Proteção De Dados

Gigantes da tecnologia tentam dar mais privacidade a usuários, mas esbarram no próprio modelo de negócio

Pressionados, Google e Facebook fazem promessas sobre o tema, mas dados de usuários ainda são 'moeda' importante no setor, dizem analistas.

Fonte: Thiago Lavado | G1
04 de Julho de 2019 as 21h 23min

Mark Zuckerberg no evento anual do Facebook na Califórnia — Foto: Stephen Lam/Reuters

As empresas de tecnologia costumavam ser recebidas com entusiasmo quando apresentavam um novo produto ou serviço. Mas já não é mais assim. Um exemplo foi o anúncio da Libra, a criptomoeda do Facebook, que deixou reguladores econômicos, governos e mesmo os consumidores ressabiados, questionando a entrega de detalhes financeiros para a rede social. 

Pressionadas nos últimos tempos, as gigantes Google e Facebookanunciaram medidas recentes em favor de mais privacidade, mas ainda esbarram no próprio modelo de negócios, em que os dados dos usuários são uma "moeda" importante para traçar perfis e vender publicidade direcionada, dizem analistas ouvidos pelo G1. 

"Continuo curioso para ver até onde esses anúncios recentes [sobre privacidade] vão ser levados a sério e se vão eventualmente afetar essas empresas financeiramente, ou e se elas estão realmente buscando uma transformação em seu modelo de negócios", diz André Gualda, analista do laboratório de tendências da Ericsson. 

Ele explica que a maioria dos serviços, tanto do Google quanto do Facebook, depende de anúncios e algoritmos que se alimentam de informações pessoais de seus usuários. 

Na prática, segundo ele, existe uma troca: quanto maior a privacidade, menor o valor dos anúncios e a efetividade dos algoritmos. 

As promessas das empresas 

As gigantes da tecnologia, incluindo a Apple, que usa a privacidade como marketing, trataram do assunto em seus "megaeventos" voltados a desenvolvedores, onde o tema privacidade não costuma ser destaque. 

Todos os "chefões" tiveram algo a dizer sobre o assunto nas conferências — o G1 esteve nas três. 

No Facebook, alvo de escândalos no último ano, o tema foi vendido pelo presidente Mark Zuckerberg como uma nova etapa na vida da empresa. 

Zuckerberg chegou a afirmar que “o futuro é privado” — uma visão que vai de encontro às atitudes anteriores da rede social. E disse que a rede social vai focar agora nos grupos e em conversas entre usuários. 

Não foi anunciada, no entanto, nenhuma medida que aumente o controle do que é compartilhado pelos perfis com a empresa. 

O Google apresentou ferramentas para facilitar as configurações de privacidade nas contas da plataforma. E prometeu para o Android, que roda em 2,5 bilhões de smartphones em todo o mundo, uma loja de aplicativos mais segura e atualizações mais fáceis de serem feitas. 

Enquanto o presidente da empresa, Sundar Pichai, anunciava as novidades, um avião sobrevoava o auditório ao ar livre onde a conferência ocorreu, nos arredores de São Francisco, carregando a frase: “Controle do Google não é privacidade”. 

Em artigo no "The New York Times" publicado no mesmo dia, Pichai escreveu que usuários definem o que é privacidade de maneira muito própria. “Isso significa que privacidade não pode ser um bem de luxo, oferecido apenas a quem pode pagar por produtos e serviços premium", completou. Era um recado claro à Apple. 

Na conferência da Apple, o vice-presidente de software da Apple, Craig Federighi, repetiu um mantra já dito pelo presidente Tim Cook: “Nós acreditamos que privacidade é um direito humano fundamental e nós colocamos isso em tudo que nós fazemos”, afirmou. 

A empresa mostrou um recurso para login seguro em aplicativos ou serviços, uma função dominada hoje por Google e Facebook. 

O anúncio veio já com uma aura de proteção: a Apple afirma que não compartilha informações com os aplicativos parceiros e até permite a criação de uma "máscara de e-mail" para manter até mesmo essa informação segura. 

Preocupação cresceu 

“Nós estamos começando a entender que nossos dados são uma moeda de troca e devem ser tratados como tal”, afirma Luiz Arruda, diretor da consultoria de tendências WGSN Mindset na América Latina. 

De acordo com um estudo da consultoria de dados Acxiom, os consumidores podem ser divididos em 3 perfis, que têm relações diferentes com a privacidade no mundo digital: 

  • Pragmáticos: aqueles que estão dispostos a trocar alguns dados, dependendo do serviço e analisando caso a caso; 

  • Fundamentalistas: aqueles que não estão dispostos a compartilhar informações nem por tecnologias boas; 

  • Despreocupados: aqueles que não ligam para a questão da privacidade de dados. 

Nos Estados Unidos, os pragmáticos são maioria, 58%; seguidos por fundamentalistas, 24%; e por despreocupados, 18%. 

Entre os americanos, 48% afirmam estar mais preocupados com como seus dados são usados do que no passado — número que sobe para 55% no Canadá e para 73% na Holanda. 

Uma pesquisa da Ericsson realizada no ano passado apontou as principais preocupações dos usuários de plataformas digitais no mundo: 

  • perfis falsos (54% das respostas) 

  • notícias falsas (51%) 

  • anúncios invasivos (48%) 

  • problemas relacionados à privacidade (41%) 

“O ponto mais importante agora é o controle de danos", diz André Gualda, que ajudou a conduzir o estudo. "As redes sociais foram bastante expostas e hoje têm marcas fragilizadas em relação à privacidade e à confiança dos usuários." 

Segundo Arruda, da WGSN Mindset, os resultados da pesquisa nos mercados mais desenvolvidos podem ser trazidos para o Brasil. Ele avalia que a privacidade também tem peso para os brasileiros. 

Quem vai se dar bem? 

Para Gualda, as empresas perceberam que a privacidade se tornou um diferencial competitivo. 

Nesse caso, o Google tem conseguido se sair melhor. Em seus anúncios recentes, o uso de inteligência artificial aparece como um dos investimentos ponta de lança para serviços de grande qualidade técnica — desde o assistente virtual de interação rápida até funções que permitem saber se o metrô está cheio, por exemplo. 

“Os dados são o que fazem os produtos e serviços mais úteis para você”, escreveu o presidente do Google no "NY Times". 

A própria Apple utiliza os mecanismos de busca do concorrente— apesar das divergências em visão de privacidade entre as duas empresas. Em entrevista recente, o presidente Tim Cook afirmou que essa parceria existe porque o serviço do Google é o melhor do mercado. 

E a preocupação com dados não vai ficar só nas empresas de tecnologia. “(Elas) lideram esse movimento porque são as mais pressionadas. O próximo passo é começar a ver essa preocupação indo para outros segmentos, outras categorias”, conclui Arruda, da WGSN Mindset. 


COMENTARIOS

Mais de Tecnologia

Novo Escândalo

Facebook empregou pessoas para transcrever áudios de usuários

Caso foi revelado pela Bloomberg e coloca o Facebook ao lado de Apple, Microsoft e Google, que já tinham admitido que também faziam transcrição de gravações.

13 de Agosto de 2019 as 20h49

Cartão De Crédito Virtual

Apple começa a emitir cartão de crédito para usuários selecionados

Iniciativa é parte da estratégia da empresa de focar em serviços. No segundo trimestre do ano, a empresa anunciou que tem 420 milhões de assinantes.

06 de Agosto de 2019 as 12h01

Mudança

Instagram deixa de mostrar número de curtidas das postagens

Mudança põe tema entre os mais discutidos na internet

17 de Julho de 2019 as 22h58

Liberdade De Expressão

ONU e organismos internacionais defendem liberdade de expressão online

Parlamentos e empresas de modo a assegurar esse exercício.

14 de Julho de 2019 as 23h51

Ranking

Qualidade de vida digital: conheça os países mais conectados do mundo

Conheça lugares que atraem pessoas do mundo todo com inovação, serviços online e um estilo de vida digital. Brasil está no final do ranking, em 50º lugar de 68 países.

14 de Julho de 2019 as 22h59

Tecnologia x Privacidade

Google admite que humanos escutam gravações do assistente de voz e defende prática

Empresa disse que 0,2% de áudios são ouvidos por especialistas em linguagem para ajudar a desenvolver tecnologia de reconhecimento de voz.

12 de Julho de 2019 as 19h31

Inovação

BRF digitaliza fábrica e passa a usar smartphones em controle de qualidade

O app utilizado pelos funcionários registra dados como diâmetro e temperatura das pizzas na linha de produção.

11 de Julho de 2019 as 07h27

Segurança

Instagram anuncia novos recursos para combater o bullying

Usuários poderão restringir mensagens maldosas sem que o autor sabia disso. Outra ferramenta dará um alerta a pessoa que escrever postagem ofensiva.

08 de Julho de 2019 as 21h25

Levantamento

Mais de 60% dos jovens usam celular para pagamentos, indica pesquisa

De acordo com o levantamento, 64% dos jovens realizam frequentemente ou ocasionalmente pagamentos por meio de aplicativos, enquanto 57% fazem essas operações em navegadores móveis.

06 de Julho de 2019 as 22h21

Instabilidade

WhatsApp tem instabilidade e não baixa áudio ou faz download de imagens

Mensageiro apresenta problemas para baixar áudios e imagens no aplicativo para Android e iPhone (iOS), além da versão web; Instagram e Facebook também estão com falhas

03 de Julho de 2019 as 11h50

Dados

Banda larga cresce 5,5% nos últimos 12 meses

Os dados foram divulgados hoje (24) pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), considerando as conexões registradas em maio.

24 de Junho de 2019 as 23h22

Invesigação

Congresso dos EUA vai investigar Facebook, Google, Microsoft e Apple

Objetivo é avaliar se empresas promoem práticas anticompetitivas

16 de Junho de 2019 as 16h17

Lançamento

Apple lança iOS 13, anuncia sistema operacional próprio para o iPad e acaba com iTunes

Para os celulares, atualização estará disponível a partir do iPhone 6S. Empresa também mostrou novidades para o relógio inteligente Watch, além de uma nova versão do computador Mac Pro.

03 de Junho de 2019 as 22h05

FX Suspensa

Fx Trading está suspensa no Brasil sob pena de multa, diz CVM

A autarquia, então, determinou que fosse imediatamente suspensa veiculação de qualquer oferta pública de investimentos

20 de Maio de 2019 as 14h37

Denúncia

Disque 100 e Ligue 180 recebem denúncias por aplicativo

Os canais de denúncia são gratuitos e funcionam 24 horas por dia, todos os dias da semana

13 de Maio de 2019 as 20h25

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Enquete

veja +

COTAÇÃO