Mentir para Justiça

Ex-funcionária de loja de departamentos em Cuiabá é condenada a pagar R$ 10 mil por mentir para a Justiça

A operadora passou mercadorias no caixa em que trabalhava, sem registrá-las, gerando um prejuízo de cerca de R$ 5 mil.

Por: G1
20 de Agosto de 2019 as 09h 45min

A ex-funcionária de uma loja de departamentos de Cuiabá e a testemunha indicada por ela foram condenadas a pagar multa por litigância de má-fé após mentirem para a Justiça do Trabalho. A primeira arcará com o pagamento de cerca de R$ 10 mil (correspondente a 10% do valor atribuído à causa), enquanto a segunda terá que desembolsar outros R$ 5 mil.

A condenação se deu em reclamação trabalhista ajuizada pela ex-funcionária, após ser demitida por justa causa por ato de improbidade. No pedido de conversão para dispensa imotivada, com o consequente pagamento das verbas rescisórias, a ex-operadora de caixa requereu ainda indenização por danos morais por ter sido injustamente acusada de crime.

Em defesa, a empresa afirmou que a aplicação da justa causa foi respaldada em procedimento de apuração que concluiu que a operadora passou mercadorias no caixa em que trabalhava, sem registrá-las, gerando um prejuízo de cerca de R$ 5 mil.

A loja de departamentos disse que a apuração teve início após um fiscal ter percebido situação suspeita, quando a operadora deixou de registrar uma bicicleta infantil. Ao comparar as imagens do circuito de segurança com as informações do caixa, verificou-se que, além da bicicleta, diversas outras mercadorias não haviam sido lançadas na compra de uma determinada cliente. Conforme o relatório de auditoria, foram levados 44 itens, sendo registrados apenas quatro.

Em audiência, a cliente, indicada como testemunha pela ex-operadora, disse que sempre passava no caixa dela porque era bem tratada e, na ocasião, comprou a bicicleta e estava levando-a para o carro quando se lembrou de outros produtos que precisava. Retornou, então, à loja e deixou o produto na lateral do caixa para pegar outros itens, “uns panos de prato, umas toalhinhas”. Passou todos os produtos pelo caixa, com exceção da bicicleta, que já estava paga. Quanto ao cupom fiscal, disse o ter jogado fora, mas reiterou que a compra foi bem pequena e o carrinho saiu vazio do estabelecimento.

Entretanto, as imagens apresentadas como prova demonstraram que a testemunha levou dezenas de produtos, muitos deles de grande volume, tendo saído da loja com dois carrinhos abarrotados de mercadorias.

O vídeo revela ainda que por diversas vezes a operadora de caixa passou os produtos sem fazer a leitura do código de barras. Mostra também o momento em que ela aparenta tampar o leitor com um papel e, depois de simular o registro de muitos itens, em seguida o retira para registrar outros poucos.

Ao julgar o caso, a juíza Márcia Martins Pereira, em atuação na 6ª Vara do Trabalho de Cuiabá, ressaltou o fato da ex-operadora de caixa ter confessado, em seu depoimento em audiência, que não pediu a nota à cliente ao deixar de registrar a bicicleta, contrariando o que havia dito ao ajuizar o processo. Neste mesmo sentido, uma testemunha ouvida a pedido da empresa afirmou ter presenciado o momento em que a ex-empregada deixou de registrar a bicicleta e não exigiu da cliente a apresentação da nota.

Diante de todas as provas, a magistrada concluiu que a conduta da trabalhadora se enquadra no previsto do artigo 482 da CLT, no ponto em que trata de ato de improbidade, com a consequente quebra de confiança, sem a qual é inviável a permanência do vínculo empregatício. “Com efeito, ante a gravidade da falta cometida, considero adequada e proporcional a penalidade aplicada pelo empregador”, afirmou, frisando que a dispensa foi motivada pela facilitação do furto.

Por fim, a juíza reconheceu a prática de ato atentatório à dignidade da justiça e condenou a ambas, ex-empregada e testemunha, pelo conluio que as levou a intencionalmente alterarem a verdade dos fatos. Como consequência da litigância de má-fé, a trabalhadora terá de pagar multa de 10% calculada sobre o valor da causa e, a testemunha, outros 5 mil reais. As condenações têm como base os artigos 793-B e 793-C, acrescentados à CLT pela Lei 13.467/17, conhecida como Reforma Trabalhista.

Custas Processuais e Honorários Advocatícios
A ex-empregada terá que arcar ainda com as custas do processo, uma vez que teve negado o pedido à justiça gratuita, benefício incompatível com a litigância de má-fé.

Também em razão de nova previsão da CLT, constante do artigo 791-A, a trabalhadora terá de arcar com o pagamento de honorários de sucumbência ao advogado da empresa, tendo em vista que seus pedidos foram negados pela Justiça. A sentença fixou o percentual dos honorários devidos em 10% do valor da causa.

Como a decisão é de primeiro grau, cabe recurso ao Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT/MT).


COMENTARIOS

Mais de Judiciário

Fiança

Justiça determina soltura de professora que atropelou mulher e criança após provar não ter condições de pagar fiança de quase R$ 30 mil

Professora afirmou que a renda mensal dela é de R$ 2 mil e, por isso, não teria condições de pagar o valor determinado pela Justiça.

22 de Novembro de 2019 as 06h49

Terra Prometida

TRF vê falta de indícios e tranca apuração contra ex-prefeito de Lucas em operação

O abalo à sua imagem, por conta da operação, acabou tendo que vender parte de sua empresa e perder o controle acionário.

21 de Novembro de 2019 as 11h17

Decisão da Justiça

Justiça determina que delegado de MT suspeito de envolvimento com grampos volte a usar tornozeleira

Rogers Elizandro Jarbas é investigado por interferir no processo que apura o crime, tentando obter documentos sigilosos, ou constrangendo autoridades.

19 de Novembro de 2019 as 10h35

Decisão STF

Após decisão do STF, Justiça manda soltar ex-governador de Minas

10 de Novembro de 2019 as 15h20

Pesquisa

Pesquisa: 56% discordam de decisão do STF que soltou ex-presidente Lula

Instituto Realtime Big Data entrevistou 1.200 pessoas entre sexta (8) e sábado (9); levantamento tem margem de erro de 4% e nível de confiança de 95%

10 de Novembro de 2019 as 15h05

TCE

Candidato único, Maluf é eleito presidente do Tribunal de Contas de MT

Ele assume o órgão no lugar de Gonçalo Domingos de Campos Neto.

06 de Novembro de 2019 as 09h09

Dívida

Justiça determina bloqueio de quase R$ 3 milhões do estado por dívida com hospital de Sinop (MT)

Dívida se refere a serviços prestados pela unidade, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

06 de Novembro de 2019 as 08h59

Paternidade

Justiça determina que homem que se recusou a fazer exame de DNA assuma paternidade de criança em MT

Para os desembargadores, o fato do homem não ter comparecido para a realização do exame e também não ter pago o procedimento induz a presunção da paternidade.

14 de Outubro de 2019 as 07h26

Produção Agrícola

Embargos são suspensos e acordo regulariza a produção agrícola em terras indígenas de MT

Índios Paresi devem cultivar 3,5 mil hectares com soja. Povos indígenas também devem investir em lavouras de segunda safra.

02 de Outubro de 2019 as 07h23

Pagamento de Servidores

Justiça encontra dinheiro em contas de prefeitura e determina pagamento de servidores em MT

A Prefeitura de Santo Antônio do Leverger anunciou em agosto que escalonaria o salário dos servidores.

02 de Outubro de 2019 as 07h22

Arquivado

Corregedoria do MP-MT arquiva investigação contra procurador citado em investigação de grampos

A conclusão da sindicância investigativa foi de que não há justa causa para instauração de processo disciplinar administrativo contra o procurador Paulo Prado.

02 de Outubro de 2019 as 07h20

Justiça Federal

Justiça Federal derruba liminar que devolvia terra a índios em MT

A área que fica no Distrito de Jarudore, em Poxoréu, tem cerca de 4 mil hectares.

25 de Setembro de 2019 as 14h38

Investimento

Justiça solta um dos acusados de envolvimento em chacina que deixou 9 mortos em MT

Os desembargadores da Primeira Câmara Criminal entenderam que não há razão para manter Paulo Neves Nogueira preso.

25 de Setembro de 2019 as 14h30

Força-tarefa

Força-tarefa da Defensoria revisa processos de 722 presos da Penitenciária Central de MT para correções

Defensores já analisaram 243 processos e protocolaram 73 petições pedindo a correção da data base do cálculo das penas, questionam ausência de remição de pena e pedem unificação e progressão de pena.

20 de Setembro de 2019 as 17h38

Judiciário

TCE considera que Prefeitura de Chapada prestou contas, que serão analisadas

Por maioria, acompanhando o voto revisor do conselheiro Guilherme Antônio Maluf, o Pleno do Tribunal de Contas de Mato Grosso considerou que a Prefeitura de Chapada dos Guimarães prestou contas referente ao exercício de 2017

18 de Setembro de 2019 as 16h38

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Enquete

veja +

COTAÇÃO