Desembargador diz que delitos de advogado foram “repugnantes”

Em decisão, Giraldelli condenou atos, mas entendeu que prisão era “onerosa”

15/03/2017 - 08:30:41

   

Na decisão que concedeu a soltura ao advogado Valdir Miquelin, que havia sido preso em flagrante com duas menores de idade em um motel de Cuiabá, o desembargador Gilberto Giraldelli, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT), classificou como “repugnantes” os atos do profissional.

A soltura foi concedida na última quarta-feira (08), pela 3ª Câmara Criminal, que seguiu voto de Giraldelli.

Apesar de criticar a conduta, o magistrado entendeu que a gravidade do crime, por si só, não era suficiente para manter a prisão do advogado, que é conselheiro afastado da Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso (OAB-MT).

“Conquanto os delitos cometidos sejam repugnantes à sociedade, na medida em que envolvem duas adolescentes, uma de 12 e outra de 15 anos, e o paciente possua poder econômico elevado e seja pessoa influente, por residir em Comarca diversa das ofendidas [Lucas do Rio Verde] e a fase inquisitiva já ter sido findada sem que houvesse qualquer elemento indicativo de que o suspeito causou transtornos na apuração dos fatos e no andamento da persecução penal, a medida segregatícia mostra-se demasiadamente onerosa, devendo, diante do poder geral de cautela, ser substituída por cautelares não prisionais”, disse Giraldelli.

Para o desembargador, a imposição de medidas cautelares já garantem que o advogado não venha a atrapalhar as investigações, “mormente porque podem evitar que o increpado venha intimidar ou constranger testemunhas e/ou vítimas”.

Na decisão, foram impostas quatro cautelares: “1) comparecimento periódico em juízo, até o quinto dia útil de cada mês, para informar seu endereço residencial, telefones de contato e justificar suas atividades; 2) não mudar de endereço sem prévia comunicação ao juízo processante; 3) comparecer a todos os atos do processo para os quais for intimado e 4) não manter qualquer tipo de contato com as vítimas".

Menores
Em seu voto, o desembargador refutou a tese de que as meninas haviam mentido a idade.

Conforme Giraldelli, os depoimentos e documentos do Conselho Tutelar comprovam que elas eram menores.

“São considerados idôneos a atestar a menoridade das vítimas, o termo de entrega da criança ou adolescente ao Conselho

Tutelar, bem como o depoimento que prestam perante a autoridade judicial, no qual afirmam a sua data de nascimento e apontam a menoridade que possuem”.

Porém, para o desembargador, ainda não existem os requisitos necessários para a manutenção da prisão preventiva.

“Eu estou entendendo que a decisão é desproporcional, porque ela poderia muito bem ser equacionada com as cautelares diversas da prisão, levando em consideração a primariedade e bons antecedentes e a condição de advogado e a participação dele na diretoria da OAB em duas oportunidades como condições favoráveis”.

O voto de Giraldelli foi acompanhado pelos desembargadores Luiz Ferreira e Juvenal Pereira.

Entenda o caso
Miquelin, de 50 anos, foi detido no dia 17 de fevereiro, ocasião em que estava com uma adolescente de 15 e outra de 12 anos saindo do motel. 

Ele confirmou para a Polícia Miloitar que havia mantido relações sexuais com a menina de 15 anos, enquanto a outra mais nova teria apenas assistido ao ato.

De acordo com o boletim de ocorrência, as duas disseram, em depoimento, que estavam na Avenida dos Trabalhadores, próximo a um posto de gasolina, quando o advogado se aproximou em uma Toyota Hilux.

Ainda segundo o B.O., a adolescente de 15 anos teria perguntado ao condutor do veículo: “Bora?”. Neste momento, o advogado abriu a porta e as duas entraram.

Eles, então, seguiram em direção ao motel.

O relato de uma das meninas à Polícia é de que o advogado teria lhe oferecido dinheiro em troca da relação sexual.

As adolescentes também relataram que o suspeito lhes ofereceu bebida alcoólica e guloseimas. 

A Polícia encaminhou o advogado para o Cisc Planalto, onde foi autuado pelos crimes de estupro de vulnerável, favorecimento da prostituição e por servir bebida alcoólica a menor de idade.

Miquelin teve a prisão em flagrante convertida para preventiva pela juíza Renata do Carmo Evaristo Parreira, da 9ª Vara Criminal de Cuiabá.

Ele foi autuado pelos crimes de fornecimento de bebida alcoólica para menores, favorecimento à prostituição de pessoas menores de 18 anos e prática de conjunção carnal na frente da outra menor.

No último dia 7, a diretoria da OAB decidiu afastar Miquelin do cargo de conselheiro estadual da autarquia.

No dia 24 de fevereiro, o próprio Giraldelli havia negado um pedido de soltura do advogado, mas mudou o entendimento após receber mais informações sobre o caso.

MT Agoar - Lucas Rodrigues

Mais Noticias

Redes Sociais

ATENÇÃO na hora de publicar ou compartilhar conteúdo

Cobalt

Financiadora é condenada por vender carro apreendido

Repasse Mensal

MP-MT diz aceitar proposta do governo para reduzir em R$ 2,3 milhões o repasse mensal ao órgão

Atrasos no Duodécimo

TJMT prevê desativação de varas e fechamento de comarcas por atrasos no duodécimo

30/01/2018 -

Produtores de MT que expulsaram MST terão proteção judicial; Bolsonaro visitará Estado

Presidenciável vem a Mato Grosso logo após o feriado de carnaval para acompanhar a colheita da soja

28/01/2018 -

PF é acionada após ministro Gilmar Mendes ser hostilizado em voo entre Brasília e Cuiabá; veja vídeos

Por conta da situação, a aeronave teve que parar em um ponto remoto, segundo o comandante do voo e a Polícia Federal foi acionada para fazer a escolta do ministro.

25/01/2018 -

Quarta mulher na chefia PGE-MT, Gabriela Novis pauta os principais projetos para 2018

Para humanizar sua gestão e incrementar os processos da PGE irá focar em Tecnologia da Informação

25/01/2018 -

MP-MT é contra regime semiaberto a ex-bicheiro e aponta risco de fuga por alto poder econômico

Promotora lembrou que João Arcanjo Ribeiro fugiu para o Uruguai após a morte de Sávio Brandão. Além disso, cita que ele foi transferido para presídio federal porque continuava comandando o jogo do bicho em MT.

24/01/2018 -

MPE dá parecer contrário a progressão de regime a Arcanjo

Em documento, promotora escreveu que liberdade de ex-bicheiro levaria à sensação de impunidade

24/01/2018 -

OAB-MT emite nota de repúdio contra juiz afastado que chamou advogada de incompetente em audiência

Instituição diz que está acompanhando o caso e tomará as medidas cabíveis. A confusão ocorreu nesta terça-feira (23) durante audiência na Justiça do Trabalho de Sinop.

24/01/2018 -

Condenação de Lula: Veja as provas que basearam a decisão do TRF-4

Em decisão unânime, desembargadores mantiveram a condenação e aumentaram para 12 anos e 1 mês a pena do ex-presidente no caso do triplex em Guarujá.

24/01/2018 -

Lula é condenado por unanimidade a prisão por corrupção e lavagem

O petista, líder em todas as pesquisas de intenção de voto, cai na Lei da Ficha Limpa e pode ser impedido de disputar a eleição presidencial

24/01/2018 -

Relator mantém condenação de Lula e aumenta pena de prisão para 12 anos e 1 mês

Segundo desembargador, petista tinha ciência de esquema de corrupção na Petrobras

23/01/2018 -

Ex-juiz e advogada batem boca em audiência e Polícia intervém

Paulo Martini chamou advogada de "incompetente"; ela revidou o chamando de "corrupto"

28/12/2017 -

Juiz autoriza recuperação judicial de empresa que deve R$ 52 mi

Grupo com sede em Lucas do Rio Verde alegou insuficiência financeira e apresentou plano

21/12/2017 -

Exame psiquiátrico atesta que Arcanjo está apto a deixar prisão

Ex-bicheiro responde por vários crimes; defesa acredita em liberdade após recesso forense

13/12/2017 -

Maioria do Supremo admite poder da PF para fechar acordos de delação, mas ministros propõem limites

6 dos 11 ministros votaram por permitir acordo, mas propuseram diferentes limites para o poder da PF em negociar os benefícios. Julgamento foi interrompido e será retomado nesta quinta.

13/12/2017 -

Tribunal decide não examinar pedido da defesa de Lula para ter acesso a sistemas da Odebrecht

Sistemas internos da empreiteira, que estão anexados a processo que investiga propinas, têm conteúdo secreto. Defesa pedia acesso pela segunda vez no TRF4.

13/12/2017 -

No STF, Dodge defende que PF não pode firmar acordos de delação premiada

O plenário do STF começou a julgar nesta quarta-feira uma ação direta de inconstitucionalidade proposta pela Procuradoria-Geral da República, que questiona a previsão de delegados da PF de negociar acordos de delação.

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora