CPI dos Crimes Cibernéticos muda texto para vetar bloqueio a WhatsApp

Deputados aprovam relatório com projetos de combate a crimes na internet. Parlamentares sugerem 6 propostas, que têm de tramitar para virar lei.

07/05/2016 - 05:17:17

   

CPI de Crimes Cibernéticos quer prisão de quem invadir redes sociais. (Foto: Thinkstock)

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Crimes Cibernéticos aprovou por 17 votos a 6 nesta quarta-feira (4) o relatório final que propõe projetos de leis como o de bloquear o acesso de brasileiros a serviços na internet que veiculem conteúdo ilegal ou o de remover materiais idênticos aos que já tiveram a exclusão já decidida pela Justiça.

Devido à repercussão negativa, os deputados alteraram o texto final para excluir a possibilidade da suspensão de aplicativos de mensagens, como o WhatsApp, que teve acesso barrado por mais de 24 horas entre segunda (2) e terça-feira (3).

Esses são dois dos seis projetos de lei sugeridos pelo relatório da CPI (Veja todos abaixo). Para virarem lei, as propostas têm ainda de ser protocoladas e passar pelo trâmite dentro da Câmara.

"É uma deslealdade veicular que estamos aprovando uma lei que vai bloquear o WhatsApp", afirmou Sandro Alex (PSD-PR), um dos sub-relatores da CPI. “Não estamos falando do WhatsApp, ao contrário, estamos garantindo que esse tipo de aplicativo seja de uso e não possa ser bloqueado novamente.”

Contrário às proposições, Alessandro Molon (Rede-RJ) afirmou que as medidas tentam “censurar” a internet. "A gente tem que usar a internet a nosso favor e não imaginar que podemos controlá-la.”

"A remoção de conteúdo, embora equivocada, no meu entendimento, é menos grave. Menos grave porque ao remover o conteúdo significa de alguma maneira tirar daquele lugar alguma coisa. O bloqueio é pior porque significa você analisar a navegação de todo mundo e dizer que a navegação para aquele lugar não pode chegar. Do ponto de vista técnico, é mais perigosa ainda."

 

Veja abaixo as sugestões dos deputados:

 

Fora do ar

Um dos projetos de lei estabelece a possibilidade de bloquear por meio de ordens judiciais aplicativos e sites que veiculem material ilegal. Isso permitia que provedores de internet fossem obrigados pela Justiça a barrar o acesso a aplicações da internet consideradas ilegais.

A crítica é que a lei tornaria comum a prática judicial que, tida como exceção, foi usada, por exemplo, para determinar o bloqueio do. Devido à repercussão negativa, os deputados recuaram e amenizaram o texto da proposta. Após a divulgação da primeira versão do relatório, incluíram um trecho que limitava os bloqueios a serviços conectados que sejam hospedados no exterior ou não tenham representação oficial no Brasil. Nesta última versão, excluíram a possibilidade de os aplicativos de mensagem serem barrados.

Os deputados assumem que a medida será uma violação ao princípio da neutralidade de rede, estabelecido pelo Marco Civil da Internet. Ele prega a transmissão de qualquer conteúdo enviado pela internet com igual velocidade e condições técnicas. A ideia é tirar do radar dos brasileiros na internet serviços que, por exemplo, ofereçam conteúdos que violem os direitos autorais ou pornografia infantil.

Tira isso daí já

Outra ideia é modificar o Marco Civil da Internet para obrigar qualquer serviços de internet a retirar em até 48 horas, sem uma nova decisão judicial, imagens, vídeos e quaisquer conteúdos iguais ou semelhantes àqueles que já tiveram a exclusão determinada pela Justiça.

“A amplificação do dano advém da característica das redes sociais que permitem a replicação e a continuidade das postagens de forma impessoal e com pouco ou nenhum esforço”, justificam os deputados. “Deve-se considerar a impossibilidade prática do direito ao esquecimento. Bastam alguns cliques para que postagens sejam revividas e o pesadelo das vítimas seja reiniciado”, concluem.

Invasão de perfis em redes sociais

A proposta altera a legislação de crimes eletrônicos, que ficou conhecida como “Lei Carolina Dieckmann” (Lei nº 12.737, de 2012), que pune a invasão de computadores com a intenção de obter dados particulares. A proposta é ampliar e transformar em crime o acesso não permitido a qualquer sistema informatizado ou aparelho eletrônico que cause prejuízo econômico, alteração de dados, instalação de vulnerabilidades, obtenção de conteúdo ou o controle remoto da plataforma ou aparelho em questão.

Seriam incluídas invasões a smartphones e redes sociais. Essa conduta poderia dar até dois anos de cadeia. A pena aumentaria para até quatro anos se cometida contra presidentes da República, do STF, da Câmara, do Senado, das Assembleias Legislativas estaduais e distrital, Câmaras municipais e administradores públicos. Caso o acesso ocorra graças à violação de um mecanismo de segurança do sistema, o período de reclusão aumenta de dois a três terços da pena. O argumento dos deputados é que, quando aprovada, a lei Carolina Dieckman não especificou atitudes que poderiam incorrer em crime.

Verba turbinada

Para subsidiar as atividades da polícia judiciária, os deputados sugerem a criação de uma lei para destinar os recursos de um fundo bilionário voltado atualmente à fiscalização das telecomunicações. A ideia é usar até 10% do Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (Fistel). O dinheiro do fundo advém das taxas de fiscalização cobradas pela Anatel, de parte dos valores pagos por empresas que querem operar no Brasil e de multas aplicadas pela agência. Não é pouca coisa: entre 2001 e 2015, o Fistel arrecadou R$ 63,5 bilhões. Os deputados argumentam que os recursos ajudariam as polícias judiciais a se estruturarem para combater o crime cibernético.

Alvo da PF

Outro dos projetos de lei é a inclusão dos crimes praticados por meio de um computador ou contra um desses aparelhos sobre a esfera de atuação da Polícia Federal. Combinada à alteração proposta pelos deputados à Lei Carolina Dieckman, isso faria com que um adolescente com acesso não permitido à conta de Facebook de um colega pudesse ser alvo da PF. Para deputados, a alteração deve ser feita por não haver norma que defina de qual polícia é a competência para investigar suspeitas de crimes cibernéticos.

Cadê meu celular?

A penalização não só com prisão mas multa de pessoas enquadradas em crimes cibernéticas é outra sugestão de lei. O Estado poderia confiscar valores e bens de criminosos para promover a “asfixia econômica de certos crimes”. “Além de ser uma pena eficaz contra a prática de delitos, impede que o mesmo instrumento seja novamente utilizado para práticas ilícitas”, dizem os deputados.

MT Agora - G1

Mais Noticias

Segurança Digital

É só digitar o nome: site expõe endereço, telefone e e-mail de brasileiros

Rompendo Contrato

Segundo Procon, assinantes de TV por assinatura têm direito de romper contrato

Dicas

Está procrastinando? Apps te ajudam a fugir das tentações da internet

Mal-estar

Quanto mais tempo no smartphone, mais chances de divórcio

31/01/2017 -

WhatsApp deve permitir apagar mensagens já enviadas que não foram lidas

Trata-se de uma funcionalidade que vai permitir aos usuários apagarem mensagens enviadas via WhatsApp e que ainda não foram lidas pelos destinatários.

13/01/2017 -

Publicidade estraga o celular e consome mais bateria? Veja o que é verdade

A verdadeira propaganda não causaria dano ao seu aparelho.

05/01/2017 -

Loja de apps da Apple gerou US$ 20 bilhões para desenvolvedores em 2016

Receita é 40% ao que App Store enviou a criadores em 2015.

05/01/2017 -

Ford, Toyota e outras montadoras se unem por sistema multimídia

Consórcio quer desenvolver código aberto para carros. Ideia é rivalizar com as principais empresas da área: Apple e Google.

27/12/2016 -

Designer de Sinop participa do desenvolvimento da primeira prótese facial humana com o auxílio de impressão 3D

O molde foi criado através de fotografias registradas por smartphone e convertidas em 3D a partir de fotogrametria online.

20/12/2016 -

Hackers aceitam desafio e propõem ideias inovadoras em 54 horas

Desenvolvedores são desafiados a propor soluções inovadoras para três importantes áreas da sociedade: saúde, educação e segurança pública; O grupo que apresentar a melhor proposta será premiado na noite deste domingo

03/12/2016 -

Crise reduz número de assinantes de TV paga

O número de assinantes começou a cair já no início do ano passado. Em 2015, o setor perdeu 3,1% de sua base de clientes.

16/11/2016 -

Aplicativo para pedir comida e entregar na porta de sua casa

O cliente escolhe o prato, a quantidade de alimento, a hora da entrega (pode-se pedir com antecedência), os acompanhamentos, tendo todas as informações sobre os pratos – com preços bem visíveis e acessíveis – e o pagamento pode ser em cartão ou dinheiro.

25/10/2016 -

WhatsApp ganha chamadas em vídeo no Android

Versão beta do serviço de bate-papo traz nova função. Com nova função, app passa a competir com Messenger, Skype e Duo.

17/10/2016 -

Jovem registra BO após ter Facebook invadido e ser apontada como garota de programa em Lucas

O caso foi registrado na Polícia Militar de Lucas do Rio Verde, deve ser investigado.

06/10/2016 -

Como um menino de 12 anos acumulou uma dívida de 100 mil euros com o Google

Ele criou seu canal e começou a subir alguns vídeos. Para tentar faturar um dinheirinho, quis ativar o serviço AdSense, que paga por publicidade exibida nos uploads.

26/09/2016 -

Falsa promoção do Carrefour no WhatsApp infecta mais de 8 mi de brasileiros

Caso você tenha caído no golpe, é recomendado desinstalar o app malicioso, baixar um antivírus e fazer uma varredura no aparelho.

26/09/2016 -

WhatsApp libera citação de amigos em grupos; função ativa notificação

A pessoa receberá uma notificação no celular indicando que recebeu uma nova mensagem no grupo, mesmo que ele esteja silenciado.

26/09/2016 -

Aparelho promete criar bolha de privacidade e reduzir ruídos do ambiente

O Muzo se conecta nos smartphones através de Bluetooth 4.0 e possui bateria recarregável através de cabo microUSB com duração estimada de até 20h de uso

17/08/2016 -

Ford prevê carros sem volante e pedais nas ruas em 2021

Ford e Baidu fazem investimento de US$ 150 milhões na Velodyne. Empresa vai acelerar o desenvolvimento de sensores a laser.

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora