Estados vão ficar seis meses sem pagar dívida com União

Aqueles que detêm liminares no STF suspendendo pagamento das dívidas deverão retirar as ações.

21/06/2016 - 01:32:21

   

Após mais uma rodada de negociações, os Estados aceitaram uma das propostas feitas pelo governo para a renegociação da dívida. Com o acordo, os Estados só voltarão a pagar suas dívidas a partir de 2017. São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro ainda terão novas rodadas de negociações para definir suas situações.

A proposta que foi aceita dá uma carência de 24 meses, sendo que nos seis primeiros o desconto será de 100%. A partir de janeiro de 2017, esse desconto será reduzido gradualmente, em aproximadamente 5,5 pontos percentuais por mês, até junho de 2018.

Os 14 estados - incluindo Mato Grosso - que detêm liminares no STF que suspendem o pagamento das dívidas deverão retirar as ações e pagar esse resíduo em 24 meses.

A renegociação das dívidas também alonga em 20 anos os pagamentos dos débitos com a União. Os descontos dados nesses primeiros 24 meses serão cobrados ao final desse período de carência.

As dívidas com o BNDES serão alongadas em mais dez anos, com quatro anos de carência. Neste caso, ficaram de fora as dívidas contraídas pelos Estados relativas à Copa do Mundo, realizada em 2014.

Apesar da carência maior, o impacto fiscal para o governo federal da proposta que foi aceita é semelhante a de propostas feitas anteriormente, aproximadamente R$ 28 bilhões. Esse valor, se recomposto com juros, após o período de carência.

Os governadores devem selar o acordo em reunião com o presidente interino, Michel Temer, ainda nesta segunda-feira (20).

Limite para São Paulo

O governador Rodrigo Rollemberg (Distrito Federal) afirmou à reportagem que o ministro Henrique Meirelles (Fazenda) ainda vai negociar o corte para o período de carência de seis meses com os Estados que têm a dívida com a União muito elevada.

O valor inicial aventado, segundo o governador, foi de R$ 300 milhões mas, diante da resistência do governador paulista, Geraldo Alckmin, Meirelles ficou de negociar em separado.

"São Paulo, por exemplo, ficou de negociar à parte por conta do limite da dívida, que é muito alta, muito maior que a dos outros Estados", disse Rollemberg.

O governador do DF disse ainda que os 14 Estados que judicializaram a questão do pagamento da dívida poderão pagar o débito a partir de julho em 24 meses.

Minas Gerais e Rio de Janeiro, também com dívidas elevadas e em situações fiscais delicadas, também travarão negociações paralelas com o governo.

 Contrapartidas

Os Estados aceitaram as contrapartidas que o governo estava exigindo. Entre elas está a inclusão dos entes federativos na PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que impõe um teto ao crescimento de gastos à inflação do ano anterior. Outro ponto é a restrição à inflação a aumentos salariais por 2 anos.

"O objetivo é que, no longo prazo, essas contrapartidas permitam uma correção nas despesas", diz Raimundo Colombo, governador do Distrito Federal.

Outro ponto acordado é a facilitação para a entrega de ativos estaduais para União em troca da quitação ou abatimento da dívida.

MT Agora - Folhapress

Mais Noticias

Infraestrutura

Secretário de Política Agrícola participa de Estradeiro na BR 163

Reforma Ministerial

Planalto anuncia Alexandre Baldy como novo ministro das Cidades; posse será nesta quarta-feira

Criticou Declaração

''Ele se inteirou disso ou ele está falando por ordem de alguém?'', diz Janot sobre declaração de Segovia

Crítica

Procurador da Lava Jato critica declarações de novo diretor-geral da PF sobre investigações

20/11/2017 -

Segovia diz que Temer ''continuará a ser investigado, sem nenhum problema''

Delegado assumiu oficialmente o comando da Polícia Federal e defendeu o direito de a corporação fechar delações premiadas.

20/11/2017 -

CPMI da JBS quer pedir prisão de Janot, diz jornal

De acordo com informações do colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, Janot e pessoas próximas a ele poderão ser indiciados pela comissão, presidida pelo senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO).

20/11/2017 -

Segovia põe em dúvida se ''uma única mala'' é suficiente para apontar se Temer praticou corrupção

Novo diretor-geral questiona assim trabalho da própria Policia Federal, que conduziu parte da investigação. Ele criticou PGR e disse que, 'sob a égide da PF', investigação teria durado mais tempo.

20/11/2017 -

Segóvia defende prerrogativa da PF de fechar delações premiadas

O assunto é motivo de divergências entre o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal.

20/11/2017 -

''Estou pronto para ficar e estou pronto para sair'', diz ministro da Agricultura

Blairo Maggi participou de Conferência Internacional sobre cooperação entre países em Brasília. ''O cargo é do presidente e ele determina o que pode ser feito'', disse, sobre reforma ministerial.

20/11/2017 -

Meirelles diz que nova versão da reforma da previdência ''deve ser apresentada ainda esta semana''

Idade mínima, regime único para servidores públicos e trabalhadores da iniciativa privada e regra de transição 'certamente' vão constar na versão, segundo ministro.

20/11/2017 -

Ministro dos Transportes participa de debate sobre a BR-163 nesta terça-feira (21), em Sinop

O debate será na Câmara de Vereadores de Sinop a partir das 9h.

20/11/2017 -

Segóvia defende atribuição da PF de fechar delações premiadas e diz que recebeu ''carta branca'' de Temer

Delegado assumiu oficialmente o comando da Polícia Federal e disse que a corporação não pode ter posicionamento político-partidário. Segóvia afirmou que terá atuação ''republicana''.

20/11/2017 -

Fernando Segóvia assume direção da PF e diz que combate à corrupção continuará ''agenda prioritária''

Delegado sucedeu Leandro Daiello, que comandou a PF por 6 anos. Novo diretor-geral prometeu 'continuidade' de operações, como a Lava Jato, e disse que há ''infeliz'' disputa com MP.

20/11/2017 -

No Dia da Consciência Negra, Temer destaca importância do combate ao preconceito

No Dia da Consciência Negra, o presidente Michel Temer usou sua conta no Twitter para destacar a importância do respeito à diversidade e do combate ao preconceito.

20/11/2017 -

Desde FHC, Temer é o presidente que, em média, mais edita medidas provisórias

Excesso de MPs provocou rusgas na relação de Temer com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Em 18 meses, peemedebista editou 83 MPs, média de uma a cada 6,5 dias de governo.

20/11/2017 -

Governador de MT participa de Missa de Ação de Graças em alusão aos 300 anos de Cuiabá

Cerimônia foi realizada na Catedral Basílica do Senhor Bom Jesus, no domingo.

20/11/2017 -

Sorriso: Câmara aprova projeto que institui o Dezembro Vermelho no Calendário Oficial de Eventos do Município

A Câmara de Sorriso aprovou o Projeto de Lei nº 145/17 que institui e inclui no Calendário Oficial de Eventos do Município de Sorriso o Dezembro Vermelho, mês de enfrentamento do HIV/AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis.

20/11/2017 -

Congresso deve debater aborto, porte de arma e foro privilegiado

Temas polêmicos devem dominar pauta do Senado e da Câmara. Deputados pretendem retomar votação de projetos sobre segurança pública

16/11/2017 -

Câmara paga por mês R$ 127,8 mil de aposentadoria para deputados cassados

Pagamento não é ilegal e é proporcional ao tempo de contribuição dos parlamentares. José Dirceu entrou com pedido de aposentadoria, que está pendente de decisão do presidente da Câmara.

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora