Na Câmara dos EUA, Zuckerberg nega que Facebook venda dados e diz estar aberto a regulamentação

O CEO do Facebook afirmou respondeu perguntas de deputados sobre lida com a privacidade de seus usuários.

11/04/2018 - 23:10:56

   

Zuckerberg depõe nos EUA (Foto: Leah Millis/Reuters)

Mark Zuckerberg, presidente-executivo do Facebook, respondeu perguntas de deputados na Câmara dos Estados Unidos nesta quarta-feira (11), em um depoimento de quase cinco horas. No dia anterior, ele já tinha participado de uma audiência sobre o mesmo assunto no Senado que durou cerca de cinco horas.

Veja as principais afirmações de Zuckerberg na Câmara:

  • o Facebook está estudando entrar com processos judiciais contra a Cambridge Analytica e Alexander Kogan, o desenvolvedor que criou o teste usado para coletar informações de usuários da rede social;
  • ele disse que seus dados pessoais foram vendidos a Cambridge Analytica pela empresa de Kogan;
  • Ele negou que o Facebook venda dados dos usuários: “nós não vendemos dados, não é assim que os anúncios funcionam”;
  • Mostrou disposição para discutir regulamentação: "é inevitável que nós vamos precisar de regulação" para empresas de internet;
  • O Facebook tem 200 pessoas trabalhando em ações antiterrorismo;
  • Refutou acusações de falta de competitividade e disse que o americano usa em média oito apps para se comunicar.

 

O executivo foi questionado pelos deputados do Comitê de Energia e Comércio sobre como o Facebook reagiu ao "vazamento" de dados de 87 milhões de pessoas pela consultoria política Cambridge Analytica e como a empresa trabalha para proteger os dados de seus usuários.

Em seu discurso de abertura, o deputado Frank Pallone demonstrou que os questionamentos podem ser mais incisivos do que os feitos pelos senadores e adiantou que o esforço do Congresso norte-americano em ouvir o CEO do Facebook não pode ficar apenas no discurso.

“O Facebook se tornou uma plataforma para pressão de eleitores, com pouca ou nenhuma supervisão”, afirmou o deputado Frank Pallone. Ele acrescentou que, dada a extensão dos dados coletados por empresas como a rede social, é preciso criar uma regulamentação que amplie a proteção à privacidade de usuários.

“Se nós fizermos essa audiência e nada acontecer, então não teremos cumprido nada. Eu já vi isso muitas vezes: temos audiências e nada acontece”, afirmou Pallone. “Desculpe-me por ser tão pessimista, presidente.”

Uso de dados

O presidente da comissão, Greg Walden, questionou se, ao expandir sua atuação para áreas tão diversas como a transmissão de eventos esportivos e transferência de dinheiro, o Facebook havia se tornado uma companhia de mídia e de serviços financeiros.

“Eu nos considero uma empresa de tecnologia”, afirmou Zuckerberg, acrescentando que, “apesar de ter engenheiros focados no desenvolvimento de softwares, não somos uma empresa de software”.

Ele ainda foi questionado sobre como o negócio de publicidade da empresa funciona e se havia a comercialização das informações pessoais de seus usuários.

“Nós não vendemos dados, não é assim que os anúncios funcionam.”

Pallone pressionou Zuckerberg a se comprometer que o Facebook limitaria a coleta de dados ao mínimo necessário para a rede social funcionar. “Deputado, esse é um assunto muito complexo para ser respondido de forma simples”, disse o CEO.

Cambridge Analytica

Zuckerberg afirmou que o Facebook está estudando entrar com processos judiciais contra a Cambridge Analytica e Alexander Kogan, o desenvolvedor que criou o teste usado para coletar informações de usuários da rede social.

“Eu acredito que o dano à nossa democracia causado pelo Facebook e sua plataforma é incalculável”, afirmou deputada Anna Eshoo.

Uma das mais contundentes em suas críticas, ela fez duros questionamentos sobre a postura da empresa ao lidar com a exploração das informações de usuários pela Cambridge Analytica. Em resposta a uma das perguntas, Zuckerberg chegou a afirmar que ele também teve seus dados pessoais vendidos à Cambridge Analytica. Essa é a primeira vez que ele diz isso.

Regulamentação

Zuckerberg voltou a demonstrar que o Facebook está disposto a discutir uma regulamentação de empresas que lidam com grandes bases de dados.

"É inevitável que nós vamos precisar de regulação", disse Zuckerberg, sobre as empresas de internet e seu crescimento expressivo.

“Minha posição não é a de que não deve haver regulação, mas de que forma ela vai ser aplicada.”

Ele, no entanto, não respondeu se é favorável ou não à lei europeia de proteção de dados pessoais. "Eu preciso pensar sobre isso", disse.

Censura

Depois do senador Ted Cruz questionar Zuckerberg sobre se o Facebook censurava blogs ou sites conservadores, o deputado Joe Barton voltou ao assunto. O presidente da rede social afirmou que não há esse tipo de orientação, tanto que a Fox News é uma das páginas que mais consegue engajamento.

Competição

Zuckerberg afirmou que a atuação do Facebook não é um risco à competitividade no setor de tecnologia e um impeditivo ao surgimentos de novas empresas.

“O americano médio usa oito apps diferentes para se comunicar”, afirmou Zuckerberg.

A empresa é dona não só do Facebook, mas também de Messenger, Instagram e WhatsApp. Esses serviços, provavelmente, devem estar na lista dos apps mencioados pelo executivo.

China e Rússia

Zuckerberg disse que não percebeu tentativas da China ou da Rússia de roubar dados dos americanos.

Ele afirmou também que não armazena dados na Rússia, minimizando temores dos deputados.

Terrorismo

Zuckerberg revelou a informação de que dispõe de 200 pessoas trabalhando em ações antiterrorismo na empresa.

Ele afirmou, no entanto, que a empresa não pode garantir que não existirão "maus elementos" entre os desenvolvedores de apps da empresa.

Maior pressão

A ida de Zuckerberg ao Congresso dos EUA ocorre na esteira do escândalo da manipulação indevida de dados de 87 milhões de usuários pela Cambridge Analytica, consultoria política que trabalhou para Donald Trump durante a corrida eleitoral de 2016 e na campanha para a saída do Reino Unido do Brexit.

A forma como as informações foram obtidas pela empresa britânica colocou no centro da discussão o modelo de negócio do Facebook e de outras empresas de tecnologia, que coletam, processam e armazenam dados de seus usuários para segmentar a distribuição de anúncios.

A polêmica da Cambridge Analytica ocorre em um momento em que começou a intensificar a pressão para regulamentar a atuação de empresas de tecnologia que mantêm plataformas, em que pessoas depositam grande quantidade de conteúdo.

No fim de fevereiro, a Câmara dos Deputados dos EUA aprovou uma lei que mudou um dos grandes paradigmas legais em torno de companhias de internet: a responsabilização judicial delas em caso de ações ilícitas praticadas por usuários.

A nova legislação permite que sites e serviços conectados sejam levados à Justiça caso sejam usados para o tráfico sexual. Até então, as empresas não podiam ser processadas, mesmo que suas plataformas fossem uma porta aberta para escravidão sexual ou tráfico de seres humanos. Os responsáveis por promover esses conteúdos é que deveriam ser processados.

O escândalo do Facebook

Em 17 de março, os jornais "New York Times" e "Guardian" revelaram que os dados de mais de 50 milhões de usuários do Facebook foram usados sem o consentimento deles pela Cambridge Analytica. Dias depois, o próprio Facebook retificou a informação e passou a estimar em 87 milhões o número de pessoas atingidas.

A empresa britânica de análise política acessou o grande volume de dados pessoais após um teste psicológico, que circulou na rede social anos atrás, coletar informações. Os dados recolhidos não eram só os das pessoas que toparam fazer o teste. Havia também informações de milhões dos amigos delas.

Para ter a acesso ao gigante estoque de dados, o teste não precisou usar hackers ou explorar brechas de segurança. Apenas aproveitou que, na época, o Facebook dava a liberdade para seus usuários autorizarem o acesso aos dados de seus amigos. O passo seguinte, no entanto, estava fora do raio de atuação do Facebook: após a coleta dos dados, o desenvolvedor do teste os compartilhou com a Cambridge Analytica.

O escândalo deflagrou uma onda de ceticismo sobre como o Facebook protege os dados de indivíduos que estão presentes em seu site. A rede social passou a investigar o caso e já implementou algumas modificações, como:

  • criou um atalho para usuários alterarem de forma mais simples suas configurações de privacidade;
  • esmiuçou a política de dados e os termos de serviço, para incluir formas de coleta de informação até então ausentes, detalhar algumas práticas e ampliar essas regras para Instagram e Messenger;
  • endureceu as normas de veiculação de campanhas políticas, para passar a exigir a identidade dos anunciantes;
  • restringiu o uso de dados de usuários por aplicativos que não sejam usados por três meses pelas pessoas.

 

Desde então, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, reconheceu que a empresa cometeu erros e que não fez o suficiente para evitar que a rede social fosse usada para causar danos.

No Brasil, o Ministério Público do Distrito Federal abriu um inquérito para apurar se o Facebook compartilhou dados de usuários brasileiros com a Cambridge Analytica –segundo a rede social, os dados de 443 mil brasileiros podem ter sido comprometidos pela Cambridge Analytica.

MT Agora - G1

Mais Noticias

Escândalo Da Rede Social

''Não fizemos o suficiente'', dirá Zuckerberg a deputados dos EUA sobre escândalo de dados

Bloqueio de Celular

Pedidos de bloqueio de celular por roubo ou extravio já somam 9,5 milhões

Uso do Celular

Mais de 96% dos mato-grossenses têm acesso à internet pelo celular, diz IBGE

TV por Assinatura

Número de assinantes de TV por assinatura cai 5% em 2017

25/01/2018 -

WhatsApp Business começa a funcionar no Brasil

O aplicativo especial permite a criação de um perfil empresarial com informações sobre o negócio.

05/01/2018 -

Pela primeira vez, vício em games é considerado distúrbio mental pela OMS

Comportamento viciado em videogame, sem controle de frequência e intensidade, pode representar um problema de saúde mental.

15/12/2017 -

Cell Store é inaugurada com linhas da Apple e JBL em Lucas

Linha de Produtos da Apple e JBL estão sendo oferecidos em uma estrutura inovadora.

09/12/2017 -

MT tem mais de um celular por habitante; jornalista com 15 aparelhos cita hobby

São quatro milhões de aparelhos em todo o estado. O índice corresponde a 20% da média na região Centro-Oeste.

27/11/2017 -

Estão usando sua Netflix de graça? saiba o que fazer

Descubra em alguns passos simples se alguma pessoa esteja usando sua conta Netflix

20/11/2017 -

iPhone X começa a ser vendido em 8 de dezembro no Brasil

Aparelho é a edição comemorativa de 10 anos da linha de smartphones da Apple.

20/11/2017 -

Apple inicia venda de versão ''desconectada'' do relógio inteligente Watch Series 3 no Brasil

Principal novidade da terceira geração do aparelho é acessar a internet sem precisar de um iPhone; modelos 'limitados' custam a partir de R$ 2,6 mil.

16/11/2017 -

Moto Z ganha acessório da Polaroid que imprime fotos

Gadget pode colocar no papel imagens tiradas pela câmera do aparelho ou de Facebook, Instagram e Google Photos.

16/11/2017 -

Como homem que vivia com ajuda do governo fundou o WhatApp e virou multimilionário do Vale do Silício

Imigrante da Ucrânia, Jan Koum tinha uma renda familiar baixa e precisou de subsídios do governo americano para sobreviver; hoje, faz parte da direção do Facebook, que comprou sua empresa, e tem uma fortuna estimada em R$ 31,7 bilhões.

13/11/2017 -

China e Taiwan desenvolvem satélite para prever terremotos

Tremores geram anomalias eletromagnéticas antes de ocorrer e podem ser antecipados. Cooperação é considerada marco.

17/10/2017 -

WhatsApp vai ganhar compartilhamento de localização em tempo real

Usuários poderão enviar posição atual e determinar por quanto tempo sua movimentação poderá ser vista. Novidade chega para aparelhos Android e iOS nas próximas semanas.

15/10/2017 -

EUA rejeitam proposta de taxar gigantes da tecnologia

Ministro francês defendeu esta semana a proposta de seu governo de cobrar tributos sobre o volume de vendas das empresas e não por seus lucros.

06/10/2017 -

Russos usaram antivírus da Kaspersky para roubar arquivos da NSA, diz jornal

''Wall Street Journal'' diz que material secreto da agência dos EUA foi roubado usando programa antivírus desenvolvido por agência russa.

05/10/2017 -

Galaxy Note 8 vai custar R$ 4,4 mil no Brasil

Modelo chega em 21 de outubro ao país. Volta da linha Galaxy Note ocorre após o último modelo ter sido retirado do mercado por causa de baterias que podiam pegar fogo.

05/10/2017 -

Google anuncia Home Mini e Max, novas versões de dispositivo inteligente controlado por voz

Mini é modelo compacto, enquanto Max aposta na qualidade de som. Produtos serão lançados a partir de outubro em apenas sete países. Brasil está fora.

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Tempo Agora