Variedades

Nutricionista luverdense revela mitos e verdades sobre amamentação

É normal sentir dor na amamentação? Se o mamilo for pequeno, o bebê terá dificuldade para mamar? Mãe que amamenta precisa seguir dieta? Tire suas dúvidas!

Agosto Dourado | 10 de Agosto de 2018 as 16h 14min
Fonte: Kimberly Schäfer | Portal da Cidade

O mês de agosto foi instituído como o 'Mês do Aleitamento Materno' ou 'Agosto Dourado' por meio da sanção da Lei nº 13.435, de 12 de abril de 2017. 

A Lei foi sancionada com o intuito de intensificar ações de conscientização e esclarecimento acerca da relevância do aleitamento materno, além de mobilizar a sociedade em prol da amamentação no país.

O leito materno é um alimento completo, que supre as necessidades do bebê e contribui para o seu desenvolvimento. Além disso, ele fortalece o sistema imunológico da criança. 

Antes dos seis meses, ele é o responsável por fornecer todos os nutrientes ao recém-nascido, eliminando a necessidade de complementar a alimentação com chás, leites artificiais ou mesmo água.

Em alusão ao 'Agosto Dourado', o Portal da Cidade conversou com a nutricionista Elisangela Almeida do Nascimento, de Lucas do Rio Verde, sobre os mitos e verdades do aleitamento materno. A profissional esclareceu dúvidas que muitas vezes preocupam mamães acerca da amamentação.

Vamos esclarecer:

A amamentação tem benefícios por toda a vida do bebê
Verdade! A amamentação pode trazer benefícios por toda a vida do indivíduo... prevenir doenças, pois os primeiros anticorpos são passados através da mãe, protege contra alergias, anemia e infecções respiratórias, fortalece o emocional da criança, a segurança psicológica. Elenca menor risco de desenvolvimento de obesidade e outras doenças relacionadas ao aumento de peso, por toda a vida.

A amamentação pode fazer mal a mãe
Mito! A amamentação traz benefícios, tais como segurança e criação de vínculo com o bebê, através do hormônio ocitocina, auxiliando na redução do número de mulheres com depressão pós-parto. Auxilia no emagrecimento após o parto, já que a amamentação demanda muita energia durante a produção de leite.

É norma sentir dor na hora da amamentação
Mito! Muitas vezes a pega (que é a forma com que o bebê posiciona os lábios e a boca para sugar o leite) está incorreta, e isso pode fazer com que ele não sugue corretamente, machucando assim o mamilo e gerando dor. Ou se o leite não sair todo e acumular no seio também pode causar dor. Para uma melhor orientação da pega correta, a mãe pode solicitar a ajuda do médico, enfermeira, fonoaudiólogo, nutricionista ou até mesmo de uma Unidade de Saúde.

A produção de leite pode causar dor para a mulher
Mito! A produção de leite não causa dor, o que pode gerar desconforto ao amamentar, seria o não preparo da mama durante a gestação, que se faz tomando sol da manhã direto nos seios por um pequeno período de tempo todos os dias, e muitas vezes a pega incorreta do bebê durante o ato de sugar o leite, o que gera um esvaziamento insuficiente deixando o seio muito cheio.

O leite nos primeiro dias após o parto é mais fraco
Mito! O colostro é uma secreção de baixo volume de cor amarelada, e tem uma função muito importante, ali estão presentes vários fatores importantes para o desenvolvimento do bebê. Com o passar do tempo, o leite vai mudando de cor e 'madurando', se transformando em leite de cor mais branca, o colostro vem em pequenos volumes de acordo com a capacidade gástrica do recém-nascido.

É importante que o bebê seja amamentado nas primeiras horas de vida
Verdade! O quanto antes a mãe possa amamentar o bebê, é ideal. Nem todas conseguem amamentar logo no primeiro instante, mas, assim que possível é importante começar a estimular o bebê a alimentar-se do leite materno.

Existem várias posições para amamentar
Verdade! Existem várias posições e a mãe pode ir aprendendo já durante a gestação. Sendo confortável para a mãe e para o bebê, e a pega esteja correta, existem várias possibilidades.

Se o mamilo for pequeno, o bebê terá dificuldade para mamar
Mito! O tamanho do mamilo não interfere na qualidade do leite, o que importa é o bebê estar bem posicionado para conseguir sugar bem. Existem mulheres que tem o bico invertido, nesse caso há sim uma pequena dificuldade, mas existem técnicas, como tentar puxar o bico com uma seringa vazia e estimular a amamentação normalmente.

Estresse e cansaço podem prejudicar a amamentação
Verdade! O estresse pode fazer com que haja a inibição da ação da prolactina (produção do leite) e ocitocina (descida do leite), levando a mãe e o bebê a um nível cada vez maior de estresse. Quando o bebê começa a chorar porque não consegue mamar, e vai tornando-se um ciclo vicioso, muitas vezes até mesmo com o tempo o leite pode ir secando.

Se o leite for fraco, o bebê não ganha peso
Mito! Não existe leite fraco, é muito importante orientar bem para as mães a forma correta da pega e além disso, orientar sobre o esvaziamento mamário. O primeiro leite que sai a cada mamada é para matar a sede, um leite mais fino (não menos nutritivo) e o leite do final da mamada é um leite mais rico em gordura, responsável por deixar o bebê mais tempo alimentado e favorecendo o ganho de peso. É importante secar bem um seio para depois iniciar o outro.

Mulheres que amamentam precisam seguir uma dieta restrita
Mito! É importante alimentar-se bem, com os alimentos mais saudáveis possíveis, evitar alimentos industrializados principalmente, ter uma alimentação rica em legumes, verduras, carnes, ovos, frutas, gorduras saudáveis, castanhas e fibras. Se o bebê estiver apresentando algum sintoma referente a amamentação, pode ser feito alguns testes de exclusão alimentares, geralmente são alimentos produtores de gases/fermentativos como excesso de açúcares e carboidratos no geral, como leite e pães, e também alimentos com acidez elevada, tais como as frutas cítricas.

Qualquer mulher pode doar leite
Mito! A grande maioria das mulheres pode doar leite excedente ao que seu bebê precisa, porém as que têm doenças infectocontagiosas, HIV, sífilis, hepatites B e C, não podem realizar a doação de leite materno.

Não existe idade limite para amamentar o bebê
Verdade! Existe idade limite para a amamentação, porém a partir dos 6 meses, somente o leite não é suficiente para a completa nutrição do bebê, sendo necessário inserir novos alimentos e o leite materno entra como complemento até os 2 anos ou mais.

As fórmulas industrializadas são tão nutritivas quanto o leite materno
Mito! O leite materno é o alimento mais completo e saudável para o bebê. O leite industrializado tenta sim se assemelhar, mas não é rico em fatores biológicos bioativos (proteínas que estimulam o sistema imunológico, antimicrobianos e anticorpos), que são fatores impossíveis de reproduzir artificialmente.

Se o bebê não engorda, é melhor usar fórmulas industrializaras
Mito! Inicialmente é necessário que seja feita uma avaliação tanto na mãe, quanto no bebê, desde a pega correta, tempo de amamentação, se a alimentação da mãe está adequada nutricionalmente, se for necessário, realizar exames, e aí, se não houver outra alternativa, entrar com fórmula industrializada por falta de alternativas.

Chupeta e mamadeira atrapalham a amamentação
Verdade! Muitas vezes pela facilidade dos bicos, principalmente da mamadeira com a rápida saída do leite, o bebê vai abandonando o seio materno e prefere a alimentação feita por mamadeira. Se for necessário fazer a ordenha do leite materno para oferecer ao bebê ou até mesmo através de fórmulas (algumas mães usam os dois tipos de leite) a recomendação é que seja feita em copinhos e não através de bicos, para que não haja interferência na amamentação.

COMENTARIOS

Disk Bem

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

TEMPO AGORA

Hoje, Sexta Feira

Lucas do Rio Verde, MT

Tempestades

31º

COTAÇÃO