Contratos Suspensos

TCE determina suspensão de contratos de Sinop, Sorriso, Marcelândia e Nova Ubiratã com Oscip

Entre as irregularidades encontradas, foram ressaltadas superfaturamento de R$ 10 milhões referentes a pagamento de taxas abusivas de administração de 2014 a 2017

02 de Maio de 2019 as 21h 32min

A prefeitura de Sinop deve manter suspenso o repasse de recursos financeiros a título de “taxa de administração” de 20% referente ao termo de parceria celebrado entre o município e a Agência de Desenvolvimento Econômico e Social do Centro Oeste (Adesco), sob pena de multa diária de 100 UPFs, cerca de de 14 mil. Também está proibida de prorrogar e aditar o termo de parceria. A determinação faz parte da homologação parcial de julgamento singular do conselheiro interino Isaías Lopes da Cunha.

As decisões do conselheiro são referentes a uma auditoria de atuação da Organização Civil de Interesse Público (Oscip) realizada pela Secretaria de Controle Externo de Contratações Públicas em 2018. O termo de parceria firmado com Sinop, envolveu um total de R$ 74,8 milhões com objetivo de prestação de serviços na área da saúde. Conforme a auditoria, de 2010 até 2017 a Adesco já atuou em pelo menos nove prefeituras de Mato Grosso, sendo empenhado no total o valor de R$ 162,8 milhões.

A conselheira interina Jaqueline Jacobsen, que na época relatou a auditoria, considerou o julgamento da homologação da cautelar sobre o termo de parceria com Sinop de extrema importância. “Estamos na verdade debatendo essas taxas de administração para Oscip que demonstram ser abusivas”, disse.

Entre as irregularidades encontradas, foram ressaltadas pelo conselheiro Isaías Lopes superfaturamento de R$ 10 milhões referentes a pagamento de taxas abusivas de administração de 2014 a 2017, vínculos de parentesco entre a Oscip Adesco e as empresas por ela contratadas, e terceirização ilícita. “Além dos elevados custos operacionais da Oscip, que alcançaram 35% do valor da parceria com a prefeitura de Sinop, ocorreram contratações ilegais que burlaram a exigência de concurso público, ausência de prestação de contas, não acompanhamento e fiscalização das atividades executadas”, apontou o TCE, por meio da assessoria.

Assim, a corte de contas homologou parcialmente a Medida Cautelar, divulgada no Diário Oficial de Contas do dia 19 de março, e manteve a indisponibilidade de bens não financeiros, pelo período de um ano, em valor suficiente para atingir o montante do dano de R$ 11,1 milhões de representantes da empresa.

Foi determinada a expedição de ofício requisitório ao corregedor-geral do Tribunal de Justiça do Estado e ao presidente do Departamento Estadual de Trânsito do Estado para que adotem as providências necessárias à efetivação desta decisão.

Com voto vista do Ministério Público de Contas e contribuições do conselheiro interino Luiz Henrique Lima, ainda foram suspensos os Termos de Parceria da Adesco com os municípios de Sinop, Sorriso, Marcelândia e Nova Ubiratã e emitidos alertas a todos os municípios de Mato Grosso que possuem parceria com a Oscip. “Considero esse um caso importante a ser seguido em demais decisões do TCE”, comentou Luiz Henrique, por meio da assessoria.

Segundo o relator, foi detectado pela Secex de Contratações Públicas que o modus operandi irregular foi notado em todos os outros contratos existentes com os demais municípios. No caso dos que ainda mantêm termos de parceria com a Adesco, foi determinado que mantenham os serviços médicos essenciais comprovando que os preços pagos sejam compatíveis com o mercado, sob pena de ressarcimento.

Foram determinadas também a abertura de Tomadas de Contas Ordinária em todos os termos de parceria entre os municípios e a Adesco em andamento, para que seja mensurado possível dano ao erário.

Por meio de nota enviada ao Só Notícias, a prefeitura de Sinop informou que desde novembro do ano passado, não possui mais nenhum tipo de contrato com a OSCIP Adesco. “A administração da prefeita Rosana Martinelli reforça que desde março de 2017 tentou encerrar o contrato com a OSCIP, mas foi impedida por ordem judicial, que só foi concedida em novembro de 2018, deixando assim a ADESCO de manter qualquer contrato com a prefeitura”.

A executivo informou ainda que está retido R$ 1,7 milhão, que não foram pagos à ADESCO. Em dezembro do ano passado, ciente do processo de investigação que tramitava no Tribunal de Contas, a administração protocolou ofício solicitando ao próprio TCE-MT direcionamento quanto à legalidade de realizar, ou não, esses pagamentos que ainda estão pendentes, tendo a resposta da corte sendo informada por meio de decisão publicada no Diário de Contas.

“Diante disso, a administração reforça que sempre se manteve pautada pela legalidade e transparência, posicionamento comprovado com as sucessivas prestações de contas e informações repassadas ao TCE-MT, bem como as constantes consultas à Corte de Contas, para garantir a lisura nos processos. Mantendo-se sempre à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos”, informou a prefeitura.

O prefeito de Marcelândia, Arnóbio de Andrade, informou por meio de vídeo divulgado por seu chefe de gabinete, que a Adesco não presta serviço para o município desde 2015. “Quando assumimos a prefeitura tinha um contrato assinado pela gestão anterior em 2009, em que o município remunerava a Adesco em 28% do valor da folha do pessoal da Saúde, como somos econômicos e temos responsabilidade com o dinheiro público, achamos elevado esse custo e convocamos a diretoria da Adesco. Já em janeiro de 2013, baixou para 14%. Eles foram prestando serviço e assim que nós estruturamos de vez os serviços na área da Saúde, nós dispensamos os trabalhos dessa empresa, não por qualquer ilicitude, mas por questão de economia”, declarou.


Fonte: Só Notícias

COMENTARIOS

Mais de Política

Infraestrutura e Logística

Callai e Binotti buscam recursos do Estado para a pavimentação e recuperação de estradas

Os assuntos foram discutidos nesta quinta-feira (23), em Cuiabá, com o secretário de Infraestrutura e Logística Marcelo de Oliveira e Silva

23 de Maio de 2019 as 19h42

Saúde

Callai, Binotti e diretor do São Lucas se reúnem com o secretário de Saúde do Estado

O objetivo da reunião, realizada na manhã desta quinta-feira (23), em Cuiabá, foi discutir a renovação do convênio referente as UTIs do Hospital São Lucas

23 de Maio de 2019 as 12h55

Audiência Pública

Vereador Callai quer ouvir a população sobre empréstimo de R$ 34 milhões

O objetivo é dar a oportunidade para que a prefeitura apresente onde será investido o recurso e a população possa opinar. A audiência ainda não tem data marcada

22 de Maio de 2019 as 20h42

Orçamento

Vereadores aprovam alteração no orçamento para entrada de R$ 12.6 milhões

O recurso é proveniente de uma financiamento que o município fez junto a Caixa Econômica Federal. O valor será investido em obras de abastecimento de água

22 de Maio de 2019 as 20h41

Auxílio Financeiro

Vereadores aprovam auxílio-financeiro para o transporte de universitários

Serão destinados R$ 40 mil para a Associação dos Universitários de Lucas do Rio Verde, que reúne aproximadamente 150 estudantes

22 de Maio de 2019 as 20h39

Prestação de Contas

Ex-governador de MT omitiu cerca de R$ 7 milhões na prestação de contas de campanha, diz ex-secretário

Permínio Pinto revelou doações não contabilizadas durante a campanha de Pedro Taques ao governo do estado. Total arrecadado foi R$ 34 milhões, entretanto, apenas R$ 27 milhões foi declarado ao TRE.

22 de Maio de 2019 as 10h21

Comemoração

Palco com autoridades cede durante comemoração do aniversário de Alta Floresta (MT)

Um inquérito deve ser aberto pelos bombeiros para apurar e verificar o motivo da queda. Segundo os bombeiros, não houve registro de feridos.

20 de Maio de 2019 as 09h55

Verba Indenizatória

Presidente da Assembleia diz que não abre mão da verba indenizatória de R$ 65 mil

A discussão é motivada por uma proposta de Ulysses que visa diminuir em 50% o valor repassado para a Verba de Gabinete

20 de Maio de 2019 as 09h50

Verba Indenizatória

Deputados de MT têm maior verba indenizatória do Brasil, com R$ 65 mil enquanto média nacional é de R$ 31 mil

Além do salário de R$ 25 mil, os parlamentares recebem verbas complementares para custeio. A maior delas é a verba indenizatória. que subiu mais de 300% entre 2010 e 2015.

18 de Maio de 2019 as 17h04

Redução de V.I

Janaina vê demagogia; Ulysses rebate: “De Riva quero distância”

Cada parlamentar tem direito a R$ 65 mil de verba para cobrir despesas do exercício da função

17 de Maio de 2019 as 09h54

Investimento

Projeto pretende destinar 50% da arrecadação de multas pagas por gestores municipais à saúde

Atualmente, os recursos provenientes das multas são transferidos ao Fundo de Reaparelhamento do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

16 de Maio de 2019 as 21h44

Gestão

Vereadores aprovam projeto e servidores municipais terão 4.58% de RGA

O índice corresponde a reposição inflacionária dos últimos 12 meses, medida pelo IPCA. A data base do funcionalismo público municipal é o mês de maio

16 de Maio de 2019 as 20h59

Verba Indenizatória

Comissão aprova pela 2ª vez projeto que prevê redução da verba indenizatória de deputados de MT de R$ 65 mil para R$ 32,5 mil

O relator do projeto na CFAEO, o deputado estadual Sílvio Fávero (PSL), emitiu parecer favorável à aprovação da propositura, sendo acompanhado pelos deputados Valmir Moretto (PRB) e Nininho (PSD).

16 de Maio de 2019 as 10h41

Retratação

Após emitir nota, presidente da Assembleia quer retratação oficial da Aprosoja

Janaína Riva deixou claro que ficou “chateada” com os memes e que se cogitou a tomar uma ação além da nota de esclarecimento.

16 de Maio de 2019 as 10h29

Saúde

Carteira de vacinação torna-se documento obrigatório para a matrícula nas escolas

O projeto é de autoria do vereador Airton Callai e tem como objetivo fazer com que os pais mantenham a vacinação dos filhos em dia

08 de Maio de 2019 as 18h33

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Enquete

veja +

COTAÇÃO