Justiça condena delegado, Riva, Éder e ex-assessor por improbidade em MT

MPF acusou os quatro de tentarem acobertar crime eleitoral em 2010. Todos foram condenados por ato de improbidade administrativa.

24/04/2016 - 05:09:13

   

Riva tentou obstruir investigação de crime eleitoral, acusou MPF (Foto: Reprodução/TVCA)

O juiz César Augusto Bearsi, da 3ª Vara Federal em Mato Grosso, condenou por ato de improbidade administrativa o delegado Paulo Rubens Vilela, o ex-deputado estadual José Riva, seu ex-assessor parlamentar Cristiano Volpato e o ex-chefe da Casa Civil Éder Moraes por uma tentativa de acobertamento de um crime eleitoral da campanha de Riva para a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) em 2010. O caso foi denunciado à época pelo Ministério Público Federal (MPF).

Proferidas na última terça-feira (19), as sentenças determinam a perda dos direitos políticos de todos os quatro pelo período de cinco anos, bem como o impedimento de contratar com o poder público por três anos e a perda de eventual cargo público atualmente ocupado (condenação que só tem efeito prático para o delegado Paulo Vilela, atualmente em atividade na Polícia Civil).

A reportagem procurou os advogados de defesa de todos os réus para comentar a sentença, mas não conseguiu falar com os representantes de José Riva e Éder Moraes. Riva esteve preso por força da operação Metástase até o dia 8 de abril. Uma semana após ser solto, por determinação da Justiça, ele confessou participação em um esquema de desvio de dinheiro na ALMT. Já o ex-secretário Éder Moraes, réu em ações penais da operação Ararath, está preso desde dezembro de 2015 no Centro de Custódia de Cuiabá.

O advogado Pedro Verão, que defende o delegado Paulo Vilela, afirmou ao G1 que seu cliente segue atuando na diretoria da Polícia Civil em Mato Grosso, mas que ainda não foi notificado da decisão. Por sua vez, o advogado Mário Sá, que defende o ex-assessor parlamentar Cristiano Volpato, também afirmou não ter sido ainda notificado da sentença contra seu cliente, mas assegurou que deverá contestá-la em instância superior.

Caso de 2010

Os atos de improbidade administrativa apontados pelo MPF têm como contexto as disputas eleitorais de 2010, ano em que José Riva concorreu a mais um mandato como deputado estadual na ALMT. À época, Éder Moraes ocupava o cargo de secretário-chefe da Casa Civil do estado e o delegado Paulo Vilela atuava como diretor-geral da Polícia Civil.

No município de Campo Verde (a 139 km de Cuiabá) a delegacia municipal de Polícia Civil investigava um suposto crime eleitoral cometido por José Riva em sua campanha para a ALMT. De acordo com o MPF, houve uma articulação para obstruir as investigações da delegacia municipal, as quais estavam avançando com rapidez, com cumprimentos de mandados de busca e apreensão e de interceptações telefônicas que já teriam colhido evidências robustas da ocorrência de crime eleitoral em Campo Verde.

Como resultado desta articulação feita pelo então deputado Riva e pelo então secretário de estado Éder Moraes, segundo o MPF, o então diretor-geral da Polícia Civil Paulo Vilela editou portaria determinando que os autos da investigação preliminar em Campo Verde fossem remetidos para a Diretoria-Geral, em Cuiabá. A transferência de responsabilidade sobre as investigações teria como objetivo beneficiar a campanha de reeleição de Riva.

Para isso, seu assessor parlamentar Cristiano Volpato intermediou o empréstimo de uma aeronave particular de Riva para que um assessor do diretor-geral realizasse a transferência dos autos da investigação de Campo Verde para Cuiabá. Após receber os autos na capital, o delegado Paulo Vilela repassou uma cópia integral a Éder Moraes, anulando as chances de avanço das investigações iniciadas no interior.

Defesas

Em defesa, Éder Moraes afirmou no processo que os fatos apontados pelo MPF para ligá-lo ao suposto esquema não são suficientes para configurar qualquer ato de improbidade. Riva também alegou insuficiência de provas e afirmou que o empréstimo de seu avião não passou de “cortesia”, sem ônus ao erário. O ex-assessor Cristiano Volpato afirmou que apenas tomou carona em uma viagem do avião de Riva, alegou inexistência de dolo ou de qualquer desonestidade geradora de prejuízo e ainda disse que a ação do MPF se baseou em presunções.

Em depoimento, Paulo Vilela – cujo processo tramitou separadamente, mas na mesma 3ª Vara Federal – afirmou que foi procurado por Cristiano, que reclamou da atuação do delegado de Campo Verde por negar acesso aos autos das investigações. O ex-diretor geral da Polícia Civil afirmou que editou a portaria avocando os autos a fim de sanar o possível cerceamento de defesa. Ele negou ter dado acesso à cópia dos autos ao ex-secretário Éder Moraes.

As alegações dos réus, entretanto, não convenceram o juiz César Augusto Bearsi, que considerou evidente a tentativa de obstruir as investigações iniciadas em Campo Verde. Na sentença em que condena Éder Moraes, Cristiano Volpato e José Riva por ato de improbidade administrativa, ele foi taxativo dizendo não crer que “haja espaço real para dúvida” quanto ao esquema.

Sobre Riva, afirmou estar “tão patente o interesse do investigado no deslocamento do inquérito, que o réu forneceu o seu avião para que os autos chegassem o mais rápido possível às mãos do delegado geral, constituindo fato incontroverso que o seu avião levou o assessor da Polícia Civil para buscar o inquérito no qual era investigado”.

Em outro trecho, o juiz ainda ironizou a conduta de Riva na tentativa de se defender dizendo ignorar atividades escusas de pessoas à sua volta. “Parece que, após um certo político nacional ter usado repetidas vezes a tática de dizer que não sabia nada que todos à sua volta estavam fazendo, os demais políticos passaram a achar que 'isto' é uma defesa consistente, mas na verdade não convence ninguém”, criticou.

MT Agora - G1 MT

Mais Noticias

RGA

Presidente da Câmara Mano discute RGA com representantes dos sindicatos dos servidores

Legislativo 2018

Vereadores aprovam novos projetos denominando ruas do município

Decisão TCE

“Eu fui punido porque o Câmara Cidadã fazia as funções do Executivo”, afirma Callai

Tráfico de Drogas

Traficante preso no nortão pode estar envolvido com políticos

15/05/2018 -

Voluntários de Lucas do Rio Verde retomam campanha em prol do Hospital de Câncer de Mato Grosso

Serão arrecadados donativos que serão sorteado e leiloados, após almoço beneficente. O evento será no dia 8 de julho

14/05/2018 -

Vereador Dr. Wagner cria projeto de incentivo a doação de medicamentos

A ideia é que os medicamentos sejam entregues nas unidades de saúde e destinados as famílias carentes

14/05/2018 -

Vereadores se comprometem em discutir RGA com o Poder Executivo

A proposta encaminhada pela prefeitura é 3.3% de revisão anual e R$ 240 de vale-alimentação. Os servidores pedem 8% e R$ 280 de vale-alimentação

11/05/2018 -

"Pivetta é o candidato, independentemente do DEM", diz Zeca

Deputado diz que Democratas não definiu se é "oposição ou situação"

10/05/2018 -

“Querem jogar o nome da minha família no lixo; não vou permitir”

Governador do Estado disse nesta quinta que não conhece processo e citou direito à ampla defesa

10/05/2018 -

Sócio da EIG diz ter pago R$ 2,6 mi de propina a Paulo Taques

José Gonçalves Neto contou que valor era para que Estado mantivesse a contratação da empresa

09/05/2018 -

Assembleia não pode revogar prisão de deputado preso durante operação em MT, diz desembargador

Deputados revogaram decisão do STF e soltaram deputado preso no ano passado. Magistrado destacou que deputados estaduais não possuem as mesmas prerrogativas de deputados federais e senadores.

09/05/2018 -

Deputado Savi e ex-secretário Paulo Taques são presos pelo Gaeco por propina no Detran

Estão presos o deputado estadual Mauro Savi, que também foi afastado do Parlamento Estadual e o ex-chefe da Casa Civil, Paulo César Zamar Taques.

08/05/2018 -

TCE homologa veto a 13º salário de vereadores na atual legislatura

Conselheiro diz que aprovação de benefício por parlamentares atuais fere disposto constitucional

08/05/2018 -

Sefaz diz ter desarticulado esquema que sonegou R$ 13 milhões em MT

Mercadorias eram vendidas sem o recolhimento do ICMS em operações sujeitas a regime especial

08/05/2018 -

Deputados de MT retornam após feriadão prolongado do Dia do Trabalho e 13 dias sem sessão

Atividades devem ser retomadas nesta terça-feira (8). Última sessão foi realizada no dia 25 do mês passado.

04/05/2018 -

Pivetta cita Mauro, mas diz que tem “entusiasmo” para concorrer

Ex-prefeito de Lucas do Rio Verde diz que está andando pelo Estado e se apresentando como candidato

27/04/2018 -

Deputados autorizam governo de MT a emprestar R$ 51 milhões para a compra de maquinários e carros

Da oposição, Janaína Riva (MDB) criticou o empréstimo, mas votou favorável. Líder do governo na Assembleia alegou que estado tem capacidade de endividamento.

20/04/2018 -

Pivetta entra na disputa ao Paiaguás

Com discurso crítico contra Pedro Taques e sem detalhes sobre chapa e coligação, o ex-prefeito de Lucas do Rio Verde quer ser governador

19/04/2018 -

Durante visita do governador em Lucas, vereador Marcos Paulista assevera: “O que nossa cidade precisa é de creche”

Pedro Taques esteve no município no último final de semana. Declaração do vereador petebista aconteceu na manhã de sábado (14).

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora