Projeto De Lei

PL que trata tragédias da mineração com mais rigor avança no Congresso

A proposta foi aprovada às vésperas do carnaval por unanimidade na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania e na Comissão de Meio Ambiente e seu parecer final aguarda para ser lido em plenário.

10 de Março de 2019 as 17h 36min

Um projeto de lei (PL) que protege as finanças de municípios impactados por rompimentos de barragens e que deixa mais clara as regras de responsabilização civil, penal e administrativa dos causadores de tragédias ambientais avança rapidamente no Senado Federal. A proposta foi aprovada às vésperas do carnaval por unanimidade na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania e na Comissão de Meio Ambiente e seu parecer final aguarda para ser lido em plenário.

O PL 550/2019 foi apresentado pela senadora Leila Barros (PSB-DF), mas o texto inicial foi modificado após negociações que levaram à incorporação de sugestões de outros parlamentares. De acordo com o gabinete da senadora, a expectativa é que o parecer final seja lido já na próxima terça-feira (12), quando a Casa retoma suas sessões deliberativas após o recesso do carnaval. Como a aprovação nas comissões se deu em decisão terminativa, se não houver nenhum recurso solicitando a votação no plenário, a proposta seguirá para apreciação na Câmara dos Deputados.

De acordo com o projeto, o crime de poluição ambiental, quando resultar em morte, passaria a ser classificado como hediondo. Nesse caso, a pena para os responsáveis poderia ser aumentada em quatro vezes. O PL também criminaliza a conduta de qualquer profissional que prestar falsas informações no relatório de Revisão Periódica de Segurança de Barragem ou em documentos de inspeção regular ou especial. Deixar de cadastrar e manter atualizados dados no Sistema Nacional de Informações sobre Segurança de Barragens também se torna crime.

Além disso, o projeto define que o valor das multas no caso de falhas da barragem pode variar de R$ 10 mil a R$ 10 bilhões e deve ser calculado conforme a extensão do dano e o potencial econômico do infrator. Esses recursos deverão ser revertidos obrigatoriamente à região afetada.

Em outro artigo, o PL protege municípios que, após as tragédias, enfrentam dificuldade com a queda de arrecadação da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), tributo conhecido como o royalty do minério. É o que ocorreu com Mariana (MG), que perdeu receita com a paralisação das operações da Samarco após o rompimento de barragem de Fundão em 2015.

Brumadinho (MG) pode passar pela mesma situação, com a interrupção das atividades da Vale após a tragédia ocorrida em janeiro deste ano. No entanto, a Vale tem afirmado que vai ressarcir o município por eventuais perdas de arrecadação. Pelo PL 550/2019, a mineradora responsável pelo rompimento deverá continuar pagando a CFEM mesmo que reduza ou paralise sua produção.

Alteamento a montante

Para o senador Randolfe Rodrigues (Rede), relator na Comissão de Meio Ambiente, a proposta contribui para evitar novas tragédias como as que ocorreram em Mariana e Brumadinho. "O projeto remodela o marco jurídico da mineração brasileira, reforçando a segurança da exploração mineral e enfatizando a responsabilidade de todos os envolvidos na cadeia econômica", escreveu ele no parecer.

Uma das medidas do PL que buscam dar mais segurança à atividade do setor é a proibição, em todo o país, da construção de barragens pelo método de alteamento a montante, o mesmo que era usado nas estruturas que se romperam em Mariana e em Brumadinho. Barragens desse tipo que estão em operação teriam que ser descaracterizadas em até 18 meses. Em Minas Gerais, uma lei aprovada há duas semanas já proibiu o alteamento a montante e deu prazo de três anos para o descomissionamento das estruturas já existentes que usam essa tecnologia.

Se aprovado, o novo projeto dará poder para que os órgãos fiscalizadores possam determinar a remoção de comunidades e atividades na zona de autossalvamento, isto é, na região que seria alagada em menos de 30 minutos no caso de um rompimento. Caberia às empresas indenizar os moradores e comerciantes. Outra exigência é imposta às mineradoras que têm barragens com alto risco e com dano potencial associado alto. Elas ficariam obrigadas a contratar um seguro ou apresentar garantia financeira para cobrir danos a terceiros e ao meio ambiente em caso de um desastre.


Fonte: Léo Rodrigues | Agência Brasil

COMENTARIOS

Mais de Política

Verba Indenizatória

Deputados de MT têm maior verba indenizatória do Brasil, com R$ 65 mil enquanto média nacional é de R$ 31 mil

Além do salário de R$ 25 mil, os parlamentares recebem verbas complementares para custeio. A maior delas é a verba indenizatória. que subiu mais de 300% entre 2010 e 2015.

18 de Maio de 2019 as 17h04

Redução de V.I

Janaina vê demagogia; Ulysses rebate: “De Riva quero distância”

Cada parlamentar tem direito a R$ 65 mil de verba para cobrir despesas do exercício da função

17 de Maio de 2019 as 09h54

Investimento

Projeto pretende destinar 50% da arrecadação de multas pagas por gestores municipais à saúde

Atualmente, os recursos provenientes das multas são transferidos ao Fundo de Reaparelhamento do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

16 de Maio de 2019 as 21h44

Gestão

Vereadores aprovam projeto e servidores municipais terão 4.58% de RGA

O índice corresponde a reposição inflacionária dos últimos 12 meses, medida pelo IPCA. A data base do funcionalismo público municipal é o mês de maio

16 de Maio de 2019 as 20h59

Verba Indenizatória

Comissão aprova pela 2ª vez projeto que prevê redução da verba indenizatória de deputados de MT de R$ 65 mil para R$ 32,5 mil

O relator do projeto na CFAEO, o deputado estadual Sílvio Fávero (PSL), emitiu parecer favorável à aprovação da propositura, sendo acompanhado pelos deputados Valmir Moretto (PRB) e Nininho (PSD).

16 de Maio de 2019 as 10h41

Retratação

Após emitir nota, presidente da Assembleia quer retratação oficial da Aprosoja

Janaína Riva deixou claro que ficou “chateada” com os memes e que se cogitou a tomar uma ação além da nota de esclarecimento.

16 de Maio de 2019 as 10h29

Saúde

Carteira de vacinação torna-se documento obrigatório para a matrícula nas escolas

O projeto é de autoria do vereador Airton Callai e tem como objetivo fazer com que os pais mantenham a vacinação dos filhos em dia

08 de Maio de 2019 as 18h33

Grampos

Ex-governador de MT fala pela primeira vez sobre esquema de grampos ilegais e se diz inocente

Ex-governador Pedro Taques diz que quer ser ouvido no caso, com imparcialidade.

15 de Maio de 2019 as 09h59

Locação de Carros

ALMT diz que vai cobrar de ex-deputados valores de locação de carros pagos pelo órgão após fim do mandato

Caso o acordo não seja cumprido, a Corregedoria da ALMT deve tomar outras medidas necessárias, de acordo com a assessoria da Casa de Leis.

15 de Maio de 2019 as 09h50

Voto Secreto

Comissão aprova fim do voto secreto para a escolha de conselheiros do TCE e presidente da ALMT

Na Assembleia, o voto secreto ainda está vigente na aprovação dos conselheiros do Tribunal de Contas do Estado indicados pelo governador, na cassação de mandato de deputado e na apreciação de vetos do governador.

09 de Maio de 2019 as 09h39

Títulos de Eleitores

Cerca de 43 mil eleitores terão título cancelados por não votarem nas últimas três eleições, diz TRE-MT

Prazo para regularizar a situação junto à Justiça Eleitoral acabou na segunda-feira (6). O eleitor com título cancelado está impedido de exercer direitos, como: obter passaporte e exercer cargo público.

08 de Maio de 2019 as 10h14

Despesas

Despesas dos deputados de MT em 2019 ultrapassam R$ 2 milhões; veja quanto cada um gastou

Juntos, os oito deputados gastaram R$ 403.144,60 com verba indenizatória. A maior parte foi usada para a locação de automóveis e divulgação da atividade parlamentar.

08 de Maio de 2019 as 10h04

Medidas Contra Corrupção

Selma Arruda se reúne com Moro para discutir medidas contra a corrupção

O relatório da MP 870 deve ser votado nesta quarta-feira, na comissão parlamentar mista que analisa o assunto. A medida vence no dia 3 de junho.

08 de Maio de 2019 as 09h57

Gestão

Vereadores aprovam as contas de governo do prefeito Luiz Binotti, referentes a 2017

As contas vieram com parecer favorável a aprovação por parte do TCE, porém com recomendações. No Legislativo, o relatório foi aprovado com sete votos favoráveis e dois contrários

07 de Maio de 2019 as 18h55

Gestão

Vereadores aprovam projeto autorizando a venda da área do antigo Posto Central

Serão vendidos por meio de concorrência pública cinco terrenos. A expectativa é arrecadar aproximadamente R$ 6 milhões

07 de Maio de 2019 as 18h53

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Enquete

Você acha que Bolsonaro está certo ao contingenciar verbas das Universidades federais?

Sim

Não

Não sei

Parcial
veja +

COTAÇÃO