Saúde

Estratégias para vacinar adolescentes devem envolver ambiente escolar

Segundo pediatra, imunizar jovens é um desafio em todo o mundo

Fonte:EBC
10 de Setembro de 2021 as 12h 30min

© Rovena Rosa/Agência Brasil

Conscientizar professores, pedir a carteira de vacinação na matrícula escolar e até levar os vacinadores às escolas são iniciativas que podem ajudar a reverter o cenário de baixas coberturas vacinais na adolescência. Pediatra do Programa Nacional de Imunizações, Ana Goretti Kalume Maranhão participou hoje (10) da Jornada Nacional de Imunizações e defendeu que melhorar a articulação entre saúde e educação é um dos caminhos para elevar a proteção dos adolescentes.

"Vacinar adolescentes é um desafio em todo o mundo. Apesar de o adolescente se achar invencível e não buscar unidades de saúde, ele continua vulnerável a doenças imunopreveníveis", contextualiza a pediatra. "É nessa faixa etária em que começam as viagens, as festas em ambientes fechados, a experimentação tanto sexual, quanto drogas e álcool. É a faixa etária que mais tem acesso às redes sociais e mais se influencia, e é também a faixa etária mais atingida pelas fake news".

Todos esses desafios só aumentaram com a pandemia de covid-19, que causou o fechamento das escolas e afastou a população das unidades de saúde. Correr atrás desse prejuízo, defende Ana Goretti, passa por um maior envolvimento da escola na vacinação. "A experiência com outros países tem demonstrado que onde você tem as maiores coberturas vacinais é onde a gente tem a vacinação dentro do ambiente escolar", diz ela, que reconhece as dificuldades de realizar isso em um momento de esforços concentrados na vacinação contra a covid-19. "Se o adolescente não vai à unidade de saúde, a unidade de saúde precisa fazer uma estratégia para ir ao adolescente".

A pediatra acredita que materiais de divulgação direcionados aos professores são uma forma de levar o tema da prevenção para a sala de aula. "Um professor sensibilizado tem contato com as famílias e é ele que tem contato com os adolescentes. Não é que o professor vá abrir a caderneta de vacinação, até porque hoje ela é tão complexa que até o profissional de saúde fica um pouco confuso ao analisá-la. Mas que isso esteja na pauta dos nossos professores".

Outra forma de incentivar a imunização é incluir a apresentação da caderneta de vacinação no ato da matrícula escolar. Ana Goretti explica que essa medida não significa impedir a matrícula de quem não está vacinado, mas, sim, criar uma oportunidade de conscientização diante da apresentação do documento. Dados mostrados por ela indicam que onde essa medida já está em vigor, como Paraná, Pernambuco e Espírito Santo, a cobertura da vacina para o HPV é maior que em outras unidades da federação que não adotaram a medida.

Considerada por Ana Goretti o maior alvo das fake news, a vacina contra o HPV está longe de atingir as metas do Programa Nacional de Imunizações (PNI) e da Organização Mundial da Saúde (OMS). Entre os adolescentes de 11 a 14 anos, 66% das meninas e 36% dos meninos concluíram o esquema de duas doses, quando as metas são de 90%, no caso da OMS, e de 80%, no caso do Brasil.

Desde 2017, a vacina é recomendada para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos. O Brasil é um dos 112 países que aplicam essa vacina e distribuiu mais de 50 milhões das 400 milhões de doses contra o HPV disponibilizadas no mundo. Mesmo assim, menos da metade do público alvo de meninas foi vacinada com duas doses no Acre (33,6%), no Amapá (46,2%), na Bahia (47,9%), no Maranhão (49,7%), Pará (43,9%), Rio de Janeiro (44,6%) e em Rondônia (43,1%). No caso dos meninos, a situação é bem mais grave, sendo o Paraná o único estado que aplicou as duas doses em mais da metade do público alvo, com 57,7%.  

Pesquisadores que participaram da Jornada Nacional de Imunizações explicam que quanto mais cedo a vacina é aplicada, maior é a proteção desenvolvida pela criança ao longo da vida. No caso das meninas, eles desmentem uma fake news frequente: não é preciso esperar a primeira menstruação para receber a vacina.  A proteção conferida pela vacina contra o HPV é importante em um cenário de alta circulação do vírus, que tem uma prevalência de cerca de 53% entre a população de 16 a 25 no Brasil.

Prevenir-se contra esse vírus é importante porque, além das verrugas genitais, ele está ligado a diversos tipos de câncer. Em todo o mundo, o vírus do HPV está relacionado a 569 mil casos de câncer cervical, 61 mil casos de câncer vulgar vaginal, 92 mil casos de câncer orofaríngeo, 48 mil casos de câncer anal e 34 mil casos de câncer de pênis. A vacina é uma ferramenta cientificamente comprovada contra essas complicações. Uma pesquisa realizada durante 12 anos na Suécia, com 1,6 milhão de mulheres, mostrou que as vacinadas antes dos 17 anos tiveram risco 88% menor de desenvolver câncer de colo de útero.


Siga MT Agora no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para entrar em nosso grupo do WhatsApp clicando AQUI e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros

COMENTARIOS

Mais de Ciência e Saúde

Saúde

Butantan mostra a dinâmica de introdução do novo coronavírus no Brasil

Estudo foi feito com sequenciamento de genomas do vírus de todo o país

21 de Outubro de 2021 as 20h30

Saúde

Covid-19: 20 milhões estão com a segunda dose da vacina atrasada

Sem atraso, Brasil teria 80% do público-alvo totalmente vacinado

21 de Outubro de 2021 as 20h15

Saúde

Covid-19: Brasil registra 451 mortes e 16.853 diagnósticos em 24 horas

Desde o início da pandemia, 604.679 pessoas morreram da doença

21 de Outubro de 2021 as 19h45

Saúde

Capital paulista passa a utilizar CoronaVac apenas para segunda dose

Prefeitura recebeu 50 mil doses ontem

21 de Outubro de 2021 as 16h00

Saúde

Rio pode liberar máscaras em locais abertos na próxima semana

Medida será tomada quando 65% dos cariocas estiverem vacinados

21 de Outubro de 2021 as 14h15

Saúde

Estudo do Butantan em Serrana mostra 99% de efetividade da CoronaVac

Pesquisa aponta alta soroconversão na população da cidade paulista

21 de Outubro de 2021 as 14h00

Saúde

Transmissão do novo coronavírus continua em queda, diz Fiocruz

Houve reduções diárias no número de casos (4,8%) e de óbitos (3,6%)

21 de Outubro de 2021 as 11h15

Saúde

Justiça: Duque de Caxias volta a cumprir medidas contra covid-19

Houve reduções diárias no número de casos (4,8%) e de óbitos (3,6%)

21 de Outubro de 2021 as 11h15

Saúde

Lote com mais de 1 milhão de vacinas contra covid-19 chega ao Brasil

Imunizantes vieram da Holanda

21 de Outubro de 2021 as 09h45

Saúde

Rio retoma aplicação de dose de reforço da vacina contra a covid-19

Calendário por idade estava suspenso por falta de doses da Pfizer

21 de Outubro de 2021 as 08h15

Saúde

Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas

Desde o início da pandemia, foram registrados 21.680.488 casos

20 de Outubro de 2021 as 20h00

Saúde

Rio anuncia retomada da dose de reforço a partir desta quinta-feira

Desde sexta-feira, a aplicação estava suspensa

20 de Outubro de 2021 as 18h30

Saúde

Covid-19: Guarulhos tem 120 mil pessoas com 2ª dose da vacina atrasada

Mais de 112 mil vacinas vencem entre 22 de outubro e 13 de novembro

20 de Outubro de 2021 as 18h30

Saúde

Capital paulista adota intervalo de 21 dias para doses da Pfizer

O intervalo para a AstraZeneca continua sendo de 12 semanas

20 de Outubro de 2021 as 10h15

Saúde

Inscrições para o Exame Nacional de Residência começam hoje

Candidatos poderão se inscrever até o dia 8 de novembro

20 de Outubro de 2021 as 08h45

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

ENQUETE

veja +

COTAÇÃO