Treze de Mato Grosso são citados em delações da Odebrecht

O último nome de Mato Grosso revelado foi o do ex-prefeito de Colniza Assis Raupp (PMDB). Ele aparece na lista da Odebrecht como um dos beneficiários de repasses de propina da empresa, de acordo com o Estadão.

18/04/2017 - 10:20:38

   

À medida que os depoimentos dos diretores e ex-diretores da Construtora Odebrecht, delatores da Operação Lava Jato, são tornados públicos, sobe o número de políticos e agentes públicos de Mato Grosso citados em casos de propina e “transações suspeitas”. Embora nem todos sejam investigados, atualmente, nada menos que 13 pessoas do Estado já apareceram nos documentos emitidos pela Procuradoria-Geral da República. Os procuradores descobriram até mesmo a origem dos mais de R$ 1,7 milhão usados por integrantes do Partido dos Trabalhadores que, em 2006, tentaram comprar um dossiê falso contra o então candidato ao governo de São Paulo, o senador José Serra (PSDB). O episódio ficou conhecido como o “Escândalo dos Aloprados”.

O último nome de Mato Grosso revelado foi o do ex-prefeito de Colniza (1.065 Km a noroeste de Cuiabá) Assis Raupp (PMDB). Ele aparece na lista da Odebrecht como um dos beneficiários de repasses de propina da empresa, de acordo com o Estadão. Assis teve seu mandato cassado pela Justiça eleitoral e supostamente era o “São Francisco” na lista de propina da empresa. As informações constam na delação premiada do executivo Henrique Serrano do Prado Valadares.

Assis é irmão do senador Valdir Raupp (PMDB/RO) que também teria recebido dinheiro da Odebrecht em forma de contribuição para campanha eleitoral, por conta de sua influência política em Rondônia, segundo o delator. Os valores que Assis e Valdir teriam recebido não foram informados por Valadares.

Ao Estadão, a defesa do senador Valdir Raupp, representada pelo advogado criminalista Daniel Gerber, informou que ele contesta mais uma vez “a falsidade das alegações que fazem contra si, se colocando à disposição do Poder Judiciário para os esclarecimentos cabíveis”.

Também nesta segunda-feira (17), reportagem publicada pelo jornal O Valor Econômico aponta que o ex-vereador Lúdio Cabral (PT) teria recebido R$ 1 milhão, por meio de caixa 2, da Odebrecht. Ele aprece em uma lista com o codinome “Ema”. O intermediário do negócio teria sido o prefeito de Araraquara (SP), Edinho Silva, que em 2014, ano em que Lúdio concorreu ao governo de Mato Grosso, era o coordenador financeiro da campanha da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). O nome de Lúdio aparece em um pedido de abertura de inquérito ao lado de Silva e do ex-deputado federal Mariton Benedito de Holanda, o Padre Tom (PT-RO). O caso teria sido citado pelo ex-executivo da construtora, Alexandrino Alencar.

O advogado do petista, José do Patrocínio explica que nos vídeos já divulgados, Alencar não faz nenhuma menção ao nome de Cabral. “Como não houve caixa 2 na campanha, não há nenhum tipo de reconhecimento”. Patrocínio destaca que vai aguardar se a Justiça aceitará o pedido de abertura de inquérito para tomar conhecimento do inteiro teor da investigação e se manifestar. “Só o nome dele em uma planilha não quer dizer absolutamente nada. Sobretudo porque não houve nenhum tipo de caixa 2 na campanha”.

O ex-deputado federal por Mato Grosso Pedro Henry (PP) foi citado na Operação Lava Jato acusado de pedir R$ 2 milhões em propina à Odebrecht para, em troca, atuar em favor da aprovação de emenda à Medida Provisória nº 183 de 2004, que reduzia a zero a alíquota de impostos na importação e comercialização de fertilizantes e defensivos agrícolas.

Por conta disso, ele é alvo de uma das 201 petições de abertura de inquérito enviadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para que se apure o caso. Os impostos que seriam desonerados eram Contribuição para os Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/PASEP) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). A informação partiu da delação premiada do executivo José de Carvalho Filho.

Procurado, o advogado Luiz Alberto Derze, que atua na defesa de Pedro Henry, disse que ainda não houve notificação formal do fato e que somente depois de ser intimado é que o ex-parlamentar se manifestará nos autos do processo.

A deputada estadual Janaina Riva (PMDB), o irmão dela José Geraldo Riva Júnior e o empresário Valdir Agostinho Piran foram citados em um inquérito da Operação Lava Jato, datado de junho do ano passado, em que o procurador-geral da República Rodrigo Janot pede a prisão preventiva do doleiro Lúcio Bolonha Funaro por conta de seu envolvimento com o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB). Atualmente, ambos estão presos.

No documento, o Ministério Público Federal (MPF) aponta crimes de lavagem de dinheiro que Funaro realizava por meio de empresas de fachada das quais era dono, entre elas a Viscaya Holding Participações, Intermediações, Cobranças e Serviços. Essa empresa teria pago um débito no valor de R$ 300 mil para a empresa Floresta Viva Exportação de Madeira Terraplanagem, empresa da deputada e seu irmão. Tal valor teve como origem o empresário Valdir Piran.

Procurada, a deputada explicou que não tem conhecimento das transações da empresa Floresta Viva, uma vez que é o pai dela, o ex-deputado José Riva, quem a administra, por meio de procuração. A deputada reforça ainda que não é investigada na Ararath ou qualquer outra operação em andamento. Por sua vez, José Riva, através de seu advogado Rodrigo Mudrovitsch, confirma a declaração da filha e reforça que já prestou esclarecimentos ao MPF.

A reportagem também conversou com o filho de Valdir Piran, Valdir Agostinho Piran Júnior, que explicou que Piran já prestou explicações ao Ministério Público Federal, comprovando a licitude do negócio por meio de comprovantes de transferência bancária do valor da compra e de transferência da documentação do automóvel, que até já foi vendido novamente, no ano passado.

O esquema de lavagem de dinheiro criado entre a Odebrecht e a cervejaria Itaipava não bancou apenas o caixa 2 de campanhas eleitorais, mas também a compra, em 2006, de um dossiê contra o então candidato ao governo de São Paulo, José Serra (PSDB), episódio que ficaria famoso como o escândalo dos “aloprados do PT”.

O capítulo das falcatruas com dinheiro ilícito é narrado em detalhes pelo delator Luiz Eduardo Soares, ex-executivo da Odebrecht que atuava no departamento de propina da empreiteira. No dia 15 de setembro de 2006, a apenas duas semanas do primeiro turno das eleições para presidência, integrantes do PT foram presos pela Polícia Federal em um hotel de São Paulo ao tentar comprar um dossiê contra o então candidato tucano ao governo de São Paulo, que concorria com Aloizio Mercadante. O então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tentando diminuir a importância do episódio, afirmou que aquilo era obra de “um bando de aloprados”.

Foram presos em flagrante Valdebran Padilha e Gedimar Passos. Valdebran era empresário e havia sido tesoureiro do PT em Mato Grosso em 2004. Gedimar havia sido agente da PF e se apresentava como advogado do PT.

Outro episódio revelado está no depoimento do ex-executivo da constutora, João Antônio Pacífico Ferreira (foto), em que ele confirma propinas pagas a agentes públicos de Mato Grosso na ocasião do então governo do atual ministro Blairo Maggi (PP) na ordem de R$ 900 mil entre 2006 e 2007.

Os agentes públicos beneficiados, conforme o empresário da Odebrecht, foram o ex-secretário de Fazenda, Edmilson José dos Santos, à época secretário adjunto do Tesouro Estadual, cujo condinome era “cofrinho”, o ex-procurador-geral do Estado, João Virgílio Nascimento Sobrinho, “Careca”, e o procurador aposentado Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, o “Chico Lima”, chamado pelo esquema de “Manhoso”.

Os três teriam recebido cada um deles R$ 330 mil, além de um agente público do Mato Grosso do Sul, José Miguel Milé, cujo codinome era “Palha”, que teria ficado com R$ 83,5 mil em 2006.

MT Agora - A Gazeta

Mais Noticias

Melhorias

Vereadores aprovam destinação de recurso para melhorias na Central de Processamento de Resíduos da Construção Civil

Novo Formato

Vereadores aprovam novo formato de Avaliação de Desempenho Individual dos servidores

Agricultura Familiar

Vereadores aprovam projeto e agricultura familiar será beneficiada com 10 pasteurizadores

Troca de Farpas

Última sessão do semestre, termina com troca de ‘farpas’ entre vereadores

12/07/2017 -

Reforma trabalhista é aprovada no Senado; confira o que muda na lei

As alterações mexem em pontos como férias, jornada de trabalho, remuneração e plano de carreira; texto ainda depende da sanção do presidente da República.

10/07/2017 -

Vereador Callai recebe resposta do Executivo em relação as indicações

A devolutiva da prefeitura só foi possível graças ao Projeto de Lei n. 02/17, de autoria do vereador Dr. Jaime, que determina que o Executivo responda as indicações

05/07/2017 -

Vereadores aprovam dois projetos e apresentam seis indicações ao Executivo

Além da sessão ordinária, foi realizada uma extraordinária para a votação do projeto n. 46, que abre crédito suplementar no valor de R$ 1.2 milhão em favor do Saae

10/07/2017 -

Defesa nega que José Riva tenha feito delação e incriminado Blairo Maggi

Riva não fechou acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR)

10/07/2017 -

Blairo Maggi usou precatórios para comprar apoio em MT, diz delator

Os pagamentos de precatórios foram realizados entre março de 2009 e dezembro de 2012.

04/07/2017 -

Vereadores aprovam alteração no orçamento e município irá retomar obras de esgoto

O remanejamento no orçamento foi necessário para garantir os recursos para que a Secretaria de Obras e o Saae iniciem o trabalho

30/06/2017 -

Vereador Mano propõe fazer do Regional de Sorriso modelo de gestão para o Estado

A proposta é transferir a gestão do hospital para os 15 prefeitos que compõem o Consórcio Público de Saúde Vale do Teles Pires

30/06/2017 -

Prefeitura apresenta projeto de Avaliação de Desempenho Individual aos vereadores

O projeto da ADI dos servidores municipais foi readequado para melhorar a forma de avaliação

26/06/2017 -

Rede de esgoto do Menino Deus será debatida em audiência pública amanhã (27)

O encontro é promovido pela vereadora professora Cristiani Dias e tem como objetivo debater o problema com a comunidade

26/06/2017 -

Grupo Mais Vida promove palestra sobre “Adolescência” amanhã (27)

A palestra tem como objetivo orientar os pais e profissionais que trabalham com adolescentes. O encontro será realizado na Câmara de Vereadores

26/06/2017 -

Taques evita avaliar embate no PSB com retorno de Valtenir e elogia lideranças aliadas

“Não vou colocar minha colher de pau nesse angu. Quem trata do PSB é o PSB”

23/06/2017 -

PDT que retorno de ex-prefeito de Lucas

Desde a derrota, sua permanência na vida pública é considerada incerta. “Se o Pivetta planeja concorrer a cargos eletivos futuros o PDT está de portas abertas”

21/06/2017 -

Vereadores aprovam alteração na lei e criam a Semana de Combate ao Bullyng

A alteração na lei é de autoria dos vereadores Airton Callai e dr. Wagner. A campanha será realizada no mês de abril, junto ao Dia Nacional de Combate ao Bullying e a Violência na Escola

20/06/2017 -

Justiça Eleitoral cassa mandato da prefeita Lucimar Campos

A decisão é do juiz Carlos José Rondon Luz; prefeita só deixa o cargo caso TRE mantenha a decisão

15/06/2017 -

Vereadores aprovam destinação de área para criação de Centro de Triagem de Animais Silvestres

O centro será implantado pela ong Amibem. Serão destinados aproximadamente dez mil metros quadrados de área para o trabalho de acolhimento e tratamento de animais abandonados e machucados

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora