Saúde

Senado quer mais acesso a diagnóstico e tratamento do câncer de mama

No ano passado, a doença vitimou 685 mil mulheres em todo o mundo

Fonte:EBC
26 de Outubro de 2021 as 17h 45min

© Pedro França/Agência Senado

Com o objetivo de pedir apoio para as políticas públicas que facilitem o acesso ao diagnóstico e tratamento do câncer de mama, o Senado realizou hoje (26) sessão solene sobre o tema. A ação fez parte do encerramento da campanha Outubro Rosa, que visa compartilhar informações e promover a conscientização sobre a doença que, em 2020, vitimou 685 mil mulheres em todo o mundo.
 
Durante a sessão, o senador Marcelo Castro (MDB-PI) citou dados de um levantamento feito no ano passado pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (Iarc, em inglês), segundo o qual o câncer de mama tornou-se o tipo de câncer mais diagnosticado em todo o mundo. Conforme a pesquisa, os novos casos deste tipo de câncer ultrapassaram, pela primeira vez, os de pulmão, que são a causa mais comum de morte por câncer. Apenas em 2020, foram 2,3 milhões de novos casos da doença em todo o mundo.

“No Brasil, a estimativa aponta para incidência de 66 mil casos novos de câncer de mama em 2020, número que corresponde a um risco estimado de, aproximadamente, 62 casos novos a cada 100 mil mulheres. Com cerca de 18 mil óbitos anuais, essa neoplasia também é, entre nós, a causa mais frequente de morte por câncer entre as mulheres, independentemente da condição socioeconômica, superando inclusive, o câncer de pulmão que mais mata os homens”, disse Castro.

O senador Wellington Fagundes (PL-MT) defendeu a necessidade ampliar os esforços para que as mulheres tenham acesso fácil ao diagnóstico precoce da doença. De acordo com Fagundes, é preciso liberar o acesso aos exames de mamografia para detecção precoce do câncer de mama para mulheres de 40 a 49 anos no Sistema Único de Saúde (SUS). Atualmente, a política do Ministério da Saúde para o tema diz que o acesso no SUS deve ser feito para mulheres de 50 a 59 anos. O senador defende, porém, a votação, pela Câmara dos Deputados, de um projeto de decreto legislativo para derrubar a portaria com a limitação.

“A proposta foi apresentada pelo senador Lasier Martins [Podemos-RS] e acolhida, posteriormente, em plenário, por todos nós, senadores e senadoras. Infelizmente, essa decisão ainda depende da Câmara dos Deputados. Até lá, somente mulheres de 50 a 59 anos de idade podem fazer o rastreamento mamográfico na rede pública”, afirmou Fagundes.

Para a mastologista do Hospital de Base de Brasília Carolina de Miranda Henriques Fuschino, quanto mais fácil o acesso à mamografia, à realização de biópsia e ao início do tratamento com quimioterapia e radioterapia,ao procedimento cirúrgico, mais chance a paciente tem de recuperação. “Há muita vida após o diagnóstico, e não precisamos ter medo do câncer de mama. Nós precisamos enfrentá-lo. Precisamos tratá-lo logo que descoberto. Educar, apoiar e cuidar”, disse a médica.

A medida também é apoiada pela Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), que defende, juntamente com o Colégio Brasileiro de Radiologia e a Federação Brasileira dos Especialistas, o acesso à mamografia para mulheres na faixa de 40 a 50 anos, porque, segundo o presidente do Departamento de Políticas Públicas da entidade, João Bosco Ramos Borges, porque o Brasil é um dos poucos países que têm grande incidência de câncer em mulheres jovens. Borges disse que a limitação vigente no SUS traz desigualdade no acesso ao tratamento, uma vez que a mamografia já é liberada na rede privada a partir dos 40 anos.

“Todos nós que atendemos pacientes que têm convênio e fazem rastreamento a partir dos 40, temos resultados excelentes com essas mulheres. No entanto, [o atendimento] é privado, há falta de equidade com relação ao SUS, que rastreia a partir de 50 anos. Entendo as dificuldades econômicas, mas não deve ser isso”, acrescentou Borges.

O médico disse ainda que apenas cerca de 50% dos tumores no Brasil hoje são descobertos pelas mulheres em autodiagnósticos ou quando palpados por médicos e que é preciso educar as mulheres para que não tenham medo de realizar o procedimento da mamografia. “Isso é um desastre. Por quê? Porque o tumor que aparece na mamografia e não aparece clinicamente tem próximo de 90% de cura e o tumor que é palpado cai isso em aproximadamente 20% a 30%. Então, temos que fazer diagnóstico precoce, temos que fazer mamografia, temos que ampliar o acesso ao SUS das mulheres abaixo de 50 anos. Temos que melhorar o programa de agentes de saúde em um país em que as mulheres têm educação em saúde baixa, temos que fazer equidade com relação ao tratamento”, defendeu.

Outra medida defendida por especialistas é a derrubada de um veto do presidente Jair Bolsonaro a um projeto que propõe o acesso rápido a medicamentos orais contra a doença. O ponto vetado amplia a cobertura de atendimento dos planos de saúde a esses medicamentos. De acordo com a senadora Leila Barros (Cidadania-DF), a derrubada do veto vai significar um avanço no tratamento do câncer, entre eles o de mama.

“Cabe a nós, congressistas, derrubar o veto e assegurar às brasileiras e aos brasileiros esse direito fundamental, quando se depara com o desafio de enfrentar um câncer. Seria, portanto, mais uma conquista do Outubro Rosa”, afirmou a senadora.


Siga MT Agora no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para entrar em nosso grupo do WhatsApp clicando AQUI e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros

COMENTARIOS

Mais de Ciência e Saúde

Saúde

Covid-19: país tem 22,1 milhões de casos e 615,5 mil mortes

Total de pessoas recuperadas da doença chega a 21,3 milhões

04 de Dezembro de 2021 as 19h15

Saúde

Ministério oferece mais de 21,5 mil vagas para Médicos pelo Brasil

Objetivo é levar profissionais a atuar em áreas remotas e indígenas

04 de Dezembro de 2021 as 16h45

Saúde

Brasileiros devem redobrar cuidados no verão contra câncer de pele

Alerta é feito durante a campanha Dezembro Laranja

04 de Dezembro de 2021 as 14h15

Saúde

Covid-19: Brasil registra 22 milhões de casos e 615,4 mil óbitos

Em 24 horas, foram registrados 10.627 novos casos e 221 mortes

03 de Dezembro de 2021 as 19h00

Saúde

Governo publica edital para construção do Hospital Regional de Juína

Licitação ocorrerá na modalidade concorrência, ou seja, ganha aquela que apresentar o menor preço

03 de Dezembro de 2021 as 17h15

Saúde

Covid-19: Anvisa inclui eventos adversos graves em bula de medicamento

Problemas foram detectados no tratamento de pacientes com artrite

03 de Dezembro de 2021 as 16h15

Saúde

Rio libera comprovante de vacinação em shoppings e táxis

Decreto municipal foi publicado hoje

03 de Dezembro de 2021 as 08h15

Saúde

Covid-19: Brasil registra 215 óbitos e 12,9 mil novos casos

Governo já distribuiu mais de 372 milhões de doses de vacinas

02 de Dezembro de 2021 as 20h15

Saúde

Covid-19: 90% dos adultos brasileiros já tomaram a 1ª dose da vacina

Ao todo, 159,3 milhões iniciaram o ciclo vacinal contra a doença

02 de Dezembro de 2021 as 11h30

Saúde

Capital paulista cancela a festa de réveillon

Anúncio foi feito pelo prefeito Ricardo Nunes

02 de Dezembro de 2021 as 11h30

Saúde

São Paulo registra queda em casos de HIV pelo quarto ano seguido

Em 2020, novas notificações diminuiram 16,4% em relação a 2019

02 de Dezembro de 2021 as 10h30

Saúde

Brasil tem 11,4 mil novos casos de covid-19 e 283 mortes em 24 horas

Total de pessoas infectadas pela doença sobe para 22,10 milhões

02 de Dezembro de 2021 as 08h30

Saúde

Anvisa defende transparência e cooperação entre autoridades reguladora

Diretor-presidente disse que notícias falsas matam tanto quanto vírus

01 de Dezembro de 2021 as 18h45

Saúde

Anvisa aprova mais um produto medicinal à base de Cannabis

Produto é fabricado na Colômbia

01 de Dezembro de 2021 as 17h45

Saúde

Ômicron: Anvisa pede dados sobre vacinas já autorizadas no país

Agência alerta que momento é de cautela para a população

01 de Dezembro de 2021 as 17h00

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

ENQUETE

veja +

COTAÇÃO