Estado

Taques defende investimentos em logística como saída para a crise

Governador participou de evento que marcou a retomada de navegabilidade da hidrovia Tietê-Paraná.

Em São Paulo | 28 de Janeiro de 2016 as 01h 10min
MT Agora - Assessoria

O governador Pedro Taques participou nesta quarta-feira (27.01) do evento que marcou a retomada da navegabilidade da hidrovia Tietê-Paraná, uma das principais vias de acesso da produção de Mato Grosso ao Porto de Santos, no litoral Paulista. Ao lado do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, em Buritama-SP, Taques destacou os esforços dos governadores em obras ligadas a infraestrutura.

Durante o evento, Taques ressaltou a importância da navegabilidade da hidrovia Tietê-Paraná, lembrou que durante os 20 meses em que o trecho ficou praticamente parado os produtores mato-grossenses tiveram que gastar R$ 105 milhões com outros modais de transporte. “Em razão dos 20 meses que a hidrovia ficou sem funcionar, os produtores do nosso estado gastaram R$ 105 milhões com outros modais, o que mostra que esta hidrovia não está só atendendo os interesses do estado de São Paulo, mas do Brasil”, disse.

Taques avalia que a hidrovia merece grandes investimentos no país tendo em vista que é o modal mais viável, tanto no fator ambiental, quanto economicamente. “Eu venho de um estado que fica bem aí ao lado, pertinho. O Brasil produz 202 milhões de toneladas de grãos, Mato Grosso produz 52 milhões de toneladas de grão, 27% de toda a produção vegetal e plumas que o Brasil produz. Agora, não adianta produzirmos se não conseguimos retirar, daí a importância de logística, daí a importância de investirmos nos modais de transporte e não há modal de transporte mais viável que a hidrovia”, comentou.

Para o governador, investimentos em logística são importantes para aquecer a economia em momentos de crise econômica. Taques parabenizou o governador paulista pela iniciativa. “Investimentos como este fazem com que economizemos o dinheiro que gastaríamos no com modal rodoviário. Desta forma, os recursos ficam na cidade, para investimentos na região. Por isso, como mato-grossense eu vim aqui dar um abraço no amigo Geraldo que faz um governo que mostra que é possível, mesmo diante da crise nacional, resolver os problemas de logística”, afirmou.

O mato-grossense aproveitou para cobrar mais investimentos do governo federal para ajudar a diminuir os gargalos da logística. “Dizem que na crise não é o mais forte que sobrevive, mas é aquele que tem a maior capacidade de se adaptar à realidade e o governador Geraldo Alckmin, com a sua competência, está dando exemplo para a incompetência do Governo Federal que nada faz para resolver os problemas da logística do nosso país”, criticou.

A hidrovia foi interditada em maio de 2014, causando prejuízos de ao menos R$ 1 bilhão às empresas de navegação e tirando os empregos de cerca de 1.600 pessoas, além de afetar o transporte entre os usuários deste tipo de via.

Com a retomada da navegação a via passa a transportar seis milhões de toneladas de carga, porém a meta é que até oito milhões de toneladas passem pelo modal.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou que a retomada da hidrovia, que conta com 2,4 km de extensão não é um ganho somente para o estado e para Brasil, mas para a América do Sul, pois os rios Tietê-Paraná também perpassam por Paraguai, Argentina e Uruguai. “Esse modal de transporte integrado a ferrovia, integrado a rodovia é o nosso grande desafio de competitividade e geração de emprego e de renda”.

O governador de São Paulo disse que uma nova obra, para acabar com o gargalo da hidrovia, o pedral de ‘Nova Avanhandava’, que impede o transporte de cargas durante o período de seca, deverá ser licitada em fevereiro. “São 10 quilômetros de explosão e de aprofundamento do Canal de Nova Avanhandava para dar grande segurança para a navegabilidade da hidrovia”.

Segundo o governador, a hidrovia também reduz os custos de aproximadamente 25% dos gastos com transporte. Enquanto o transporte via terrestre custa por volta de R$ 130 por tonelada, com a hidrovia o valor cai para R$ 100. “Se o caminhão transporta 30 toneladas cada comboio tira 200 caminhões das estradas e nós deveremos reduzir 100 mil viagens de caminhão das rodovias este ano”.

Também participaram do evento de retomada da navegabilidade do trecho o governador do Paraná, Beto Richa; a vice-governadora de Mato Grosso do Sul, Rose Modesto; o deputado federal Nilson Leitão e o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Marcelo Duarte.

COMENTARIOS

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

COTAÇÃO