Trabalho escravo: com portaria, governo fez mudança que tramita no Congresso há 14 anos

Governo alterou regras com instrumento que não exige consulta ao Legislativo. Críticos à norma afirmam que ruralistas queriam mudança, mas não conseguiam apoio para aprovação.

22/10/2017 - 18:06:50

   

Projetos que mudam conceito de trabalho escravo tramitam no Congresso Nacional (Foto: Marcelo Brandt/G1)

Há 14 anos, tramitam no Congresso Nacional propostas que alteram o conceito de trabalho escravo na legislação brasileira. A mudança, que enfrenta resistência para aprovação, foi efetivada pelo governo Michel Temer, na última semana, por meio de uma portaria – instrumento que não exige consulta ao Poder Legislativo.

A medida, publicada na segunda-feira (16), não muda a lei brasileira, mas altera os parâmetros que devem ser observados na fiscalização. Antes da mudança, eram usados conceitos da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e do Código Penal para determinar o que é trabalho escravo.

A lei brasileira define como condição análoga à de escravo:

- Submissão a trabalhos forçados;

- Jornada exaustiva;

- Condições degradantes de trabalho;

- Restrição da locomoção em razão de dívida.

Agora, a portaria estabelece quatro pontos específicos para definir trabalho escravo:

- Submissão a trabalho exigido sob ameaça de punição;

- Restrição de transporte para reter trabalhador no local de trabalho em razão de dívida;

- Uso de segurança armada para reter trabalhador em razão de dívida;

Retenção da documentação pessoal do trabalhador.

Entidades que representam auditores fiscais do trabalho, juízes e procuradores criticam a mudança feita pelo governo e avaliam que a nova regra é um retrocesso no combate ao trabalho escravo no país.

O atual conceito de trabalho escravo, previsto no Código Penal, foi instituído em 2003. No mesmo ano, foi apresentado um projeto pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) que visava promover alterações nas normas.

A proposta foi aprovada no Senado em 2005 e seguiu para a Câmara, onde ficou parada por dez anos, até ser aprovada pela Comissão de Agricultura. Desde 2015, não houve andamento na tramitação.

Outro texto, que traz mudança semelhante à colocada em prática pela portaria do governo, foi apresentado em 2015 pelo deputado Dilceu Sperafico (PP-PR). Na apresentação da proposta, ele trouxe a mesma justificativa dada agora pelo governo, de que a mudança traria segurança jurídica.

“A legislação brasileira não fornece critérios claros que ajudem a caracterizar criminalmente o trabalho análogo ao de escravo. (...) Justamente essa falta de definição dos conceitos causa temor e insegurança jurídica”, argumentou o deputado, quando o texto foi apresentado.

Outros dois projetos, de 2012 e 2013, também têm o objetivo de alterar o artigo do Código Penal que conceitua o trabalho escravo.

Ilegal

Na avaliação do procurador-chefe da assessoria jurídica do Ministério Público do Trabalho, Márcio Amazonas, a edição da portaria foi a estratégia encontrada pelo governo para conseguir mudar as regras, diante da resistência encontrada no Congresso.

“A alteração do conceito do trabalho escravo contemporâneo é um pleito de décadas da bancada ruralista do Congresso Nacional. Mas os projetos não caminham porque fazer uma alteração que traz um retrocesso tão grande é algo muito constrangedor do ponto de vista político”, disse.

Amazonas argumenta que a medida é ilegal por desrespeitar a hierarquia das normas brasileiras. Segundo ele, uma portaria não pode trazer regra que contradiga o que está definido em lei ou em convenções internacionais ratificadas pelo Brasil.

“Uma canetada do dia para a noite do ministro do Trabalho altera um conceito que é disciplinado pelo Código Penal e por convenções da OIT. Uma norma de hierarquia muito frágil está tendo o propósito de alterar conceitos previstos por normas muito sólidas”, afirmou.

Ideologia

Para o deputado Nilson Leitão (PSDB-MT), presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, que reúne mais de 200 deputados e senadores, os projetos que tratam desse tema não avançam por conta de um fator ideológico.

“Toda vez que se debate esse assunto, ele trava porque tem fator ideológico e interesses internacionais para dificultar o setor produtivo. Toda vez há uma reação, mas precisa ter esse enfrentamento. O ideal é que se pare de legislar por portaria. O Congresso tem que legislar por lei”, defendeu.

Entretanto, diante da hipótese de o presidente Michel Temer recuar após a repercussão negativa, Leitão disse esperar que isso não aconteça.

“Espero que ele não recue e que chame todo mundo para uma mesa redonda com o setor empregador, a frente parlamentar e todas as partes envolvidas para discutir com muita democracia, sem ideologia”, declarou.

O que mudou com a portaria

  • Antes: Fiscais usavam conceitos da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e do Código Penal para determinar o que é trabalho escravo. Entre os pontos previstos na lei brasileira estão submissão a trabalhos forçados, jornada exaustiva e condições degradantes, além de restrição da locomoção em razão de dívida.
  • Agora: Portaria estabelece quatro pontos específicos para definir trabalho escravo: submissão a trabalho exigido sob ameaça de punição; restrição de transporte para reter trabalhador no local de trabalho em razão de dívida; uso de segurança armada para reter trabalhador; retenção da documentação pessoal.
  • Antes: Para a comprovação da condição análoga à escravidão, o auditor fiscal deveria apenas elaborar um Relatório Circunstanciado de Ação Fiscal.
  • Agora: Há exigência de anexar um boletim de ocorrência policial ao processo que pode levar à inclusão do empregador na "lista suja".
  • Antes: A 'lista suja' era organizada e divulgada pela Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae).
  • Agora: Organização fica a cargo da Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) e divulgação será realizada por "determinação expressa" do ministro do Trabalho.

MT Agora - G1

Mais Noticias

Ex-Deputados

Câmara paga por mês R$ 127,8 mil de aposentadoria para deputados cassados

Projeto De Lei

Filhos de universitários poderão ter vagas garantidas nas creches de MT

Agenda Sustentável

Governo de MT apresenta estratégia PCI para investidores em Londres

Sessão Suspensa

Maioria dos deputados falta após feriado e ALMT tem sessão suspensa

14/11/2017 -

Lucas: CPI não detecta irregularidades em concessão de serviços em saúde

A CPI foi instaurada em 26 de outubro. O prazo previsto para conclusão dos trabalhos é de 90 dias.

14/11/2017 -

Lucas: Vereadores aprovam projeto e garantem auxílio-transporte para universitários

Serão destinados R$ 25 mil, pagos em cinco parcelas mensais, mediante a prestação de contas. O recurso irá beneficiar 110 universitários.

14/11/2017 -

Previdência: saiba itens que ainda podem ser aprovados pelos deputados e o que deve ficar de fora da reforma

Com objetivo de aprovar reforma ainda este ano, governo passou a trabalhar com hipótese de colocar texto enxuto em votação. Relator prevê que análise na Câmara acontecerá até 15 de dezembro.

14/11/2017 -

Temer sanciona sem vetos lei que permite Banco Central fechar acordo de leniência com instituições financeiras

Texto foi aprovado na Câmara e no Senado antes de ir para a sanção presidencial. Na leniência, empresa admite conduta ilícita e, em troca de benefícios, colabora com investigações.

13/11/2017 -

Orçamento de Lucas do Rio Verde está previsto em R$ 263 milhões para 2018

A Câmara de Vereadores reduziu o orçamento próprio e destinou quase R$ 1 milhão para custear projetos como o Castramóvel e a ampliação da Anjo Gabriel.

13/11/2017 -

Temer afirma que vai aprovar reforma da Previdência e diz que mudanças vão cortar ''privilégios''

Presidente deu declarações ao participar de evento no Planalto. Objetivo do governo é aprovar reforma ainda neste ano, mas falta consenso entre partidos sobre texto a ser votado.

13/11/2017 -

Em dezembro, ex-presidente Lula visita Cuiabá e Juína

A intenção é que o presidenciável passe ainda por algum município da região Oeste ou Araguaia.

13/11/2017 -

Planalto confirma exoneração de Bruno Araújo do Ministério das Cidades

Integrante da ala ''Cabeças pretas'' do PSDB, Araújo entregou carta de demissão a Temer nesta segunda. Nota do Planalto diz que reforma ministerial começará ''agora''.

13/11/2017 -

Ministro Bruno Araújo encaminha carta de demissão a Temer em meio a racha entre alas do PSDB

Decisão de Araújo ocorre em meio a racha entre alas do PSDB

13/11/2017 -

Novo chefe da Lava Jato promete ampliar combate à corrupção, ao tráfico de drogas e armas: ''sociedade pode ficar tranquila''

Ricas atualmente é secretário de Controle e Transparência do Espírito Santo e esteve reunido, em Vitória, com o diretor-geral da PF no país, Fernando Segóvia, e o governador Paulo Hartung (PMDB).

13/11/2017 -

Senado pode votar ainda em 2017 projeto para legalizar jogos de azar

Segundo governadores, jogos podem gerar R$ 18 bi ao ano em impostos. Projeto legaliza jogo do bicho, bingo, videobingo, apostas e cassinos.

13/11/2017 -

Cristovam Buarque anuncia licença do mandato de senador para avaliar candidatura à Presidência

Parlamentar do DF afirmou que, em dezembro, se licenciará do Senado por 120 dias. Com o afastamento de Cristovam, o suplente Wilmar Lacerda (PT-DF) assumirá a cadeira temporariamente.

13/11/2017 -

Sorriso: Em virtude dos feriados, Câmara irá transferir data das próximas sessões

Segundo o presidente da Câmara, vereador Fabio Gavasso (PSB), as alterações já estavam previstas no Calendário Anual de Sessões e não acarretam prejuízos ao bom andamento da Casa.

10/11/2017 -

Deputados articulam aprovação de projeto para derrubar decisão do STF sobre aplicação da Ficha Limpa

Supremo decidiu que lei também vale para condenados por abuso antes de 2010. Autor do projeto que visa limitar aplicação da lei, Nelson Marquezelli (PTB) diz que objetivo é dar ''segurança jurídica''.

08/11/2017 -

Vencedores de concurso de decoração de Natal ganharão isenção do IPTU 2018

O julgamento ficará sob a responsabilidade da Associação Comercial e Empresarial (Acilve) e Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL).

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora