STF decide que não há prazo para cobrança na Justiça de dinheiro público desviado de forma dolosa

Por 6 votos a 5, ministros da Corte decidiram que as ações que pedem ressarcimento aos cofres públicos por atos de improbidade cometidos de forma intencional não prescrevem.

09/08/2018 - 10:15:36

   

Foto: Jota

Por maioria de 6 votos a 5, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram nesta quarta-feira (8) que ações de ressarcimento aos cofres públicos contra agentes que cometam ato de improbidade administrativa não prescrevem, desde que o ato praticado seja doloso - ou seja, cometido de forma intencional.

Com a decisão, a ação de ressarcimento pode ser apresentada a qualquer tempo, independentemente da data em que o fato ocorreu.

Como votaram os ministros

Contra a prescrição A favor da prescrição
Edson Fachin Alexandre de Moraes
Rosa Weber Dias Toffoli
Luís Roberto Barroso Ricardo Lewandowski
Luiz Fux Gilmar Mendes
Celso de Mello Marco Aurélio Mello
Cármen Lúcia

Inicialmente, Fux e Barroso haviam se posicionado pela prescrição. Durante o debate, porém, mudaram de ideia e votaram contra o prazo.

O julgamento teve início na semana passada, com o voto de oito ministros, mas foi suspenso e retomado nesta quarta. Antes do reinício da análise, o Supremo havia formado maioria para estabelecer um prazo para a ação. Nesta quarta, porém, os demais ministros formaram maioria definitiva contra a prescrição.

A decisão tem repercussão geral, ou seja, valerá para todos os casos semelhantes nas instâncias inferiores. Segundo o STF, mil casos nas instâncias inferiores tratam sobre a prescrição de casos de improbidade.

Após o julgamento, a procuradora-geral da República afirmou que a decisão "evita retrocesso na defesa do patrimônio público, garante a segurança jurídica e a integridade no uso da coisa pública”.

O que é improbidade; o que é prescrição
Improbidade administrativa: É uma irregularidade - e não um crime - cometido por um agente que tenha o controle de recursos ou bens públicos. Uma ação desse tipo, na área cível da Justiça, pode levar a punições como multas e devolução de valores. O condenado também pode ter direitos políticos suspensos e ficar inelegível se confirmado que houve enriquecimento ilícito. Atos que se enquadram como improbidade também podem ser considerados crimes - nesse caso, as regras de prescrição estão mantidas como previsto na lei penal. A pessoa pode responder pelo mesmo ato em ação de improbidade e em ação penal.

Prescrição: A prescrição é a perda do direito do estado de punir o cidadão, nesse caso, servidores públicos, por não cumprir o prazo previsto em lei para questionar a irregularidade.

Caso julgado
O caso discutido pelo Supremo aconteceu em São Paulo. O Ministério Público paulista recorreu contra uma decisão do Tribunal de Justiça (TJ-SP) que entendeu que houve prescrição no caso de ex-servidores acusados de participar de uma licitação de dois veículos com preços abaixo do mercado.

Segundo o TJ-SP, a Lei de Improbidade Administrativa diz que a ação disciplinar prescreve em cinco anos em caso de infração punível com demissão. Esse prazo é contado a partir do momento em que o fato é descoberto.

A Procuradoria Geral da República defendeu o pedido em parte, para que o Ministério Público pudesse, a qualquer tempo, requerer o ressarcimento ao erário de agentes públicos por meio de ações civis públicas.

Em nota técnica divulgada nesta quarta antes do julgamento, a Procuradoria Geral da República criticou o estabelecimento do prazo.

“É inegociável porque o ilícito não pode gerar proveito indevido, direto ou indireto, que fique imune ao confisco, nem ser perdoado sem depuração do prejuízo causado à administração pública, isto é, à sociedade como um todo”, diz a nota.

Mudança de votos
Inicialmente, a análise do caso resultou em 7 votos a 4 pela prescrição dos atos de improbidade. Antes da proclamação do resultado, porém, os ministros Luiz Fux e Luis Roberto Barroso pediram a palavra e mudaram seus votos, alterando o placar para 6 votos a 5 contra a prescrição.

Ao retificar o voto, Fux disse que não considerava "consoante com os princípios e a postura do STF" que atos de improbidade administrativa ficassem "imunes à obrigação do ressarcimento".

“Então, com toda humildade, peço vênia para retificar meu voto, e estabelecer que entendo imprescritíveis as ações de ressarcimento por danos causados por crimes praticados por servidores e agentes públicos em geral e por atos de improbidade”, afirmou o ministro.

Após muita discussão, Barroso também mudou o voto, argumentando que recebeu elementos retratando que o impacto da prescritibilidade traria no enfrentamento da corrupção e de atos de improbidade.

“Tendo levado em conta os argumentos jurídicos, muitos argumentos que me foram trazidos, sobre as dificuldades, quando não impossibilidade de recuperação, muitas vezes de dinheiros desviados, em que há uma delonga administrativa e no processo penal, eu me convenço que como regra geral, a prescritibilidade, neste caso, não produz o melhor resultado para a sociedade”, afirmou.

Barroso defendeu que a imprescritibilidade, no entanto, seja aplicada somente em casos em que a improbidade é “dolosa”, ou seja, em que houve vontade do agente em cometer o ato. Essa posição foi seguida pelos demais ministros.

O ministro Alexandre de Moraes criticou o entendimento formado pela maioria do Supremo e disse que o que atrapalha o Estado a recuperar dinheiro desviado é a "incompetência".

"Queria rechaçar o que, para mim, é uma falácia dita por vários membros do Ministério Público, de que a prescritibilidade atrapalharia o enfrentamento da corrupção. O que atrapalha é a incompetência. Alguém que seja órgão da administração pública ou do Ministério Público, que têm ciência do fato, tem cinco anos para fazer algo, se nesse prazo não conseguiu o mínimo para ingressar com a ação, ou é porque nada há ou é porque é incompetente", defendeu Moraes.

Gilmar Mendes também foi contra o entendimento. "Amanhã poderemos estar aposentados ou mortos e virão ações. É um convite para não exercício de função pública", afirmou.

Fonte: Rosanne D'Agostino | G1

Mais Noticias

Candidatura De Lula

Procuradora-geral Raquel Dodge contesta no TSE candidatura de Lula a presidente

Eleições 2018

TSE recebe primeiros questionamentos à candidatura de Lula à Presidência

Declaração

Gilmar Mendes diz que STF age com ''rigor necessário'' ao negar denúncia baseada apenas em delações premiadas

STF

Decisão da 2ª Turma do STF abre discussão sobre validade de prova apresentada por delator

15/08/2018 -

Moro adia interrogatório de Lula no processo envolvendo o sítio de Atibaia

Juiz afirmou que decisão, desta quarta-feira (15), visa ''evitar exploração eleitoral''. Força-tarefa da Lava Jato afirma que Lula recebeu reformas no sítio como propina de empresas com Petrobras.

15/08/2018 -

STF reafirma que transexuais e transgêneros podem mudar registro civil sem necessidade de cirurgia

Ministros reafirmaram decisão que já havia sido tomada em março pela Corte; nesta quarta-feira, ficou definido que entendimento fixado também vale para casos pendentes na Justiça.

15/08/2018 -

MPF questiona visitas de políticos ao ex-presidente Lula na prisão

Para procuradores, políticos do PT cadastrados como advogados têm livre acesso à carceragem, numa tentativa de ludibriar as regras e interferir no processo eleitoral. PT afirma que MPF cria caso com Lula.

15/08/2018 -

MP pode apresentar ação civil pública para obrigar estado a fornecer medicamentos, decide Supremo

Decisão foi tomada durante análise de caso de MG, mas, por ter repercussão geral, valerá para todas as instâncias da Justiça. Ao todo, 1,8 mil processos dependiam do julgamento sobre o tema.

15/08/2018 -

Raquel Dodge: eventuais questionamentos sobre candidaturas à Presidência serão apresentados ''na hora certa''

Procuradora-geral da República deu declaração após ser questionada sobre assunto. Prazo para candidaturas serem registradas no TSE termina nesta quarta-feira (15).

15/08/2018 -

Se não houver questionamento, TSE pode decidir ''de ofício'' sobre candidaturas, diz ministra Rosa Weber

Ela tomou posse nesta terça na presidência do tribunal. PT registra nesta quarta a candidatura do ex-presidente Lula, preso por condenação na segunda instância e sujeito à Lei da Ficha Limpa.

15/08/2018 -

MP-RJ apresenta denúncia de homicídio doloso contra ''Dr. Bumbum'', a mãe e auxiliares

Ministério Público afirma que Denis Furtado assumiu os riscos ao injetar PMMA na bancária Lilian Calixto, mês passado.

15/08/2018 -

Decisão do TSE mantém José Medeiros em cadeira no Senado

José Medeiros (Podemos) teve o mandato cassado pela Justiça Eleitoral no dia 31 de julho por fraude na ata da convenção partidária. Outro suplente já tinha sido diplomado.

15/08/2018 -

Médico é denunciado por usar estrutura de hospital público de Sorriso para fazer lipoaspiração em noiva

Profissional usou sala e equipamentos do hospital público, sem seguir o protocolo, segundo a ação do MPE.

15/08/2018 -

Tenente-coronel é denunciado pelo MP por assediar sexualmente policiais em MT: ''quero você''

Joel Outo Matos, de 48 anos, teria cometido assédios quando era comandante do batalhão da PM. Tenente-coronel negou as acusações e disse que a situação foi forjada por uma policial militar.

15/08/2018 -

Ministério Público pede liminar para implantação imediata da Politec em Nova Mutum

A ação civil pública por obrigação de fazer é fundamentada nas ''dificuldades de investigação'' enfrentadas pela delegacia de Polícia Civil, em razão da ausência de peritos no município.

15/08/2018 -

Educação e Segurança movimentam orçamentos de R$ 8,5 bilhões em Mato Grosso

Composta por uma equipe de 20 profissionais, a Secex de Educação e Segurança Pública desenvolverá atividades como auditorias operacionais em áreas como qualidade da infraestrutura escolar, sistema prisional, governança do Departamento Estadual de Trânsito

15/08/2018 -

Fazendeiros terão que pagar R$ 150 mil por desmate de floresta nativa em MT

No termo, ficou estabelecido que eles apresentarão junto à Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema/MT) Projeto de Recuperação de Área Degradada (PRAD), no prazo de 60 dias. Além disso, terão que pagar R$ 150 mil, a título de dano moral coletivo.

15/08/2018 -

Banco é condenado em Sinop por desrespeitar lei e fazer cliente aguardar 3 horas na fila

A legislação estipula tempo máximo de 15 minutos, em dias normais, e de 30 minutos, em dias de maior movimento

14/08/2018 -

Segunda Turma do STF retira de Sérgio Moro mais trechos das delações da Odebrecht que citam o ex-presidente Lula

Foram remetidos à Justiça de Brasília trechos de depoimentos que citam o ex-ministro Guido Mantega e ao TRE falas sobre repasses eleitorais. Para ministros, fatos não têm ligação com a Lava Jato.

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora