Durante Depoimento

Comandante afirma que instituição errou ao cobrar travessia de alunos durante treinamentos dos bombeiros em MT

Comandante do Corpo de Bombeiro apontou erro da própria instituição em cobrar a travessia em lago num curto tempo de curso,

15 de Setembro de 2018 as 17h 28min

Aluno dos bombeiros passou mal na aula prtica na Lagoa Trevisan, em Cuiab (Foto: Reproduo/TVCA)

Atos de tortura praticados pela tenente do Corpo de Bombeiros Militar, Izadora Ledur de Souza, durante treinamentos de alunos, foram confirmados nos primeiros depoimentos de testemunhas na 11ª Vara Criminal Militar. Além disso, Comandante do Corpo de Bombeiro apontou erro da própria instituição em cobrar a travessia em lago num curto tempo de curso, justamente o treinamento no qual o aluno Rodrigo Patrício Lima Claro, 21, passou mal e acabou morrendo. Ledur é acusada de tortura e omissão na morte de Claro, ocorrida em dezembro de 2016, na Lagoa Trevisan.

Um dos alunos que também fazia curso de formação para bombeiros, Maurício Júnior dos Santos confirma que desistiu do sonho de “salvar pessoas” temendo pela sua vida pelas agressões de Ledur. Segundo ele, outros alunos também sofreram tortura e muitos desistiram no decorrer do curso. “Ela começou a me afogar, me dar caldos. O que ela fez com Rodrigo ela fez comigo. Eu disse para ela parar que ela ia me matar. Pedi pelo amor de Deus, me apoiei nela. Aí ela disse que eu estava louco que aluno não podia encostar em oficial”.

Mesmo pedindo para parar, Ledur teria continuado com sessões de “caldos”, momento que Maurício “apagou” e só recobrou a consciência fora da lagoa. Ele vomitava e ela gritava que ele teria que voltar. “Eu apaguei novamente e só voltei quando estava numa ambulância. Nisso escutei um sargento falando para outro que não sabia porque Ledur fazia isso. Ledur perguntou a eles se estava bem e eles disseram que me levariam para o hospital. Só ouvi ela dizendo: é uma bichinha mesmo, ele não aguenta”.

Maurício diz que não denunciava por medo de acabar em nada, mas que acabou desistindo do sonho de ser bombeiro um mês antes de se formar. “Fui coagido a desistir. Eu fiquei prometido para o campo final. Em março o tenente Teodoro (comandante do pelotão que Maurício fazia parte) me chamou para conversar e falou que era para eu pensar bem. Disse que não poderia intervir no campo final. Se eu continuasse sabia que não ia sair respirando. Aí fiz meu processo de desligamento” Soldado do Corpo de Bombeiros, Thiago Serafim Vieira, que era do mesmo pelotão de Rodrigo, confirmou que Ledur era autoritária e intimidadora.

Conta que presenciou as agressões sofridas por Rodrigo. Lembra que o colega tinha pavor de água e isso ocasionou a perseguição. Mas que o momento crucial foi quando Rodrigo colocou atestado para uma corrida por problema no joelho. “Para Ledur ele estava fugindo, daí começou a perseguição. Ela focou a atenção toda para ele. Na piscina da UFMT já teve caldo no Rodrigo”.

Thiago também pontuou que os alunos eram avisados sobre o sofrimento causado por Ledur durante os treinamentos. “Naquele dia eu percebia que Rodrigo estava para trás pela dificuldade que tinha com água, mas também percebia que o treinamento da Ledur com Rodrigo era diferente. Quando o parceiro de Rodrigo tentava intervir nos afogamentos, Ledur impedia. Escutei o Rodrigo dizendo que desistia e que não queria ser bombeiro em alto e bom som. Eu nunca tinha visto ele daquele jeito. Estava afobado, com olhos arregalados, não estava no normal dele”.

Jane Patrício Lima Claro, mãe de Rodrigo Patrício Lima Claro, não conseguiu acompanhar até o final o depoimento do marido, o bombeiro Antônio Claro, ao qual o filho se inspirou para a carreira. Jane precisou ser socorrida após passar mal, revivendo os fatos do dia da morte do filho, que hoje completa 1 ano e 9 meses. Antes, ao ser ouvida em juízo, Jane disse que Rodrigo já relatava o medo da tenente Izadora Ledur, que administrava as aulas. Ela conta que por diversas vezes o filho falava do comportamento da instrutora, tanto que numa ocasião anterior apareceu com uma marca na costela, fruto de uma agressão. No dia 10 de novembro, dia do treinamento na Lagoa Trevisan, onde Rodrigo passou mal, Jane conta que o filho mandou mensagem e disse que estava com muito medo.

“Ela já tinha avisado que ia pegar ele na lagoa porque ele tinha colocado atestado tentando fugir de treinamento. Mesmo sabendo de histórias de cursos anteriores, incentivei meu filho a continuar, jamais sabia que ia acontecer, se soubesse ia tirar meu filho”. Desde 1994 no Corpo de Bombeiros, Antônio Claro diz que nunca tinha visto uma situação de treinamento com agressões. Mas que depois ficou sabendo de muitos episódios. Hoje, a marca em toda a família reflete em Antônio que já não consegue mais vestir o uniforme. “Eu tinha outro filho que também queria ser bombeiro, mas agora eles não gostam nem de me ver fardado. Eu não consigo mais usar a farda”, disse emocionado.

No dia do curso, o pai conta que se despediu do filho normalmente. Por volta das 18h, recebeu uma ligação do soldado perguntando se Rodrigo tinha alergia a algum medicamento. “Disse que não e perguntei o porquê. O soldado disse que o Rodrigo estava com uma pequena dor de cabeça. Foi quando fui ao hospital e vi ele em cima de uma maca inconsciente”. Tamanha é a dor, que Antônio revela já ter pensado em se matar. “Já pensei em tirar a própria vida, mas em sonho Rodrigo me disse para não fazer isso”, contou. Ao fim do depoimento o pai disse que faltavam apenas 22 dias para Rodrigo realizar o sonho de ser bombeiro.

Comandante do Corpo de Bombeiros e especialista em técnicas de salvamento aquático, Wilkerson Adriano Cavalcanti confirmou que todo treinamento é feito de forma gradativa. Ponderou que a Lagoa Trevisan, onde o aluno Rodrigo Claro passou mal após treinamento, é de risco calculado quando já em estado avançado do curso. Ao promotor de Justiça Allan Sidney do Ó, Wilckerson que trabalhou com Ledur nos anos de 2013 e 2015, avalia que houve um problema na seleção dos candidatos com relação à “desenvoltura no meio hídrico”. Segundo ele, a instituição incorreu no erro de cobrar travessia num curto tempo de curso. “Não tem como o aluno tornar especialista. Houve problemas na seleção sim. Tem limitação aos candidatos no meio líquido. A seleção foi feita de forma subdimensionada”.

Quanto ao “caldo” sofrido por Rodrigo, conforme denúncia, Willckerson assegura que não deve ser praticado de forma alguma. “O comportamento dito na narrativa não é o adequado. O que existe é o frente a frente e simular situações de agarramento para desvencilhar o que é diferente de agarramento por trás que foge da didática”. Outro método que o comandante confirmou que não é legal em treinamentos é o uso de pé de pato, que a tenente Izadora Ledur usava para bater nos alunos, segundo ele não está em qualquer previsão do curso. “O que acontece é que alunos com maior dificuldade tem que ser monitorados. Mas foge do que preceitua o ensino aprendizagem o instrutor subir em cima do aluno e submergir o aluno, podendo ser considerado abusivo. A instituição prima pela legalidade. Há parâmetros de que forma deve ser o ensino aprendizagem. O que é respeitoso e legal é o que disseminado na instituição”, explica

Ledur é acusada do crime de tortura que resultou na morte do aluno do Corpo de Bombeiros Rodrigo Patrício Lima Claro, que morreu no dia 15 de dezembro de 2016, após ficar 5 dias internado. Ele passou mal durante o treinamento que a tenente Ledur era a instrutora. Chegou a pedir para parar, mas não pode. Mesmo passando mal, foi mandado embora para a unidade do Corpo de Bombeiros sozinho. Ao ser levado à Policlínica, começou a ter convulsões, foi operado, levado para a UTI, mas não resistiu.


Fonte: A Gazeta

COMENTARIOS

Mais de Estado

Servidor Afastado

Governo afasta fiscal flagrado ao receber R$ 300 em propina para liberar carga em aeroporto

Servidor foi preso após denúncia do dono da carga por agentes da Delegacia Fazendária.

23 de Maio de 2019 as 21h13

Devolução

Ex-governador de MT diz que devolveu mais dinheiro à Justiça do que o valor desviado dos cofres públicos: 'Infinitamente maior'

Silval Barbosa foi solto em 2017 depois de passar dois anos preso e de devolver mais de R$ 46 milhões em bens. Segundo ele, dinheiro foi adquirido pela família ao longo de mais de 20 anos.

22 de Maio de 2019 as 10h19

Saúde

Casos de Chikungunya caem 90% em MT, segundo SES

Notificações de Zika também registram queda de 870 para 136, entre 2018 e 2019.

21 de Maio de 2019 as 09h38

Delegacias Fechadas

Mais três delegacias são fechadas em MT conforme plano anunciado pelo governo este ano

Também encerraram as atividades as delegacias de Alto Paraguai, Nova Marilândia e Santo Afonso.

21 de Maio de 2019 as 09h34

Contratos Suspensos

Governo de MT suspende contratos com empresas que receberam por plantões não realizados no Samu e Hemocentro

As empresas também foram multadas nos valores de R$ 321.900,00 e R$ 23.666,47, respectivamente.

18 de Maio de 2019 as 17h03

UTI

Após morte de bebês, secretário anuncia reabertura de leitos de UTI e novos funcionários para Hospital Regional de Sinop

Com as novas medidas, o HR deve operar em sua capacidade máxima, com 86 leitos no total, podendo chegar a média de 350 cirurgias realizadas por mês.

17 de Maio de 2019 as 09h45

Dengue

Governo alerta municípios sobre risco de contaminação de variação grave do vírus da dengue

A orientação é para que os profissionais de saúde dos municípios notifiquem todos os casos suspeitos de dengue, chicungunha e vírus da zika.

17 de Maio de 2019 as 09h42

Investigação

MP instaura inquérito para investigar leis assinadas por ex-governador de MT concedendo isenção fiscal a empresas

Conforme o inquérito, Taques assinou três leis estaduais que deram incentivos fiscais para operações de madeira em tora, feijão e suíno em pé.

16 de Maio de 2019 as 21h27

Depressão e Síndrome do Pânico

Mais de 600 professores de MT se afastaram para tratar depressão e síndrome do pânico em 2018

Mais de 2 mil profissionais se afastaram para tratamento de saúde no ano passado.

16 de Maio de 2019 as 21h25

NFC-E

Sefaz altera regras para cancelamento da nota fiscal do consumidor

As mudanças atendem ao Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) e passam a valer a partir do dia 03 de junho.

16 de Maio de 2019 as 21h13

Uso de Tecnologia

Drones vão intensificar a atuação do Fisco e da segurança pública em Mato Grosso

Dentre os novos pilotos estão servidores da Sefaz, das Polícias Militar, Civil e Judiciária, Corpo de Bombeiros, Politec, Ciopaer, Gefron, Defesa Civil e Marinha.

16 de Maio de 2019 as 21h09

No Palácio

Governador recebe reivindicações de produtores e vai analisar a pauta

Durante a reunião, o governador expôs a situação econômica do Estado e todas as ações que já foram tomadas até o momento para reduzir a máquina pública e buscar o equilíbrio fiscal.

16 de Maio de 2019 as 21h08

Recursos

Mauro Mendes não descarta corte de recursos na Unemat

A Unemat aderiu à greve das universidades federais, que reclamam dos cortes de 30% no orçamento

15 de Maio de 2019 as 10h29

Educação

UFMT, IFMT, Unemat e escolas aderem à mobilização contra bloqueios de recurso da educação

Nesta quarta-feira (15), alunos e professores das instituições devem se reunir na Praça Alencastro, em Cuiabá, em um ato político.

15 de Maio de 2019 as 10h02

Gastos

Governo de MT gasta mais de R$ 3 milhões em passagens aéreas entre janeiro e maio deste ano

Deste total, R$ 18.543,00 foram gastos em janeiro, R$ 1,427.834,00 em fevereiro, R$ 145.536,00 em março, R$ 1.474,456,00 em abril e R$ 5.306,00 entre os dias 1º e 14 de maio.

15 de Maio de 2019 as 09h55

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Enquete

veja +

COTAÇÃO