STF

STF: maioria vota por limitar decreto que extingue conselhos federais

Nesta quarta-feira, nove ministros do Supremo votaram no sentido de que o decreto presidencial não pode extinguir colegiados cuja existência conste em lei.

Fonte: Felipe Pontes | Agência Brasil
12 de Junho de 2019 as 22h 47min

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou hoje (12) por conceder uma liminar (decisão provisória) para limitar o alcance do decreto que extingue todos os colegiados ligados à administração pública federal, como conselhos e comitês em que há participação da sociedade civil. A medida está prevista para ser efetivada em 28 de junho.

Nesta quarta-feira, nove ministros do Supremo votaram no sentido de que o decreto presidencial não pode extinguir colegiados cuja existência conste em lei. O julgamento foi suspenso, porém, por um pedido de vista (mais tempo de análise) do presidente da Corte, Dias Toffoli, que prometeu retomar a análise do caso na sessão plenária de amanhã (13).  

O plenário encontra-se dividido, entretanto, sobre se o decreto deve ser integralmente suspenso via liminar ou se a medida cautelar deve suspender apenas a parte da norma que trata dos colegiados mencionados em lei.  

Até o momento, cinco ministros votaram pela suspensão integral, enquanto quatro votaram pela suspensão apenas parcial, no ponto que se refere aos colegiados cuja existência consta em lei.    

A liminar pela suspensão integral do decreto foi pedida pelo PT em uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI). Para o partido, além de ser uma medida que atenta contra o princípio democrático da participação popular, a extinção dos conselhos federais somente poderia se dar por meio de lei aprovada no Congresso.

Decreto

Editado em 11 de abril pelo governo, o Decreto 9.759/2019 determina a extinção de todos os conselhos, comitês, comissões, grupos e outros tipos de colegiados ligados à administração pública federal que tenham sido criados por decreto ou ato normativo inferior, incluindo aqueles mencionados em lei, caso a respectiva legislação não detalhe as competências e a composição do colegiado.

Segundo informações iniciais do governo, a medida acabaria com cerca de 700 colegiados, embora tais grupos não tenham sido listados. De acordo com levantamento da Procuradoria-Geral da República (PGR), seriam extintos órgãos como o Comitê Gestor da Internet no Brasil e o Conselho Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, por exemplo.

Ficaram de fora da medida somente os conselhos que foram criados por lei específica que detalha suas atribuições e a formação de seus membros, como o Conselho Nacional de Direitos Humanos, por exemplo.

Entre as justificativas dadas para o decreto está a necessidade de racionalizar a estrutura governamental e economizar recursos, desfazendo órgãos inoperantes e ineficientes. Segundo o governo, a ideia seria recriar posteriormente somente os conselhos e comitês que consigam comprovar a necessidade de existirem. 

De acordo com dados apresentados pela Advocacia-Geral da União, foram encaminhados pelos ministérios à Casa Civil pedidos pela permanência de 303 colegiados que têm a participação de membros da sociedade civil. 

Votos

Para parte dos ministros do Supremo, o decreto pecou pelo excesso por não especificar quais colegiados seriam extintos, promovendo em vez disso a extinção de todos eles, motivo pelo qual deve ser integralmente suspenso.  

“Acho que o presidente não só pode como deve extinguir conselhos desnecessários, onerosos, inoperantes e desnecessários, mas que extinguir todos, inclusive os que têm papel fundamental, para se atingir os que são desnecessários, é medida excessiva”, disse o ministro Luís Roberto Barroso.

Barroso seguiu entendimento inaugurado pelo ministro Edson Fachin, para quem o decreto promove um retrocesso social ao ferir o princípio de participação popular por meio da extinção genérica dos colegiados.  

“Ao determinar a extinção de inúmeros colegiados até o 28 de junho corrente, sem indicar com precisão quais, efetivamente, serão atingidos pela medida, não é apenas o desaparecimento de um sem número de órgãos que se trata, mas sim, quiçá, a extinção, em alguma medida, do direito de participação da sociedade no governo, implicando um inequívoco retrocesso em temas de direitos fundamentais”, disse o ministro.

Além de Barroso, acompanharam Fachin as ministras Rosa Weber, Cármen Lúcia e o decano, ministro Celso de Mello, que divergiram do relator, ministro Marco Aurélio Mello, para quem o governo estaria impedido de extinguir somente os colegiados que constem em lei, mas estaria liberado para desfazer aqueles que criados via decreto.   

Acompanharam o relator os ministros Alexandre de Moraes, Luiz Fux e Ricardo Lewandowski, para quem seria “engessar a administração” obrigar um presidente eleito a uma estrutura administrativa estabelecida por um antecessor. “Aqueles órgãos que foram criados por decreto e não por lei podem ser extintos por decreto pelo presidente da República”, disse Lewandowski.   

O ministro Gilmar Mendes não participou da sessão. 

Argumentos

Em sustentação oral nesta quarta-feira (12), o advogado do PT, Eugênio Aragão, argumentou que o decreto de extinção dos conselhos e outros colegiados não é condizente com o sistema democrático e promove retrocesso social. “Já passamos da fase em que governantes decidem sozinhos os destinos da nação. A participação da sociedade é mecanismo central da democracia participativa”, disse.

Aragão foi apoiado pelo subprocurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, para quem o decreto é excessivamente genérico, colocando em xeque centenas de colegiados que garantem a participação popular no processo de formulação de políticas públicas. 

O advogado-geral da União, André Mendonça, por outro lado, defendeu o decreto do governo. Ele negou que a medida queira enfraquecer a participação popular, mas fortalecê-la, uma vez que busca manter apenas os colegiados que de fato funcionam. Ele disse haver “certa, me perdoe a expressão, histeria em relação a isso”. 

Mendonça disse haver um número excessivo de colegiados ligados à administração pública, que segundo dados do Ministério da Economia, seriam mais de 2.500. Por isso, o decreto tem como objetivo racionalizar a estrutura governamental.  “O cerne da questão é a boa governança pública, a racionalidade administrativa, e o princípio da eficiência, garantindo-se logicamente na essência a participação da sociedade civil”, disse o advogado-geral da União da tribuna.


Veja o vídeos:

COMENTARIOS

Mais de Judiciário

Empresa Condenada

Empresa é condenada a indenizar funcionária demitida durante tratamento de câncer em MT

Decisão determina que a empresa pague salários retroativos e R$ 10 mil por danos morais. A sentença é da 8ª Vara do Trabalho de Cuiabá.

22 de Agosto de 2019 as 10h41

Prisão Mantida

Justiça mantém prisão de idoso suspeito de atirar, atropelar e matar namorada em MT

Crime foi registrado no domingo (18), em Primavera do Leste. Suspeito se apresentou à polícia na segunda-feira (19).

22 de Agosto de 2019 as 10h31

Julgamento

Casal é julgado por matar homem que teria espalhado boatos sobre relações sexuais com ré em MT

Wilson Teodoro de Souza foi morto a tiros em um bar em Rondonópolis. Maria Estela atirou primeiro e Jerri Adriano atirou depois, segundo processo.

22 de Agosto de 2019 as 10h29

Mentir para Justiça

Ex-funcionária de loja de departamentos em Cuiabá é condenada a pagar R$ 10 mil por mentir para a Justiça

A operadora passou mercadorias no caixa em que trabalhava, sem registrá-las, gerando um prejuízo de cerca de R$ 5 mil.

20 de Agosto de 2019 as 09h45

Liberdade Negada

STJ nega liberdade a Arcanjo e decide que Tribunal de Justiça de MT deve analisar pedido

A defesa pediu a extensão da decisão que determinou a liberdade de Frederico Müller, acusado de comandar uma segunda organização criminosa que atuava como rival de Arcanjo.

20 de Agosto de 2019 as 09h44

Novo Fórum

Lançada obra para instalação da nova sede do Fórum de Lucas do Rio Verde

A nova obra consolida o Espaço Cidadão em Lucas do Rio Verde

19 de Agosto de 2019 as 15h58

Curso de Direito

OAB pede que governo suspenda abertura de cursos de Direito por cinco anos

Pelo pedido, autorização de novos cursos deve ficar suspensa até que se verifique a qualidade dos cursos já existentes.

19 de Agosto de 2019 as 14h35

Decisão Judicial

Juiz nega pedido de liberdade ao acusado de matar caminhoneiro após briga por vaga em posto

"Ainda, que o caminhoneiro estivesse defendendo a sua vida, não se pode afirmar com firmeza que não agiu de forma proporcional."

19 de Agosto de 2019 as 10h45

Decisão

Juiz derruba multa e rescisão de contrato para construção da nova rodoviária de Sinop

Mirko acatou os argumentos do grupo, ao reconhecer que a empresa não foi chamada para acompanhar a oitiva dos servidores públicos (testemunhas) na comissão processante

19 de Agosto de 2019 as 10h43

Contrato Suspenso

TCE determina que Prefeitura de Cuiabá suspenda contrato com empresa responsável por guinchar veículos

Com a determinaç;ão, fica suspenso o serviço de guincho em Cuiabá e mantidos apenas os serviços necessários para executar a liberação dos veículos que já se encontravam retidos no pátio da empresa.

18 de Agosto de 2019 as 16h50

Investigação

Médico acumula cargos no estado e no município e é acionado por não cumprir carga horária em MT

Ação aponta que profissional deveria trabalhar 20 horas como médico da Secretaria Municipal de Saúde e 40 horas pelo SUS.

18 de Agosto de 2019 as 16h35

Parceria

Cartórios em Cuiabá, Nova Mutum e Lucas do Rio Verde começam a fazer comunicação de venda de veículos

Os donos que venderem seus veículos em Mato Grosso já podem fazer a comunicação diretamente nos cartórios do Estado.

16 de Agosto de 2019 as 01h07

Suspensão De Processo

Gilmar Mendes suspende processo da Lava Jato do Rio até que STF julgue restrição do Coaf

Ministro do Supremo atendeu a pedido de Lineu Castilho Martins, ex-funcionário do DER-RJ, com base em decisão de Dias Toffoli. Caso faz parte de operação que apura propina em obras do RJ.

15 de Agosto de 2019 as 23h36

Operação Sodoma

Juiz marca audiências para ouvir ex-governador e ex-secretários de MT acusados de envolvimento em crimes de corrupção

A Operação Sodoma investigou a existência de uma organização criminosa liderada pelo ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa e teve a primeira fase deflagrada em setembro de 2015.

13 de Agosto de 2019 as 22h39

Decisão

Abdelmassih volta para prisão após justiça cancelar prisão domiciliar

O ex-médico cumpre pena por estupro de pacientes.

13 de Agosto de 2019 as 21h55

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Enquete

veja +

COTAÇÃO