Política

PGR quer incluir mensagens de Léo Pinheiro em inquérito sobre Temer

Em pedido enviado ao Supremo, Procuradoria afirma que, em mensagens, ex-presidente da OAS relatou a funcionário ter se encontrado com Eliseu Padilha, também alvo das investigações.

Presidente Investigado | 02 de Julho de 2018 as 23h 12min
MT Agora - G1

O ex-presidente da OAS José Aldemário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro, durante depoimento à Justiça Federal do Paraná (Foto: Reprodução/RPC)

Procuradoria Geral da República (PGR) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para incluir mensagens trocadas pelo ex-presidente da construtora OAS José Aldemário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, no inquérito que tem o presidente Michel Temer entre os investigados.

O inquérito apura o suposto de pagamento de propina pela Odebrecht na Secretaria de Aviação Civil quando a pasta foi comandada pelo MDB.

O caso se refere a um jantar no Palácio do Jaburu, em maio de 2014, no qual teria sido acertado o repasse de R$ 10 milhões supostamente ilícito pela Odebrecht ao MDB.

Além de Temer, são investigados os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Minas e Energia), ambos do MDB e ex-ministros da Aviação Civil.

O pedido da PGR

O pedido da PGR foi encaminhado ao ministro Luiz Edson Fachin em 15 de junho e tornado público nesta segunda-feira (2).

No documento, a procuradora-geral, Raquel Dodge, informou terem sido apreendidos pela Operação Lava Jato celulares e equipamentos eletrônicos na casa de Marcos Ramalho, funcionário da OAS.

Ainda de acordo com Raquel Dodge, nesses equipamentos eletrônicos, havia mensagens trocadas entre Marcos Ramalho e Léo Pinheiro sobre encontros com Moreira Franco e Eliseu Padilha.

Conforme a procuradora, uma das mensagens é de setembro de 2013. No texto, Léo Pinheiro avisa a Marcos que conversaria com Padilha e, em outra, de dezembro de 2013, Léo Pinheiro revela encontro marcado com Moreira Franco.

No documento ao STF, a procuradora reproduz relatório segundo o qual "no período compreendido entre dezembro de 2013 e fevereiro de 2014, houve, ao menos, três encontros entre Moreira Franco e Léo Pinheiro".

A procuradora diz, ainda, que a OAS era uma das empresas interessadas na concessão do aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro.

"Como se vê, as mensagens que tratam de encontros de Eliseu Padilha e Moreira Franco com Léo Pinheiro interessam as investigações em curso, que apuram corrupção na concessão de aeroporto na qual a OAS era uma das concorrentes", argumentou a procuradora-geral.

COMENTARIOS

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

TEMPO AGORA

Hoje, Quarta Feira

Lucas do Rio Verde, MT

º

COTAÇÃO