Treze de Mato Grosso são citados em delações da Odebrecht

O último nome de Mato Grosso revelado foi o do ex-prefeito de Colniza Assis Raupp (PMDB). Ele aparece na lista da Odebrecht como um dos beneficiários de repasses de propina da empresa, de acordo com o Estadão.

18/04/2017 - 10:20:38

   

À medida que os depoimentos dos diretores e ex-diretores da Construtora Odebrecht, delatores da Operação Lava Jato, são tornados públicos, sobe o número de políticos e agentes públicos de Mato Grosso citados em casos de propina e “transações suspeitas”. Embora nem todos sejam investigados, atualmente, nada menos que 13 pessoas do Estado já apareceram nos documentos emitidos pela Procuradoria-Geral da República. Os procuradores descobriram até mesmo a origem dos mais de R$ 1,7 milhão usados por integrantes do Partido dos Trabalhadores que, em 2006, tentaram comprar um dossiê falso contra o então candidato ao governo de São Paulo, o senador José Serra (PSDB). O episódio ficou conhecido como o “Escândalo dos Aloprados”.

O último nome de Mato Grosso revelado foi o do ex-prefeito de Colniza (1.065 Km a noroeste de Cuiabá) Assis Raupp (PMDB). Ele aparece na lista da Odebrecht como um dos beneficiários de repasses de propina da empresa, de acordo com o Estadão. Assis teve seu mandato cassado pela Justiça eleitoral e supostamente era o “São Francisco” na lista de propina da empresa. As informações constam na delação premiada do executivo Henrique Serrano do Prado Valadares.

Assis é irmão do senador Valdir Raupp (PMDB/RO) que também teria recebido dinheiro da Odebrecht em forma de contribuição para campanha eleitoral, por conta de sua influência política em Rondônia, segundo o delator. Os valores que Assis e Valdir teriam recebido não foram informados por Valadares.

Ao Estadão, a defesa do senador Valdir Raupp, representada pelo advogado criminalista Daniel Gerber, informou que ele contesta mais uma vez “a falsidade das alegações que fazem contra si, se colocando à disposição do Poder Judiciário para os esclarecimentos cabíveis”.

Também nesta segunda-feira (17), reportagem publicada pelo jornal O Valor Econômico aponta que o ex-vereador Lúdio Cabral (PT) teria recebido R$ 1 milhão, por meio de caixa 2, da Odebrecht. Ele aprece em uma lista com o codinome “Ema”. O intermediário do negócio teria sido o prefeito de Araraquara (SP), Edinho Silva, que em 2014, ano em que Lúdio concorreu ao governo de Mato Grosso, era o coordenador financeiro da campanha da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). O nome de Lúdio aparece em um pedido de abertura de inquérito ao lado de Silva e do ex-deputado federal Mariton Benedito de Holanda, o Padre Tom (PT-RO). O caso teria sido citado pelo ex-executivo da construtora, Alexandrino Alencar.

O advogado do petista, José do Patrocínio explica que nos vídeos já divulgados, Alencar não faz nenhuma menção ao nome de Cabral. “Como não houve caixa 2 na campanha, não há nenhum tipo de reconhecimento”. Patrocínio destaca que vai aguardar se a Justiça aceitará o pedido de abertura de inquérito para tomar conhecimento do inteiro teor da investigação e se manifestar. “Só o nome dele em uma planilha não quer dizer absolutamente nada. Sobretudo porque não houve nenhum tipo de caixa 2 na campanha”.

O ex-deputado federal por Mato Grosso Pedro Henry (PP) foi citado na Operação Lava Jato acusado de pedir R$ 2 milhões em propina à Odebrecht para, em troca, atuar em favor da aprovação de emenda à Medida Provisória nº 183 de 2004, que reduzia a zero a alíquota de impostos na importação e comercialização de fertilizantes e defensivos agrícolas.

Por conta disso, ele é alvo de uma das 201 petições de abertura de inquérito enviadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para que se apure o caso. Os impostos que seriam desonerados eram Contribuição para os Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/PASEP) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). A informação partiu da delação premiada do executivo José de Carvalho Filho.

Procurado, o advogado Luiz Alberto Derze, que atua na defesa de Pedro Henry, disse que ainda não houve notificação formal do fato e que somente depois de ser intimado é que o ex-parlamentar se manifestará nos autos do processo.

A deputada estadual Janaina Riva (PMDB), o irmão dela José Geraldo Riva Júnior e o empresário Valdir Agostinho Piran foram citados em um inquérito da Operação Lava Jato, datado de junho do ano passado, em que o procurador-geral da República Rodrigo Janot pede a prisão preventiva do doleiro Lúcio Bolonha Funaro por conta de seu envolvimento com o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB). Atualmente, ambos estão presos.

No documento, o Ministério Público Federal (MPF) aponta crimes de lavagem de dinheiro que Funaro realizava por meio de empresas de fachada das quais era dono, entre elas a Viscaya Holding Participações, Intermediações, Cobranças e Serviços. Essa empresa teria pago um débito no valor de R$ 300 mil para a empresa Floresta Viva Exportação de Madeira Terraplanagem, empresa da deputada e seu irmão. Tal valor teve como origem o empresário Valdir Piran.

Procurada, a deputada explicou que não tem conhecimento das transações da empresa Floresta Viva, uma vez que é o pai dela, o ex-deputado José Riva, quem a administra, por meio de procuração. A deputada reforça ainda que não é investigada na Ararath ou qualquer outra operação em andamento. Por sua vez, José Riva, através de seu advogado Rodrigo Mudrovitsch, confirma a declaração da filha e reforça que já prestou esclarecimentos ao MPF.

A reportagem também conversou com o filho de Valdir Piran, Valdir Agostinho Piran Júnior, que explicou que Piran já prestou explicações ao Ministério Público Federal, comprovando a licitude do negócio por meio de comprovantes de transferência bancária do valor da compra e de transferência da documentação do automóvel, que até já foi vendido novamente, no ano passado.

O esquema de lavagem de dinheiro criado entre a Odebrecht e a cervejaria Itaipava não bancou apenas o caixa 2 de campanhas eleitorais, mas também a compra, em 2006, de um dossiê contra o então candidato ao governo de São Paulo, José Serra (PSDB), episódio que ficaria famoso como o escândalo dos “aloprados do PT”.

O capítulo das falcatruas com dinheiro ilícito é narrado em detalhes pelo delator Luiz Eduardo Soares, ex-executivo da Odebrecht que atuava no departamento de propina da empreiteira. No dia 15 de setembro de 2006, a apenas duas semanas do primeiro turno das eleições para presidência, integrantes do PT foram presos pela Polícia Federal em um hotel de São Paulo ao tentar comprar um dossiê contra o então candidato tucano ao governo de São Paulo, que concorria com Aloizio Mercadante. O então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tentando diminuir a importância do episódio, afirmou que aquilo era obra de “um bando de aloprados”.

Foram presos em flagrante Valdebran Padilha e Gedimar Passos. Valdebran era empresário e havia sido tesoureiro do PT em Mato Grosso em 2004. Gedimar havia sido agente da PF e se apresentava como advogado do PT.

Outro episódio revelado está no depoimento do ex-executivo da constutora, João Antônio Pacífico Ferreira (foto), em que ele confirma propinas pagas a agentes públicos de Mato Grosso na ocasião do então governo do atual ministro Blairo Maggi (PP) na ordem de R$ 900 mil entre 2006 e 2007.

Os agentes públicos beneficiados, conforme o empresário da Odebrecht, foram o ex-secretário de Fazenda, Edmilson José dos Santos, à época secretário adjunto do Tesouro Estadual, cujo condinome era “cofrinho”, o ex-procurador-geral do Estado, João Virgílio Nascimento Sobrinho, “Careca”, e o procurador aposentado Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, o “Chico Lima”, chamado pelo esquema de “Manhoso”.

Os três teriam recebido cada um deles R$ 330 mil, além de um agente público do Mato Grosso do Sul, José Miguel Milé, cujo codinome era “Palha”, que teria ficado com R$ 83,5 mil em 2006.

MT Agora - A Gazeta

Mais Noticias

Terreno para Novo Fórum

Doação de terreno para a construção do novo Fórum será votada amanhã (20)

Setembro Amarelo

Vereadores aprovam projeto que institui a Campanha Municipal de Prevenção ao Suicídio

Busca e Apreensão

Assembleia Legislativa é alvo de busca e apreensão em grande operação da Polícia Federal

Buscas

Polícia Federal faz buscas na casa do deputado Zé Domingos em Sorriso

14/09/2017 -

PF cumpre mandado de busca no apartamento de Blairo Maggi em Brasília

Diligência foi cumprida a pedido da Procuradoria Geral da República. Ex-governador de MT afirmou, em delação premiada, que ministro da Agricultura participou de esquema de corrupção no estado.

13/09/2017 -

''Eu vi Palocci mentir aqui'', diz Lula a Moro

Ex-presidente foi ouvido por 2h10 nesta quarta (13) em ação que investiga se ele recebeu propina da Odebrecht. Lula disse que Palocci é ''calculista e frio'' e que só citou o nome dele para conseguir redução de pena.

13/09/2017 -

Lula é ''dissimulado'' e mudou de opinião após Palocci ter resolvido ''falar a verdade'', diz advogado de ex-ministro

Ex-presidente disse que Palocci mentiu à Justiça.

13/09/2017 -

Funaro: Temer e Cunha ''confabulavam diariamente'' para ''tramar'' impeachment de Dilma Rousseff

Informação consta do acordo de delação premiada do homem apontado como operador financeiro de propinas do PMDB. G1 procurou assessoria de Temer e defesa de Cunha; saiba respostas.

13/09/2017 -

Lula depõe a Sérgio Moro em processo da Lava Jato no Paraná

Ex-presidente é réu em ação penal que o acusa de receber propina da Odebrecht; esta é a segunda vez que ele é ouvido por Sérgio Moro.

13/09/2017 -

PF prende Wesley Batista, irmão de Joesley e sócio da JBS

Ele foi preso na investigação do uso de informações privilegiadas para lucrar no mercado financeiro.

12/09/2017 -

Ministro manda investigar Temer por corrupção e lavagem

Procedimento vai apurar suspeitas de que presidente teria atuado para beneficiar empresa

12/09/2017 -

Joesley Batista diz que tentou barrar Lava Jato com políticos

Ele disse que conversou mais com Ciro Nogueira, Eduardo Cunha e Michel Temer, nos últimos 3 anos

12/09/2017 -

''Facínoras roubam do país a verdade'', diz Planalto sobre acusações contra Temer

Secretaria de Comunicação Social da Presidência divulgou nota nesta terça (12), um dia depois de a PF apontar que Michel Temer tinha voz de comando em organização criminosa do PMDB da Câmara.

12/09/2017 -

Governadores querem resolver com União pendências da Lei Kandir

Os governadores alegam que deixam que receber o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos produtos primários e commodities, mas, em contrapartida, não ocorre a compensação prevista em lei pela União.

12/09/2017 -

Câmara de Vereadores de Lucas aprova três projetos e uma Moção de Aplausos

Entre os projetos, está o que torna de ''utilidade pública'' em âmbito municipal, a Associação de Moradores do Bairro Bandeirantes.

12/09/2017 -

Senado faz consulta pública sobre revogação do Estatuto do Desarmamento

O texto prevê a realização de campanha pela Justiça Eleitoral no rádio, na televisão e na internet para esclarecer a população sobre o plebiscito

11/09/2017 -

Joesley diz em depoimento que tem gravações ainda não entregues à PGR

Dono da J&F prestou depoimento na semana passada; delação está em revisão e benefícios foram temporariamente suspensos. Segundo Joesley, frase ''não vamos ser presos'' era ''mantra''.

11/09/2017 -

Joesley diz que mantinha contrato fictício para manter boa relação com Cardozo

Contrato, segundo o empresário, era intermediado por advogado Marco Aurélio Carvalho; tanto o ex-ministro quanto o advogado negam

11/09/2017 -

Aumento da população garante a Lucas melhor participação no FPM

As alterações aconteceram porque os municípios apresentaram alterações populacionais que afetaram o cálculo que fixa a fatia do repasse para cada uma das 5.570 cidades do país.

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora