oito estados brasileiros estão autorizados a exportarem para bloco.

Fonte:Leandro J. Nascimento - G1
04 de Fevereiro de 2012 as 09h 34min

Dois estados do Centro-Oeste brasileiro concentram o maior número de propriedades rurais aptas a exportar gado para a União Europeia (UE). Elas atenderam a uma série de exigências impostas pelos governos brasileiro e europeu e obtiveram a abertura para o mercado. Juntos, Mato Grosso eGoiás detêm 45,3% do total habilitado no Brasil, que soma 1.948. A maior parcela das fazendas está localizada em Goiás, onde são 452 (23,2%), seguida pela unidade federada mato-grossense, com 431, ou 22,12% do geral.

O número consta na nova lista divulgada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com todas as propriedades que podem realizar a operação. Além dos dois estados, estão inclusos ainda Minas Gerais (428), Mato Grosso do Sul (275), Rio Grande do Sul (173), São Paulo (142), Paraná (36) e Espírito Santo (11).

A cada 15 dias o governo brasileiro deve atualizar a relação das propriedades autorizadas a fornecer bovinos para abate e venda da carne in natura para a União Europeia. Isto porque o Brasil reassumiu o gerenciamento da chamada ?lista trace?, e a partir de agora poderá veicular o que desde 2007 era feito exclusivamente pelas autoridades europeias. A notícia repercutiu de maneira positiva no setor produtivo, que fala do retorno como questão de soberania.

Superintendente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Luciano Vacari destaca a responsabilidade de elencar quais propriedades podem exportar para o território europeu é do Ministério da Agricutura no Brasil. "Há alguns anos a UE disse que só iria autorizar as propriedades que estavam nessa lista. Isso é uma coisa que o governo brasileiro nunca poderia ter admitido, pois quem deve cuidar da lista é o Brasil. A lista é uma questão de soberania nacional e quem deve cuidar é o Mapa", disse o dirigente.

A associação da qual Luciano Vacari faz parte representa, em Mato Grosso, pecuaristas que juntos fazem o estado deter o maior rebanho de bovinos do país, com 29,1 milhões de animais. Mas o dirigente é enfático ao afirmar que mesmo diante das habilitações concedidas aos produtores brasileiros, a diferença de preço paga pela arroba do boi destinado a abastecer a UE e o que fica no país, torna o mercado pouco interessante e, em muitos casos, até mesmo desestimulante.

Segundo ele, o número de novas habilitações de fazendas poderia aumentar desde que o preço da arroba do boi se torne mais atrativo para a carne que será enviada ao bloco europeu. "O fato de quantas propriedades vão participar deste mercado ou não depende de mercado. Para fazer parte dessa lista existe todo um procedimento diferenciado nas propriedades e isso gera custo. O boi vendido para a União Europeia não pode custar o mesmo que o geral aqui. Existe hoje uma diferença de R$ 2 ou R$ 3 e o produtor tem que receber mais", considerou o representante.

Pecuaristas falam em baixa remuneração pagaEm fevereiro de 2009, o pecuarista Antônio Francisco dos Passos obteve autorização para venda de gado para o bloco. A fazenda dele, sediada em Alta Floresta, a 800 quilômetros de Cuiabá, foi a primeira habilitada na região norte. O pecuarista conta que desde a época, sua propriedade passa por períodicas avaliações. Ele diz sentir a real diferença de preços pagos aos produtores pelos animais.

"Não me arrependo de ter feito a certificação. Mas há alguns pontos que deveriam ser melhorados. Não está muito estimulante, mas continuo otimista. Infelizmente, o mercado é muito complicado, mas é assim em todos os setores. Não está agregando esse diferencial de preços, principalmente para o produtor", contou.

Na hora de vender o gado, o pecuarista prefere recorrer a frigoríficos de Várzea Grande, na região metropolitana de Cuiabá, em função em busca dos melhores preços. "Em minha região há frigoríficos habilitados, mas não estão pagando o ágio (diferença entre o valor nominal e o real)", frisou.

Certificadora
Para certificar o rebanho visando o mercado europeu, o produtor precisa arcar com diferentes gastos, conforme explica Rodolfo Danielides, da GR Rastreabilidade Animal. À lista das despesas estão inclusos itens como a aquisição e colocação dos brincos certificadores, a renovação do certificado da propriedade, além do gasto individual em cima de cada animal.

"É vantajoso, mas o produtor tem que ter o mínimo de estrutura para manter o processo burocrático", pontuou o empresário.


Siga MT Agora no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para entrar em nosso grupo do WhatsApp clicando AQUI e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros

COMENTARIOS

Mais de Economia

Renegociação

Renegociação de pagamentos fica em segundo plano para 51% dos brasileiros durante a pandemia

Pesquisa da Mobills também aponta que 11% cancelaram os serviços que pagavam anteriormente

14 de Setembro de 2020 as 14h34

Queda

Mercado financeiro prevê queda da economia em 5,31% este ano

Para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,50%, diz BC

08 de Setembro de 2020 as 08h52

Limpa Nome

Campanha Serasa Limpa Nome termina nesta terça-feira

Iniciativa permite quitar dívidas de até R$ 1 mil por apenas R$ 100

08 de Setembro de 2020 as 08h47

Projeções

Ministério da Economia mantém em queda de 4,70% a projeção do PIB de 2020

Para 2021, a projeção de crescimento foi mantida em 3,20%, enquanto para 2022, a estimativa de alta no PIB continuou em 2,60%

15 de Julho de 2020 as 15h28

Auxílio Emergencial

Não dá para transformar os R$ 600 em renda permanente, diz diretor da IFI

Para Felipe Salto, Brasil precisa discutir a implantação de uma eventual renda básica permanente no cenário pós-pandemia

14 de Julho de 2020 as 23h38

Negociação

Senado aprova negociação de dívidas de micro e pequenas empresas

A matéria já passou pela Câmara e agora vai à sanção presidencial

14 de Julho de 2020 as 23h24

Suínos

Argentina destrói 188 Kg de carne suína com triquinose

Medida impediu que a carne chegasse ao consumidor

09 de Julho de 2020 as 08h03

Auxílio Emergencial

Caixa libera saque de primeira parcela do terceiro lote de aprovados

No total são 4,9 milhões dentro desse terceiro lote. Nesta segunda-feira, poderão sacar o dinheiro os nascidos em janeiro, um total de 400 mil trabalhadores.

06 de Julho de 2020 as 07h33

Crise na Pandemia

CDL alerta para fechamento de empresas e cobra reabertura "responsável" do comércio na capital

Fábio Granja cobrou testagem em massa da população para apenas contaminados poderem ficar em casa

02 de Julho de 2020 as 13h25

Bolsa de Valores

Bolsa dispara 14% após quinta-feira tensa; dólar passa de R$ 4,80

Ibovespa terminou semana com perda de 15%

14 de Março de 2020 as 04h30

Economia

Empregos avançam no setor de turismo

Segmento de Alojamento e Alimentação se destacou com crescimento de 3,2% no trimestre

01 de Março de 2020 as 18h17

Novo Salário Mínimo

A partir de hoje sábado, salário mínimo passa a ser de R$ 1.045; veja o que muda

O valor de R$ 1.045 será aplicado no vencimento de fevereiro, que será pago em março

01 de Fevereiro de 2020 as 19h25

Cadastro Positivo

Com cadastro positivo, BC prevê declínio dos juros de cartão de crédito e cheque especial em 2021

Diretor de Organização do Sistema Financeiro do Banco Central, João Manoel Pinho de Mello, estima redução de cerca de 30% do chamado 'spread' bancário até meados do ano que vem.

27 de Janeiro de 2020 as 07h05

Impostos

Receita federal recupera R$ 5,2 bilhões de inadimplentes do Simples Nacional

Em 2019, a instituição notificou 738.605 contribuintes de micro e pequenas empresas enquadradas no regime tributário

20 de Janeiro de 2020 as 22h15

Turismo

Turismo brasileiro cresce 2,6% em 2019

Mês de novembro foi o que apresentou maior crescimento para o setor, com aumento de 3,8% em relação a 2018

20 de Janeiro de 2020 as 22h13

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

ENQUETE

veja +

COTAÇÃO