Pacientes são flagrados amarrados e dopados em hospital psiquiátrico de MT: ''Tratamento cruel e desumano''

Pacientes ficaram amarrados em macas quase o dia inteiro. Relatório afirma que pacientes mulheres foram ''desconfiguradas de sua condição de seres humanos''.

27/10/2017 - 22:18:50

   

Fiscais flagram pacientes amarrados e dopados no Hospital Psiquiátrico Adauto Botelho, em Cuiabá (Foto: MNPCT)

Pacientes amarrados, dopados, falta de estrutura e banheiros sem porta foram algumas das irregularidades encontradas durante uma inspeção no Hospital Psiquiátrico Centro Integrado de Assistência Psicossocial (CIAPS) Adauto Botelho, em Cuiabá. A vistoria foi feita por peritos do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura (MNPCT), ligado ao Ministério dos Direitos Humanos, entre os dias 13 e 21 de julho de 2017.

A inspeção também foi feita no Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Sinop, a 503 km de Cuiabá.

De acordo com o levantamento, o Hospital Adauto Botelho não preza pela individualidade dos pacientes, tampouco a um tratamento dentro dos parâmetros legais. Para o MNPCT, o local ‘funciona, em outras palavras, como um grande depósito de pessoas – acomodadas da maneira possível, sem qualquer tipo de individualização’.

Em geral, a equipe classificou o tratamento oferecido no local como “cruel, desumano e degradante”.

O hospital público, atualmente com 70 pessoas, foi fundado em 1957 e é ligado à Secretaria Estadual de Saúde do Mato Grosso (SES-MT). Na instituição, é feito o acolhimento de pessoas em crise (encaminhadas pela rede de saúde e que, em tese, ficam em observação por um período curto de tempo) e moradores que estão em longo tempo de internação. No momento da vistoria haviam 65 pessoas internadas na instituição.

Pacientes amarrados

A situação mais grave encontrada pela equipe ocorreu na ala destinada às pessoas em acolhimento de crise. Conforme o relatório, era por volta de 9 horas e a equipe se deparou com duas pessoas (um homem e uma mulher), amarradas pelo peito, mãos e pés, dormindo em função do uso de medicação.

“A justificativa apresentada por uma das enfermeiras para o uso daquela contenção física e química seria o fato dos pacientes estarem agitados. A profissional afirmou, contudo, que aquela situação seria provisória e que ambos sairiam daquelas condições nos próximos minutos”, diz trecho do documento.

A mesma equipe retornou no período da tarde e encontrou os mesmos pacientes, além de um terceiro paciente, nas mesmas condições vistas pela manhã.

“Ao retornarem, já por volta das 14h30, a equipe se deparou com a manutenção da situação encontrada no início da manhã: os mesmos pacientes amarrados, sob efeito de medicamentos – aparentemente, incapazes de esboçar qualquer reação agressiva – além de outra mulher, que chegara para internação no período da manhã, totalizando, portanto, três pessoas nessas condições. Uma das internas, embora tenha despertado com a chegada da equipe na sala, imediatamente voltou a dormir. Já o homem – que aparentava ser uma pessoa idosa –, estava acordado”, pontuaram os fiscais.

A equipe iniciou um diálogo com esse homem. Ele relatou que teria sido internado no dia anterior e que, em razão de estar “bravo”, por não aceitar a internação involuntária, ele teria sido amarrado e medicado. O paciente disse, ainda, não saber o motivo pelo qual, um dia depois de sua chegada, ainda permanecia com peito, pés e mãos amarrados, uma vez que não teria manifestado qualquer reação agressiva.

Após esse diálogo, a equipe foi ao encontro da médica plantonista para questionar o motivo clínico para a manutenção de pessoas amarradas por período tão largo de tempo.

A médica de plantão disse que não teria sido a responsável por designar a ‘contenção mecânica’ e química daquelas pessoas, e que o procedimento teria sido realizado no plantão do dia anterior, atestando o longo período no qual aquelas pessoas estavam sendo mantidas amarradas.

A profissional não soube justificar clinicamente os motivos pelos quais seria necessário manter os pacientes, até aquele momento, amarrados. Disse que a justificativa apresentada pelo médico anterior seria o suposto estado de agitação daquelas pessoas e que, a partir dessa informação, não teria revertido a decisão de mantê-los contidos.

A inspeção identificou que a instituição apresenta uma infraestrutura precária – retratada, por exemplo, na pouca circulação de ar nos quartos, na inexistência de chuveiros na maioria dos banheiros e na utilização de macas como cama.

“Foi possível constatar, ainda, uma naturalização do descaso para com as pessoas internadas, até mesmo com ausência de portas nos banheiros dos três blocos visitados. O nível de exposição, somado à vulnerabilidade das pessoas que ali estavam, é grave”, alerta o relatório.

Vulnerabilidade de mulheres

Ao conversar com profissionais do hospital, a equipe percebeu que não há na instituição um tratamento que respeite especificidades de gênero. Toda a ala feminina é pintada de cor mais clara, em tom mais rosado, enquanto que a ala destinada aos homens é pintada de verde, o que identificaria as mulheres a uma feminilidade docilizada.

“Sendo que para as mulheres é ofertada uma aula de culinária e um salão de beleza, enquanto que para os homens não há a possibilidade de realização dessas atividades. Nesse sentido, atribui-se às mulheres, ou tarefas típicas da vida doméstica, ou aquelas vinculadas à aparência física, reforçando papéis tradicionais de gênero que deveriam ser questionados e não reforçados”, salientou o relatório.

No dia da vistoria, a equipe percebeu que a presença de profissionais homens é comum na ala feminina, inclusive de homens que não trabalham na instituição. Os banheiros femininos não têm portas, o que as deixam em situação constrangedora, de humilhação e extremamente vulneráveis a sofrer violência sexual, na avaliação dos profissionais.

“No dia da visita havia alguns homens, responsáveis por reparos no hospital, circulando livremente na ala destinada às mulheres, sendo que elas usavam o banheiro e, portanto, ficavam nuas diante desses homens. Esta situação era tratada como completamente normal, sem qualquer tipo de preocupação ou estranhamento, por parte dos servidores do hospital. Esta naturalização pode demonstrar uma propensão à ocorrência de violência sexual e, até mesmo de estupro”, alertou a equipe.

Ao final do relatório, a equipe diz que “o que pode ser percebido é que essas mulheres foram desconfiguradas de sua condição de seres humanos dentro do hospital psiquiátrico Adauto Botelho, seus corpos estavam à disposição da instituição, como se não mais lhes pertencessem”.

Outro lado

O diretor do Hospital Adauto Botelho, João Botelho, disse ao G1 que algumas melhorias e reformas já estão sendo feitas na unidade. Um processo de licitação para uma reforma está em andamento. A respeito da situação de pacientes amarrados ou dopados, ele alegou que os profissionais seguem um protocolo de ‘contenção’.

“Há necessidade de preservar a estrutura física do paciente, mas isso tudo tem um protocolo. Existem imprevistos, tem pessoas que precisam de um olhar diferenciado e uma responsabilidade diferenciada. São pessoas totalmente vulneráveis”, comentou Botelho ao G1.

Botelho afirma que os pacientes encontrados amarrados, no dia da fiscalização, foram contidos em horas determinadas e não em um longo período de tempo. Em relação à ausência de portas, o diretor garantiu que o problema já está sendo resolvido, com a instalação das estruturas sem fechaduras.

“O problema é que são poucas unidades terapêuticas [para atender os pacientes], as famílias não os aceitam mais e [os pacientes] acabam morando no Adauto por anos. Também temos problema em devolver os pacientes, as prefeituras não se comprometem em recebê-los de volta”, criticou o diretor. A unidade recebe pessoas da capital e do interior do estado.

MT Agora - G1 MT

Mais Noticias

Estradas

Reparos na BR-163 e BR-364 continuam acontecendo, diz Rota do Oeste

BR-163

Futuro da BR-163 será definido até dia 26

Sem Nota Fiscal

Sefaz apreende mais de R$ 700 mil em mercadorias sem nota fiscal em MT

Fecomércio-MT

Presidente interino da Fecomércio-MT diz ter sido impedido de trabalhar e registra BO

12/02/2018 -

Obras na BR-163 ocorrem hoje e na quarta-feira no feriado de Carnaval

Cronograma de atividades foi elaborado para não prejudicar o fluxo de veículos durante o feriado

05/02/2018 -

Detran lança campanha para trânsito seguro no Carnaval

Campanha educativa e fiscalizações serão intensificadas no período festivo

05/02/2018 -

Casos de HIV em adultos crescem 255% em MT; foliões devem usar preservativos

As Infecções Sexualmente Transmissíveis são causadas por vírus, bactérias ou outros microrganismos e transmitidas, principalmente, por meio do contato sexual sem o uso de camisinha masculina ou feminina

05/02/2018 -

Caminhões parados em rodovia no PA causam prejuízo a transportadoras de MT e atrasam escoamento da produção

Caminhoneiros passam até 125 horas retidos em rodovia, segundo o Dnit. Chuvas em trecho em obras na serra dificultam passagens de veículos de carga.

03/02/2018 -

Ministério da Saúde recomenda vacina de febre amarela em 141 municípios de MT

As secretarias Municipal e Estadual afirmam que em todo o Estado a vacina é oferecida e pode atender toda a demanda.

27/01/2018 -

Asfalto cede e trecho da BR-364 em MT fica totalmente interditado

Desmoronamento ocorreu nessa sexta-feira (26) após fortes chuvas. Tráfego foi impedido nos dois sentidos, mas neste sábado uma faixa foi liberada.

26/01/2018 -

Aos 111 anos, viúva que criou as sete filhas sozinha em MT comemora longevidade

Baiana de nascença, Maria Olímpia se mudou para MT na juventude. Mudança foi feita a cavalo. Ela se casou duas vezes e teve nove filhos, mas dois morreram.

26/01/2018 -

Mato Grosso gerou quase 16 mil novos postos de emprego em 2017, diz Caged

Apesar do saldo positivo em alguns estado e regiões, as demissões superaram as contratações no Brasil. Dados foram divulgados pelo Ministério do Trabalho.

26/01/2018 -

MT tem um caso de febre amarela sob investigação, diz Ministério da Saúde

Caso suspeito foi registrado entre julho de 2017 e janeiro de 2018. A Secretaria Estadual de Saúde contesta o dado e diz que nenhum caso foi registrado no período.

25/01/2018 -

Número de vagas de estágio aumenta 17% em MT neste ano

Cerca de 2,1 mil vagas de estágio estão abertas no estado. Parceria com novas empresas e órgãos públicos elevaram o número de vagas, avalia supervisor do Ciee.

25/01/2018 -

Ferrovia entre MT e SP já recebeu investimentos de R$ 200 mi e deve receber fertilizantes em abril

Além dos benefícios operacionais e financeiros, o terminal também deve trazer ganhos ambientais, com significativa redução de emissão de poluentes.

24/01/2018 -

Agricultores familiares investem em turismo rural para atrair visitantes e aumentar a renda em MT

Lei estadual permite turismo em áreas de agricultura familiar. Agricultor tem investido em pomar de frutas para receber os visitantes e pretende fabricar vinho e geleia de jabuticaba no local.

22/01/2018 -

Mato Grosso é destaque na revista Exame por implantar coaching na gestão pública

O resultado mensurado até o momento foi a criação de metas para o acompanhamento de processos internos

17/01/2018 -

Cuiabá é a capital do Centro-Oeste com mais habitantes acima do peso, diz pesquisa

Ao todo, 57,6% dos moradores que vivem em Cuiabá estão com excesso de peso. No ranking nacional, Cuiabá é a quarta capital com maior número de moradores acima do peso.

12/01/2018 -

Frota de veículos em Mato Grosso aumenta quase 60% em quatro anos

Número de veículos subiu de 1,4 milhão em 2012 para 1,9 milhão em 2016. Dados são de um levantamento feito pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT).

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora