Por 3 a 1, HC de Silval é negado pelo STJ e ex-governador segue preso

Em resposta ao recurso semelhante que tramitou no TJ, Selma salientou que ouviu os colaboradores “tão somente como forma de certificar o juízo de que as declarações prestadas eram realmente voluntárias.”

11/03/2017 - 07:50:12

   

Fotos: Paulo Vitor Fanaia

Por 3 votos a 1, a Sexta Turma do STJ acaba de negar o habeas corpus impetrado pela defesa do ex-governador Silval Barbosa - preso deste setembro de 2015 - que buscava afastar a juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá Selma Arruda do comando das ações relativas à Operação Sodoma, bem como revogar todos os atos processuais praticados pela magistrada. Com isso, a soltura de Silval foi adiada mais uma vez.

Ao proferir voto vista, Rogério Schietti fez um preâmbulo sobre a evolução do Código Penal no decorrer dos anos e defendeu que a legislação possibilita participação judicial na coleta de provas. O ministro diz que, segundo o Supremo Tribunal Federal, o juiz que inquirir o delator não está impedido ou suspeito para julgar a ação penal.

Neste sentido, aponta que o instituto da colaboração premiada está em fase de "nascituro" e pouco se tem de concreto nos Tribunais sobre o tema. Diante disso, entende que a anulação da operação não é o melhor caminho.

O ministro Nefi Cordeiro, último a votar, não conheceu o recurso - acompanhando o voto do relator Antônio Saldanha. "Que, inobstante as dezenas de notícias e entrevistas da juíza juntadas pela defesa, não vê suspeição".

A defesa do ex-governador ingressou com recurso na Sexta Turma para afastar Selma das ações relativas à Operação Sodoma, bem como revogar todos os atos dela.

O julgamento do mérito deste habeas corpus teve início em 1º de dezembro. Na ocasião, o relator proferiu voto pelo não conhecimento.

Em 14 de fevereiro, Sebastião Reis trouxe o voto vista empatando o placar. O desfecho foi mais uma vez adiado por outro pedido de vista, dessa vez Schietti.

A defesa de Silval alega que a magistrada, ao ouvir os colaboradores (João Rosa, Frederico Muller e Filinto Muller), cometeu excessos ao fazer perguntas sobre detalhes dos envolvidos no esquema, como o modo de operação, como eram desviados os recursos, quais quantias de cheques e as reuniões realizadas pelo grupo, por exemplo.

Além do impedimento de Selma, o recurso pedia a anulação da primeira fase da operação, bem como a revogação de todos os atos processuais decorrentes da primeira ação penal e, por consequência, das prisões decretadas posteriormente a isso. Acontece que as fases seguintes foram deflagradas em uma espécie de efeito cascata, por isso, sempre têm relação com a investigação feita na etapa anterior.

MPE

Ao analisar o áudio da audiência na qual os colaboradores foram ouvidos, o Ministério Público Estadual destacou dois momentos. No primeiro, a juíza “ateve-se a indagar os colaboradores sobre os aspectos da legalidade, regularidade e voluntariedade”, o que na visão do órgão ministerial ocorreu “plenamente conforme a lei.”

Já no segundo momento, Selma aprofundou-se em minúcias sobre os fatos, indagando sobre as empresas envolvidas e seus negócios, a identidade dos envolvidos, seus papéis na trama, o modus operandi da suposta organização, repasses de valores, entre outros pormenores. Quanto a este ponto, o MPE entendeu que “houve, de fato, uma inquirição desnecessária”, de modo que a alegação da juíza de que fez a inquirição apenas para se certificar da veracidade das declarações, “não procedem.”

“Talvez pelo fato de cuidar-se de uma das primeiras homologações de acordo de colaboração premiada naquele Juízo a magistrada procurou, certamente de boa-fé, cercar-se o máximo possível de certeza sobre os fatos objeto da delação, antes de proceder a homologação do termo, pecando por excesso”, diz trecho do parecer dado no recurso que tramitou no TJ.

Selma

Em resposta ao recurso semelhante que tramitou no TJ, Selma salientou que ouviu os colaboradores “tão somente como forma de certificar o juízo de que as declarações prestadas eram realmente voluntárias.”

Neste sentido, destacou que “os colaboradores já haviam prestado as declarações na Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Administração Pública, cujo conteúdo já estava nos autos no momento da suas oitivas” e que “a oitiva do colaborador em juízo em nada dificulta a prova, não prejudica a defesa e nem a coloca em desigualdade em relação à acusação.” Nesta linha, a juíza defende que “confere ao juízo a necessária segurança para a homologação do acordo.”

(Resultado final saiu às 15h27, momento em que o texto foi atualizado com o voto de Nefi. O primeiro a se posicionar foi Rogério) 

MT Agora - Eduarda Fernandes | RD News

Mais Noticias

Indenização

Decoradora deve indenizar noiva por má prestação de serviço, diz TJMT

No Motel

Desembargador diz que delitos de advogado foram “repugnantes”

Restrição de Matrículas

Defensor contesta restrição de matrículas em creches de Lucas do Rio Verde

Habeas Corpus

Tribunal solta advogado em Lucas do Rio Verde acusado de estar em motel com duas menores

09/03/2017 -

Justiça divide herança entre esposa e amante

Com a decisão, a apelante terá direito a receber 50% da pensão por morte deixada por seu companheiro – ele morreu em 2015.

07/03/2017 -

Lucas assume compromisso com PDI e quer ser modelo em planejamento

O acordo de compromisso já teve um efeito prático de economia para os cofres públicos de Lucas do Rio Verde, já que o prefeito estava prestes a contratar uma auditoria para solucionar alguns gargalos da administração pública

07/03/2017 -

Chega ao STF primeira ação que pode levar à ampla legalização do aborto

Movimentos contrários ao aborto, por sua vez, argumentam que o direito à vida também deve ser garantido ao feto e, por isso, a prática seria inconstitucional.

06/03/2017 -

Em MT, Justiça manda dividir pensão por morte entre esposa e companheira

Mulher pediu reconhecimento de união estável após morte do companheiro. Homem casado manteve relacionamento por 20 anos com autora da ação.

04/03/2017 -

Desembargador nega soltura a advogado flagrado com duas menores

Ele foi visto com duas adolescentes em motel de Cuiabá e chegou o confessar a conjunção carnal

20/02/2017 -

TJ derruba leis que permitiam produtos grátis

A Adin que contesta a lei número 5.987 de de 30 de setembro de 2015 está sob a relatoria do desembargador Luiz Carlos da Costa e teve o pedido de liminar apreciado e deferido por maioria dos votos

19/02/2017 -

OAB Nacional diz que juíza “calou” e fez “agressão” à advocacia

Conselho Federal divulgou nota de repúdio contra a juíza Selma Arruda, que atua em Cuiabá

16/02/2017 -

OAB de Lucas reforça pedido por novo Delegado

O principal objeto da reunião foi à designação de um novo Delegado para Lucas do Rio Verde, uma vez que o Delegado Rafael Scatollon foi transferido para a Delegacia Regional de Pontes e Lacerda.

15/02/2017 -

Juiz manda Estado entregar remédio e ameaça afastar secretário

O magistrado destaca que havia concedido liminar que determinava que o Estado fornecesse a insulina para o paciente.

10/02/2017 -

Juíza manda Havan trocar produtos defeituosos sob pena de multa

Valor pode chegar a R$1 milhão se decisão não for cumprida pela empresa

09/02/2017 -

Juiz proíbe multa a clientes de barcos-hotéis por pesca no período de defeso

Duas empresas de turismo de MT entraram na Justiça alegando prejuízos. Pesca foi liberada nos rios estaduais, mas nos rios federais só no dia 28.

09/02/2017 -

Para Gilmar Mendes, projeto que restringe atuação do TSE "consagra impunidade"

Vejo realmente com muita preocupação essa iniciativa, que praticamente impede que o tribunal regulamente as eleições via resolução

07/02/2017 -

OAB de MT lista dez "abusos" da reforma da Previdência proposta por Michel Temer

No documento, a organização também alega que a proposta foi elaborada em cima de um falso déficit da reforma da previdência.

05/02/2017 -

TCE-MT e PF assinam acordo de cooperação para combater corrupção

"Acho que o TCE, como todas as instituições de controle externo, tem o dever de compartilhar informações. É a chamada boa governança, que nos permite cumprir nossa missão de forma mais produtiva"

03/02/2017 -

Após pedido de vista, STF adia conclusão de julgamento sobre réu na linha sucessória

Pela Constituição, no caso de o presidente da República se ausentar do país ou ser afastado respeita a seguinte ordem: vice-presidente da República, o presidente da Câmara, o presidente do Senado e o presidente do STF.