Economia

PIB avança 0,2% no 2º trimestre de 2017, diz IBGE

Consumo das famílias impulsionou serviços e favoreceu o resultado, enquanto indústria recuou 0,5%; frente a igual período de 2016, foi a 1ª alta após 12 trimestres.

Dados | 01 de Setembro de 2017 as 21h 17min
MT Agora - G1

A economia brasileira cresceu 0,2% no segundo trimestre de 2017, na comparação com os três primeiros meses do ano, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (1º). Em valores correntes, o PIB alcançou R$ 1,639 trilhão.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. No primeiro trimestre, a economia avançou 1,0%, interrompendo uma sequência de dois anos de PIB negativo.

Na comparação com o mesmo período do ano passado, o PIB cresceu 0,3%. Foi a primeira alta após 12 baixas seguidas. A última vez que a taxa ficou positiva nesta base de comparação foi no primeiro trimestre de 2014, quando avançou 3,5%.

IBGE não vê recuperação; economistas discordam

Para o IBGE, no entanto, ainda não é possível dizer que a economia está em recuperação. “É uma variação positiva. A gente nem chama de crescimento. Apontamos crescimento quando é superior a 0,5%”, ponderou coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca de La Rocque Pali.

No entanto, para economistas ouvidos pelo G1, o resultado do PIB do segundo trimestre mostra que há sinais de uma recuperação consistente da economia.

“A gente percebe que esse maior dinamismo do consumo está batendo nos serviços, e temos mais fundamentos daqui pra frente para o crescimento consistente da economia”, afirmou Alessandra Ribeiro, economista da Tendências.

No primeiro semestre de 2017, o PIB ficou estável (0,0%) frente ao primeiro semestre de 2016, após uma queda de 2,7%. As atividades que mais puxaram a alta nessa base de comparação foram a agropecuária (15%) e a indústria extrativa mineral (7,8%).

Já no acumulado de 12 meses, a economia encolheu 1,4% ante os 12 meses imediatamente anteriores.

Brasileiro volta a comprar

Os dados do PIB mostram que o brasileiro voltou a gastar. O consumo das famílias subiu 1,4% no segundo trimestre, após oito trimestres de retração e um de variação nula.

Embora a maior parte das famílias tenha usado o dinheiro do FGTS para pagar dívidas ou poupar, parte dele foi usado no consumo, diz a coordenadora do IBGE.

Rebeca apontou que o consumo foi beneficiado por "uma junção de fatores positivos" que compensaram os números do mercado de trabalho. Ela citou o crescimento de 2,3% da massa salarial real, a queda da taxa básica de juros, a inflação mais baixa e o crescimento do crédito.

“Além disso, teve a liberação das contas inativas do FGTS. Embora a maior parte das famílias tenha usado esse dinheiro para pagar dívidas ou poupar, parte dele foi usado no consumo."

O consumo das famílias, segundo a coordenadora do IBGE, não chegou a ajudar o setor de construção porque o consumo do setor imobiliário tem efeitos mais no médio e longo prazo.

Segundo Rebeca, são boas as perspectivas para que as famílias continuem consumindo nos próximos trimestres.

Na contramão do movimento das famílias, o governo gastou menos neste ano. Os gastos públicos recuaram 0,9% e influenciaram negativamente o PIB. Esta foi a maior queda desde o terceiro trimestre do ano passado e a quarta retração trimestral seguida.

Serviços avançam com ajuda do comércio

Um dos destaques positivos do PIB do segundo trimestre foi o avanço do setor de serviços, que cresceu 0,6% e deu a maior contribuição para o resultado, destaca a coordenadora do IBGE. Esse setor responde por cerca de 70% do PIB.

Destacou-se a alta do comércio (1,9%), que segundo Rebeca "foi beneficiado pelo aumento do consumo das famílias”.

Também se destacaram as atividades imobiliárias e outros serviços (0,8%) e atividade de transporte, armazenagem e correio (0,6%). Os serviços de informação caíram 2,0% e as atividades de administração, saúde e educação pública (-0,3%) e de intermediação financeira e seguros (-0,2%) tiveram variações negativas.

Contudo, na comparação com o mesmo trimestre de 2016, o setor de serviços teve retração de 0,3%, na 10ª queda seguida no PIB.

Veja no gráfico abaixo o resultado por setor:

Indústria recua puxada por construção

Depois de avançar no primeiro trimestre, a indústria voltou a recuar. O setor se retraiu em 0,5% frente ao primeiro trimestre. Quem puxou o resultado para baixo foi a construção civil, que recuou 2,0%.

Segundo Rebeca, a construção tem impacto direto do consumo do governo, que também caiu. "Sabemos que o corte de investimentos em infraestrutura, por conta do ajuste fiscal, está disseminado entre as três esferas do governo, principalmente federal e estaduais. Investimento é o mais fácil de cortar", disse.

Na indústria, também recuou a na atividade de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana (1,3%). Já a indústria extrativa mineral subiu 0,4%, enquanto a de transformação avançou 0,1%.

A indústria continua encolhendo na comparação com seu desempenho em igual trimestre de 2016. O segundo trimestre teve o 14º resultado seguido de queda. O último crescimento do setor ocorreu no primeiro trimestre de 2014, de 7,8%.

Agropecuária fica estável

A agropecuária não variou (0,0%) no segundo trimestre, após uma trajetória de três trimestres seguidos de alta, chegando a crescer 11,5% no primeiro trimestre e impulsionando o PIB do período.

Rebeca destacou que nos três primeiros meses do ano, a safra foi destinada mais ao estoque que às exportações. Já no segundo trimestre, teve aumento da exportação, o que segurou o resultado do setor no período. “Até porque não tem mais lugar para estocar”.

Na comparação com o 2º trimestre de 2016, a agropecuária cresceu 14,9% neste ano, destacou Rebeca.

Ela destacou, ainda, que a contribuição da agricultura na formação do PIB nos próximos dois trimestres do ano será menor. “Cerca de 70% da safra prevista para o ano já foi colhida no primeiro semestre. Então, restam apenas 30% para o segundo semestre”.

Investimentos têm novo recorde negativo

A formação bruta de capital fixo (investimentos em bens de capital) recuou 0,7%, a quarta taxa negativa seguida no PIB. A última variação positiva do indicador foi no segundo trimestre de 2016, quando cresceu 0,4%.

No setor externo, as exportações de bens e serviços registraram variação positiva de 0,5%, a segunda taxa positiva seguida, mas menor que o crescimento de 5,2% no trimestre anterior.

A taxa de investimentos no país foi de 15,5%, a menor para o segundo trimestre da série histórica iniciada em 1996. Já a taxa da poupança, de 15,8%, é a maior desde o 2º trimestre de 2016.

Enquanto isso, as importações de bens e serviços caíram 3,5% em relação ao primeiro trimestre de 2017. Rebeca enfatizou que, na comparação com o 2º trimestre do ano passado, a queda foi de mais de 30%.

COMENTARIOS

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

TEMPO AGORA

Hoje, Domingo

Lucas do Rio Verde, MT

Tempo nublado

23º

COTAÇÃO