Temer se livra de denúncia; 7 de MT votam contra investigação

O voto de número 172 foi da deputada Rosângela Gomes (PRB-RJ); presidente não será investigado pelo STF

03/08/2017 - 06:54:54

   

O presidente Michel Temer, que teve denúncia de corrupção barrada na Câmara Foto: Sérgio Lima/Poder360

A Câmara dos Deputados rejeitou, na noite desta quarta-feira (2), a denúncia de corrupção passiva contra o presidente Michel Temer (PMDB).

O voto de número 172 foi da deputada Rosângela Gomes (PRB-RJ).

Mas, antes do voto da parlamentar, o governo já tinha conseguido matematicamente barrar a denúncia, considerando a soma dos votos a favor do parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) contrário à admissibilidade da denúncia, ausências (13) e abstenções (1). 

Isso porque eram necessários o mínimo de 342 votos contra o parecer do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) e, com isso, autorizar o Supremo Tribunal Federal (STF) a investigar o presidente.

A vitória do governo foi conquistada durante a votação da bancada do Rio de Janeiro. 

A maioria da bancada de Mato Grosso votou contra a admissibilidade da denúncia. Foram sete votos contra um.

Votaram a favor: Carlos Bezerra (PMDB), Adilton Sachetti (PSB), Fábio Garcia (PSB), Ezequiel Fonseca (PP), Rogério Silva (PMDB), Nilson Leitão (PSDB) e Rogério Galli (PSDB).

O único a votar contra o presidente Temer foi Ságuas Moraes (PT). 

Com o resultado, a Câmara não aprova a admissibilidade para que o Supremo Tribunal Federal (STF) investigue Temer. 

Com essa decisão, a denúncia é suspensa e só pode ser retomada depois que Temer deixar a Presidência da República.

No dia 26 de junho, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao STF a denúncia contra Temer, com base na delação premiada de Joesley Batista, dono do grupo JBS. Foi a primeira vez que um presidente da República foi alvo de um pedido de investigação no exercício do mandato.

Três dias depois, a presidente do STF, ministra Cármem Lúcia, enviou ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a denúncia com pedido de autorização para que a Corte Máxima do país possa investigar Temer. 

Com o impedimento da autorização, caberá ao presidente da Câmara dos Deputados comunicar ao STF o resultado da votação e a impossibilidade de abrir investigação contra o presidente.  

Votação
A primeira sessão começou pontualmente às 9h. A oposição apresentou cinco requerimentos pedindo o adiamento da votação, mas todos foram rejeitados.

Cinco deputados da oposição chegaram a protocolar no Supremo Tribunal Federal (STF) um mandado de segurança pedindo que a Corte garantisse, por meio de uma liminar com efeito imediato, a manifestação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, no plenário da Câmara. O pedido foi indeferido pela ministra Rosa Weber, do STF. 

Durante a sessão, o relator do parecer Abi-Ackel e o advogado de Temer, Antônio Maris, falaram e defenderam o arquivamento da denúncia. Depois, deputados contra e a favor do parecer se revezaram no microfone para apresentar seus posicionamentos.

Após cinco horas de debate, Rodrigo Maia encerrou a primeira sessão. Pelo regimento da Casa, a sessão deliberativa pode durar quatro horas, prorrogáveis por mais uma. Se não estiver em andamento nenhuma votação, a sessão deve ser encerrada e o presidente deve abrir outra.

Com isso, uma nova sessão foi aberta e começou a recontagem do quórum em plenário, com a oposição voltando a apresentar os requerimentos de adiamento da votação. 

A base governista reuniu quórum necessário e os debates foram retomados, com os partidos encaminhando a votação das bancadas, quando orientam os deputados como devem votar.

Após o encaminhamento, Maia iniciou a votação nominal: cada deputado era chamado ao microfone para proferir seu voto. 

A votação foi marcada por troca de ofensas entre governistas e oposicionistas e até momentos de tumulto.

Denúncia 
A denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República chegou à Câmara no dia 29 de junho.

Na denúncia, Temer é acusado de ter se aproveitado da condição de chefe do Poder Executivo e ter recebido, por intermédio de um ex-assessor, Rodrigo Rocha Loures, "vantagem indevida" de R$ 500 mil.

O valor teria sido ofertado pelo empresário Joesley Batista, dono do grupo JBS, investigado pela Operação Lava Jato. 

Segundo a Constituição Federal, um presidente da República só pode ser investigado no exercício do mandato se a Câmara autorizar o andamento do processo. 

Durante a tramitação na Câmara, a denúncia motivou diversas discussões em torno do rito de análise e tramitação da denúncia. 

A denúncia foi analisada inicialmente pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) e recebeu do primeiro relator, deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), voto favorável para a autorização da investigação. 

O parecer de Zveiter foi rejeitado pela maioria dos membros da comissão, que aprovaram um parecer substitutivo, elaborado por Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), recomendando o arquivamento do processo. 

Ao longo da tramitação na Câmara, o processo mobilizou a liderança da base governista em torno da busca de apoio ao presidente.

Partidos da oposição também adotaram diferentes estratégias nos últimos meses na tentativa de garantir a autorização para abertura da investigação.

Os oposicionistas criticaram a troca de membros na CCJ e a liberação das emendas parlamentares antes da votação na comissão e no plenário, enquanto os governistas argumentavam que a denúncia contra Temer precisava de provas concretas e que a investigação do presidente poderia causar mais instabilidade ao país.

MT Agora - Mídia News | UOL

Mais Noticias

Delação De Funaro

Advogado de Temer diz que ''jamais'' quis imputar prática de crime a Rodrigo Maia

Delação De Funaro

Presidente da Câmara chama advogado de Temer de ''incompetente''

Delação De Funaro

Ministro Moreira Franco diz que delação de Funaro foi ''encomenda remunerada'' de Janot a Joesley

Delação De Funaro

Defesa de Temer vê ''criminoso vazamento'' de vídeos da delação de Funaro

15/10/2017 -

Funaro diz que Cunha pediu R$ 1 milhão para ''comprar'' votos a fim de aprovar impeachment de Dilma

Doleiro disse que repassou dinheiro e que o então presidente da Câmara queria garantir que a petista fosse afastada do cargo. Cunha desafiou Funaro a provar conteúdo da delação.

15/10/2017 -

Acordo de delação de Funaro prevê pagamento de multa de R$ 45 milhões e 2 anos de prisão em regime fechado

Operador de políticos do PMDB, o doleiro terá 5 anos para pagar a multa. Além dos 2 anos na cadeia, ele também ficará detido em prisão domiciliar e prestará serviços à comunidade.

15/10/2017 -

Ao contrário do que diz Temer, vídeos de Lúcio Funaro não foram vazados e estão disponíveis no site da Câmara

Trechos dos depoimentos da delação premiada do doleiro começaram a ser divulgados na sexta. Ele acusa a existência de um suposto esquema de propina envolvendo o presidente.

15/10/2017 -

Funaro relata propina, pedido de Temer e empréstimo de helicóptero para campanha de Chalita em 2012

Doleiro afirmou ao MPF que presidente solicitou, por meio de Eduardo Cunha, doações para candidato do PMDB à prefeitura de São Paulo. Segundo ele, propina abasteceu a campanha.

15/10/2017 -

Funaro detalha divisão de propina em esquema que teria beneficiado Moreira e Cunha

Segundo doleiro, o atual ministro da Secretaria-Geral e o ex-presidente da Câmara recebiam dinheiro para facilitar liberação de recursos do FGTS. Os dois negam e acusam Funaro de mentir.

14/10/2017 -

Presidente da Casa de Leis de Sorriso realiza reunião com empresários do Bairro Verdes Campos

O objetivo da reunião foi ouvir dos empresários que possuem empreendimentos nesta localidade as necessidades que o bairro possui.

13/10/2017 -

Governo sanciona lei que prevê reajuste de até 15% em dois anos para agentes fazendários de MT

Agentes de arrecadação fazendária também irão contar com pagamento mensal de verba indenizatória. Lei foi publicada no Diário Oficial do Estado.

13/10/2017 -

Funaro diz que Yunes tinha ''certeza'' de que estava repassando dinheiro em envelope

Em vídeos divulgados pelo jornal ''Folha de S.Paulo'', doleiro fez acusações contra Michel Temer, Eduardo Cunha e peemedebistas. José Yunes nega e diz que vai processar Funaro.

13/10/2017 -

''Battisti quebrou a confiança do Brasil'', diz ministro da Justiça sobre decisão de extraditar italiano

Em entrevista à BBC Brasil, Torquato Jardim diz que ida de Cesare Battisti à Bolívia com mais de R$ 10 mil é ''fato novo'' que justifica extradição. Acusado nega que tivesse tentado fugir e diz que dinheiro não era todo dele.

13/10/2017 -

PT recua e Aécio fica com margem apertada para voltar

Senador tucano precisa de 41 votos para anular seu afastamento do cargo

11/10/2017 -

Defesa de Lula apresenta mais recibos de pagamento de aluguéis de imóvel investigado na Lava Jato

Ex-presidente é acusado de receber apartamento como propina da Odebrecht. Advogados disseram que possuem os recibos originais e pediram uma audiência com o juiz Sérgio Moro para entregá-los.

11/10/2017 -

Relator de denúncia contra Temer contesta críticas e se diz ''pronto para enfrentar quem quer que seja''

Bonifácio de Andrada responde críticas e disse que seu parecer, favorável a Temer, tem embasamento jurídico. Discussão e votação do texto devem ocorrer na semana que vem.

11/10/2017 -

Vereadores de Lucas aprovam nova estrutura administrativa e garantem mais direitos aos servidores

Entre as principais mudanças no regime de previdência, está o reconhecimento das uniões estáveis, das relações homoafetivas e a garantia da licença maternidade aos pais de filhos adotados, independente, da idade do adotado.

10/10/2017 -

Vereadores de Lucas aprovam a destinação de mais de R$ 1 milhão para obras de infraestrutura

Os recursos serão investidos na manutenção de pontes, estradas vicinais pavimentadas e na elaboração de projetos para o aeroporto.

10/10/2017 -

Vereadores de Lucas aprovam R$ 3.5 milhões para a construção de escola e reforma de quadra esportiva

A nova escola da rede estadual será construída no Loteamento Dalmaso e irá atender os moradores dos bairros, Bandeirantes, Parque das Emas, Téssele Junior e Dalmaso.

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora