Reforma Da Previdência

Previdência: comissão rejeita proposta para flexibilizar regra de aposentadoria de policiais

Após aprovar nesta quinta (4) texto-base do parecer, deputados começaram a analisar propostas de alteração no relatório. Policiais chamaram Bolsonaro de ''traidor'' em protesto na Câmara.

Fonte:Fonte: TV Globo | G1
04 de Julho de 2019 as 23h 19min

eputados rejeitam regras de Previdência mais brandas para policiais federais

A comissão especial da Câmara que analisa a proposta de reforma da Previdência rejeitou nesta quinta-feira (4) incluir no parecer do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) regras que iriam flexibilizar a aposentadoria de integrantes de carreiras policiais.  

O texto-base do relatório do parlamentar tucano foi aprovado na tarde desta quinta. No entanto, para concluir a votação, os deputados precisam finalizar a análise dos destaques (sugestões apresentadas pelos partidos para alterar pontos específicos da proposta).  

Inconformados com as mudanças propostas pelo governo Jair Bolsonaro nas regras previdenciárias da categoria, cerca de cem policiais e guardas municipais fizeram barulho em um protesto dentro da Câmara para pressionar os deputados a equipará-los aos integrantes das Forças Armadas. Os militares têm direito a normas diferenciadas de aposentadoria em comparação com os trabalhadores civis e servidores públicos.  

A manifestação dos policiais gerou um princípio de tumulto no anexo II da Câmara, prédio onde a comissão especial estava reunida para votar o parecer de Samuel Moreira. A Polícia Legislativa teve que intervir para conter os manifestantes.  

Foram alvos do protesto o presidente da República, o PSL e a líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP). Quando saiu o placar revelando a derrota, os representantes das carreiras de segurança pública deixaram o plenário da comissão aos gritos de "PSL traiu a polícia do Brasil", em referência ao partido de Bolsonaro, que possui uma fatia numerosa de parlamentares egressos de forças policiais.  

A legenda de Bolsonaro se fortaleceu no Congresso elegendo deputados e senadores em cima de um discurso a favor do fortalecimento dos profissionais de segurança pública, mas, durante a votação do parecer de Samuel Moreira na comissão especial, a liderança do partido orientou a bancada a votar contra os dois destaques que beneficiariam os policiais.  

O destaque rejeitado pelos deputados da comissão especial, de autoria do deputado Hugo Leal (PSD-RJ), aproximaria, em parte, as carreiras policiais às regras previstas para os militares das Forças Armadas.  

Por esse texto, policiais e agentes penitenciários teriam a possibilidade de, uma vez ingressando na carreira antes da promulgação da proposta de emenda à Constituição (PEC), se aposentarem com os seguintes requisitos:  

  • 52 anos de idade, 25 anos de contribuição, 15 anos de atuação no cargo (para mulheres)  
  • 55 anos de idade, 30 anos de contribuição, 20 anos de atuação no cargo (para homens)  
  • Regra de transição: pedágio de 17% (igual aos dos militares das Forças Armadas)  
  • Integralidade (direito a se aposentar com o último salário do período de atividade) e paridade (direito a reajuste na mesma proporção e no mesmo período em que ocorrer para servidores da ativa) na concessão da aposentadoria  
  • Integralidade no valor da pensão por morte decorrente do exercício do cargo e no caso de incapacidade permanente para o trabalho  

O texto rejeitado pela comissão especial previa ainda que os servidores que ingressassem nas carreiras policiais depois da promulgação da emenda poderiam se aposentar nas mesmas condições previstas para quem estava no cargo antes da promulgação, até que fosse editada uma lei específica para esse grupo.  

Hugo Leal argumentou que a proposta de reforma da Previdência erra ao igualar integrantes de categorias da segurança pública com os demais servidores públicos. Para o deputado do PSD, essas categorias não podem ser igualadas a servidores públicos comuns.  

Pressão dos policiais  

Nos últimos dias, diante da escalada dos protestos de policiais, foram intensas as negociações para fixar regras mais suaves para as categorias ligadas à área de segurança pública.  

Pressionado por uma série de protestos, Bolsonaro se envolveu pessoalmente na articulação política para tentar convencer deputados que integram a comissão especial a ignorar a própria proposta do governo no trecho relativo às forças policiais, contrariando a posição do ministro da Economia, Paulo Guedes.  

Na manhã desta quinta, poucas horas antes de o colegiado começar a votar o relatório, o presidente fez um apelo aos deputados para que eles aprovassem o destaque que flexibilizaria a proposta em relação às carreiras policiais.  

Na tentativa de sensibilizar os parlamentares, ele chegou a dizer, inclusive, que o governo dele errou ao não deixar mais branda a aposentadoria de policiais na proposta de emenda à Constituição enviada em fevereiro ao Congresso Nacional.  

Emendas rejeitadas  

Na comissão especial, as primeiras emendas apreciadas pelos deputados – e que acabaram rejeitadas – ampliavam o rol de profissões enquadradas como atividades de risco, além dos policiais.  

Entre outros pontos, um dos destaques estendia a classificação também a guardas municipais, agentes de trânsito, penitenciários, socioeducativos e da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A emenda foi derrubada por 31 votos a 17.  

O outro, rejeitado por 30 votos a 19, previa que a classificação de atividade de risco também valeria para policiais legislativos (Câmara e Senado), policiais federais, rodoviários federais, ferroviários federais e civis, guardas municipais, peritos criminais, agentes penitenciários e socioeducativos.  

Representantes de entidades e sindicatos da categoria acompanharam a reunião dentro do plenário da comissão e chegaram a vaiar os deputados que se manifestaram contrariamente aos destaques.  

>>> Veja outros pontos rejeitados pela comissão especial:  

  • Piso mínimo: os deputados também rejeitaram um destaque que tinha o objetivo de retirar da proposta um trecho que desconsidera, para contagem do tempo de contribuição para a Previdência, contribuições que estejam abaixo do piso mínimo de cada categoria;  
  • Expectativa de sobrevida: os deputados rejeitaram um destaque do Novo que tinha o objetivo de reincluir na PEC a previsão de que uma lei complementar poderia estabelecer critérios para aumento de idade mínima para as aposentadorias do Regime Geral da Previdência quando houver aumento na expectativa de sobrevida da população. A sobrevida é a média de vida após os 65 anos.  

Emenda aprovada  

Após rejeitarem várias propostas de alteração no relatório de Samuel Moreira, os deputados aprovaram um destaque que retira artigo do parecer do tucano que previa que policiais e bombeiros militares teriam suas regras de passagem para a reserva e a de pensão por morte equiparadas a dos militares das Forças Armadas enquanto não houvesse leis específicas para as categorias.  

De acordo com o deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), houve um acordo com o governo para a retirada do trecho. Ainda segundo o parlamentar do DEM, essa regra poderia prejudicar estados que enfrentam crises financeiras.  

Pedro Paulo contou que, nas negociações que ocorreram ao longo do dia, surgiram dúvidas sobre o impacto fiscal negativo que a medida poderia provocar nos caixas estaduais.  

"Houve um acordo construído com o governo, com os líderes dos partidos e os deputados que representam as corporações", revelou o deputado do DEM.  

O parlamentar fluminense explicou ainda que se o tema permanecesse o texto, haveria um impacto de curto prazo para os estados. Os entes federados, que têm regimes específicos para seus policiais e bombeiros, teriam que se adequar às regras das Forças Armadas. Isso poderia significar, em alguns casos, em perdas para os estados.  

Professores  

A comissão rejeitou destaque que propunha manter as atuais regras de aposentadoria para professores: sem idade mínima e com 25 anos de contribuição para mulheres e 30 anos para homens.  

Com isso, fica mantida a proposta no parecer aprovado pela comissão: idade mínima de 57 anos e 25 anos de contribuição (mulheres) e idade mínima de 60 anos e 30 anos de contribuição (homens).  

Na votação do destaque, Samuel Moreira pediu aos deputados da comissão que tivessem responsabilidade orçamentária e fiscal. Segundo ele, o destaque não resolve do ponto de vista social e "destrói" do ponto de vista fiscal.  

O texto original do governo previa 60 anos de idade mínima e 30 anos de contribuição para homens e mulheres.  

Após a rejeição do destaque, deputados de oposição levantaram cartazes e gritaram palavras de ordem, dizendo que o governo é contra a educação. 


COMENTARIOS

Mais de Economia

Novo Salário Mínimo

A partir de hoje sábado, salário mínimo passa a ser de R$ 1.045; veja o que muda

O valor de R$ 1.045 será aplicado no vencimento de fevereiro, que será pago em março

01 de Fevereiro de 2020 as 19h25

Cadastro Positivo

Com cadastro positivo, BC prevê declínio dos juros de cartão de crédito e cheque especial em 2021

Diretor de Organização do Sistema Financeiro do Banco Central, João Manoel Pinho de Mello, estima redução de cerca de 30% do chamado 'spread' bancário até meados do ano que vem.

27 de Janeiro de 2020 as 07h05

Impostos

Receita federal recupera R$ 5,2 bilhões de inadimplentes do Simples Nacional

Em 2019, a instituição notificou 738.605 contribuintes de micro e pequenas empresas enquadradas no regime tributário

20 de Janeiro de 2020 as 22h15

Turismo

Turismo brasileiro cresce 2,6% em 2019

Mês de novembro foi o que apresentou maior crescimento para o setor, com aumento de 3,8% em relação a 2018

20 de Janeiro de 2020 as 22h13

Score

7 dicas para o aumentar o seu score

O score de crédito consiste em uma pontuação definida por órgãos de proteção ao crédito, como SPC e Serasa, servindo para fazer uma classificação dos consumidores

17 de Janeiro de 2020 as 23h40

INSS

Governo contratará 7 mil militares para reforçar atendimento no INSS

Expectativa é acabar com processos em atraso até o fim de setembro

14 de Janeiro de 2020 as 19h03

Cadastro Positivo

Bancos e empresas poderão consultar informações do Cadastro Positivo a partir deste sábado

Banco de dados reúne histórico de bons pagadores. Por enquanto, ele só inclui informações repassadas por bancos e empresas que concedem crédito.

11 de Janeiro de 2020 as 13h28

Despesas

Em cada dez brasileiros, apenas um tem renda suficiente para pagar despesas de início de ano, mostra pesquisa CNDL/SPC Brasil

Minoria dos brasileiros consegue quitar despesas sazonais sem ter que parcelar ou economizar ao longo do ano e outros 22% não fazem planejamento. Consumidor deve ter organização para não se atrapalhar com compromissos de início de ano e parcelas que

09 de Janeiro de 2020 as 17h08

Gás de Cozinha

Petrobras aumenta preço do gás de cozinha em 5% nesta sexta (27)

O impacto para o consumidor deverá girar em torno de 2% a 3% e segue a regra de reajustes trimestrais para o GLP

27 de Dezembro de 2019 as 08h22

Já está em vigor

Lei proíbe que universidades cobrem taxas extras para provas em MT

A norma foi publicada no Diário Oficial e já está em vigor em todo Estado

05 de Dezembro de 2019 as 08h55

Economia

Caixa estende horário de atendimento amanhã e abre no sábado

A Caixa também vai trabalhar com horário estendido por duas horas, amanhã (13), início do saque, e nas próximas segunda (16) e terça-feiras (17).

12 de Setembro de 2019 as 15h27

Planta Industrial

BRF digitaliza produção de suínos na maior planta industrial da América Latina

Software que será instalado na planta de Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso, melhorará o aproveitamento de matéria-prima.

09 de Setembro de 2019 as 14h51

Economia

Vendas no varejo em São Paulo têm alta de 5,4% no primeiro semestre

Os dados foram divulgados, hoje (9), na Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV).

09 de Setembro de 2019 as 14h36

Economia

Mourão diz que guerra econômica entre China e EUA afeta o Brasil

Ele participou hoje em SP de evento com empresários chineses

09 de Setembro de 2019 as 14h26

Economia

Índice do Custo de Vida de São Paulo tem alta de 1,88% em oito meses

O Índice do Custo de Vida no Município de São Paulo subiu 0,07% em agosto.

06 de Setembro de 2019 as 14h55

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

ENQUETE

veja +

COTAÇÃO