Saúde

Entenda o déficit de atenção, como o relatado por Marilia Mendonça

A cantora Marília Mendonça contou para os fãs que tem TDAH (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade)

Fonte:R7 - Carla Canteras, do R7
11 de Junho de 2021 as 11h 13min


A cantora Marília Mendonça contou para os fãs que tem TDAH (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade) e, por isso, não é boa com números. Ela, inclusive elogiou as pessoas que têm o dom de trabalhar com dados e matemática.

“Vocês que trabalham com números… eu pago um pauuuuuuu pra vocês… Sem condições nenhuma… Para quem tem déficit de atenção como eu, piora tudo… os números começam a embaralhar e parece que estão dançando na minha frente”, escreveu no Twitter.

Mas o que é o TDAH? É um transtorno neurobiológico, que normalmente aparece na idade escolar e acompanha o indivíduo por toda a vida. As características mais comuns são desatenção, inquietude e impulsividade.

O psiquiatra Wimer Bottura Junior, presidente da Associação Brasileira de Medicina Psicossomática e professor FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), explica que existem três tipos definidos de pacientes com o transtorno.

“Tem a pessoa que é agitada, não consegue ficar sentada, não fica bem em sala de aula, interrompe a fala dos outros, aquelas que não param. Tem o tipo da pessoa que distraí com facilidade, pergunta o que alguém acabou de falar, porque ela não consegue prestar atenção, viaja no mundo da lua. E tem o tipo impulsivo: a pessoa faz e depois pensa no que fez”, conta Bottura.

O diagnóstico é feito por meio de exames neuropsicológicos, que analisam mais a fundo a vida da pessoa para verificar quantas características ela tem de hiperatividade e, assim, confirmar a doença. Normalmente são feitos por neuropsicólogos, mas é comum a necessidade do envolvimento de outros profissionais, como fonoaudiólogos e psicopedagogos.

O psiquiatra alerta que o diagnóstico deve ser feito e comprovado, porque muitas pessoas confundem o TDAH com outros problemas. “Se a pessoa entra na internet ou lê livros sobre o transtorno todo mundo vai achar que tem o problema, sendo que a maioria das pessoas não tem hiperatividade. O TDAH pode se confundir com outras doenças, inclusive com a absoluta normalidade. Se a pessoa convive num ambiente com muita cobrança ou não há escuta, ela tem de ser hiperativa para sobreviver nesse ambiente”, exemplifica ele.

O tratamento é feito com medicamentos à base da substância metilfenidato, mas só podem ser usados caso tenha o diagnóstico confirmado da doença. Ele alerta sobre o uso sem ter a doença.
“Existe gente que não tem o problema e quer usar. Muita gente vai aos consultórios e descreve sintomas da doença, mas elas só querem usar o medicamento para conseguir se concentrar mais ou aumentar o rendimento. Mas o remédio não vai funcionar se quimicamente ele não tiver a doença. Será um placebo [remédio sem efeito]”, ressalta.

Muitas vezes o transtorno está associado a comorbidades, sendo as mais comuns transtorno de oposição à autoridade, dislexia, às vezes depressões e bipolaridades em crianças, transtorno de conduta. Nesses casos, é indicado medicamento e apoio de psicoterapia., segundo o médico.

“A solução não é só remédio. A psicoterapia é fundamental e, eventualmente, tomar antidepressivo, porque quando se passa a ter várias adversidades na vida e fica contrariado, frustrado, pode deprimir. As pessoas procuram o médico como uma depressão, mas, na verdade, é TDAH”, diz o especialista.

O TDAH normalmente é diagnosticado na infância, mas, como é uma doença relativamente nova, muitos pacientes chegam à idade adulta sem um tratamento adequado. Vale ressaltar que em qualquer idade a doença tem tratamento.

“O tratamento é possível em qualquer idade. A pessoa vai melhorar a partir do tratamento, mas, muitas vezes, o paciente vive as consequências das perdas que teve ao longo de sua história. Melhora daqui para frente, mas os bumerangues que ela jogou lá atrás estão voltando. É difícil recuperar, mas é possível”, afirma o professor da USP.

A dificuldade relatada por Marília Mendonça e que recebeu o apoio de muitos seguidores, pode ser explicada com um transtorno chamado discalculia. “A pessoa tem dificuldades com matemática, mas é genial em outras áreas. O TDAH pode agravar essa dificuldade com números”, alerta Bottura.

As consequências do TDAH em adultos são dificuldade em manter o emprego e relacionamentos e levar resultados de vida muito inferior à capacidade da pessoa. Já na infância, gera abondono escolar, dificuldade de aprendizado, e, eventualmente, comportamento inadequado.

Se tem cura em todas as idades, o diagnóstico e o tratamento são fundamentais.

 


Siga MT Agora no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para entrar em nosso grupo do WhatsApp clicando AQUI e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros

COMENTARIOS

Mais de Ciência e Saúde

Saúde

Farmacêutica recruta pacientes com covid para teste de antiviral 

Centros de pesquisa buscam voluntários com forma leve da doença acima de 18 anos para estudo do remédio molnupiravir, da MSD 

16 de Junho de 2021 as 10h00

Saúde

Prefeitura de São Paulo vacina hoje pessoas com 56 e 54 anos de idade

Amanhã é a vez das pessoas de 54 e 55 anos de idade

16 de Junho de 2021 as 09h45

Saúde

Covid-19: Rio vacina profissionais do ensino superior e técnico

É exigida declaração do local de trabalho

16 de Junho de 2021 as 06h45

Saúde

Câmara aprova incentivo fiscal a quem doar a pesquisas contra covid-19

A Medida Provisória segue para o Senado

15 de Junho de 2021 as 21h15

Saúde

Covid-19: mortes somam 490.696 e casos chegam a 17.533.221

Total de recuperados é de 15.944.646

15 de Junho de 2021 as 19h30

Saúde

Covid-19: nova variante brasileira já circulava desde janeiro em SP

A nova cepa corresponde a 20% das amostras analisadas desde o mês de janeiro no Estado

15 de Junho de 2021 as 17h45

Saúde

Terça-feira (15): Mato Grosso registra 431.920 casos e 11.509 óbitos por Covid-19

Há 488 internações em UTIs públicas e 368 em enfermarias públicas; taxa de ocupação está em 91% para UTIs e 42% em enfermaria

15 de Junho de 2021 as 17h30

Saúde

Em Mato Grosso, 27 municípios estão com risco muito alto de contaminação pela Covid-19

Outras 114 cidades estão classificadas na categoria alta para a contaminação

15 de Junho de 2021 as 17h30

Saúde

SP escalona datas para evitar aglomerações durante vacinação

Prefeitura lançou aplicativo De Olho na Fila

15 de Junho de 2021 as 12h15

Saúde

Veja as reações mais comuns da CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer

Especialista explica que mal estar e febre são comuns após a aplicação, mas fazem parte da resposta esperada do organismo

15 de Junho de 2021 as 01h15

Saúde

Covid-19: 82% dos indígenas receberam 1ª dose, diz Ministério da Saúde

Segunda dose foi aplicada em 71% dos indígenas

14 de Junho de 2021 as 19h30

Saúde

Covid-19: Brasil registra 17,4 milhões de casos e 488,2 mil mortes

Recuperados são 90,8% do total dos infectados pelo vírus

14 de Junho de 2021 as 18h45

Saúde

Covid: para especialistas, evento teste no Rio de Janeiro é arriscado

Para imunologista, pós-festa vai demandar fiscalização intensa e evento deve ter distanciamento social e uso de máscara

14 de Junho de 2021 as 18h15

Saúde

Segunda-feira (14): Mato Grosso registra 429.557 casos e 11.466 óbitos por Covid-19

Há 487 internações em UTIs públicas e 365 em enfermarias públicas; taxa de ocupação está em 92% para UTIs e 41% em enfermaria

14 de Junho de 2021 as 17h45

Saúde

Covid-19: Anvisa amplia prazo de validade da vacina da Janssen

Prazo foi ampliado para quatro meses e meio

14 de Junho de 2021 as 17h30

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

ENQUETE

veja +

COTAÇÃO