Primo de governador, ex-secretário é preso suspeito de mandar grampear políticos e jornalista

Paulo Taques foi secretário chefe da Casa Civil na gestão de Pedro Taques (PSDB). Ele foi preso nesta sexta-feira (4).

04/08/2017 - 13:59:46

   

Ex-secretário da Casa Civil de Mato Grosso, Paulo Taques, foi preso nesta sexta-feira (4) (Foto: Mayke Toscano/Secom-MT)

O ex-secretário chefe da Casa Civil, Paulo Taques, que é primo do governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB) foi preso preventivamente nesta sexta-feira (4) suspeito de envolvimento esquema de grampos clandestinos operados pela Polícia Militar no estado. Ele foi levado para a sede da Polinter, em Cuiabá, onde deve prestar depoimento. O esquema foi denunciado em uma reportagem do Fantástico em maio deste ano.

A prisão foi determinada pelo desembargado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), Orlando Perri, relator no órgão sobre a investigação dos grampos clandestinos. A decisão foi assinada na quinta-feira (3) e cumprida hoje.

Na decisão, o desembargador afirma que, mesmo em liberdade, o ex-secretário "vem buscando, de todas as formas, interferir diretamente na apuração dos fatos, mediante a utilização dos meios de comunicação, sobretudo pelo forte prestígio que ainda possui perante a imprensa de uma forma geral, ou, quiçá, de espaços decorrentes de suas relações com o governo".

Paulo Taques foi levado para a sede da Polinter, em Cuiabá, onde deve prestar depoimento (Foto: Lislaine dos Anjos/G1)Segundo a denúncia, mais de 100 pessoas tiveram as conversas grampeadas, entre elas políticos de oposição ao atual governo de Mato Grosso, advogados, médicos e jornalistas.

Os telefones foram incluídos indevidamente em uma investigação sobre tráfico de drogas que teria o suposto envolvimento de policiais militares. O resultado dessa investigação, porém, não foi informado pelo governo até hoje.

Paulo Taques, que é advogado, deixou o comando da Casa Civil em maio deste ano. À época, ele alegou que voltaria a se dedicar à advocacia e que reassumiria o papel de advogado pessoal de Pedro Taques, primo dele.

Além de Paulo Taques, estão presos por envolvimento no esquema o coronel Zaqueu Barbosa, os coronéis Evandro Lesco e Ronelson Barros, ex-chefe e ex-adjunto da Casa Militar, e o cabo o cabo Gerson Correa Junior. Eles estão foram presos entre maio e junho deste ano.

"Os mesmos argumentos aduzidos por ocasião da prisão preventiva de vários policiais militares também se aplicam ao caso em apreço, máxime porque há fortíssimos indícios da ligação entre Paulo Taques com o grupo criminoso formado para implantação de diversas escutas telefônicas ilegais", diz trecho da decisão.

Investigações
O promotor de Justiça Mauro Zaque, que comandou a Secretaria de Segurança Pública em 2015, denunciou o caso à Procuradoria-Geral da República, afirmando que alertou o governador Pedro Taques (PSBD) sobre a existência de um "escritório clandestino de espionagem" por meio de dois ofícios. O primeiro chegou a ser enviado para o MPE, mas a investigação foi arquivada por falta de provas.

O segundo, que o governador alega nunca ter recebido, foi protocolado na Casa Civil, mas cancelado no mesmo dia e substituído por outro, conforme apontou auditoria da Controladoria Geral do Estado. Antes do relatório da CGE vir à tona, Taques chegou a entrar com representação contra Zaque em instituições como o Conselho Nacional do Ministério Público e a PGR, acusando-o de falsificação de documento público.

Dias antes do escândalo ser revelado em reportagem do Fantástico, em maio, o secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, primo do governador, deixou o cargo. O próprio Paulo Taques, alegando estar sofrendo ameaças, pediu à Sesp para que fossem investigados um jornalista, uma ex-secretária e uma ex-amante dele.

Envolvimento do governador
Em depoimento encaminhado à PGR, o ex-secretário Mauro Zaque afirmou que em 2015, época em que ainda estava no governo, ouviu o coronel Zaqueu Barbosa, comandante da PM à época, dizer que as interceptações telefônicas eram feitas por determinação de Pedro Taques. Ele alega ainda que levou o assunto a Taques e que o governador ficou constrangido, mas não fez nenhum comentário.

Em entrevista ao Fantástico, o secretário de Comunicação, Kléber Lima, negou o envolvimento do governador no esquema.

Na decisão, o desembargador afirma que, mesmo em liberdade, o ex-secretário "vem buscando, de todas as formas, interferir diretamente na apuração dos fatos, mediante a utilização dos meios de comunicação, sobretudo pelo forte prestígio que ainda possui perante a imprensa de uma forma geral, ou, quiçá, de espaços decorrentes de suas relações com o governo".

Segundo a denúncia, mais de 100 pessoas tiveram as conversas grampeadas, entre elas políticos de oposição ao atual governo de Mato Grosso, advogados, médicos e jornalistas.

Os telefones foram incluídos indevidamente em uma investigação sobre tráfico de drogas que teria o suposto envolvimento de policiais militares. O resultado dessa investigação, porém, não foi informado pelo governo até hoje.

Paulo Taques, que é advogado, deixou o comando da Casa Civil em maio deste ano. À época, ele alegou que voltaria a se dedicar à advocacia e que reassumiria o papel de advogado pessoal de Pedro Taques, primo dele.

Além de Paulo Taques, estão presos por envolvimento no esquema o coronel Zaqueu Barbosa, os coronéis Evandro Lesco e Ronelson Barros, ex-chefe e ex-adjunto da Casa Militar, e o cabo o cabo Gerson Correa Junior. Eles estão foram presos entre maio e junho deste ano.

"Os mesmos argumentos aduzidos por ocasião da prisão preventiva de vários policiais militares também se aplicam ao caso em apreço, máxime porque há fortíssimos indícios da ligação entre Paulo Taques com o grupo criminoso formado para implantação de diversas escutas telefônicas ilegais", diz trecho da decisão.

Investigações
O promotor de Justiça Mauro Zaque, que comandou a Secretaria de Segurança Pública em 2015, denunciou o caso à Procuradoria-Geral da República, afirmando que alertou o governador Pedro Taques (PSBD) sobre a existência de um "escritório clandestino de espionagem" por meio de dois ofícios. O primeiro chegou a ser enviado para o MPE, mas a investigação foi arquivada por falta de provas.

O segundo, que o governador alega nunca ter recebido, foi protocolado na Casa Civil, mas cancelado no mesmo dia e substituído por outro, conforme apontou auditoria da Controladoria Geral do Estado. Antes do relatório da CGE vir à tona, Taques chegou a entrar com representação contra Zaque em instituições como o Conselho Nacional do Ministério Público e a PGR, acusando-o de falsificação de documento público.

Dias antes do escândalo ser revelado em reportagem do Fantástico, em maio, o secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, primo do governador, deixou o cargo. O próprio Paulo Taques, alegando estar sofrendo ameaças, pediu à Sesp para que fossem investigados um jornalista, uma ex-secretária e uma ex-amante dele.

Envolvimento do governador
Em depoimento encaminhado à PGR, o ex-secretário Mauro Zaque afirmou que em 2015, época em que ainda estava no governo, ouviu o coronel Zaqueu Barbosa, comandante da PM à época, dizer que as interceptações telefônicas eram feitas por determinação de Pedro Taques. Ele alega ainda que levou o assunto a Taques e que o governador ficou constrangido, mas não fez nenhum comentário.

Em entrevista ao Fantástico, o secretário de Comunicação, Kléber Lima, negou o envolvimento do governador no esquema.

MT Agora - G1

Mais Noticias

Delação De Funaro

Advogado de Temer diz que ''jamais'' quis imputar prática de crime a Rodrigo Maia

Delação De Funaro

Presidente da Câmara chama advogado de Temer de ''incompetente''

Delação De Funaro

Ministro Moreira Franco diz que delação de Funaro foi ''encomenda remunerada'' de Janot a Joesley

Delação De Funaro

Defesa de Temer vê ''criminoso vazamento'' de vídeos da delação de Funaro

15/10/2017 -

Funaro diz que Cunha pediu R$ 1 milhão para ''comprar'' votos a fim de aprovar impeachment de Dilma

Doleiro disse que repassou dinheiro e que o então presidente da Câmara queria garantir que a petista fosse afastada do cargo. Cunha desafiou Funaro a provar conteúdo da delação.

15/10/2017 -

Acordo de delação de Funaro prevê pagamento de multa de R$ 45 milhões e 2 anos de prisão em regime fechado

Operador de políticos do PMDB, o doleiro terá 5 anos para pagar a multa. Além dos 2 anos na cadeia, ele também ficará detido em prisão domiciliar e prestará serviços à comunidade.

15/10/2017 -

Ao contrário do que diz Temer, vídeos de Lúcio Funaro não foram vazados e estão disponíveis no site da Câmara

Trechos dos depoimentos da delação premiada do doleiro começaram a ser divulgados na sexta. Ele acusa a existência de um suposto esquema de propina envolvendo o presidente.

15/10/2017 -

Funaro relata propina, pedido de Temer e empréstimo de helicóptero para campanha de Chalita em 2012

Doleiro afirmou ao MPF que presidente solicitou, por meio de Eduardo Cunha, doações para candidato do PMDB à prefeitura de São Paulo. Segundo ele, propina abasteceu a campanha.

15/10/2017 -

Funaro detalha divisão de propina em esquema que teria beneficiado Moreira e Cunha

Segundo doleiro, o atual ministro da Secretaria-Geral e o ex-presidente da Câmara recebiam dinheiro para facilitar liberação de recursos do FGTS. Os dois negam e acusam Funaro de mentir.

14/10/2017 -

Presidente da Casa de Leis de Sorriso realiza reunião com empresários do Bairro Verdes Campos

O objetivo da reunião foi ouvir dos empresários que possuem empreendimentos nesta localidade as necessidades que o bairro possui.

13/10/2017 -

Governo sanciona lei que prevê reajuste de até 15% em dois anos para agentes fazendários de MT

Agentes de arrecadação fazendária também irão contar com pagamento mensal de verba indenizatória. Lei foi publicada no Diário Oficial do Estado.

13/10/2017 -

Funaro diz que Yunes tinha ''certeza'' de que estava repassando dinheiro em envelope

Em vídeos divulgados pelo jornal ''Folha de S.Paulo'', doleiro fez acusações contra Michel Temer, Eduardo Cunha e peemedebistas. José Yunes nega e diz que vai processar Funaro.

13/10/2017 -

''Battisti quebrou a confiança do Brasil'', diz ministro da Justiça sobre decisão de extraditar italiano

Em entrevista à BBC Brasil, Torquato Jardim diz que ida de Cesare Battisti à Bolívia com mais de R$ 10 mil é ''fato novo'' que justifica extradição. Acusado nega que tivesse tentado fugir e diz que dinheiro não era todo dele.

13/10/2017 -

PT recua e Aécio fica com margem apertada para voltar

Senador tucano precisa de 41 votos para anular seu afastamento do cargo

11/10/2017 -

Defesa de Lula apresenta mais recibos de pagamento de aluguéis de imóvel investigado na Lava Jato

Ex-presidente é acusado de receber apartamento como propina da Odebrecht. Advogados disseram que possuem os recibos originais e pediram uma audiência com o juiz Sérgio Moro para entregá-los.

11/10/2017 -

Relator de denúncia contra Temer contesta críticas e se diz ''pronto para enfrentar quem quer que seja''

Bonifácio de Andrada responde críticas e disse que seu parecer, favorável a Temer, tem embasamento jurídico. Discussão e votação do texto devem ocorrer na semana que vem.

11/10/2017 -

Vereadores de Lucas aprovam nova estrutura administrativa e garantem mais direitos aos servidores

Entre as principais mudanças no regime de previdência, está o reconhecimento das uniões estáveis, das relações homoafetivas e a garantia da licença maternidade aos pais de filhos adotados, independente, da idade do adotado.

10/10/2017 -

Vereadores de Lucas aprovam a destinação de mais de R$ 1 milhão para obras de infraestrutura

Os recursos serão investidos na manutenção de pontes, estradas vicinais pavimentadas e na elaboração de projetos para o aeroporto.

10/10/2017 -

Vereadores de Lucas aprovam R$ 3.5 milhões para a construção de escola e reforma de quadra esportiva

A nova escola da rede estadual será construída no Loteamento Dalmaso e irá atender os moradores dos bairros, Bandeirantes, Parque das Emas, Téssele Junior e Dalmaso.

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora