''Facínoras roubam do país a verdade'', diz Planalto sobre acusações contra Temer

Secretaria de Comunicação Social da Presidência divulgou nota nesta terça (12), um dia depois de a PF apontar que Michel Temer tinha voz de comando em organização criminosa do PMDB da Câmara.

12/09/2017 - 17:24:37

   

No dia seguinte à conclusão do inquérito no qual a Polícia Federal (PF) aponta indícios de que o presidente Michel Temer tinha voz de comando em uma suposta organização criminosa formada por integrantes do PMDB da Câmara, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência divulgou nesta terça-feira (12) uma nota em que afirma que “facínoras roubam do país a verdade” e que “bandidos constroem versões” em busca de imunidade ou perdão de crimes (leia íntegra ao final desta reportagem).

Minutos depois de o comunicado ter sido divulgado por sua assessoria, Temer participou de uma reunião no Planalto com empresários e líderes sindicais. Ao discursar no evento, ele não mencionou a nota e nem mesmo o resultado das investigações da Polícia Federal, limitando-se a explicar que o encontro discutiria ideias sugeridas por centrais sindicais e federações de empresas para incentivar a economia.

O comunicado oficial do Palácio do Planalto também não citou diretamente o relatório da PF enviado nesta segunda (11) ao Supremo Tribunal Federal (STF) por tratar de autoridades com prerrogativa de foro. Questionada pelo G1, a assessoria da Presidência informou que a nota responde “recentes acusações contra o presidente”.

Na investigação, a PF viu indícios de formação de organização criminosa envolvendo integrantes do grupo conhecido como "PMDB da Câmara". De acordo com as investigações, além de Temer, fazem parte da suposta quadrilha os ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral) e Eliseu Padilha (Casa Civil), os ex-deputados Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) e Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA).

A nota divulgada na manhã desta terça pela assessoria do Planalto afirma que o “Estado Democrático de Direito” serve para preservar a integridade do cidadão e coibir “barbárie da punição sem provas”. Contudo, segundo o comunicado, “o Brasil vem assistindo exatamente o contrário”.

Facínoras roubam do país a verdade. Bandidos constroem versões “por ouvir dizer” a lhes assegurar a impunidade ou alcançar um perdão, mesmo que parcial, por seus inúmeros crimes. Reputações são destroçadas em conversas embebidas em ações clandestinas

A mensagem da Secretaria de Comunicação Social registra ainda que “muda-se o passado sob a força de falsos testemunhos”. A nota também critica a criminalização de ações que eram legais, como o financiamento empresarial das campanhas políticas.

Esta é a segunda nota divulgada pela Presidência em dois dias. Na segunda à noite, a assessoria de Temer rebateu o relatório da PF ao dizer que o presidente “não participou e nem participa de nenhuma quadrilha”.

Resposta a “detratores”

Simultaneamente ao evento no Palácio do Planalto que contou com a presença de Temer, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmava a "detratores", ao discursar no ato de lançamento de uma campanha contra a corrupção, que não vai retroceder nem desistir do combate à corrupção.

“As instituições estão funcionando. As reações tem sido proporcionais. Como não há escusas para os fatos descobertos, escancaradamente comprovados, a estratégia de defesa não pode ser outra senão tentar desacreditar a figura das pessoas encarregadas do combate a corrupção. Temos que lembrar e fazer saber aos nossos detratores, que não conjugamos dois verbos: retroceder e desistir no combate à corrupção”, enfatizou.

Delação de Funaro

Entre os depoimentos analisados pela PF, para elaborar o relatório final do inquérito, estão o do doleiro Lúcio Funaro, suspeito de ser operador de políticos do PMDB. Na última terça (5), o ministro Luiz Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), homologou a delação premiada de Funaro.

O doleiro disse aos investigadores que Temer pediu que ele repassasse para campanhas eleitorais do PMDB comissões obtidas por negócios feitos na Caixa Econômica Federal. Funaro também relatou que o presidente interveio para defender interesses de grupos privados aliados durante a tramitação da MP dos Portos, que criou um novo marco regulatório para os setor.

Conforme a PF, Temer e Eduardo Cunha tinham hierarquia semelhante no grupo, mas o presidente da República tinha a função de "conferir oficialidade" aos atos que viabilizam as tratativas acertadas pelo deputado cassado, "dando aparente legalidade e legitimidade em atos que interessam ao grupo".

O inquérito ainda lista supostas vantagens indevidas recebidas por Temer, que teriam um valor total de R$ 31,5 milhões, sendo R$ 500 mil por meio do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) – flagrado recebendo uma mala de dinheiro em São Paulo – e o restante pago pela construtora Odebrecht, pelo grupo J&F e em contrato da Petrobras.

Segunda denúncia

Auxiliares de Temer analisam com preocupação, segundo relatos ouvidos pelo G1, o desdobramento das investigações que envolvem Temer, em especial diante da expectativa de que a Procuradoria Geral da República (PGR) apresente uma segunda denúncia contra o presidente.

Pessoas do entorno de Temer avaliam que a prisão de Joesley Batista e Ricardo Saud, executivos do grupo J&F, tornou o ambiente favorável para que a Câmara dos Deputados barre o avanço ao STF de mais uma denúncia, a exemplo do que ocorreu com a primeira acusação por corrupção passiva. Contudo, o desenrolar de outras apurações podem mudar o cenário.

Outro fator de preocupação é a situação do ex-ministro Geddel Vieira Lima, também citado no relatório da PF. Aliado de Temer, Geddel foi preso após a PF encontrar R$ 51 milhões em um apartamento na Bahia que seria utilizado por ele.

 

Leia a íntegra da nota divulgada pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência:

Nota à imprensa

O Estado Democrático de Direito existe para preservar a integridade do cidadão, para coibir a barbárie da punição sem provas e para evitar toda forma de injustiça. Nas últimas semanas, o Brasil vem assistindo exatamente o contrário.

Garantias individuais estão sendo violentadas, diuturnamente, sem que haja a mínima reação. Chega-se ao ponto de se tentar condenar pessoas sem sequer ouvi-las. Portanto, sem se concluir investigação, sem se apurar a verdade, sem verificar a existência de provas reais. E, quando há testemunhos, ignora-se toda a coerência de fatos e das histórias narradas por criminosos renitentes e persistentes. Facínoras roubam do país a verdade. Bandidos constroem versões “por ouvir dizer” a lhes assegurar a impunidade ou alcançar um perdão, mesmo que parcial, por seus inúmeros crimes. Reputações são destroçadas em conversas embebidas em ações clandestinas.

Muda-se o passado sob a força de falsos testemunhos. Vazamentos apresentam conclusões que transformam em crimes ações que foram respaldas em lei: o sistema de contribuição empresarial a campanhas políticas era perfeitamente legal, fiscalizado e sob instrumentos de controle da Justiça Eleitoral. Desvios devem ser condenados, mas não se podem criminalizar aquelas ações corretas protegidas pelas garantias constitucionais.

Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República

MT Agora - G1

Mais Noticias

Infraestrutura

Secretário de Política Agrícola participa de Estradeiro na BR 163

Reforma Ministerial

Planalto anuncia Alexandre Baldy como novo ministro das Cidades; posse será nesta quarta-feira

Criticou Declaração

''Ele se inteirou disso ou ele está falando por ordem de alguém?'', diz Janot sobre declaração de Segovia

Crítica

Procurador da Lava Jato critica declarações de novo diretor-geral da PF sobre investigações

20/11/2017 -

Segovia diz que Temer ''continuará a ser investigado, sem nenhum problema''

Delegado assumiu oficialmente o comando da Polícia Federal e defendeu o direito de a corporação fechar delações premiadas.

20/11/2017 -

CPMI da JBS quer pedir prisão de Janot, diz jornal

De acordo com informações do colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, Janot e pessoas próximas a ele poderão ser indiciados pela comissão, presidida pelo senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO).

20/11/2017 -

Segovia põe em dúvida se ''uma única mala'' é suficiente para apontar se Temer praticou corrupção

Novo diretor-geral questiona assim trabalho da própria Policia Federal, que conduziu parte da investigação. Ele criticou PGR e disse que, 'sob a égide da PF', investigação teria durado mais tempo.

20/11/2017 -

Segóvia defende prerrogativa da PF de fechar delações premiadas

O assunto é motivo de divergências entre o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal.

20/11/2017 -

''Estou pronto para ficar e estou pronto para sair'', diz ministro da Agricultura

Blairo Maggi participou de Conferência Internacional sobre cooperação entre países em Brasília. ''O cargo é do presidente e ele determina o que pode ser feito'', disse, sobre reforma ministerial.

20/11/2017 -

Meirelles diz que nova versão da reforma da previdência ''deve ser apresentada ainda esta semana''

Idade mínima, regime único para servidores públicos e trabalhadores da iniciativa privada e regra de transição 'certamente' vão constar na versão, segundo ministro.

20/11/2017 -

Ministro dos Transportes participa de debate sobre a BR-163 nesta terça-feira (21), em Sinop

O debate será na Câmara de Vereadores de Sinop a partir das 9h.

20/11/2017 -

Segóvia defende atribuição da PF de fechar delações premiadas e diz que recebeu ''carta branca'' de Temer

Delegado assumiu oficialmente o comando da Polícia Federal e disse que a corporação não pode ter posicionamento político-partidário. Segóvia afirmou que terá atuação ''republicana''.

20/11/2017 -

Fernando Segóvia assume direção da PF e diz que combate à corrupção continuará ''agenda prioritária''

Delegado sucedeu Leandro Daiello, que comandou a PF por 6 anos. Novo diretor-geral prometeu 'continuidade' de operações, como a Lava Jato, e disse que há ''infeliz'' disputa com MP.

20/11/2017 -

No Dia da Consciência Negra, Temer destaca importância do combate ao preconceito

No Dia da Consciência Negra, o presidente Michel Temer usou sua conta no Twitter para destacar a importância do respeito à diversidade e do combate ao preconceito.

20/11/2017 -

Desde FHC, Temer é o presidente que, em média, mais edita medidas provisórias

Excesso de MPs provocou rusgas na relação de Temer com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Em 18 meses, peemedebista editou 83 MPs, média de uma a cada 6,5 dias de governo.

20/11/2017 -

Governador de MT participa de Missa de Ação de Graças em alusão aos 300 anos de Cuiabá

Cerimônia foi realizada na Catedral Basílica do Senhor Bom Jesus, no domingo.

20/11/2017 -

Sorriso: Câmara aprova projeto que institui o Dezembro Vermelho no Calendário Oficial de Eventos do Município

A Câmara de Sorriso aprovou o Projeto de Lei nº 145/17 que institui e inclui no Calendário Oficial de Eventos do Município de Sorriso o Dezembro Vermelho, mês de enfrentamento do HIV/AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis.

20/11/2017 -

Congresso deve debater aborto, porte de arma e foro privilegiado

Temas polêmicos devem dominar pauta do Senado e da Câmara. Deputados pretendem retomar votação de projetos sobre segurança pública

16/11/2017 -

Câmara paga por mês R$ 127,8 mil de aposentadoria para deputados cassados

Pagamento não é ilegal e é proporcional ao tempo de contribuição dos parlamentares. José Dirceu entrou com pedido de aposentadoria, que está pendente de decisão do presidente da Câmara.

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora