Por 3 a 1, HC de Silval é negado pelo STJ e ex-governador segue preso

Em resposta ao recurso semelhante que tramitou no TJ, Selma salientou que ouviu os colaboradores “tão somente como forma de certificar o juízo de que as declarações prestadas eram realmente voluntárias.”

11/03/2017 - 07:50:12

   

Fotos: Paulo Vitor Fanaia

Por 3 votos a 1, a Sexta Turma do STJ acaba de negar o habeas corpus impetrado pela defesa do ex-governador Silval Barbosa - preso deste setembro de 2015 - que buscava afastar a juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá Selma Arruda do comando das ações relativas à Operação Sodoma, bem como revogar todos os atos processuais praticados pela magistrada. Com isso, a soltura de Silval foi adiada mais uma vez.

Ao proferir voto vista, Rogério Schietti fez um preâmbulo sobre a evolução do Código Penal no decorrer dos anos e defendeu que a legislação possibilita participação judicial na coleta de provas. O ministro diz que, segundo o Supremo Tribunal Federal, o juiz que inquirir o delator não está impedido ou suspeito para julgar a ação penal.

Neste sentido, aponta que o instituto da colaboração premiada está em fase de "nascituro" e pouco se tem de concreto nos Tribunais sobre o tema. Diante disso, entende que a anulação da operação não é o melhor caminho.

O ministro Nefi Cordeiro, último a votar, não conheceu o recurso - acompanhando o voto do relator Antônio Saldanha. "Que, inobstante as dezenas de notícias e entrevistas da juíza juntadas pela defesa, não vê suspeição".

A defesa do ex-governador ingressou com recurso na Sexta Turma para afastar Selma das ações relativas à Operação Sodoma, bem como revogar todos os atos dela.

O julgamento do mérito deste habeas corpus teve início em 1º de dezembro. Na ocasião, o relator proferiu voto pelo não conhecimento.

Em 14 de fevereiro, Sebastião Reis trouxe o voto vista empatando o placar. O desfecho foi mais uma vez adiado por outro pedido de vista, dessa vez Schietti.

A defesa de Silval alega que a magistrada, ao ouvir os colaboradores (João Rosa, Frederico Muller e Filinto Muller), cometeu excessos ao fazer perguntas sobre detalhes dos envolvidos no esquema, como o modo de operação, como eram desviados os recursos, quais quantias de cheques e as reuniões realizadas pelo grupo, por exemplo.

Além do impedimento de Selma, o recurso pedia a anulação da primeira fase da operação, bem como a revogação de todos os atos processuais decorrentes da primeira ação penal e, por consequência, das prisões decretadas posteriormente a isso. Acontece que as fases seguintes foram deflagradas em uma espécie de efeito cascata, por isso, sempre têm relação com a investigação feita na etapa anterior.

MPE

Ao analisar o áudio da audiência na qual os colaboradores foram ouvidos, o Ministério Público Estadual destacou dois momentos. No primeiro, a juíza “ateve-se a indagar os colaboradores sobre os aspectos da legalidade, regularidade e voluntariedade”, o que na visão do órgão ministerial ocorreu “plenamente conforme a lei.”

Já no segundo momento, Selma aprofundou-se em minúcias sobre os fatos, indagando sobre as empresas envolvidas e seus negócios, a identidade dos envolvidos, seus papéis na trama, o modus operandi da suposta organização, repasses de valores, entre outros pormenores. Quanto a este ponto, o MPE entendeu que “houve, de fato, uma inquirição desnecessária”, de modo que a alegação da juíza de que fez a inquirição apenas para se certificar da veracidade das declarações, “não procedem.”

“Talvez pelo fato de cuidar-se de uma das primeiras homologações de acordo de colaboração premiada naquele Juízo a magistrada procurou, certamente de boa-fé, cercar-se o máximo possível de certeza sobre os fatos objeto da delação, antes de proceder a homologação do termo, pecando por excesso”, diz trecho do parecer dado no recurso que tramitou no TJ.

Selma

Em resposta ao recurso semelhante que tramitou no TJ, Selma salientou que ouviu os colaboradores “tão somente como forma de certificar o juízo de que as declarações prestadas eram realmente voluntárias.”

Neste sentido, destacou que “os colaboradores já haviam prestado as declarações na Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Administração Pública, cujo conteúdo já estava nos autos no momento da suas oitivas” e que “a oitiva do colaborador em juízo em nada dificulta a prova, não prejudica a defesa e nem a coloca em desigualdade em relação à acusação.” Nesta linha, a juíza defende que “confere ao juízo a necessária segurança para a homologação do acordo.”

(Resultado final saiu às 15h27, momento em que o texto foi atualizado com o voto de Nefi. O primeiro a se posicionar foi Rogério) 

MT Agora - Eduarda Fernandes | RD News

Mais Noticias

Latrocínio

Procuradoria opina por aumentar pena de envolvido em latrocínio de acadêmico em Sinop

Confessou

Silval admite ter criado organização criminosa para pagar dívidas

Você Sabia?

Apreensão do carro por IPVA atrasado é ilegal e pode gerar dever de indenização

Direito

Juíza nega indenizar cuiabano que descobriu não ser pai de criança

17/05/2017 -

Princípio da insignificância se aplica a furto de celular, decide Supremo

O entendimento é da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal, que reformou decisão do Superior Tribunal de Justiça

12/05/2017 -

Prefeito e Presidente da Câmara são acionados pelo MP e terão que explicar recursos para a Unemat

O promotor instaurou um inquérito civil, alegando investimento ilícito do município de Lucas do Rio Verde na educação superior, já que faltam vagas em creches, pré-escola e educação infantil para atender a população luverdense.

04/05/2017 -

STF decide que governadores podem se tornar réus sem licença da Assembleia

Entendimento é o mesmo adotado em julgamento de quarta-feira, no qual ministros analisaram o caso específico do governador Fernando Pimentel (PT), de Minas Gerais.

02/05/2017 -

Justiça condena Telexfree a ressarcir R$ 21 mil a duas clientes

As consumidoras E. S. M. e A. E. A. A. contrataram pacotes e esperavam receber lucros

02/05/2017 -

Projeto de autoria de Nilson Leitão prevê que trabalhadores rurais sejam pagos com comida e moradia

Na prática, as empresas do campo poderão pagar seus funcionários mediante o fornecimento de moradia e alimentação e não mais com remuneração salarial.

02/05/2017 -

Diretora rebate OAB e diz que a própria autarquia pediu o curso

Ordem alega que egressos estariam sendo induzidos à prática ilegal da profissão de advogado

02/05/2017 -

Cursos on-line oferecidos pelo CNJ estão com inscrições abertas

Gratuitos e abertos à toda população, os cursos estão com inscrições abertas até o dia 25 de maio, no seguinte endereço eletrônico cnj.jus.br/formacao-e-capacitacao.

28/04/2017 -

STF permite salário acima do teto em caso de acúmulo de cargos

Decisão, que tem repercussão geral, valerá para casos em que a Constituição permite o exercício de duas funções, como de médicos que acumulam dois postos na rede pública.

19/04/2017 -

OAB pede explicação à ALMT sobre projeto que prevê verba de R$ 6 mil a jornalistas e assessores jurídicos

Proposta da Mesa Diretora prevê verba indenizatória a assessores de gabinete. Projeto não explica destino de verba e não obriga prestação de contas, diz OAB.

07/04/2017 -

Ministro do STF manda suspender previdência de deputados de MT

Assembleia Legislativa gasta quase R$ 17 milhões por ano com benefício. Deputados em exercício estão na lista dos que recebem a aposentadoria.

30/03/2017 -

Expansão do poder judiciário de Mato Grosso é estratégia do presidente do TJMT

De imediato serão beneficiadas as comarcas de Primavera do Leste, Sorriso, Tangará da Serra e Lucas do Rio Verde.

30/03/2017 -

Empresa de telefonia é condenada por grampo ilegal em escritório de advocacia em Sorriso

Uma empresa de telefonia e uma empresa de telecomunicações determinando o pagamento da indenização de R$ 150 mil a título de danos morais para um escritório de advocacia, em Sorriso.

29/03/2017 -

Ex-deputado Riva é condenado a 21 anos e 8 meses de prisão

Condenação é relativa a Operação Arca de Noé; político poderá recorrer em liberdade

29/03/2017 -

Sancionadas leis que valorizam a mulher

Dentro das homenagens feitas pelo Dia Internacional da Mulher (8 de março), foram sancionadas também leis que determinam a inscrição dos nomes de Clara Camarão e Antônia Alves Feitosa no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria

28/03/2017 -

Janot pede no STF suspensão de previdência exclusiva para deputados

Para Rodrigo Janot, aposentadoria dos deputados é inconstitucional. Ação no Supremo questiona seis leis de Mato Grosso sobre o tema.

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora