Senado argumenta ao STF que medidas cautelares contra congressistas são inconstitucionais

Advocacia da Casa enviou novo parecer ao tribunal para julgamento que pode rever decisão sobre Aécio Neves. No primeiro parecer, Senado apenas alegou que parlamento tinha que ser consultado.

06/10/2017 - 18:10:13

   

Aécio Neves está afastado do mandato de senador por ordem da Primeira Turma do STF (Foto: Eraldo Peres/AP)

A Advocacia do Senado encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) um novo parecer para o julgamento que pode rever o afastamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG) argumentando que qualquer medida cautelar contra congressistas é inconstitucional. No documento, os advogados do Senado alegam que nenhum parlamentar pode ser suspenso por ato do Judiciário.

Na próxima quarta (11), os ministros do STF devem julgar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade que pede que o tribunal considere a possibilidade de o Congresso rever, em até 24 horas, qualquer medida cautelar diversa da prisão imposta a deputados e senadores, como suspensão do mandato e recolhimento domiciliar.

O Senado já havia se posicionado na ação de inconstitucionalidade dizendo que apenas as medidas cautelares que implicassem em afastamento deveriam ser submetidas ao Congresso em até 24 horas. Na ocasião, a casa legislativa não questionou a legalidade das medidas. Já com relação a medidas sem o afastamento, O Senado defendia que poderiam ser aplicadas pelo Judiciário.

No julgamento, os magistrados irão tentar resolver o impasse gerado a partir do afastamento de Aécio por ordem da Primeira Turma do Supremo, que reúne os ministros Alexandre de Moraes, Luiz Fux, Luís Roberto Barroso, Marco Aurélio Mello e Rosa Weber.

Por 3 votos a 2, os ministros da turma rejeitaram o pedido de prisão formulado pela Procuradoria Geral da República, mas determinaram o afastamento do senador tucano do mandato e o recolhimento domiciliar noturno, isto é, a proibição de sair de casa à noite. Esta última determinação é uma das medidas cautelares diversas da prisão previstas no Código de Processo Penal.

Novo parecer do Senado

O novo parecer apresentado pelo Senado afirma que a Constituição só prevê prisão em flagrante, e não outras medidas, intencionalmente e, por isso, avalia o Senado, o STF não pode determinar nenhuma cautelar.

"Há, sim, silêncio eloquente e intencional: o Constituinte não falou em medidas cautelares, e especialmente jamais falou em suspensão de mandato, porque jamais pretendeu autorizar tais providências. E, ao tratar inteiramente do respeito ao mandato parlamentar, estabeleceu uma zona de vedação à atividade infraconstitucional. Em outras palavras, a matéria é constitucional, afastada a incidência da legislação ordinária. Por essas razões, é descabida a aplicação de medidas cautelares penais aos membros do Congresso Nacional no curso do mandato", diz trecho do documento.

O parecer ressalta ainda que a Constituição tem intenção de "assegurar o livre exercício do mandato outorgado pelo voto popular guarda estreita relação com o princípio democrático e com a preservação das instituições públicas".

Os advogados do Senado cobram que o Supremo respeite a Constituição, sem querer reinterpretá-la, frisando que o texto constitucional visa preservar os mandatos.

"A excepcionalidade do momento brasileiro, sustentada na responsabilização de agentes públicos (lato sensu) por eventuais delitos, está a exigir das instituições brasileiras o estrito cumprimento do texto constitucional e dos princípios fundamentais do Estado Democrático de Direito e não a construção de soluções que, a despeito de violarem direitos e garantias fundamentais, pareçam mais adequadas à gravidade do caso concreto, sob pena de irradiar grave insegurança jurídica quanto a higidez do ordenamento jurídico, colocando em risco a estabilidade das relações sociais e institucionais", criticou a Advocacia Geral do Senado no parecer.

"Em tempos de crise, é preciso afirmar a soberania da Constituição, e não a reinterpretar para dar vazão a reclames quaisquer. Uma das principais funções da jurisdição constitucional, afinal, é a de cumprir o papel contra majoritário que lhe foi atribuído pelo texto constitucional" (Senado)

Os pedidos da PGR

Os pedidos de prisão e de afastamento do mandato foram feitos no fim de julho pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Em maio, um primeiro pedido de prisão foi negado pelo relator da Operação Lava Jato no STF, Edson Fachin – na época, porém, ele determinou o afastamento de Aécio do Senado.

No fim de junho, o ministro Marco Aurélio Mello, para quem o caso foi encaminhado, negou um novo pedido de prisão e permitiu a volta do senador do PSDB ao exercício do mandato.

Os pedidos da PGR são baseados na delação de executivos do grupo J&F, dono do frigorífico JBS. O órgão sustenta que o parlamentar mineiro teria recebido dinheiro da empresa e que atuou em conjunto com o presidente Michel Temer para impedir as investigações da Lava Jato.

>>> Saiba o que foi dito sobre Aécio na delação da JBS

Ele é acusado de corrupção passiva e obstrução de Justiça. Janot pediu a prisão para evitar que o parlamentar tucano atrapalhasse as investigações.

A defesa de Aécio diz que o pedido de prisão não seguiu as exigências da Constituição, que só permite a medida em caso de flagrante de crime inafiançável e após autorização do Senado.

MT Agora - G1

Mais Noticias

Gastos Elevados

Deputada questiona aumento de gastos com diárias; salto de 107 mil para 367 mil só na Comunicação

Planejamento

Lucas: Vereadores finalizam a aprovação dos projetos que tratam do planejamento do município

Debate

Lei do Susaf será discutida com o ministro da Agricultura Blairo Maggi

Saúde

Ministro da Saúde libera a utilização do prédio da UPA, a decisão depende agora do TCU

08/12/2017 -

Ministro tucano deixa Secretaria de Governo; Carlos Marun é cotado para substituí-lo

O ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, pediu demissão do cargo nesta sexta-feira (8).

08/12/2017 -

Reforma da Previdência deve ser votada no Senado em fevereiro, diz Temer

Durante eventos em SP, presidente disse que seu ''bom humor'' vem da confiança na aprovação da reforma, e que não cogita adiamento da votação para 2018.

08/12/2017 -

Com aprovação do FEX na Câmara Federal, MT deve receber R$ 500 milhões

Desse total, o estado deve ficar com75% e os 141 municípios do estado com 25%. O projeto de lei segue agora para o Senado Federal.

06/12/2017 -

Lideranças de Lucas do Rio Verde cobram de ministro solução para UPA entrar em funcionamento

O prefeito Flori Luiz Binotti, afirmou que a intenção do município é transferir para o local toda a estrutura do PSF central, mas não descarta a implantação de uma UPA.

01/12/2017 -

Lucas: Ministro Baldy inaugura casas do Minha Casa, Minha Vida e anuncia retomada do Vida Nova 2

Cerca de mil pessoas acompanharam a solenidade de entrega simbólica das chaves e os pronunciamentos de autoridades do Governo Federal, Estadual e Municipal.

01/12/2017 -

Eleição de 2018 terá somente 30 mil urnas eletrônicas com voto impresso

A implantação do voto impresso nas eleições de 2018 foi aprovada pelos parlamentares no ano passado.

01/12/2017 -

Técnicos conseguem invadir urna eletrônica durante teste; TSE diz que falhas serão corrigidas

Especialistas conseguiram decifrar arquivos internos do equipamento em teste público de segurança no Tribunal Superior Eleitoral.

30/11/2017 -

Ministro inaugura em Lucas do Rio Verde conjunto habitacional

A solenidade de entrega das chaves contou com a presença do vice-governador, Carlos Fávaro, do prefeito Luiz Binotti, deputados federais, o secretário de Política Agrícola, Neri Geller, e demais lideranças.

29/11/2017 -

Casa Civil anuncia medida para facilitar pedido de passaportes

Segundo o governo, comprovantes de pagamento, de quitação com a Justiça Eleitoral e certificado de reservista passarão a estar em banco de dados. Objetivo é concluir mudança até o fim de 2018.

29/11/2017 -

Câmara estende para 2024 prazo para estados e municípios quitarem precatórios

PEC foi aprovada em primeiro turno; falta análise em segundo turno. Regra atual previa que prazo terminaria em 2020. Precatórios são débitos do poder público com cidadãos ou empresas.

28/11/2017 -

Lucas: Planejamento orçamentário (LDO 2018) é aprovado em primeira votação

O projeto precisa ser aprovado em duas sessões. A previsão é que a proposta volte a pauta de votações na próxima segunda-feira (04).

28/11/2017 -

Nova Mutum: Vereadores Aprovam as Contas do Município Referente ao ano de 2016

O presidente da Câmara Municipal de Nova Mutum Airton Pessi convocou na última segunda-feira (27.11), todos os parlamentares da Augusta Casa de Leis, para a 3ª Sessão Extraordinária de 2017.

28/11/2017 -

Otaviano Pivetta e Mauro Mendes são cotados para o Governo do Estado

A dupla possui boa relação no meio empresarial, agrícola e muita influência no meio político.

28/11/2017 -

Lucas: Vereador cobra implantação de escola militar e insinua que secretária está preocupada com ideologia política

Existe uma indicação para implantação da escola militar.

28/11/2017 -

Governo publica prorrogação dos incentivos do Recine e da Lei do Audiovisual até 2019

Promulgação foi publicada nesta terça-feira no ''Diário Oficial da União''. Em agosto, Temer vetou a prorrogação dos incentivos, porém o Congresso derrubou o veto na última semana.

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora