Juiz autoriza recuperação judicial de empresa que deve R$ 52 mi

Grupo com sede em Lucas do Rio Verde alegou insuficiência financeira e apresentou plano

28/12/2017 - 09:18:13

   

Juiz Cássio Furim acolheu pedido de recuperação judicial de empresa

O juiz Cássio Furim, da Comarca de Lucas do Rio Verde, acolheu pedido de recuperação judicial da empresa JLB Comércio e Representações de Defensivos Agrícolas Ltda, no valor de R$ 52.734.712,70. A decisão foi proferida em 19 de dezembro.

Por meio do pedido de recuperação, representantes alegaram que a empresa atua no ramo de comercialização de produtos agrícolas há mais de sete anos, em Lucas do Rio Verde, e que é uma das mais reconhecidas em seu ramo, na região.

No pedido, os advogados Murilo Castro de Melo e Pedro Vinícius dos Reis, responsáveis pela defesa da JLB, argumentaram que a empresa começou a crescer nos últimos anos e isso fez com que os proprietários dela realizassem empréstimos bancários, para expandir o atendimento e adquirir mais produtos fertilizantes.

“Haja vista o alto valor englobado no investimento de tais produtos dos quais não apresentam ganhos consideráveis, mas para que pudessem atender o cliente da melhor forma a empresa investiu em tal seguimento”, pontuou a defesa.

Depois de fazer os investimentos, representantes da empresa alegaram que produtores rurais da região tiveram dificuldade em suas plantações e tal fato desencadeou a inadimplência de pagamentos à JLB.

“Assim, o crédito já não era acessível como nos melhores tempos da empresa, mesmo assim, com muito esforço conseguiu fornecer novamente produtos para a safra subsequente, entregando aos seus clientes todos produtos contratados, entretanto, novamente após o final da colheita, houve inadimplência de seus clientes, o que levou a empresa requerente a acumular dívidas consideráveis a receita da mesma, haja vista por duas safras seguidas não obter o recebimento dos valores referentes aos produtos vendidos e entregues aos seus clientes”, relatou.

A crise teria sido agravada em razão da instabilidade climática na região, que teria afetado a empresa e seus clientes, que não conseguiram honrar com os compromissos firmados. Outro fator que também teria prejudicado a situação da JLB teria sido a alta no dólar.

“Somando-se a alta desenfreada de um ano para o outro, dos produtos adquiridos pela requerente para revenda a seus clientes, da alta e instabilidade do dólar, motivo pelo qual se chegou ao acumulo considerável da dívida, da qual encontra-se devidamente formalizada através da lista de credores”, disse.

“Até o momento, a requerente vinha conseguindo gerenciar as dificuldades, contudo, tal situação, na forma como está, tornou-se insustentável, sendo imprescindível a intervenção do Poder Judiciário para prestar socorro à mesma, evitando, assim, as famigeradas execuções individuais, o enxovalhamento do nome da empresa nos bancos de dados de proteção ao crédito e, outrossim, os inoportunos pedidos de falência, comumente utilizados como meio de pressão para obrigar as empresas a pagar valores que não dispõem de imediato, sem que com isso comprometam seu regular funcionamento”, acrescentou, em outro trecho do pedido.

Os representantes da empresa encaminharam documentos que comprovariam a necessidade do pedido de recuperação judicial e um plano de recuperação, no qual detalharam os valores que irão pagar a cada um dos credores.

Pedido acolhido
O juiz concedeu o prazo de dois anos para que a empresa quite as dívidas que constam no plano. "O descumprimento de qualquer obrigação prevista no plano acarretará a convolação da recuperação em falência", pontuou.

“Destaca-se or fim que o plano de recuperação implica em novação dos créditos anteriores ao pedido, e obriga o devedor e todos os credores a ele sujeitos, sem prejuízo das garantias (salvo ressalva legal)”, acrescentou.

O magistrado também manteve as decisões tomadas durante a assembleia de credores. Ele negou o pedido feito pelo advogado de uma das empresas, que havia alegado que não tinha sido notificado sobre a assembleia e pediu que a mesma fosse cancelada.

Os credores
Conforme a relação de credores da JLB Agronegócio, as dívidas trabalhistas da empresa somam R$ 148.275,09. Já os passivos com credores que possuem garantia real é de R$ 23.999.907,68, além de outra dívida de U$ 573.821,13.

Com credores quirografários – aqueles que não possuem garantias –, o valor da dívida é de R$ 20.874.139,73 e há também um passivo em dólar, que soma U$ 1.792.829,67. As dívidas com microempresas ou empresas de pequeno porte são de R$ 20.775,18.

O total das dívidas da JLB, em moeda brasileira, é correspondente a R$ 45.043.097,68. Em dólar, há um passivo de U$ 2.366.650,80.

MT Agora - Vinícius Lemos | Mídia News

Mais Noticias

Semiaberto

Exame psiquiátrico atesta que Arcanjo está apto a deixar prisão

Julgamento No Supremo

Maioria do Supremo admite poder da PF para fechar acordos de delação, mas ministros propõem limites

Decisão Judicial

Tribunal decide não examinar pedido da defesa de Lula para ter acesso a sistemas da Odebrecht

Julgamento No Supremo

No STF, Dodge defende que PF não pode firmar acordos de delação premiada

08/12/2017 -

Ministério Público atende à solicitação da OAB-MT e move ação para investigar problemas na cadeia de Lucas do Rio Verde

A medida atende a uma solicitação de providências feita pela Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil.

08/12/2017 -

Sérgio Moro manda desbloquear dinheiro da aposentadoria do ex-presidente Lula

Juiz tinha mandado bloquear as contas do ex-presidente depois de condená-lo no processo do triplex em Guarujá.

08/12/2017 -

STF decide que assembleias não podem derrubar prisão de deputados

O placar de 5 a 4 teve voto de desempate da presidente, Cármen Lúcia. O julgamento foi suspenso.

01/12/2017 -

Justiça vê manipulação e suspende propaganda sobre previdência

A ordem é para que todas as ações de comunicação sejam suspensas, sob pena de multa diária de R$ 50 mil.

01/12/2017 -

TSE lança título de eleitor digital que pode substituir documento impresso na votação

E-título foi apresentado nesta sexta (1º) pelo presidente do tribunal, ministro Gilmar Mendes. Documento virtual exibe a foto dos eleitores que já passaram pelo cadastro biométrico.

01/12/2017 -

Empresa de Nova Mutum é condenada em R$ 10 mil por demitir trabalhador após diagnóstico de HIV

A empresa ainda pode recorrer da decisão.

30/11/2017 -

Ministra do STF nega autorização para universitária com dois filhos fazer aborto

Pedido de liminar foi apresentada ao STF pelo PSOL na ação que tenta descriminalizar aborto até 3º mês de gestação. Assunto ainda será analisado pelo plenário do tribunal.

28/11/2017 -

Tribunal mantém bloqueio de R$ 16 milhões de Lula no processo do triplex na Lava Jato

Desembargadores de Porto Alegre entendem que o levantamento do bloqueio de bens deve ser requerido em primeira instância, em Curitiba. Lula foi condenado a 9 anos e 6 meses na Lava Jato, e responde a processo em liberdade.

28/11/2017 -

TRF4 decide que Eduardo Cunha deve seguir preso em Curitiba

Defesa de deputado cassado pedia que ele fosse transferido para Brasília. Cunha foi condenado por três crimes e cumpre pena de 14 anos e seis meses.

28/11/2017 -

MPF de Chapecó diz que Chapecoense não tinha como avaliar risco de acidente aéreo

Procurador da República afirmou que nenhum brasileiro tem envolvimento culposo ou doloso no caso.

28/11/2017 -

Chefe de cozinha é demitido após assediar colega e enviar ''nudes'' durante o trabalho

Segundo a denúncia, ele insinuou que os dois deveriam manter relações no ambiente de trabalho. A empresa abriu uma sindicância e optou pela demissão.

28/11/2017 -

Congresso não tem perfil para aprovar reformas anticorrupção, diz Dallagnol

O procurador voltou a afirmar que as eleições de 2018 serão a ''batalha final contra a corrupção''.

28/11/2017 -

Forças-tarefas da Lava Jato no Rio, São Paulo e Curitiba anunciam ações conjuntas em 2018

Representantes se reuniram no Rio de Janeiro. Durante o encontro, Deltan Dallagnol disse que a operação terá 'batalha final' em 2018.

23/11/2017 -

Toffoli pede vista e adia decisão do STF sobre restrição ao foro privilegiado de parlamentares

STF analisa ação que pode restringir alcance do foro em crimes cometidos por deputados e senadores. Maioria votou por limitar prerrogativa a atos cometidos no mandato e ligados ao cargo.

23/11/2017 -

Maioria do STF vota a favor de limitar foro privilegiado de deputados e senadores

Proposta é deixar no tribunal somente deputados e senadores investigados por crimes cometidos no exercício do mandato. Mudança poderia levar 90% dos casos para a primeira instância.

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora