Por 3 a 1, HC de Silval é negado pelo STJ e ex-governador segue preso

Em resposta ao recurso semelhante que tramitou no TJ, Selma salientou que ouviu os colaboradores “tão somente como forma de certificar o juízo de que as declarações prestadas eram realmente voluntárias.”

11/03/2017 - 07:50:12

   

Fotos: Paulo Vitor Fanaia

Por 3 votos a 1, a Sexta Turma do STJ acaba de negar o habeas corpus impetrado pela defesa do ex-governador Silval Barbosa - preso deste setembro de 2015 - que buscava afastar a juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá Selma Arruda do comando das ações relativas à Operação Sodoma, bem como revogar todos os atos processuais praticados pela magistrada. Com isso, a soltura de Silval foi adiada mais uma vez.

Ao proferir voto vista, Rogério Schietti fez um preâmbulo sobre a evolução do Código Penal no decorrer dos anos e defendeu que a legislação possibilita participação judicial na coleta de provas. O ministro diz que, segundo o Supremo Tribunal Federal, o juiz que inquirir o delator não está impedido ou suspeito para julgar a ação penal.

Neste sentido, aponta que o instituto da colaboração premiada está em fase de "nascituro" e pouco se tem de concreto nos Tribunais sobre o tema. Diante disso, entende que a anulação da operação não é o melhor caminho.

O ministro Nefi Cordeiro, último a votar, não conheceu o recurso - acompanhando o voto do relator Antônio Saldanha. "Que, inobstante as dezenas de notícias e entrevistas da juíza juntadas pela defesa, não vê suspeição".

A defesa do ex-governador ingressou com recurso na Sexta Turma para afastar Selma das ações relativas à Operação Sodoma, bem como revogar todos os atos dela.

O julgamento do mérito deste habeas corpus teve início em 1º de dezembro. Na ocasião, o relator proferiu voto pelo não conhecimento.

Em 14 de fevereiro, Sebastião Reis trouxe o voto vista empatando o placar. O desfecho foi mais uma vez adiado por outro pedido de vista, dessa vez Schietti.

A defesa de Silval alega que a magistrada, ao ouvir os colaboradores (João Rosa, Frederico Muller e Filinto Muller), cometeu excessos ao fazer perguntas sobre detalhes dos envolvidos no esquema, como o modo de operação, como eram desviados os recursos, quais quantias de cheques e as reuniões realizadas pelo grupo, por exemplo.

Além do impedimento de Selma, o recurso pedia a anulação da primeira fase da operação, bem como a revogação de todos os atos processuais decorrentes da primeira ação penal e, por consequência, das prisões decretadas posteriormente a isso. Acontece que as fases seguintes foram deflagradas em uma espécie de efeito cascata, por isso, sempre têm relação com a investigação feita na etapa anterior.

MPE

Ao analisar o áudio da audiência na qual os colaboradores foram ouvidos, o Ministério Público Estadual destacou dois momentos. No primeiro, a juíza “ateve-se a indagar os colaboradores sobre os aspectos da legalidade, regularidade e voluntariedade”, o que na visão do órgão ministerial ocorreu “plenamente conforme a lei.”

Já no segundo momento, Selma aprofundou-se em minúcias sobre os fatos, indagando sobre as empresas envolvidas e seus negócios, a identidade dos envolvidos, seus papéis na trama, o modus operandi da suposta organização, repasses de valores, entre outros pormenores. Quanto a este ponto, o MPE entendeu que “houve, de fato, uma inquirição desnecessária”, de modo que a alegação da juíza de que fez a inquirição apenas para se certificar da veracidade das declarações, “não procedem.”

“Talvez pelo fato de cuidar-se de uma das primeiras homologações de acordo de colaboração premiada naquele Juízo a magistrada procurou, certamente de boa-fé, cercar-se o máximo possível de certeza sobre os fatos objeto da delação, antes de proceder a homologação do termo, pecando por excesso”, diz trecho do parecer dado no recurso que tramitou no TJ.

Selma

Em resposta ao recurso semelhante que tramitou no TJ, Selma salientou que ouviu os colaboradores “tão somente como forma de certificar o juízo de que as declarações prestadas eram realmente voluntárias.”

Neste sentido, destacou que “os colaboradores já haviam prestado as declarações na Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Administração Pública, cujo conteúdo já estava nos autos no momento da suas oitivas” e que “a oitiva do colaborador em juízo em nada dificulta a prova, não prejudica a defesa e nem a coloca em desigualdade em relação à acusação.” Nesta linha, a juíza defende que “confere ao juízo a necessária segurança para a homologação do acordo.”

(Resultado final saiu às 15h27, momento em que o texto foi atualizado com o voto de Nefi. O primeiro a se posicionar foi Rogério) 

MT Agora - Eduarda Fernandes | RD News

Mais Noticias

Condenação

Júri condena e juiz manda prender homem que matou funcionário de parque há 14 anos em Lucas do Rio Verde

Liminar

Liminar proíbe enfermeiros de realizarem exames e muda rotina nos PSFs de Lucas do Rio Verde

Depoimento

Procurador reafirma que Janot atuou politicamente no acordo de delação da J&F

Decisão

Justiça Federal aceita denúncia, e Joesley e Wesley Batista viram réus

17/10/2017 -

MPF investiga se Força Nacional cometeu irregularidades contra índios em MT

Força Nacional foi enviada na semana passada para Usina São Manoel.

17/10/2017 -

TCE aponta irregularidades e governo suspende licitação para pavimentação da MT-130

Obra em trecho com extensão de 44 km tem custo orçado em R$ 43,5 milhões. Segundo o governo, suspensão é temporária para que correções sejam feitas no certame.

16/10/2017 -

Acusado de matar homem com tiro de espingarda há 14 anos vai a júri em Lucas do Rio Verde

O crime ocorreu em dezembro de 2002, em um parque de diversões no município. A vítima foi atingida com um tiro de espingarda nas costas e morreu na hora.

15/10/2017 -

Justiça determina votação aberta no caso Aécio

Sessão desta terça-feira decidirá sobre afastamento do senador.

15/10/2017 -

Defesa de Temer critica vazamento de delação de Funaro e rebate acusações

O depoimento foi prestado por Funaro no fim de agosto.

14/10/2017 -

Caixa não pode recusar repasse do FGTS para pagamento de pensão alimentícia

Agora, a Caixa terá de promover a imediata transferência dos valores para a conta judicial, sob pena de incorrer em crime de desobediência.

13/10/2017 -

Moro dá prazo de 48 horas para que defesa de Lula entregue recibos originais de aluguéis de imóvel investigado na Lava Jato

Decisão do juiz foi divulgada no sistema da Justiça na manhã desta sexta-feira (13). Ao todo, a defesa do ex-presidente apresentou 31 recibos.

13/10/2017 -

Fux decide que governo não pode extraditar Battisti até que STF se manifeste

Primeira Turma decidirá no próximo dia 24 se governo pode rever decisão do ex-presidente Lula, de 2010, que negou extradição à Itália. Governo Temer decidiu extraditar ex-ativista.

11/10/2017 -

TCU bloqueia bens de Dilma por prejuízo à Petrobras com compra de Pasadena

Além da ex-presidente, decisão atinge outros 5 ex-membros do Conselho de Administração da estatal que aprovaram, em 2006, a compra da refinaria. Cabe recurso.

11/10/2017 -

TRF4 mantém Sérgio Moro em processo da Lava Jato que investiga empresário Marcelo Simões

Ele é suspeito de envolvimento em contratos irregulares com a Caixa Econômica Federal. Advogado de empresário disse que vai recorrer de decisão.

11/10/2017 -

Fachin nega pedido para tirar de Moro gravações de conversas de Lula

Defesa argumentou que autoridades com foro privilegiado aparecem nas conversas, e portanto análise teria que ser do Supremo. Ministro entendeu que autoridades citadas não são alvo de investigação.

10/10/2017 -

MPF denuncia Joesley e Wesley Batista por operações financeiras

Irmãos são acusados de usar informações privilegiadas para lucrar no mercado financeiro por meio das empresas JBS e FB Participações.

10/10/2017 -

Fachin manda arquivar inquérito que investigava Renan, Jucá e Sarney

Ministro do STF acolheu pedido da PGR, que concluiu que ''não houve a prática de nenhum ato concreto''. Ex-presidente da Transpetro denunciou plano para atrapalhar a Lava Jato.

10/10/2017 -

Segunda Turma do STF determina recolhimento noturno de Eike Batista

Com a decisão, o empresário terá de ficar em casa durante a noite, aos feriados e nos fins de semana. Ele foi preso por suspeita de pagamento de propina em troca de contratos com governo do Rio.

10/10/2017 -

STF rejeita recurso e mantém condenação de Maluf por lavagem de dinheiro

Como ainda há possibilidade de recurso, deputado não pode ser preso. Isso só acontecerá se sentença transitar em julgado (isto é, não houver mais chances de apresentação de recurso).

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora