Ministro do Trabalho é afastado do cargo pelo Supremo em nova fase de operação da PF sobre fraudes em registros sindicais

Defesa afirmou que Helton Yomura não cometeu ato ilícito. Operação Registro Espúrio também fez buscas no gabinete do deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP), que disse não ter ''nada a temer''.

05/07/2018 - 15:33:50

   

O ministro do Trabalho, Helton Yomura, deixa a sede da superintendência da Policia Federal, após prestar depoimento

O ministro do Trabalho, Helton Yomura, foi afastado do cargo nesta quinta-feira (5) em nova fase da Operação Registro Espúrio, da Polícia Federal. Agentes da PF também cumpriram mandados de busca e apreensão na casa de Yomura, no Rio de Janeiro, e no gabinete do deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP) na Câmara, em Brasília.

O afastamento do ministro e as buscas foram pedidos pela Polícia Federal e autorizados pelo ministro Edson Fachin, relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF).

A Operação Registro Espúrio teve início no último dia 30 de maio e investiga uma suposta organização criminosa integrada por políticos e servidores que teria cometido fraudes na concessão de registros de sindicatos pelo ministério. Segundo as investigações, os registros eram concedidos mediante pagamento.

Pela decisão de Fachin, Yomura fica impedido de frequentar o Ministério do Trabalho e de manter contato com demais investigados ou servidores da pasta.

Na manhã desta quinta, ele foi à sede da Polícia Federal em Brasília para ser submetido a interrogatório. O ministro optou por ficar calado diante das perguntas feitas pelos investigadores.

Em nota, a defesa de Yomura afirmou que ele não cometeu nenhum ato ilícito e que "nega veementemente qualquer imputação de crime ou irregularidade".

Deputado

Na nova fase da operação, a PF também cumpriu mandados de busca e apreensão no gabinete do deputado federal Nelson Marquezelli (PTB-SP).

Assim como Yomura, ele foi proibido de frequentar o ministério e de manter contato com outros investigados e servidores da pasta, exceto se imprescindível ao exercício do mandato de deputado.

Marquezelli, que estava em seu gabinete quando os policiais federais chegaram, deu entrevista para a imprensa sobre a operação. Ele disse não ter "nada a temer".

"Vamos esperar a investigação. A gente sabe perfeitamente que esse é um trabalho que deve ser feito e esclarecido para a população. Nada a temer", afirmou.

O parlamentar também disse ter sido informado por uma policial de que todos os deputados do PTB serão investigados.

"O PTB hoje administra o Ministério do Trabalho. Houve denúncias, várias denúncias, e a policial me informa que todos os deputados do PTB serão investigados, seus gabinetes, para ver se tem alguma ligação com concessões de registros de sindicatos", afirmou Marquezelli.

Ao todo, a PF foi às ruas para cumprir dez mandados de busca e apreensão e três mandados de prisão temporária em Brasília e Rio de Janeiro. Um dos mandados de prisão é para um assessor parlamentar de Marquezelli.

Segundo a polícia, as investigações e o material coletado nas primeiras fases da Operação Registro Espúrio indicam que cargos da estrutura do Ministério do Trabalho foram preenchidos com pessoas comprometidas com os interesses do suposto grupo criminoso, permitindo a manutenção das ações ilícitas.

Resumo da operação

  • O STF determinou o afastamento de Yomura e buscas no gabinete de Marquezelli, e os impediu de frequentar o Ministério do Trabalho;
  • A Corte também determinou três prisões: do chefe de gabinete de Yomura, Júlio de Souza Bernardes; do superintendente regional do trabalho no RJ, Adriano José de Lima Bernardo, e de Jonas Antunes Lima, assessor do deputado Marquezelli;
  • A PF diz que Yomura é "testa de ferro" do ex-deputado Roberto Jefferson, presidente do PTB;
  • As medidas fazem parte da 3ª fase da Operação Registro Espúrio, que investiga fraudes na concessão de registros de sindicatos pelo Ministério do Trabalho.

“Testa de ferro”

De acordo com a PF, Helton Yomura foi colocado no cargo de ministro do Trabalho para dar continuidade às irregularidades investigadas na operação.

Segundo a Polícia Federal, ele é um "testa de ferro" de caciques do PTB, partido que indicou os ministros do Trabalho no governo Michel Temer.

A polícia afirmou que o papel de Yomura era "viabilizar a ingerência" da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) na pasta, e "dar continuidade aos desmandos" do presidente do PTB, Roberto Jefferson, no ministério. A deputada também foi alvo da Registro Espúrio, na segunda fase da operação.

Jefferson é pai de Cristiane. Ela chegou a ser escolhida pelo presidente Michel Temer para assumir o Ministério do Trabalho em janeiro deste ano, mas foi impedida por decisões judiciais. Nesta quinta, a assessoria da deputada afirmou em nota que ela não tem "ingerência sobre o ministro ou o ministério" (leia a íntegra da nota ao final desta reportagem).

Em nota, o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, afirmou que não participou de nenhum esquema no Ministério do Trabalho, que apoia as investigações da Operação Registro Espúrio e que o partido coloca o ministério à disposição do governo Michel Temer.

Origem da operação

Em maio deste ano, na primeira fase da operação, a polícia fez buscas nos gabinetes dos deputados federais Paulinho da Força (SD-SP), Jovair Arantes (PTB-GO) e Wilson Filho (PTB-PB), cujas prisões chegaram a ser pedidas pela PF, mas o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF) não autorizou.

De acordo com as investigações da Polícia Federal,

  • os registros de entidades sindicais no ministério eram obtidos mediante pagamento de vantagens indevidas;
  • não era respeitada a ordem de chegada dos pedidos ao ministério;
  • a prioridade era dada a pedidos intermediados por políticos;
  • a operação apontou um "loteamento" de cargos do Ministério do Trabalho entre os partidos PTB e Solidariedade.

Na época, Wilson Filho disse, por meio de nota, não ter participação na concessão de registros sindicais no Ministério do Trabalho. Paulinho da Força afirmou que desconhece os fatos investigados. Jovair Arantes disse que se posiciona "em consonância" com nota emitida pelo PTB, segundo a qual a direção do partido "jamais participou de quaisquer negociações espúrias".

De acordo com as investigações, o "núcleo político" do suposto esquema teria como participantes, além dos deputados, o presidente do PTB, deputado cassado Roberto Jefferson; o suplente de deputado Ademir Camilo Prates Rodrigues (MDB-MG); e os senadores Dalírio Beber (PSDB-SC) e Cidinho Santos (PR-MT), atualmente licenciado do mandato.

Na época, a PF também pediu a prisão de Roberto Jefferson, mas Fachin não atendeu. Segundo o ministro, há indícios de que ele sabia do esquema, mas não que tenha se beneficiado.

Segundo nota divulgada na ocasião pelo partido, a direção nacional do PTB "jamais participou de quaisquer negociações espúrias no Ministério do Trabalho".

Nota da defesa do ministro

Leia abaixa a íntegra de nota divulgada pela defesa do ministro Helton Yomura:

Nota da defesa do ministro Helton Yomura

O ministro do Trabalho Helton Yomura adotou rigorosas providências institucionais para a garantia do interesse público, podendo se destacar: exoneração imediata de todos os servidores sob investigação, abertura de sindicância e processos administrativos para averiguação dos fatos e suspensão de todos os atos que pudessem provocar repercussões no âmbito da investigação.

Quanto à suspensão de suas funções no Ministério do Trabalho, todas as medidas jurídicas serão tomadas para possibilitar à turma do STF se manifestar sobre tal importante tema. Neste sentido, foi em razão do entendimento do próprio ministro Edson Fachin que foram encaminhados para o plenário do Supremo casos de grande repercussão.

Tendo a certeza de não ter cometido nenhum ato ilícito e que suas ações correspondem a uma política de valorização dos trabalhadores e das instituições, o ministro Helton Yomura, mesmo não sabendo de que atos está sendo acusado, nega veementemente qualquer imputação de crime ou irregularidade.

César Caputo Guimarães, criminalista do núcleo de Direito Penal do Nelson Wilians e Advogados, e André Hespanhol, advogado criminalista

Nota da deputada Cristiane Brasil

Leia abaixo íntegra de nota divulgada pela assessoria da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ):

A deputada Cristiane Brasil reitera seu apoio total às investigaçoes que elucidem crimes ocorridos no Ministério do Trabalho e continua à disposição das autoridades para quaisquer esclarecimentos. Ao contrário do que afirma a PF, porém, a deputada não tem ingerência sobre o ministro ou o ministério. A deputada espera que as investigaçoes sejam concluídas o quanto antes para que fique provada sua inocência. A criminalização da política sem a devida fundamentação, e denúncias que contêm mais adjetivos do que provas, não contribuem para o combate à corrupção nem para o aperfeiçoamento da democracia.

Nota do PTB

Leia abaixo a íntegra de nota divulgada pelo presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson:

NOTA

O Partido Trabalhista Brasileiro vem a público mais uma vez para reafirmar seu apoio às investigações da Operação Registro Espúrio no âmbito do Ministério do Trabalho.

Como já foi dito, se houve irregularidade na Pasta caberá aos responsáveis responder à Justiça por seus atos.

Não concordamos, todavia, com inferências divulgadas antes que as investigações estejam concluídas. Pessoalmente, insisto: não participei de qualquer esquema espúrio no Ministério do Trabalho. E acrescento que minha colaboração restringiu-se a apoio político ao governo para que o PTB comandasse a Pasta.

Comunico ainda que a Executiva Nacional do PTB coloca o Ministério do Trabalho à disposição do governo Michel Temer.

Brasília, 5 de julho de 2018

Roberto Jefferson

Presidente Nacional do PTB

 

MT Agora - G1

Mais Noticias

Eleições 2018

PSL oficializa candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência, mas adia definição de vice

Presidenciáveis

Bolsonaro, Ciro e Marina já passaram por 15 partidos

Eleições 2018

Candidatos à Presidência da República nas eleições de 2018: veja quem são

Fundo Nacional De Desenvolvimento Ferroviário

Temer assina MP que cria Fundo Nacional de Desenvolvimento Ferroviário

22/07/2018 -

INSS convoca para perícia 178 mil beneficiários de auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez

''Diário Oficial da União'' publicou nesta sexta edital que notifica os segurados da necessidade do exame de reavaliação médica. Convocados têm até 13 de agosto para agendar a perícia.

22/07/2018 -

PGR pede ao Supremo para anular posse de deputada que teve direitos políticos suspensos

Euricélia Cardoso (PP-AP) é suplente e assumiu mandato porque Roberto Góes (PDT-AP) tirou licença. G1 buscava contato com deputada até a última atualização desta reportagem.

18/07/2018 -

Sorriso: Vereador comemora indicações atendidas

Dentre os principais destaques, o parlamentar salientou as indicações que foram feitas no percurso do ano de 2017.

18/07/2018 -

Mesa Diretora da Câmara decide em agosto se Maluf deve perder mandato

Atualmente, o parlamentar cumpre prisão domiciliar em São Paulo após ter sido condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) pelo crime de lavagem de dinheiro.

18/07/2018 -

Cármen Lúcia assume interinamente a Presidência da República

Presidente embarcou na manhã desta terça para participar da cúpula da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. Presidentes da Câmara e do Senado também saíram do país.

17/07/2018 -

Lucas: Vereadores aprovam a concessão de quatro Moções e um título de Cidadão Honorário

Todas as homenagens serão entregues em sessão solene, marcada para o dia 6 de agosto

17/07/2018 -

Ninguém bate em cachorro morto, rebate Taques contra denúncias

O governador Pedro Taques (PSDB) minimizou o fato de seu antigo partido, o PDT, ter oferecido duas ações na Justiça, na última semana, contra atos praticados por ele e apontados como eleitoreiros pelos adversários políticos.

17/07/2018 -

Ninguém consegue enganar tanta gente por muito tempo, diz Pivetta sobre governador

Desta vez, Pivetta ironizou a tentativa do ex-aliado em convencer o deputado federal Adilton Sachetti (PRB) a disputar o senado na chapa governista.

16/07/2018 -

Lucas: Vereadores aprovam a destinação de recursos para o Hospital São Lucas

Serão destinados R$ 1.350.000,00, o valor será utilizado para cobrir despesas ocasionadas pelos atendimentos via SUS.

15/07/2018 -

Absolvição de Lula não invalida delação de Delcídio, dizem especialistas

Juiz do DF absolveu ex-presidente e outros 6 da acusação de obstrução de justiça baseada em delação do ex-senador. Colaboração de Delcídio ainda pode ser utilizada em outras investigações.

15/07/2018 -

Nova MP das loterias deve gerar R$ 1 bi para segurança, R$ 630 milhões para esporte e R$ 412 milhões para cultura

Informação foi dada nesta sexta-feira (13) pelo governo federal. Primeira MP editada por Temer tirava dinheiro das pastas do Esporte e da Cultura, e ministros reclamaram.

15/07/2018 -

Ministro Carlos Marun nega participação em supostas fraudes no Ministério do Trabalho

A informação de que o nome de Marun estaria envolvido foi divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo, com base em um relatório obtido junto à Polícia Federal (PF), que apura irregularidades na concessão de registros sindicais pelo Ministério do Trabalho.

15/07/2018 -

Ministério da Segurança Pública vai unificar registro de ocorrências e crimes em todo país

Iniciativa vai auxiliar na investigação de infrações, além de facilitar acesso e cruzamento de informações, segundo o ministro. Integração deve estar em pleno funcionamento até 2019.

15/07/2018 -

PRB anuncia retirada da pré-candidatura a presidente do empresário Flávio Rocha

Partido argumenta que é necessário unir as ''forças de centro''. Executivo do grupo Guararapes, que controla as Lojas Riachuelo, tinha sido lançado pré-candidato no último dia 23 de março.

13/07/2018 -

Lucas: Vereadores aprovam a destinação de quatro servidores para a 49ª Ciretran

Inicialmente, serão destinados apenas dois servidores, um atuará na recepção, orientando quanto a documentação e o outro, atuará no setor de vistoria.

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora