Judiciário

Moro pede explicações para defesa de Vaccarezza, solto há quase um ano sem pagar fiança de R$ 1,5 milhão

No despacho publicado nesta segunda-feira (30), juiz menciona ‘vaquinha’ virtual para campanha e também pede manifestação do MPF

Fiança Não Foi Paga | 30 de Julho de 2018 as 16h 35min
Fonte: G1

Vaccarezza foi preso na 44ª fase da Operação Lava Jato, em agosto de 2017, e solto quatro dias depois com o compromisso de pagar fiança (Foto: Giuliano Gomes/PR Press)

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, pediu, nesta segunda-feira (30), explicações para a defesa ex-deputado federal Cândido Vaccarezza sobre a fiança de R$ 1,5 milhão, que não foi paga quase um ano após ele ser solto.

Segundo o magistrado, a fiança não foi depositada sob a alegação de insuficiência financeira. No despacho, o magistrado cita que Vaccarezza, agora filiado ao Avante (SP), é pré-candidato a deputado federal e está arrecadando dinheiro por meio de uma vaquinha virtual para a campanha.

Além de pedir explicações à defesa do ex-deputado, em até três dias após notificação, Moro também pede a manifestação do Ministério Público Federal (MPF), no mesmo prazo.

A defesa de Vaccarreza informou, por telefone, que só vai se manifestar após ser notificado da decisão.

Relembre o caso

Vaccarezza foi preso temporariamente, pelo prazo de cinco dias, durante a 44ª fase da Operação Lava Jato, batizada como "Abate", em 18 de agosto de 2017.

Quatro dias depois, Moro mandou soltar o ex-deputado, com a determinação de algumas medidas cautelares e o pagamento de R$ 1.522.700,00 em fiança. Segundo a decisão, o pagamento deveria ser feito dez dias depois da saída dele da cadeia.

Para ter direito ao habeas corpus, ele assinou um termo de compromisso, garantindo que poderia depositar o dinheiro no prazo determinado por Moro. Ele deixou a cadeia no mesmo dia da decisão.

Na decisão que determinou que Vaccarezza fosse solto, Moro informa que, como há suspeita de envolvimento do investigado em crimes contra a administração pública, ele deveria ficar proibido de exercer cargo ou função pública.

Além disso, Moro proibiu o ex-deputado de deixar o país, de manter contato com os demais investigados, exceto familiares e de mudar de endereço sem autorização do Juízo.

Até este momento, não há processo judicial contra Cândido Vaccarezza em andamento.

Veja os principais pontos das investigações da 44ª fase:

  • Ação apura o favorecimento de empresas estrangeiras em contratos com Petrobras.
  • A Operação Abate investiga fraudes no fornecimento de asfalto para a Petrobras por uma empresa norte-americana, entre 2010 e 2013.
  • Funcionários da Petrobras, o PT e, principalmente, Cândido Vaccarezza teriam recebido propinas que somam US$ 500 mil no esquema da Abate.
  • Ao menos 3% dos contratos com as empresas gregas, que superaram US$ 500 milhões, seriam propina para políticos, funcionários da estatal e operadores financeiros.
  • As investigações surgiram da delação do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa.

COMENTARIOS

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

TEMPO AGORA

Hoje, Quarta Feira

Lucas do Rio Verde, MT

Tempo nublado

31º

COTAÇÃO