Após apelação, Tribunal diminui pena de Eduardo Cunha na Lava Jato

Ex-presidente da Câmara dos Deputados foi condenado por lavagem de dinheiro, corrupção passiva e evasão de divisas. Defesa pedia absolvição.

21/11/2017 - 23:18:51

   

Tribunal Regional Federal diminui pena de Eduardo Cunha em 10 meses

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) diminuiu a pena do deputado cassado Eduardo Cunha para 14 anos e 6 meses. Ele havia sido condenado a 15 anos e 4 meses pelo juiz Sérgio Moro, em primeira instância, por lavagem de dinheiro, corrupção passiva e evasão de divisas em processo da Lava Jato.

Os votos foram proferidos nesta terça-feira (21) na segunda instância, em Porto Alegre, sem unanimidade. Os desembargadores decidiram ainda pelo cumprimento imediato da pena após julgamento de eventuais embargos de declaração, recursos para esclarecer pontos da sentença.

"A defesa vai recorrer. O julgamento teve um aspecto positivo, de uma das imputações ele foi absolvido, no entanto, manteve a sentença em alguns aspectos. De fato, não há prova alguma que o Eduardo tenha recebido uma vantagem indevida de corrupção. Ele deu explicações sobre isso. No entanto, preferiram manter a palavra de um delator", disse o advogado Pedro Ivo Velloso.

A defesa elencou na apelação diversos argumentos para a absolvição. Os advogados queriam a nulidade da sentença que, segundo eles, não tem fundamentação. Já o Ministério Público Federal (MPF), responsável pela denúncia, havia pedido o aumento da pena.

O relator, desembargador João Gebran Neto, votou pelo aumento da pena para 18 anos e 6 meses, em regime fechado. "Há um conjunto de crimes bastante intenso que acaba aumentando a pena", destacou, na leitura que durou mais de uma hora.

"Indicação de Jorge Zelada para a Petrobras dependia de Eduardo Cunha para efetivação. Como parlamentar, teria oferecido sustentação política para Zelada na diretoria da Petrobras", completou o desembargador, acrescentando que "provas documentais demonstram os recebimentos dos recursos advindos da compra do campo de Benin."

O segundo desembargador a votar foi Leandro Paulsen. Ele divergiu em alguns pontos do relator e votou pela diminuição da pena para 14 anos e 6 meses.

"Há diversos fundamentos por parte da defesa procurando demonstrar que Cunha não teria sido responsável pela indicação e mantenção de Zelada no cargo. Concluo no sentido de que isso não é determinante. A questão da corrupção passiva independe dele ter sido responsável ou não pela indicação de Jorge Zelada. Cunha não está sendo criminalizado pela indicação, mas por auferir vantagens indevidas por tais indicações", justificou.

Por fim, o desembargador Victor Laus proferiu o mesmo voto de Paulsen. "Considero excessiva a pena e peço para me aproximar do Paulsen. Há um outro aspecto, que o Paulsen adiantou. Uma norma que prevê a reparação do dano nos crimes contra administração pública. Fixo regime fechado", disse.

O ex-presidente da Câmara dos Deputados está preso. A defesa havia pedido que ele permanecesse cumprindo a pena em Brasília, onde estava há mais de dois meses e foi interrogado, mas o juiz Sérgio Moro negou. Sendo assim, Cunha deve seguir no Complexo Médico-Penal (CMP) em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Ele foi preso em outubro de 2016.

Na sentença em primeira instância, Moro disse que ele deveria continuar preso durante a fase de recursos do processo, já que, mesmo na cadeia, tentou chantagear e ameaçar testemunhas.

Moro condenou Cunha pelos crimes cometidos em uma negociação para a exploração de um campo de petróleo na República de Benin pela Petrobras. Ele é acusado de receber US$ 1,5 milhão como propina.

Os valores, conforme acusação, eram enviados para contas na Suíça, em nome de off-shores ou trusts, por meio do operador João Augusto Rezende Henriques.

Além de Cunha, foram citados na ação a mulher dele, Cláudia Cruz, o ex-diretor da estatal Jorge Luiz Zelada, o operador João Henriques e o empresário Idalécio Oliveira. Nenhum deles foi condenado em primeira instância. Zelada está preso e foi condenado em primeira instância, em outro processo.

O processo iniciou no Supremo Tribunal Federal (STF), já que Cunha tinha foro privilegiado pelo mandato de deputado federal. Com a cassação, a ação foi remetida à Justiça comum.

A defesa sustenta que Eduardo Cunha não tem relação com a nomeação de Jorge Zelada para a diretoria da Petrobras. Além disso, segundo a defesa, não há provas de que os valores citados são propina, justamente porque o ato ilícito está na base de uma retribuição indevida, que teria sido a nomeação de Zelada ao cargo na Petrobras, argumentam os advogados.

MT Agora - G1

Mais Noticias

Conselho Nacional De Justiça

CNJ intima Favreto, Moro e Gebran para esclarecer conflitos sobre Lula

Decisão

Presidente do Superior Tribunal de Justiça reafirma decisão do presidente do TRF-4 que manteve Lula preso

Inelegibilidade De Lula

Ministra do TSE rejeita pedido do MBL para declarar Lula inelegível

Pedido Negado

Presidente do STJ nega liberdade a ex-deputado Eduardo Cunha

18/07/2018 -

Justiça nega habeas corpus a Dr. Bumbum; namorada é transferida

Renata Cirne estava detida desde domingo na 16ª DP (Barra da Tijuca) e foi para cadeia em Benfica. Médico e a mãe estão foragidos.

18/07/2018 -

Justiça Eleitoral abre habilitação para voto em trânsito

O voto em trânsito pode ocorrer no primeiro, no segundo ou nos dois turnos, nas capitais e nos municípios com mais de 100 mil eleitores.

17/07/2018 -

Juiz condena jovens que lideraram protestos contra gastos na Copa

Sentença do Juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal, prevê pena de até 7 anos de prisão por formação de quadrilha e corrupção de menores. Condenados podem recorrer em liberdade.

17/07/2018 -

PGR diz ao Supremo haver indícios de que Lindbergh Farias atuou para favorecer OAS

Manifestação foi enviada em inquérito que apura se senador beneficiou construtora numa MP editada por Dilma. Em resposta, Lindbergh disse que não votou MP nem elaborou a medida.

17/07/2018 -

Imóvel de José Dirceu é arrematado em leilão por R$ 465 mil

Residência no bairro Saúde, na zona sul de São Paulo, estava avaliada em R$ 750.375,00 e foi vendida na segunda-feira (16).

17/07/2018 -

Justiça determina bloqueio de bens de Lúcio Funaro

Valor de R$ R$ 94,5 milhões se refere a dívidas tributárias de empresa atribuída a Funaro. Delator da Lava Jato alegou à Justiça ‘’nulidade da certidão de dívida ativa’’ e ‘’prescrição do crédito tributário’’.

17/07/2018 -

Justiça cassa liminar que suspendia leilão da Eletrobras

A decisão do desembargador veio após a União pedir a suspensão da liminar.

17/07/2018 -

STF autoriza acordo da Telebras com Viasat para uso de satélite

O satélite está em operação há mais de um ano e, além de ampliar o acesso à internet banda larga na Região Norte do país, também serve para uso da comunicação estratégica das Forças Armadas, na banda X.

17/07/2018 -

MPE entra com ação para que Estado conclua obras da MT 248 e empresa indenize usuários

Ação cobra pavimentação de trecho de 12 km da MT-248, entre Jauru e Figueirópolis D'Oeste. MP ainda pede indenização a vítimas de acidentes na rodovia.

17/07/2018 -

MPF aciona governo de MT após alteração em lei permitir novos desmatamentos em área de proteção ser sancionada

Lei altera o inciso VIII da Lei nº 7.161 de 1999 que proíbe novos desmatamentos nas cabeceiras do rio. À época em que a lei foi criada, a área tinha cerca de 473 mil hectares.

15/07/2018 -

MP defende banco de informações sobre medidas alternativas à prisão

Estas são opções de punição que juízes podem adotar em vez de destinar uma pessoa à cadeia.

15/07/2018 -

Tomada de Contas apura se ex-secretário Estadual de Administração causou prejuízo de R$ 2,6 mi ao erário

A Representação de Natureza Externa foi protocolada no Tribunal de Contas pela Procuradoria-Geral de Justiça, que apontou irregularidades em contratos de doação de bens móveis públicos (veículos) pela Secretaria.

15/07/2018 -

Empresas de transporte rodoviário são condenadas em R$ 500 mil por dispensas irregulares

Com a condenação, as empresas estão obrigadas a adotar imediatamente, em todos os estabelecimentos situados em Mato Grosso, medidas para acabar com o abuso do poder empregatício.

15/07/2018 -

PGR é contra retirar Moro da ação sobre Lula no caso do sítio de Atibaia

Parecer da procuradoria foi enviado ao Superior Tribunal de Justiça. Defesa do ex-presidente pediu que o juiz fosse considerado suspeito no caso por, segundo os advogados, atuar com parcialidade.

15/07/2018 -

MP pede afastamento e bloqueio de R$ 365 mil em bens de secretário de Saúde de MT

Segundo o MPE, Luiz Soares descumpre ordens judiciais para fornecimento de atendimentos a pacientes. O governo disse que ainda não foi notificado sobre a ação.

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora